Operação Outubro Vermelho – Preparativos

Fundamental antes de qualquer viagem é a preparação. No caso de um destino como a Rússia, essa preparação adquire mais relevância, sobretudo porque, no meu caso, chegaria alguns dias antes e partiria depois que a excursão acabasse – ou seja, estaria entregue a minha própria sorte…

A preparação envolve conhecer um pouco sobre o destino, tanto no que concerne ao país que será visitado, como às cidades e, ainda, ao povo e à cultura local. Nesse sentido, começo usualmente por mapas (da Rússia, de São Petersburgo e de Moscou). Gosto de mapas e atlas e ali identifico onde ficarei e assinalo para onde quero ir, tendo feito uma pesquisa prévia sobre os lugares, horário de funcionamento, custo da entrada e, sempre bom lembrar, distâncias entre eles e meios de deslocamento. (Claro que você pode deixar isso tudo para sua agência de viagens, mas confesso que gosto muito de fazer isso por minha conta – é bem mais divertido, e você já começa a aprender com a viagem antes mesmo de sair de casa!)

A Rússia é o maior país do mundo em extensão territorial (são 17 milhões de km2, ocupando dois continentes), com uma população de 142 milhões de seres humanos de diferentes etnias (além dos russos, que constituem 81% da população, há ainda cerca de 160 grupos étnicos), que falam aproximadamente 100 línguas de distintos ramos (do abaza, com seu alfabeto de 71 letras – das quais apenas 6 vogais -, ao idioma falado pelo povo esquimó de Tchukotka – com singelas 63 formas verbais). Felizmente (?), o russo é a língua franca (dedicarei um post aqui à “barreira do idioma”).

IMG_20171113_211806_116jpg.0A terra dos russos tem uma história interessantíssima, desde os primeiros eslavos que ali se estabeleceram no século IX até a Era Putin (gosto de Putin; Putin é KGB), passando pelos 300 anos de autocracia dos Romanov (meus 16 leitores sabem da minha estima pelos Romanov) e pelas sete décadas de regime soviético, iniciado a partir da nefasta Revolução Bolchevique de 1917… Ademais, a Rússia é uma potência econômica (sim, gostem ou não, o país está no time de elite das Economias do planeta), nuclear (preserva o poder militar que herdou da URSS e o usa com sabedoria), e espacial (essa parte é importante para entender alguns de nossos posts futuros)…

Eu poderia dedicar várias páginas aqui a falar da Rússia… Entretanto, acabaria fugindo do tema desta publicação específica (se você quiser saber mais, pesquise, oras!). Mas o que cabe destacar é que eu estava ansioso e temeroso de desembarcar naquelas terras! Afinal, o mais próximo que havia ido a Leste havia sido a Estônia (que merecerá vários posts na categoria de viagens, por certo!), e já quando esse pequeno país do Báltico estava na União Européia e na OTAN. Como seria a chegada? E no aeroporto? Será que teria um receptivo para me transportar (junto com Adriana e Gustavo) ao hotel? E a hospedagem, como seria? (Localização de hotel é essencial, assim como condições mínimas de estadia.) Felizmente, essa logística inicial ficou por conta da Tchayka, missão cumprida com louvor!

Visto: para o brasileiro que vá a turismo à Rússia, não é mais necessário visto (agradeçam a Putin). Antigamente, nos tempos soviéticos, dizem que se precisava de um convite de alguém ou de alguma instituição para se solicitar o visto – naturalmente, isso era uma forma de o Estado controlar os estrangeiros que entrariam em seu território (e, só por curiosidade, o órgão responsável pelo controle de fronteiras era… o KGB! O serviço de inteligência teria chegado a possuir 400 mil homens cuidando das fronteiras soviéticas). Atualmente, repito, não lhe será necessário o visto – que exigirão de norte-americanos e europeus em geral, hehehe.

E o idioma? Teremos um post específico a respeito. Gosto de chegar a um lugar onde consiga me defender minimamente na língua local, mas o mundo é muito grande e a diversidade linguística torna isso impossível. Como disse, não morrerei de fome em russo, sei pedir desconto (скидка, ensinou-me Olga, minha professora de russo) e consigo pegar informação e comprar bilhetes de metrô, o que me deixa em vantagem quando naqueles lados. Mas se você não fala russo, não entre em pânico! Dou-lhe três opções: 1) fale inglês ou espanhol e entregue o diálogo ao Grande Arquiteto do Universo que ele lhe ajuda!; 2) Gestos – certamente, se você já jogou imagem e ação, vai se virar bem; 3) confie na agência de viagens especializada e deixe com eles a tarefa de se comunicar por você (recomendo alternativa 3, sobretudo se você for para lugares que estejam fora dos destinos turísticos clássicos) – gosto dessa terceira opção se não conhecer bem a língua, a cultura e o povo do lugar aonde pretendo ir.

20171031_193711.jpgAinda sobre o idioma, lembrei de uma quarta possibilidade de comunicação! Tenho um amigo de Minas Gerais (falam português lá também, adoro Minas!), que é muito comunicativo, e que me disse que, algumas vezes, inclusive na Rússia, em que não conseguiu falar o inglês, resolveu falar mesmo em português com os nativos! E, nas palavras dele, a coisa funcionava e ele conseguia se fazer entender (nunca tentei isso, mas se você quiser arriscar…)! E essa história me fez lembrar de outro amigo, que viajou certa feita com a esposa e a sogra para Paris e a genitora de sua esposa se perdeu… Após muito procurar, ele ouviu uma senhora no meio da rua, falando alto e pausadamente (e com o inconfundível sotaque pernambucano) aos transeuntes: “Es-tou per-DI-DA! Sou bra-si-lei-ra e es-tou per-DI-DA! Al-guém me a-ju-DE!” O fato é que ela conseguiu ser encontrada e ganhou nota dez em efetividade!

Melhor época do ano para ir à Rússia? Todo mundo vai dizer que é no verão (ou em maio, ou em setembro) … Deve ser mesmo, mas eu queria ir em novembro, para sentir como seria o clima do país no mês do golpe bolchevique que acontecera cem anos antes. Aí você me pergunta: não seria outubro? Até 1918, os russos adotavam o Calendário Juliano, enquanto nós aqui no Ocidente já estávamos, desde 1582, sob o Calendário Gregoriano, havendo uma diferença atualmente de 13 dias entre ambos. Assim, o levante bolchevique, ocorrido em outubro de 1917 para os russos, deu-se, no nosso calendário, em novembro. De toda maneira, o clima estaria bem frio para meus padrões tupiniquins…

Com que roupa eu vou? Sendo férias, roupas confortáveis. Costumo me programar para levar uma muda por dia, mais duas mudas extras e algumas peças caso vá sair para algum restaurante mais arrumado à noite ou coisa parecida. No caso de camisetas, vale lembrar que você pode levar um pouco menos, adquirir algumas no local onde estiver e já sair vestido nelas (o que lhe garantirá mais espaço na mala). Outro detalhe importante: quando para destinos frios, você necessitará de um ou dois casacos simples (tipo pulôver), que ficarão sob o casacão de inverno (esse é meu coringa!) – e saiba que passará a viagem toda com esse casacão (mande às favas quem quiser acusá-lo de repetir a roupa – você está de férias, no frio, e tem que ser prático). Duas calças: uma mais arrumada e aquela superprática com um monte de bolsos! E, para o frio russo, cachecol, gorro, luvas e malha interna (mão na roda!). No máximo dois pares de calçados (eu gosto de usar uma bota que me acompanha em diferentes ambientes). Os limites de peso de mala das companhias aéreas não ultrapassam uma peça de 23 kg, então seja comedido (e deixe espaço para as “goiabas” que comprará na viagem). E se for pegar trem, a coisa é mais restrita, com a ressalva de que será você mesmo quem carregará a mala para dentro e fora do vagão…

Ainda sobre as malas, lembre-se de tirar uma foto de sua bagagem antes de despachá-la (e de guardar com muito carinho o comprovante). Também recomendo fazer uma etiqueta para colocar dentro, com informações sobre seus voos, endereços do primeiro destino e de casa, e informações de contato. Coloque, repito, dentro da mala, sobre as roupas (eu faço assim). A ideia é mitigar o risco de extravio e, caso isso aconteça, ajudar a companhia aérea a lhe devolver a bagagem…

Dinheiro e câmbio: difícil encontrar rublos no Brasil, então você vai trocá-los lá. Evite trocar muito dinheiro no aeroporto, pois a taxa de câmbio é bem desfavorável em qualquer aeroporto da Via Láctea. Em São Petersburgo e em Moscou há bancos por todo lado (cheguei ao hotel, fui fazer o reconhecimento do ambiente operacional – procedimento padrão, e vi que havia muitos bancos e casas de câmbio, podendo escolher a melhor cotação). Não preciso dizer para você não trocar dinheiro na rua com estranhos, né? Nos hotéis costumam trocar, mas você sofrerá com o câmbio.

Comunicações: sem comunicação (leia, internet) você estará em situação bastante desfavorável. A boa notícia, quem me deu foi a Olga (a mesma que me ensinou, entre outras coisas, a pedir desconto), é que internet na Rússia é barata e você pode comprar um cartão telefônico pré-pago que lhe será tremendamente útil. Fiquei surpreso com o baixo custo da internet (muito inferior à Europa e aos EUA). E, melhor de tudo, a internet funcionava que era uma beleza! Depois, pensando a respeito, entendi a importância de se ter um setor espacial desenvolvido como o russo. Isso afeta diretamente o custo das comunicações do dia-a-dia. Fica a dica para um melhor aproveitamento do Centro de Lançamento de Alcântara (CTA) e para investimentos maciços no programa espacial brasileiro!

Passaporte em dia, mapas em mãos, com locais de interesse assinalados, dinheiro no bolso, seguro de viagem feito (faço sempre com a Cleide e a equipe da Adria Viagens – também não estou recebendo jabá deles não, mas há muitos anos trabalho com esse pessoal muito profissional aqui em Brasília e que acabou se tornando amigo – recomendo!), mala arrumada, história na cabeça, coração acelerado, expressões no idioma local memorizadas, entusiasmo de conhecer o novo, um outro mundo, a Terra dos Romanov! Sentia-me como César ao cruzar o Rubicão: logo eu cruzaria ao Atlântico e chegaria a um dos países mais fascinantes em que já estive! E vamos à Rússia!

Saí de Brasília para a conexão em Guarulhos, onde encontraria Gustavo e Adriana. Depois seria Londres e aí Lening…, São Petersburgo! Estávamos prontos para chegar em mais uma aventura, na Operação Outubro Vermelho!

Na próxima quinta, contarei um pouco sobre São Petersburgo, a cidade fundada por Pedro, o Grande, e capital da Rússia entre 1712 e 1918! Até lá!

brasil russia

Operação Outubro Vermelho – A decisão de avançar!

Sempre quis conhecer a Rússia (grande novidade para quem é um apaixonado pelas relações internacionais!). Afinal, o maior país do mundo, história, cultura, caleidoscópio de povos fascinantes… Uma potência nuclear e uma nação que viveu incomensuráveis transformações em cem anos… Além disso, oportunidade para treinar meu russo (comecei a estudar o idioma nos anos 1990, na Embaixada da Federação da Rússia em Brasília, apesar de ter esquecido tudo), e, para completar, terra de Putin (gosto de Putin; Putin é KGB). Assim, se havia um país que estava na minha lista de destinos, esse seria a Rússia.

20171102_152829Minha ideia de visitar a Rússia ganhara força em 2015, por ocasião dos 70 anos do final da Segunda Guerra Mundial (ou, como dizem os russos, da “Grande Guerra Patriótica”). Havia preparado todo um planejamento para estar em Moscou em 9 de maio, data da assinatura da rendição incondicional alemã, em Berlim, 1945 (haviam assinado a rendição em 7 de maio, em Reims, França, mas sem a presença soviética, e então Stálin fez uma singela interferência para que outro documento fosse firmado para ter efeito a partir das 23:00 de 08/05, na Capital do Reich, e já 09/05 em Moscou). Meu objetivo, portanto, era vivenciar o clima de Moscou durante os festejos do Dia da Vitória. Iria também a São Petersburgo (Leningrado), a Kursk (onde se deu a maior batalha de tanques da história), e a Volgagrado (a antiga Stalingrado)…

Por razões alheias à minha vontade, essa primeira incursão em solo soviét…, digo, russo, foi abortada – meu 8 de maio de 2015 foi em Brasília, participando de uma cerimônia de última hora no Palácio do Planalto, e na qual a impressão que se tinha é que a então presidente da república estava tremendamente desconfortável com o evento… Mas a vontade de viajar para o país dos Romanov só aumentava, e eu já tinha feito contato com o Sérgio Delduque, da Tchayka (já falei dele por aqui), e tinha a expectativa de organizar uma viagem à terra de Tolstoi num futuro próximo…

Passou um ano, acabou o (des)governo Dilma (amém!), um segundo ano, e, em 2017, recebi um e-mail de Sérgio informando que eles estavam a organizar uma excursão especial à Rússia, por ocasião do centenário da (famigerada) revolução de outubro de 1917 (o “famigerada” é por minha conta, pois Sérgio, profissional elegante e isento que é, nunca usaria esse termo – mas, como a história é minha, eu conto como quiser, né?). O momento seria interessantíssimo, pois o país vivia um clima de revisão do passado soviético, preparava-se para as eleições presidenciais do ano seguinte (que fariam com que Putin se tornasse o governante com mais tempo no poder desde os czares) e, de quebra, vivia a fase preparatória para a Copa do Mundo de Futebol de 2018! Essa eu não perderia!

20171106_193039Foi questão de alguns dias para acertar tudo com a Tchayka… A única reticência é que eu iria em um grupo (o que para mim é estranho, pois costumo viajar sozinho), com pessoas completamente desconhecidas. Que tipo de gente se interessaria em ir à Rússia por ocasião do centenário da (nefasta) Revolução Bolchevique? Será que eu, conservador na política, liberal na economia, monarquista convicto, acabaria muito destoante do grupo? Resolvi então consultar alguns amigos para ver se alguém se interessava – aqui de Brasília, o silêncio foi absoluto.

Se o pessoal de Brasília não pôde me acompanhar, quão grata não foi a surpresa quando um casal amigo de Santos resolveu me acompanhar nessa empreitada! Gustavo e Adriana são dois queridos amigos que fiz quando viajamos juntos para a Normandia, em junho de 2014 (certamente serão dedicados vários posts aqui à viagem à Normandia, mas o que ficou de mais marcante daquele passeio foram os amigos que fiz, um grupo fantástico e singular, com quem convivo até hoje!). E, conforme veremos nas publicações seguintes, esses dois companheiros de viagem foram responsáveis por vários momentos inesquecíveis naquele fascinante país – certamente não teria sido a mesma coisa sem eles!

Muito bem! Passagem comprada, pacote ajustado com alguns dias a mais em São Petersburgo (antes do grupo chegar) e em Moscou (depois que acabasse a programação proposta pela Tchayka), inclusive com a companhia de Adriana e Gustavo, agora era começar os meus preparativos… Sim, porque, para ir para a Rússia, ainda mais pela primeira vez, eu teria que me preparar! Nó próximo post, tratarei desses preparativos…

mapa-do-mundo-rússia-36642384

Cuidado com o que pede…

Para sair um pouco da temática do Brexit (ih! falei!), segue notícia que me chamou a atenção: a Ministra da Defesa da Alemanha pede aos russos que informem aos ocidentais sobre suas tropas (Uahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha! Desculpem…).

Não sei se a Senhora Ministra falou com Frau Merkel (gosto de Frau Merkel) sobre o assunto antes de fazer a declaração. Só acho que isso pode ser interpretado por Moscou como provocação… E talvez os russos resolvam informar aos alemães que podem se deslocar para Oeste se for da vontade de Berlim (há 25 anos eles estavam lá, né?)… E os poloneses começam a se preocupar…

De toda maneira, quando se trata com Putin, acho que é bom tomar cuidado com o que se pede… Vai que ele resolve atender! Acompanhemos os desdobramentos e vejamos a reação de Putin. Gosto de Putin. Putin é KGB.

A Ministra de Defesa alemã, Ursula von der Leyen, com soldados da infantaria depois dos exercícios militares na parte sul da Alemanha, em 23 de março, 2016

Alemanha quer informação sobre o número de tropas russas

Ursula von der Leyen, a ministra da Defesa alemã, pediu que Moscou divulgasse as deslocações e o número de suas tropas.

© SPUTNIK/ ALEKSANDR KRYAZHEV, 26/06/2016

“Seria razoável se a OTAN e a Rússia, no âmbito da OSCE, informassem uma a outra sobre o movimento e o número de suas tropas. Por parte da OTAN, que é uma aliança exclusivamente defensiva, a proposta foi feita há muito tempo”, disse a ministra em uma entrevista ao Bild am Sonntag.

 

Continuar lendo

Revenons à nos moutons

« De par le diable, vous bavez !
Eh ! Ne savez-vous revenir
Au sujet, sans entretenir
La cour de telle baveries ?
Sus, revenons à ces moutons !
Qu’en fut-il ?
»

La Farce de Maître Pathelin, 1485

 

Eu poderia apresentar a meus 8 (oito) leitores muitas desculpas por esses dez meses sem publicação em Frumentarius… Poderia dizer que o tempo se tornou escasso para escrever, que as atribuições do dia-a-dia me impediam de fazer os comentários com a regularidade que desejava… Poderia também dizer que a inspiração estava pouca (não estava), que os posts em minha página do Facebook eram suficientes (por falar nisso, já curtiu minha página no Facebook? – veja a lateral esquerda superior desta tela)… Mas tudo isso seria apenas e tão somente desculpa…

Portanto, em vez das escusas pelo tempo sem publicar, informo simplesmente que estou saindo (de maneira lenta, gradual e progressiva) dessa fase de recolhimento e logo teremos novos posts sobre “um pouco de tudo” de uma forma mais regular… Isso deve acontecer a partir de julho! Vejam que retomaremos a regularidade em julho, com ao menos três posts comentados por semana. Durante junho faremos apenas um “esquenta”!

Há muita coisa sobre o que refletir no mundo em constante transformação! Enquanto Frumentarius estava adormecido, o terrorismo se tornou um tema mais presente no imaginário dos europeus em razão dos ataques de Paris e Bruxelas. Tema mais presente e erroneamente associado às massas de refugiados que chegam à Europa fugindo de sua terra natal em busca de uma vida de paz… Obviamente, vamos comentar sobre isso e tentar remover véus sobre o mito dos “refugiados terroristas”.

Não é possível falar de terrorismo sem uma referência ao Estado Islâmico, que se tornou muito forte nos últimos dois anos (apesar das derrotas recentes para as forças de Assad – continuo achando que ruim com ele, muito pior sem ele – e da intervenção russa – ok, os ocidentais também fizeram intervenções importantes na Síria… fizeram???), chocando o mundo com barbaridades que deixariam roteiristas de Hollywood no chinelo… O ISIS trata-se realmente de organização que merece constante atenção dos serviços de segurança e inteligência pelo mundo…

Outro conflito que continuou foi o da Ucrânia, apesar das poucas atenções àquele lado do mundo… Afinal, aquilo é zona de influência russa, sendo temerário que os ocidentais queiram interferir naquelas terras. Diga-se de passagem, o Urso tem aumentado sua capacidade de atemorizar os países ocidentais… Impossivel falar de Rússia sem referência expressa a Puti… Putin continua lá, mandando como nunca. Gosto de Putin… Putin é KGB…

Eleições nos EUA também são tema corriqueiro! Nunca pensei que fosse torcer por um candidato do Partido Democrata, mas com o Pato Donald Trump sendo o ungido do Partido Republicano, chego à conclusão que passa da hora dos EUA terem Hillary Clinton na cadeira presidencial – Sanders nem com reza brava, por favor!

Tema que meus leitores sabem que muito me agrada é a atuação de Bob Filho no seu aterrorizante parque de diversões! O rato tem rugido, e isso gera instabilidade no Continente Asiático. Em tempo: recentemente ele foi confirmado como Líder Supremo da Coréia da Norte – mas como não fazê-lo com o sujeito que inventou o Ipad? 

E o Brasil? Bom, o Brasil merecerá muitos posts! O melhor foi o ocaso de Madame et caterva, pois o País não aguentava mais o desgoverno… Tenho esperança que nosso novo Presidente (volto a usar o “P”maiúsculo)! Di-lo-ei  (Ahá!) que lhe desejo muito êxito ao promover as mudanças que farão com que o Pais se recupere política, econômica e moralmente (afinal, precisamos recuperar valores morais acima de tudo!)… A equipe econômica é ótima, a equipe de governo também. O Presidente é homem inteligente e lúcido e conhece o Congresso, o que é fundamental neste modelo presidencialista fracassado – sim, porque continuo monarquista e tratarei disso também! 

Essas são apenas algumas palavras iniciais. Espero que possamos interagir mais, meus queridos leitores, e continuar conversando sobre “um pouco de tudo”! Avante!

20160511_191342-1.jpg

Russos ao Mar!

russian-navyNeste 26 de julho, data em que os russos comemoram o Dia da Marinha, Vladimir Putin (gosto de Putin; Putin é KGB) aprovou a nova Doutrina Naval de seu país. Segundo o documento, a atuação da Rússia no mar torna-se mais abrangente: além dos quatro oceanos tradicionais por onde navega a frota russa (Atlântico, Ártico, Pacífico, e Índico), o Urso passa a querer nadar na Antártida! (Ou seja, urso polar não come pinguim, mas o urso negro do cáucaso está de olho nas riquezas do continente gelado!).

akula19Sim! Russos navegando nas gélidas águas austrais! (Algo me diz que submarinos russos, que passeiam pelo Ártico, podem desviar a rota para cá também… mas só por curiosidade, para confirmar se aqui é tão frio quanto lá e, claro, se o o gelo é bom para o Whisky ou para a Vodca – é bom sim, confirmo!). Indubitavelmente, a manobra acende a luz amarela para países com interesses estratégicos no Atlântico Sul e no Oceano Glacial Antártico, por exemplo, para os Estados Unidos (por óbvio) e a Grã-Bretanha (como o anterior, membro da OTAN). Assim também deveria ocorrer com outra nação que possui em sua Estratégia Nacional de Defesa um destaque para o Atlântico Sul e a Antártica – ganha um bolo de mandioca comungada com milho quem acertar o nome desse país! 

A agência [(para)oficial] russa Sputniknews publicou matéria hoje sobre a questão, destacando que “a nova versão da Doutrina Naval estabelece a inadmissibilidade dos planos de aproximação da infraestrutura militar da OTAN das fronteiras da Federação Russa como fator determinante das relações com a aliança”, e acrescenta que “a nova doutrina prevê ainda a redução das ameaças à segurança nacional no Ártico e o reforço das posições de liderança da Federação Russa na exploração desta região”. Também se deu atenção ao fortalecimento da infraestrutura para a Frota do Mar Negro (leia-se, Crimeia, deixando claro que ninguém em Moscou cogita devolver a região aos ucranianos) e o desenvolvimento da Frota do Norte.

Resumo da ópera, a Rússia reafirma sua condição de potência naval e dá o recado à OTAN: estamos preparados para usar a força na defesa de nossos interesses (ou ao menos esperamos que vocês pensem assim)!”. Sempre repetirei que uma potência não deixa de ser potência do dia para a noite. Pode até não ser a fera ameaçadora dos tempos soviéticos, mas o velho urso ainda tem dentes e garras!

Para a matéria na Sputniknews:
http://br.sputniknews.com/defesa/20150726/1676059.html#ixzz3h2itlIf3

Russian President Vladimir Putin seen aboard the Arkhangelsk nuclear submarine in the Barents Sea, Russia, Tuesday, Feb. 17, 2004. At left is  presidential standard flag, at right is Russian navy flag. Putin went out to the Barents Sea on board the Arkhangelsk nuclear submarine to observe the maneuvers set to involve numerous missile launches and flights of strategic bombers in what Russian media described as the largest show of military might in more than 20 years.  (AP Photo/ITAR-TASS, Presidential Press Service)

O passado alemão de Vladimir

Vladimir Putin in KGB uniformIndubitavelmente, uma das melhores matérias que já reproduzi aqui em Frumentarius. Fundamental, para todos os interessados em Política Externa e Relações Internacionais, bem como em temas relacionados a Segurança e Inteligência, é conhecer a biografia de Vladimir Putin, com destaque para seus anos de KGB e, mais especificamente, para o tempo que passou  na Alemanha Oriental. Como se destaca na própria matéria, o Putin e a Rússia de hoje seriam bem diferentes sem aquele período do atual líder sovié…, digo, russo, entre os alemães.

Interessante observar, ainda, que Putin conhece  bem os alemães, sabe como eles pensam. Mas aí alguém perguntaria: “mas não seriam os alemães orientais que ele conhece bem?”. Respondo lembrando que, antes de tudo,  alemães orientais são alemães… e que Frau Merkel (por quem nutro enorme simpatia) é alemã oriental! De fato, convém assinalar que os dois maiores líderes europeus conhecem bem a realidade e a maneira de pensar de alemães e russos. Assim como Putin conhece os alemães, Frau Merkel conhece os russos, e fala sua língua (tenho minhas dúvidas se algum outro líder ocidental tenha esse conhecimento).

Conversando esses dias com meu grande amigo Túlio Leal (que me encaminhou a matéria e acha que não leio seus e-mails), tentávamos imaginar como seria um encontro entre Putin, Merkel e outros líderes, como Hollande. Merkel fala e alemão, Putin entende e responde em russo – Merkel compreende claramente o que ele quis dizer… Interessante, não?

Enfim, os líderes ocidentais muitas vezes parecem não saber com quem estão lidando quando tratam de Rússia. Exceto Frau Merkel. Frau Merkel conhece a Rússia. Frau Merkel entende Putin. Gosto de Putin. Putin é KGB.

Vladimir Putin’s formative German years

Vladimir Putin in Dresden in 2006

It is 5 December 1989 in Dresden, a few weeks after the Berlin Wall has fallen. East German communism is dying on its feet, people power seems irresistible.

Crowds storm the Dresden headquarters of the Stasi, the East German secret police, who suddenly seem helpless.

Then a small group of demonstrators decides to head across the road, to a large house that is the local headquarters of the Soviet secret service, the KGB.

“The guard on the gate immediately rushed back into the house,” recalls one of the group, Siegfried Dannath. But shortly afterwards “an officer emerged – quite small, agitated”.

“He said to our group, ‘Don’t try to force your way into this property. My comrades are armed, and they’re authorised to use their weapons in an emergency.'”

That persuaded the group to withdraw.

But the KGB officer knew how dangerous the situation remained. He described later how he rang the headquarters of a Red Army tank unit to ask for protection.

The answer he received was a devastating, life-changing shock.

“We cannot do anything without orders from Moscow,” the voice at the other end replied. “And Moscow is silent.”

That phrase, “Moscow is silent” has haunted this man ever since. Defiant yet helpless as the 1989 revolution swept over him, he has now himself become “Moscow” – the President of Russia, Vladimir Putin.

Continuar lendo

Por que aprender russo?

Vi este gráfico e achei interessante reproduzir por aqui. Talvez seja um pouco forçado, mas são boas razões. Recomendo a meus alunos que aprendam russo – por todas esses motivos e outros mais. Ademais, pode-se acompanhar as notícias de Moscou (sempre oficiais, não importa em que meio) e os pronunciamentos do Putin no original (gosto Putin; Putin é KGB).Rus_lang_infogr

Fonte: http://nl.media.rbth.ru/web/br-rbth/images/2015-02/extra/Rus_lang_infogr.jpg

Sputnik novamente no ar!

191304main_sputnik-browseNão, não é o que você está pensando, meu caro leitor! Não lançaram um novo satélite russo! Mas o que foi para o ar em novembro de 2014, tão bombástica quanto o Sputnik original, é a nova agência de notícias sovié…digo, russa! Achei a escolha do nome brilhante: Sputnik (o mesmo do primeiro satélite colocado em órbita pelos soviéticos durante a Guerra Fria)!

A Sputnik substitui a Ria Novosti (sentirei falta da Ria Novosti, que tanta participação teve aqui em Frumentarius!) e a Voz da Rússia (um clássico!) como nova agência de notícias (semioficial) a serviço do Kremlin (qual problema? Os britânicos têm a BBC! E nós a  – credo! – Agência Brasil!). É um canal interessante para conhecer a opinião do lado de lá e a maneira como os sovié…digo, russos, vêem o mundo.

NYT-10.5.57.hlargeA Rádio Sputnik é também muito interessante! Segundo eles, opera em 30 línguas e tem mais de 800 horas diárias de programação, cobrindo 130 cidades e 34 países – vou procurar o meu velho radinho de pilha para ver se consigo captá-la (quando era moleque, às vezes conseguia sintonizar A Voz da Rússia – acho que em AM – e achava o máximo!). Claro que também está disponível pela internet (o que não tem o mesmo charme, convenhamos!).

Se o conteúdo da Sputnik é confiável? Posso dizer que é divertido, e completamente fora do mainstream da mídia internacional. Estou gostando muito das matérias sobre os adversários ocidentais da Rússia e a guerra na Ucrânia. Os colunistas também são bons!

Como já fazia com a Voz da Rússia e a Ria Novosti, publicarei aqui matérias da Sputnik. Ao menos teremos uma perspectiva peculiar de um pouco de tudo…

Sputnik

Sputnik

Qual o problema da Grã-Bretanha com a Rússia?!?!?!

Encontrei este artigo na versão em inglês do Pravda (tradicionalmente isento, absolutamente imparcial, hehehe). Achei divertido. Não farei maiores comentários…

PS: Para os mais jovens, o Pravda (Пра́вда) foi o principal jornal da União Soviética e um órgão oficial de notícias do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética entre 1918 e 1991. O jornal ainda existe e está em circulação na Rússia, mas ficou mais conhecido nos países ocidentais por seus pronunciamentos durante o período da Guerra Fria (ou seja, pronunciamentos oficiais do Partido Comunista). Hoje, a versão online nada tem a ver com a versão impressa, mas ambos trazem a percepção peculiar do bom e velho Pravda soviético.

O outro grande jornal soviético era o Izvestia (Известия), que também existe ainda hoje, e pertence a estatal russa de notícias. Nos tempos da Guerra Fria, fora da União Soviética, e sobretudo entre as esquerdas da América Latina, exemplares desses jornais eram artigos de luxo para os militantes que sonhavam com a vitória proletária (sei…), e quem tinha um se destacava como bom revolucionário (apesar de, geralmente, não entender uma palavra de russo).

Pravda em russo significa verdade, e Izvestia notícia. Havia inúmeras piadas à época soviética com esses dois diários. Em uma delas, dizia-se que o Pravda nunca trazia notícias e que no Izvestia não havia verdade… 

putin_cameron

Why does Britain have a problem with Russia?

Pravda.ru – 19.02.2015 13:13
Why does Britain have a problem with Russia?. 54598.jpeg

In recent days, the hyperbole has risen to hysteria level with senior members of the British government outdoing each other to make the most infantile, irresponsible, insolent and insulting remarks against Russia and its President, Vladimir Putin. What is Britain’s problem with Russia, the country that shed rivers of blood to free Europe from Fascism?

Only last week, Britain’s Foreign Secretary Philip Hammond was insinuating that Britain might get involved in Ukraine because he would not allow Ukraine’s military forces to collapse, while his boss, Prime Minister Cameron, rudely referred to Russia’s President as “Putin”. Today, we have the Defense Secretary Michael Fallon warning that Russia might use military force against its neighbors, while the British Bullshit Corporation and Lies on Sky ratchet up the anti-Russia hype calling its President a despot, calling Russia’s government “desperate” and insinuating that Moscow might suddenly send the tanks rolling across the frontiers.

Two questions: Is the British public really so gullible that it will swallow that nonsense, or are the purveyors of lies as truth yet again a decade or so behind the times? The answer to the first question is no and the answer to the second is yes.

Everybody knows that Russia and Britain (and France and the USA, among others, including Serbia) stood together just over half a century ago to defeat the worst scourge Europe has seen since the days of Genghis Khan – Adolf Hitler’s Nazi Third Reich. It was a war in which Russia, as part of the Union of Soviet Socialist Republics, lost over 26 million souls freeing Europe from tyranny, racism, homophobia, intolerance and Fascism. Around ninety per cent of  the Wehrmacht losses were incurred on the Eastern Front. Continuar lendo

Terror nos céus da Europa

putinMais um episódio de interceptação de aeronave militar russa no “espaço de interesse” do Reino Unido… Gostei da maneira como a reportagem tratou do assunto!

Venho acompanhando com interesse o aumento da tensão entre as potências ocidentais e a Rússia… Putin brinca com o Ocidente. De fato, ele testa os limites dos líderes europeus que, passados mais de trezentos anos desde que Pedro, o Grande, mostrou a Rússia para o Ocidente, ainda não entendem como os russos realmente pensam e agem (à exceção de Frau Merkel… Frau Merkel conhece os russos… e conhece bem). Assim, um clima de pânico ronda Paris e Londres quando o urso mostra os dentes…

estonia_indepMais a Leste, países como a Polônia têm todas as razões para ficar apreensivos. Os poloneses conhecem o peso da bota russa há séculos, e sempre lembram que a II Guerra Mundial (cujo término ocorreu há recentes 70 anos) começou com a invasão do território polonês por alemães… e russos (!), enquanto franceses e britânicos seguiam sua política do apaziguamento. Outro detalhe importante: em 1945, a Polônia foi “libertada” do jugo alemão e passou para a tutela dos soviéticos (que não tinham muita simpatia por poloneses), amargando quatro décadas de comunismo (leia-se retrocesso, autoritarismo e opressão). Hoje, os poloneses vivem em um dos mais prósperos países da Europa, com uma economia pujante e liberal, com aversão total e absoluta contra qualquer discurso que mencione o regime comunista que lhes foi imposto pelos russos, e com grande receio da Rússia (versão tricolor da boa e velha União Soviética). Enfim, os poloneses sabem o quanto a corda pode apertar no pescoço pela providência divina os ter colocado tão perto dos russos. Mais preocupados que os poloneses, só os cidadãos de Estônia, Letônia e Lituânia…

No caso dos Estados Bálticos, a apreensão também se justifica plenamente… Afinal, até a I Guerra Mundial eles eram parte do Império Russo, alcançaram a independência ao final do conflito (assim como os poloneses), mas já em 1940, desencadeada a II Guerra Mundial, foram invadidos e ocupados pelos soviéticos, tiveram seu território incorporado à União Soviética durante cinco décadas, e foram os primeiros a se separar do gigante comunista quando ele começou a desfalecer, em 1991. Convém lembrar que Moscou nunca engoliu essa emancipação…

Estonia-T_KELAM_21-www-384x248Já estive na Estônia (terra maravilhosa!). Naquele belo país 1,3 milhão de habitantes, pode-se notar em cada esquina o receio que os estonianos têm de uma invasão russa. Por isso se apressaram em aderir à OTAN e à União Européia – e mostraram-se uma Economia eficiente e um povo disposto a inserir-se entre as nações prósperas do Ocidente democrático. Esperam contar com a proteção de Bruxelas e de Washington. Ademais, já foram vítimas de ataques cibernéticos, que Putin jura que não vieram do Leste. Por via das dúvidas, o Centro de Defesa Cibernética da OTAN foi estabelecido na Estônia. Pretendo retornar à Estônia. E prefiro retornar a um país livre…

Voltando ao Urso frio… Muitas peças ainda devem ser mexidas nesse tabuleiro… Os ocidentais têm que estar atentos às manobras russas e buscar conhecer como joga Putin… Sim, porque Putin não é bobo e tem alguma coisa em mente com relação ao Ocidente (gosto de Putin; Putin é KGB). Fundamental estudar o tabuleiro e buscar se antecipar aos movimentos de Moscou… O jogo passa longe de ser fácil, mas tem que ser jogado. E, para desespero dos ocidentais, é sempre bom lembrar que os russos são, tradicionalmente, grandes enxadristas. 

Polonia comunismo

Novo incidente com bombardeiros russos reflete temor europeu com avanço de Moscou

BBC-Brasil, 19FEV2015
Bombardeiros russos em foto de 11 de fevereiro (AFP)Bombardeiros russos (semelhantes aos vistos acima) foram escortados para longe de ‘área de interesse’ do Reino Unido

Dois bombardeiros russos foram avistados na quarta-feira perto da costa oeste da Inglaterra, levando a Força Aérea britânica a interceptá-los e escoltá-los – em mais um desdobramento das preocupações europeias com os avanços russos.

Os bombardeiros não entraram no espaço aéreo britânico, apenas no que o Reino Unido chama de sua “área de interesse”. Episódio semelhante ocorreu no mês passado.

Analistas veem o caso como uma demonstração de força ou até mesmo como uma provocação por parte de Moscou, com intenção política – já que a Rússia saberia que o episódio ganharia repercussão.

Continuar lendo

OTAN: agora tudo se resolve! (só que não)

nato_summit_2014_fightersAlguém na OTAN descobriu que a organização é uma aliança militar! Pois é, na cúpula realizada no País de Gales (com direito a show de aviõezinhos sobrevoando palanque e soltando fumaça colorida – quero ver fazer isso nos céus da Estônia, da Polônia ou próximo a Kaliningrado), os líderes decidiram pelo envio de uma “força de ação rápida” para garantir a defesa e a integridade territorial dos países-membros do Leste Europeu contra uma agressão externa (leia-se, da Rússia).

Há quem comemore essa atitude da Aliança Atlântica como um “ato de força que conterá o expansionismo de Moscou” e restabelecerá as boas relações no continente. Afinal, é a OTAN, né? Quem ousar se meter com ela terá uma resposta de 28 nações, com um potencial bélico significativo. Ok, só que não consigo acreditar nessa disposição de endurecer com a Rússia – será que Putin acredita? Será que os próprios líderes da OTAN acreditam?

A iniciativa aprovada hoje mais parece uma tentativa de se dissimular a incapacidade de ação. Entendi dois recados aí. O primeiro, para os países do Leste, particularmente os estados bálticos e a Polônia (sempre a Polônia), é uma mensagem para acalmar os nervos daquela gente (afinal, os líderes dali devem estar à base de Rivotril com o risco de “intervenção humanitária” russa): “Não se preocupem! Estamos juntos! Não vão atacar vocês porque sabem que estão sob nosso guarda-chuva! Acalmem-se!” – só que os poloneses já ouviram isso antes, há exatos 75 anos… e estonianos, letões e lituanos sabem o que são quatro décadas de ocupação russa.

Putin-em-desfile-militar-size-598O segundo recado foi para a Rússia: “A OTAN garantirá a defesa e integridade de seus países-membros! Temos garras (apesar de garras com unhas pintadas há algum tempo)! Não mexa conosco!” Só que o outro lado disso é que… a Ucrânia não é membro da OTAN. Portanto, para meio entendedor, fica claro que a Organização não vai dar passos mais largos do que esses contra o Urso. Seria temerário fazer alguma coisa mais incisiva…

Haveria um terceiro recado, este para a Ucrânia: “Vejam bem, a coisa não está boa para vocês. Damos apoio total a seu pleito… exceto apoio militar. Não esperem que encaremos a Rússia para defender russos (tá, ucranianos… mas vocês não são todos soviéticos?!?!?). E tratem logo de negociar a paz e aceitar os termos de Moscou. Tudo vai ficar bem!”.

nato_summit_2014Enfim, a incapacidade da OTAN para gerenciar essa crise me faz lembrar a habilidade da Liga das Nações nos momentos tensos dos anos 1930. E vai acabar com o mesmo destino: virar uma organização só para sustentar sua própria burocracia e com pouca ou nenhuma influência real no mundo. Não dá para desaparecer como o Pacto de Varsóvia. Será portanto, um morto-vivo errante pela política mundial…

É assim que vejo a crise da Ucrânia. Não há líderes ocidentais que tenham coragem de (juntos ou isoladamente) encarar Putin e conter suas pretensões… a não ser, claro, Frau Merkel. Aprendam com essa mulher. Ela é durona e uma boa interlocutora junto aos russos (que conhece bem). Gosto de Frau Merkel. Mas também gosto de Putin. Putin é KGB.

Otan aprova presença militar contínua no Leste Europeu

Deutsche Welle, 05/09/2014 – Link permanente http://dw.de/p/1D7mQ

Diante da atual ameaça representada pela Rússia, líderes acertam criação de nova força de reação rápida e manutenção de tropas nos países orientais da aliança.

Os líderes da Otan aprovaram nesta sexta-feira (05/09), durante cúpula no País de Gales, a criação de chamada força de reação rápida e a manutenção de uma presença contínua no Leste Europeu, onde alguns países-membros estão preocupados com os movimentos russos na Ucrânia. A nova “ponta de lança”, como também é chamada a força de reação rápida, deverá ser formada por milhares de soldados, prontos para entrar em ação em poucos dias.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, afirmou que a nova unidade enviará uma mensagem clara para potenciais agressores, como a Rússia. “Se você pensar em atacar um aliado, estará de frente com toda a aliança”, declarou ele durante o encerrameno do encontro de dois dias.

Continuar lendo

Kiev em duas semanas

Putin (1)A Rússia sempre teve sua História marcada por líderes fortes. Desde Ivã, o Terrível, passando por Pedro I, Catarina, a Grande, Alexandre II, Josef Stálin, para governar o maior país do globo parece que um punho de ferro tem sido o mais conveniente… Os fracos não têm muito espaço naquelas terras – vide o que aconteceu com Nicolau II, homem bom, mas que vacilou em um momento de extrema importância e sacrificou sua dinastia.

Nas últimas três décadas, certamente o nome forte que marcará a História russa é o de Vladimir Putin, ou Vlad, o Terrível. Jogando com ousadia e firmeza uma partida com as grandes potências, Putin tenta recuperar o prestígio da Grande Rússia, aí incluídos  territórios e pessoas que o perdidos desde o colapso da União Soviética. O alvo agora é a Ucrânia… mas, como assinala a reportagem da Deutsche Welle, os países bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia) já colocam as barbas de molho (e devem colocar mesmo!).

“Se eu quiser, ocupo Kiev em duas semanas!” – essa frase, que teria sido dita por Putin ao Presidente da Comissão Européia, Durão Barroso, é bastante elucidativa do que está disposto a fazer o novo czar. E também do que ele pode fazer. Não acho que vá passear pelas ruas da capital ucraniana nos próximos dias… mas, com uma ameaça como essa, pode conseguir mais um pedaço daquele país… Isso é o que se chama “botar um bode na sala”. Claro que tudo vai depender de como reagem os ocidentais.

Putin está jogando. Está testando a União Européia e os EUA. Conhece as fraquezas e vulnerabilidades de seus antagonistas e as suas próprias. Sabe que a Europa continua atemorizada e divida e, realmente, pouco disposta a fazer alguma coisa mais firme pelos ucranianos (que, repetirei sempre, e por mais cínico que isso pareça, estão e sempre estiveram na zona de influência russa). Por outro lado, há sempre a paúra de que a Rússia continue sua expansão rumo a oeste – é um medo atávico, irracional. Não acredito que Putin fosse além das tradicionais fronteiras… soviéticas.

Continuando a análise sobre os antagonistas de Moscou, do outro lado do Atlântico, um líder que parece perdido, e que se revela surpreendentemente fraco e titubeante ao lidar com questões de política externa. Há muito não se via um Presidente dos EUA demonstrando tanta inabilidade ao lidar com os russos (talvez porque seja ela da geração pós-Guerra Fria). Claro que, diante desse quadro, Putin não vacila… e tenta abocanhar o quanto mais puder. Três décadas depois, parece haver uma inversão de papéis no temperamento dos líderes estadunidense e russo. Nos anos oitenta, Reagan era firme e Gorbatchev vacilante (gosto muito de Gorbatchev, que fique claro… e de Reagan).

Interessante que não há como não pensar na Europa do final dos anos 1930, quando britânicos e franceses conduziram uma malfadada política de apaziguamento diante das pretensões de um certo chanceler alemão. Deu no que deu. E, por falar em alemães, a solução para essa crise parece repousar cada vez mais na habilidade política da única entre os líderes europeus que ainda se mantém firme: Frau Merkel. Ainda bem que Frau Merkel está lá. Como alemã oriental, a Chanceler conhece bem os russos e conhece Putin. Sabe como Putin joga e, de fato, resta como a esperança do Ocidente para, como diria Garrincha, “negociar com os russos”. Se isso não acontecer, o tempo continuará nublado e cada vez mais sujeito a chuvas e trovoadas.

Gosto de Frau Merkel. Gosto de Putin. Putin é KGB.

world_04_temp-1353144383-50a7583f-620x348

Putin: “Se eu quiser, ocupo Kiev em duas semanas

Líder russo teria feito ameaça ao presidente da Comissão Europeia durante telefonema momentos antes da cúpula da UE, segundo jornal italiano. Merkel adverte que não se pode confiar no Kremlin.

Philip Verminnen – Deutsche Welle, 01/09/2014 – Link permanente http://dw.de/p/1D52c

“Se eu quiser, ocupo Kiev em duas semanas.” Em meio ao agravamento da crise no leste ucraniano, a frase teria sido dita pelo presidente russo, Vladimir Putin, ao presidente da Comissão Europeia, o português José Manuel Durão Barroso, em conversa telefônica.

A informação é do jornal italiano La Repubblica. Barroso comunicou o ocorrido aos chefes de Estado e de governo presentes na cúpula da União Europeia, em Bruxelas, no último sábado (01/09). Continuar lendo

A crise da Ucrânia e o gás para a Europa

gas_ucraniaHá muito não se vive um momento tão tenso na Europa. Os líderes europeus parecem ter esquecido como lidar com a Rússia. E também esqueceram que, há cerca de setenta anos, havia 7 milhões de soldados soviéticos em território europeu.

Ok, muita coisa mudou. Porém, a Ucrânia continua zona de influência russa, goste-se disso ou não. E Moscou não vai aceitar resignado que Kiev migre para a esfera de Bruxelas (nem na União Europeia e muito menos na OTAN). Quando a corda apertar, a pergunta que se vai fazer é “quantas divisões tem Durão Barroso?”. Outra questão possível é: quanto de gás tem a Europa?

Sim, muita coisa mudou desde que as hordas bolcheviques marcharam sobre a Europa. A própria Europa mudou. Os anseios europeus mudaram. A Rússia, porém, não mudou muito. A Rússia será sempre a Rússia. E o inverno está chegando…

Segue artigo interessante da RIA NOVOSTI (percepção russa, portanto), sobre a crise relacionada à aproximação da Ucrânia com a União Européia.

jose-manuel-barroso-vladimir-putin-2012-6-4-8-51-19

RIA Novosti

The EU and Russia Policy: Happily Forgotten Lies

21:47 02/09/2014

MOSCOW, September 2 (RIA Novosti) – Some of the world’s worst criminals claimed that they committed their crimes in a fit of forgetfulness or oblivion, without actually realizing they were doing something wrong. Khodorkovsky for example complained to the German magazine Der Spiegel that he “sometimes suffers from memory holes.”

But of all the powerful people in the world, the EU commissioners are probably the most forgetful. When scanning their statements on Ukraine, one gets an impression of dealing with individuals who forget not only their own words but even of locations where they happen to be or to have been. Here are some examples. Continuar lendo

O Dragão, o Leão e o Urso…

Em uma das cenas de Rambo III, clássico da década de 1980 e que recomendo a meus alunos para conhecerem um pouco mais sobre o final da Guerra Fria (gosto muito de Rambo III), John Rambo usa a frase que se tornou bordão diante da pergunta do oficial soviético sobre quem era ele: “Sou seu pior pesadelo”.

Três décadas depois, essa frase poderia ser dita ao Presidente Obama pelos líderes que participaram da Conferência de Interação em Medidas de Confiança na Ásia. Daquele encontro ganhou força a ideia de se criar uma aliança entre China, Rússia… e o Irã! Claro que as relações entre os três países já seguem bem, obrigado. Porém, o estreitamento desses laços consubstanciado em uma aliança formal certamente tirará o sono de muita gente na Casa Branca, no Pentágono e em Langley.

Segue notícia sobre essa aproximação das três potências. Aproveitei para colocar também o trecho do filme Rambo III.

China aboga por una alianza de seguridad con Rusia e Irán, “una pesadilla para EE.UU.”

Publicado: 22 may 2014 | 21:43 GMT Última actualización: 23 may 2014 | 4:14 GMT
 

China aboga por una alianza de seguridad con Rusia e Irán, "una pesadilla para EE.UU."

El presidente de China, Xi Jinping, considera necesario crear una nueva organización en Asia para la cooperación en materia de seguridad con la participación de Rusia e Irán. Algunos analistas creen que esta alianza sería “una pesadilla para EE.UU.”.

“Necesitamos innovar nuestra cooperación en la seguridad estableciendo una nueva arquitectura de cooperación regional”, indicó Xi Jinping en la Conferencia de Interacción y Medidas de Confianza en Asia (CICA, por sus siglas en inglés), celebrada en Shanghái y que contó con la presencia del presidente ruso, Vladímir Putin

Continuar lendo

Sobre a crise na Ucrânia

Em continuidade àquela idéia de colocarmos vídeos em Frumentarius com reflexões sobre um pouco de tudo, seguem algumas breves considerações sobre a crise da Ucrânia. Creio que meus alunos de Relações Internacionais e de Direito Internacional possam se interessar. Abraço!

Melhor não…

kissingerNeste clima de antagonismo entre EUA e Rússia, fomos buscar um documento da década de 1970 a respeito da possibilidade de conflito entre Estados Unidos e União Soviética (para quem chegou há pouco, ou nasceu depois de 1991, a União Soviética era a Rússia com armadura vermelha do Homem de Ferro). Em um momento de grande tensão, o então assessor do Presidente Richard Nixon, o genial Henry Kissinger (ícone e patrono de todos nós realistas em Relações Internacionais) aconselhou o Governo redirecionar sua estratégia de guerra nuclear de uma política de retaliação massiva para ataques nucleares limitados, porém com efeitos militares decisivos para alcançar os objetivos políticos, ou seja, “fazer o inimigo parar”. Afinal, os soviéticos já dispunham de um poder de destruição total do planeta tão ou mais estupendo que o dos EUA, e um conflito direto entre os dois países sob uma perspectiva de um grande ataque em larga escala com os foguetões intercontinentais significaria um único resultado: a famosa destruição mútua assegurada (MAD em inglês).

Vale a pena conferir os documentos. A propósito, o memorando sobre a conversa com Kissinger pode ser acessado clicando aqui. Chamo atenção para os trechos que ainda permanecem protegidos pelo sigilo. Sempre falo sobre isso em minhas aulas. Vejam como eles são dispostos no texto. Só no Brasil que nós temos uma lei de acesso à informação que desclassifica tudo irresponsavelmente por decurso de prazo…

Nixon BreshnevAí você, meu caro leitor, me pergunta: e o que eu tenho a ver com isso? Se você for estudante ou estudioso de Relações Internacionais, História, Inteligência ou Estratégia, recomendo a leitura desses documentos, muitos deles desclassificados há pouco. Se você não liga para nada disso, ressalto que ao menos deveria estar atendo à situação do mundo e lendo nosso site (e curtindo nossa fanpage no Facebook, por favor), pois a notícia triste é que, apesar de estar sem a sua armadura de Homem de Ferro bolchevique, a Rússia continua com uma capacidade destrutiva espetacular e mantém seus arsenais nucleares… Se o mundo entrar em uma guerra nuclear, nós estamos nele (você, inclusive, caro leitor) e nossa batatinha literalmente irá assar… Melhor não brigar com a Rússia, porque senão sobra para o mundo. Ah, e quem governa o urso é Putin. Gosto de Putin. Putin é KGB.

“Ok, mas isso não me interessa!”, dirá você! Então não leia este blog, volte para dentro do formigueiro e vá se entreter com a Valeska Popozuda que você faz melhor…

Segue matéria da Federation of America Scientists sobre o tema, com um monte de links para documentos interessantes sobre Guerra Fria espionagem…

Ah! E curta nossa fanpage clicando aqui!

US President Barack Obama (R) listens to

SECRECY NEWS
from the FAS Project on Government Secrecy
Volume 2014, Issue No. 27
April 3, 2014
 

“TOO MILD A NUCLEAR OPTION”? NATIONAL SECURITY IN THE 1970s

U.S. nuclear weapons strategy evolved during the Nixon administration from a reflexive policy of massive retaliation against a Soviet attack to a diverse range of options for more limited nuclear strikes. The transition was not without some bumps.

A declassified 1974 memo recorded that National Security Adviser Henry
Kissinger at first needed some persuading about the efficacy of limited
strikes.

http://www.fas.org/man/eprint/frus-toomild.pdf

Kissinger “expressed concern that many of the options appeared to him as
too timid. He judged that nuclear use must have a decisive military effect
in order to achieve the desired political goal– convince enemy to stop.”

Continuar lendo

Verdade inquestionável

Notícia publicada pela RIA NOVOSTI no último dia 30, segundo a qual o Presidente em exercício da Ucrânia, Olexandr Turchynov, teria declarado a incapacidade das forças ucranianas comandadas por Kiev de retomar o controle das áreas separatistas do leste do país. Ao “jogar a toalha”, Turchynov abre espaço para mais avanços de Moscou, inclusive com iniciativas separatistas em outras partes da Ucrânia, como a que acaba de ocorrer em Odessa. A tensão aumenta e a coisa só piora para a Ucrânia…

Turchynov

RIA Novosti

Ukraine Unable to Control Situation in East – Acting President

13:15 30/04/2014

Acting Ukrainian President Olexander Turchynov on Wednesday confessed that security officials are incapable of taking under control the situation in eastern Urkaine’s Luhansk and Donetsk regions.

KIEV, April 30 (RIA Novosti) – Acting Ukrainian President Olexander Turchynov on Wednesday confessed that security officials are incapable of taking under control the situation in eastern Urkaine’s Luhansk and Donetsk regions. Continuar lendo

Ucrânia: a situação cada vez mais russa…

ucrania_guerra civilNuvens negras sob os céus da Ucrânia. Separatismo, conflito entre tropas ucranianas e forças pró-Rússia, aeronaves ucranianas abatidas, dezenas de mortos. Indubitavelmente, a guerra civil começou na terra originária dos povos eslavos. Novas frentes são abertas, inclusive na famosa cidade de Odessa, na costa do Mar Negro. Ou seja, os distúrbios do leste chegam a outras partes do país, cujo esfacelamento parece questão de tempo… E quanto mais Kiev se mova, mais Moscou reagirá… Enquanto isso, Washington, Bruxelas e Berlim mantêm a apatia e a inércia.

É surpreendente a possibilidade de um conflito interestatal clássico na Europa no início do século XXI. Mas há possibilidade de que isso ocorra. E o Ocidente vê-se diante de situação tremendamente delicada. Afinal, o antagonista é a Rússia, e a Rússia liderada por Putin. Sob uma perspectiva pragmática, é muito complicado qualquer movimento contra o urso… pobres ucranianos!

Desde o início acompanho a crise na Ucrânia. E desde o início tenho dito que Putin continuará calculando seus movimentos e se expandindo em busca de mais áreas de influência. Afinal, lembro que não foram poucas as vezes em que as relações internacionais foram comparadas a um complexo jogo de xadrez. E os russos são conhecidos tradicionalmente como grandes enxadristas…

Segue excelente artigo da Reuters sobre a situação na Ucrânia…

ucrania_guerra civil2

Dozens die in Odessa, rebels down Ukraine helicopters

Reuters, 02MAIO2014, By Maria Tsvetkova

SLAVIANSK, Ukraine (Reuters) – Dozens of people were killed in a fire and others were shot dead when fighting between pro- and anti-Russian groups broke out on the streets of Odessa on Ukraine’s Black Sea coast on Friday, opening a new front in a conflict that has split the country. Continuar lendo

A crise da Crimeia sob uma perspectiva russa…

Alexander ChekalinExcelente artigo da Der Spiegel sobre a maneira como o Kremlin percebe a situação da Crimeia. Recomendo a leitura, sobretudo a meus alunos de Relações Internacionais. Muito interessante o fato de, como assinala o texto, a popularidade de Putin ter saltado de 67% à época dos jogos de Sochi para cerca de 80% hoje. Isso significa o apoio que o governante tem da população, que o vê como um líder forte e obstinado (exatamente do que os russos gostam…). Note-se, ainda, que até Gorbachev, prêmio Nobel da Paz, e último dirigente da União Soviética, fala em defesa de uma Crimeia na Federação da Rússia.

As perguntas centrais do artigo também merecem reflexão: a “reunificação”  da Crimeia é apenas mais um movimento contrário à redução da Rússia à condição de potência regional, em uma tentativa de recuperar a influência da época soviética, ou se trata do começo de uma série de “reconquistas” de um país que há séculos se vê como a potência hegemônica da Europa Oriental? Seria Putin um neoimperialista ou um líder que, colocado contra a parede pelas pressões domésticas e pelos desafios externos, mostra-se decidido em proteger os interesses de segurança nacional de seu país?

RUSSIA-UKRAINE-POLITICS-CRISIS-KREMLINOutra questão interessante se refere à percepção estratégica para a Defesa da Rússia diante da OTAN. O artigo assinala com propriedade que, nos tempos da União Soviética, a distância entre Moscou e as linhas da OTAN era de 1.800 km. Caso a Ucrânia ingresse da Aliança Atlântica (como desejam os EUA), essa distância se reduzirá a 500 km, e a Rússia perderia a “profundidade estratégica” tão relevante e que a protegeu das invasões de Napoleão e Hitler… Sete décadas após o fim da II Guerra Mundial, essa preocupação se mantém presente no imaginário daquele povo e na doutrina militar russa. Nesse sentido, continuo achando que o ingresso da Ucrânia na OTAN seria não só humilhante, mas inaceitável para Kremlin (e com razão, se considerarmos a perspectiva russa).

Destaco, por oportuno, a parte do artigo que se refere às possibilidades russas diante da crise e das restrições que lhe são feitas pelos ocidentais. No que concerne à Ucrânia, Putin tem o tempo e as populações russas naquele país a seu favor. Afinal, apesar das reticências do governo de Kiev, o país ainda é muito dependente de seu irmão-maior eslavo, e a minoria russa na Ucrânia é expressiva. Em termos de potências ocidentais, parecem que estas têm mais a perder do que a Rússia em uma queda de braço com Moscou. A economia européia depende mais da energia russa que os russos do comércio com a Europa. 

Finalmente, em se tratando de oportunidades, restrições ocidentais à Rússia podem fazer com que o maior país do mundo se volte para a Ásia, com novas parcerias com a China e a Índia (ambos que necessitarão, cada vez mais, de energia e matéria-prima que os russos têm de sobra). Nesse contexto, oportunidades podem surgir também para países mais afastados, como o Brasil. A falta de posicionamento do governo brasileiro nesta crise pode ser, em última instância, positiva para os interesses econômicos e geopolíticos do Brasil – desde que saiamos, alguma hora, da inércia.

Continuo acreditando que a anexação da Crimeia pela Rússia é fato consumado. Muito difícil reverter essa situação. O jogo, porém, não acabou. Ainda há muitas peças neste tabuleiro, e nenhum dos reis está nem de longe em xeque. Enquanto acompanhamos os movimentos, aproveito para lembrar que os russos são conhecidos por sua habilidade no xadrez…

People pass a mural showing a map of Crimea in Russian national colours on a street in Moscow

SPIEGEL ONLINE
03/25/2014 06:10 PM

‘Dear to Our Hearts’ – The Crimean Crisis from the Kremlin’s Perspective

By Matthias Schepp

The EU and US have come down hard on Russia for its annexation of the Crimean Peninsula. But from the perspective of the Kremlin, it is the West that has painted Putin into a corner. And the Russian president will do what it takes to free himself.

Last September, Vladimir Putin invited Russia experts from around the world to a conference, held halfway between Moscow and St. Petersburg. At the gathering, the Russian president delivered a passionate address. “We will never forget that Russia’s present-day statehood has its roots in Kiev. It was the cradle of the future, greater Russian nation,” Putin said. He added that Russians and Ukrainians have a “shared mentality, shared history and a shared culture. In this sense we are one people.”

Continuar lendo

O Urso está lá… e tem fome.

Matéria interessante da Deutsche Welle sobre o temor das ex-repúblicas soviéticas das pretensões expansionistas russas… Não acredito que Putin fará outros movimentos expansionistas por agora… Isso não quer dizer que ele parou com suas idéias de aumentar a esfera de influência de Moscou. Lembrem-se, Putin é KGB.

De toda maneira, se eu tivesse a Rússia como vizinho também estaria preocupado (menos a China, claro, porque a China não precisa se preocupar…).

Ex-repúblicas soviéticas na mira de Moscou

Depois da Crimeia, outros vizinhos da Rússia podem ser vítimas do novo expansionismo de Putin. DW examina as situações dos diferentes países, do Báltico ao Cáucaso, passando pela União Europeia.

DW 22/03/2014

Após a anexação da península da Crimeia à Federação Russa, observadores se perguntam se o presidente Vladimir Putin teria na mira outros países na periferia da Rússia. A Deutsche Welle apresenta os eventuais candidatos na campanha expansionista do Kremlin.

Continuar lendo