Breve história do nome Capitão-de-Mar-e-Guerra

platinamareguerraComo hoje é quarta-feira, e para manter a constância, resolvi publicar um texto que recebi de um grande amigo naval. Trata-se da explicação da origem do nome “Capitão-de-Mar-e-Guerra”, patente que na Marinha corresponde à de Coronel nas Forças de Terra e Ar. Vamos a ele então!

Breve história da origem do nome Capitão de Mar e Guerra.

Nos tempos das caravelas existiam duas entidades muito importantes a bordo: o piloto e o capitão. O primeiro responsável pela navegação segura do navio. Para tal, contava com o Mestre e os marinheiros para conduzir as fainas marinheiras,  principalmente as velas. O Capitão por sua vez era de formação militar e conduzia os soldados que guarneciam fuzis (daí fuzileiros navais), cuja função era atirar naqueles que quisessem abordar o navio e atirar  no piloto prejudicando a abordagem. A expressão Capitão significa “aquele que comanda”. Assim, o Piloto era o “Capitão do Mar “(expressão usada por muitas Marinhas para o posto equivalente a CMG). Já o outro era o “Capitão da Guerra” devido à sua formação militar.  Com o tempo um mesmo homem passou  a exercer as duas funções. Daí surgir o nome “Capitão-de-Mar-e-Guerra” na Marinha portuguesa. Mais tarde, o termo foi adotado nas Marinhas de língua portuguesa.

Minha homanagem aos amigos da Marinha do Brasil!

Cuidado com o que pede…

Para sair um pouco da temática do Brexit (ih! falei!), segue notícia que me chamou a atenção: a Ministra da Defesa da Alemanha pede aos russos que informem aos ocidentais sobre suas tropas (Uahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha! Desculpem…).

Não sei se a Senhora Ministra falou com Frau Merkel (gosto de Frau Merkel) sobre o assunto antes de fazer a declaração. Só acho que isso pode ser interpretado por Moscou como provocação… E talvez os russos resolvam informar aos alemães que podem se deslocar para Oeste se for da vontade de Berlim (há 25 anos eles estavam lá, né?)… E os poloneses começam a se preocupar…

De toda maneira, quando se trata com Putin, acho que é bom tomar cuidado com o que se pede… Vai que ele resolve atender! Acompanhemos os desdobramentos e vejamos a reação de Putin. Gosto de Putin. Putin é KGB.

A Ministra de Defesa alemã, Ursula von der Leyen, com soldados da infantaria depois dos exercícios militares na parte sul da Alemanha, em 23 de março, 2016

Alemanha quer informação sobre o número de tropas russas

Ursula von der Leyen, a ministra da Defesa alemã, pediu que Moscou divulgasse as deslocações e o número de suas tropas.

© SPUTNIK/ ALEKSANDR KRYAZHEV, 26/06/2016

“Seria razoável se a OTAN e a Rússia, no âmbito da OSCE, informassem uma a outra sobre o movimento e o número de suas tropas. Por parte da OTAN, que é uma aliança exclusivamente defensiva, a proposta foi feita há muito tempo”, disse a ministra em uma entrevista ao Bild am Sonntag.

 

Continuar lendo

Russos ao Mar!

russian-navyNeste 26 de julho, data em que os russos comemoram o Dia da Marinha, Vladimir Putin (gosto de Putin; Putin é KGB) aprovou a nova Doutrina Naval de seu país. Segundo o documento, a atuação da Rússia no mar torna-se mais abrangente: além dos quatro oceanos tradicionais por onde navega a frota russa (Atlântico, Ártico, Pacífico, e Índico), o Urso passa a querer nadar na Antártida! (Ou seja, urso polar não come pinguim, mas o urso negro do cáucaso está de olho nas riquezas do continente gelado!).

akula19Sim! Russos navegando nas gélidas águas austrais! (Algo me diz que submarinos russos, que passeiam pelo Ártico, podem desviar a rota para cá também… mas só por curiosidade, para confirmar se aqui é tão frio quanto lá e, claro, se o o gelo é bom para o Whisky ou para a Vodca – é bom sim, confirmo!). Indubitavelmente, a manobra acende a luz amarela para países com interesses estratégicos no Atlântico Sul e no Oceano Glacial Antártico, por exemplo, para os Estados Unidos (por óbvio) e a Grã-Bretanha (como o anterior, membro da OTAN). Assim também deveria ocorrer com outra nação que possui em sua Estratégia Nacional de Defesa um destaque para o Atlântico Sul e a Antártica – ganha um bolo de mandioca comungada com milho quem acertar o nome desse país! 

A agência [(para)oficial] russa Sputniknews publicou matéria hoje sobre a questão, destacando que “a nova versão da Doutrina Naval estabelece a inadmissibilidade dos planos de aproximação da infraestrutura militar da OTAN das fronteiras da Federação Russa como fator determinante das relações com a aliança”, e acrescenta que “a nova doutrina prevê ainda a redução das ameaças à segurança nacional no Ártico e o reforço das posições de liderança da Federação Russa na exploração desta região”. Também se deu atenção ao fortalecimento da infraestrutura para a Frota do Mar Negro (leia-se, Crimeia, deixando claro que ninguém em Moscou cogita devolver a região aos ucranianos) e o desenvolvimento da Frota do Norte.

Resumo da ópera, a Rússia reafirma sua condição de potência naval e dá o recado à OTAN: estamos preparados para usar a força na defesa de nossos interesses (ou ao menos esperamos que vocês pensem assim)!”. Sempre repetirei que uma potência não deixa de ser potência do dia para a noite. Pode até não ser a fera ameaçadora dos tempos soviéticos, mas o velho urso ainda tem dentes e garras!

Para a matéria na Sputniknews:
http://br.sputniknews.com/defesa/20150726/1676059.html#ixzz3h2itlIf3

Russian President Vladimir Putin seen aboard the Arkhangelsk nuclear submarine in the Barents Sea, Russia, Tuesday, Feb. 17, 2004. At left is  presidential standard flag, at right is Russian navy flag. Putin went out to the Barents Sea on board the Arkhangelsk nuclear submarine to observe the maneuvers set to involve numerous missile launches and flights of strategic bombers in what Russian media described as the largest show of military might in more than 20 years.  (AP Photo/ITAR-TASS, Presidential Press Service)

O papel das Forças Armadas em tempo de paz

Alguns amigos têm-me perguntado sobre um programa de TV exibido esta semana pela NBR e do qual participei falando de Forças Armadas em tempos de paz. Pois bem! Segue o vídeo do programa Panorama Ipea, que contou também com a participação de meu amigo Edison Benedito da Silva Filho. Trata-se de iniciativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em conjunto com a NBR.

Discutir sobre a política de defesa do país é indispensável frente a um cenário internacional cada vez mais complexo, incerto e turbulento. No campo doméstico, os militares sempre estiverem presentes em momentos decisivos de nossa história. Fica o convite para quem quiser conhecer um pouco mais a respeito.

Como prejudicar a Política Externa, a Indústria de Defesa e a Economia nacional de um só golpe

presidente indonesiaSei que o título ficou longo, mas é exatamente isso. Dias desses, um mui prezado amigo perguntou-me sobre a importância econômica da Indonésia para o Brasil (foi uma pergunta sincera, nada de ironia ou ridicularização do caso). Respondi-lhe que iria verificar como eram as relações bilaterais com a maior nação muçulmana. Antes que encontrasse tais informações, chegou a notícia da perspectiva do Governo da Indonésia de cancelar parte da compra de 16 aviões EMB-314 Super Tucano, fabricados pela empresa brasileira  (privada) orgulho de todos nós na produção de aeronaves. Até a hora em que escrevi este post, não havia notícia sobre a decisão de cancelamento por parte  de Jacarta, mas o simples fato de se considerar o cancelamento já fez com que as ações da Embraer despencassem na bolsa e afundassem a Bovespa! Mais uma brilhante manobra de autoridades brasileiras em prol da indústria nacional de Defesa e de nossa robusta e estabilizada Economia!

As relações entre Brasil e Indonésia sofreram forte abalo em razão de certas condutas da senhora presidente da república para com o Governo de Jacarta, todos disso sabemos. O que mais incomoda nessa história toda é que a justificativa do Governo brasileiro seria o estopim da crise seria o transtorno causado pela execução (legal e legítima) de dois traficantes que saíram daqui para vender cocaína na Indonésia e lá foram descobertos e presos pelas autoridades locais, julgados e condenados à morte. Dois traficantes!!!

Sempre digo a meus alunos que Política Externa não é para amadores. A tradição brasileira é de pragmatismo e eficiência em nossas relações exteriores, conduzidas por um corpo diplomático de altíssimo nível e, até alguns anos atrás, não-ideológico e orientado por interesses de Estado (e não de governo). Isso mudou nos últimos tempos, graças a arroubos de humor de certas autoridades na cúpula do governo e (des)orientações que chegam de fora do Itamaraty (existiria uma Eminência Parda em certo palácio que deseja ser o protagonista, de fato, de nossa Política Externa). O Brasil caminha então para ser realmente um anão diplomático e as pachouchadas de Política Externa prejudicam cada vez mais a imagem e, pior, as relações (políticas, mas também econômicas) do País com seus pares da comunidade internacional.

1024px-Embraer_logo.svg-e1422981442447No que concerne à indústria de nacional de Defesa, a medida tomada por Jacarta representa prejuízo para uma empresa brasileira (privada) de renome no plano internacional. Os efeitos podem ser nefastos em um momento em que se precisa alavancar o setor. Lembro que o Brasil é o único país do Hemisfério Sul a produzir aviões do porte dos jatos e aviões de combate da Embraer e que, com o início da produção do KC-390 (nosso avião cargueiro de grande porte e que rivalizará com o C-130, o velho Hércules), pode alcançar níveis de competitividade que rivalizem com a Boeing e a Airbus (a Embraer já é a terceira empresa de construção de aviões civis no mundo). Mas isso não deve ser objeto de preocupação de certas pessoas do governo brasileiro, que já não têm problemas em lidar com a crise econômica (para quem não sabe, estamos em crise).

A Economia? “A Economia, estúpido!”, diria Bill Clinton. Pois é… A simples notícia da possibilidade de cancelamento da compra de aviões da Embraer já gera impacto em outros setores da Economia brasileira além da indústria de Defesa. Bolsa, repito, cai. E tem-se mais um fato para abalar nossa sustentabilidade, que já está trêmula com escândalos de corrupção, greve, e crise na outra grande empresa brasileira, a Petrobrás (continuo usando o acento no “á”). Mas não há motivo para pânico. Os próceres que nos lideram resolverão nossos problemas. Os brasileiros temos que continuar, como bons ovinos, calmos, (c)ordeiros e sem reclamar.

Evidentemente que se não houvesse a Embraer, nada disso teria acontecido. A culpa desses males todos é, portanto, do Brigadeiro Osires Lopes Silva, responsável pela criação da Embraer, e dos executivos e funcionários daquela empresa que fazem dela um primor de excelência e orgulho nacional. Sim, a culpa só pode ser deles. Se não for deles, é do FHC…

supertucano

Indonésia reconsidera compra de aviões Embraer por tensão

Exame.com – 24/02/2015

Jacarta – A Indonésia está reconsiderando a compra de aviões militares e lança-foguetes do Brasil, em meio a uma tensão entre os dois países sobre a execução de brasileiros por tráfico de drogas, disse o vice-presidente indonésio, Jusuf Kalla, de acordo com o jornal Jakarta Post.

Os dois países chamaram de volta seus embaixadores para consultas em uma disputa que começou quando a Indonésia executou o cidadão brasileiro Marco Archer e outras cinco pessoas de diferentes países, no mês passado. Continuar lendo

Tu és na guerra a nossa estrela guia

patrono_osorioNeste 10 de maio, minha saudação e meu abraço fraterno aos amigos da Cavalaria. Ao longo da história da humanidade, a Cavalaria mostrou-se presente em grandes momentos de que se tem registro, das Guerra Púnicas ao Conflito do Iraque, com grandes ou pequenas unidades, mas sempre de forma decisiva. Nos dias de hoje, exército nenhum pode abrir mão da flexibilidade, capacidade de manobra, ação de choque, comunicações amplas e flexíveis, potência de fogo e proteção blindada, características que conferem à arma significativa importância na batalha.

O 10 de maio é celebrado no Brasil como o Dia da Cavalaria por ser a data natalícia do patrono da arma, o Marechal Manuel Luís Osório, ou simplesmente Osório, Marquês do Herval, um dos maiores heróis de nossa História. Osório foi um grande exemplo de militar, inciando como praça e chegando ao mais alto grau da hierarquia do Exército, com uma trajetória de vida que poderia servir de roteiro para um grande filme épico. Não por acaso, Osório também ficou conhecido como “o Legendário”, e tem-se nele um exemplo de liderança, obstinação e coragem não só para os militares, mas para todos os brasileiros.

Parabéns, cavalarianos! Parabéns à Cavalaria, as estrela guia dos exércitos no campo de batalha!

Cavalaria

PS: Segue vídeo com a canção da cavalaria (feito pelo CML).

Amigos, amigos, negócios…

Reportagem da Spiegel sobre “indisposições” no seio da OTAN, algumas delas associadas à conduta dos EUA com relação a seus aliados… Recomendo a leitura, sobretudo a meus alunos de Relações Internacionais que ainda achem que o mundo é feito de flores..

Daqui a pouco Putin propõe uma aliança no estilo Pacto de Varsóvia para atrair os povos do Leste (claro que com todos sabendo quem manda e quem pode o quê)…

Belgium NATO Ukraine

SPIEGEL ONLINE
03/06/2014 04:48 PM

Whither NATO? Difficulties in the Trans-Atlantic Relationship

An Op-Ed by Secretary William Cohen and General James Jones

Revelations about NSA spying and an unequal sharing of military burdens has cast a recent shadow over the trans-Atlantic relationship. But NATO remains just as important as ever. It is time for all alliance members to recognize that fact.

During the course of more than three decades, in our public service and private capacities, we have regularly attended the Munich Security Conference, formerly known as Wehrkunde.

The Conference initially consisted of a small group of military experts from the United States, Canada and Western Europe who discussed issues involving the threat posed by the former Soviet Union. Today, the Conference includes representatives from the business, diplomatic and military communities from all of Europe, Russia and Asia who examine the new threats posed by terrorists, religious extremists, nuclear proliferation, cyber warfare and organized crime.

Although the US delegation to the Conference included 15 members of Congress and a joint appearance by Secretary of State John Kerry and Secretary of Defense Chuck Hagel we detected the “brooding omnipresence” of a discontent for the United States that contained a whiff of anti-Americanism.

This dark overhang is due in part to Edward Snowden’s revelations about NSA’s collection activities, but it is coupled with a perception that the United States is withdrawing its interest from vast areas of the globe, including Europe, a feeling partly fueled by the “Pivot Towards Asia” declaration announced in Washington. While nothing could be further from the truth, perceptions can become reality when not effectively rebuffed by evidence to the contrary. There also seems to be a little too much enthusiasm to link this perception with the increasingly popular notion of a general “American decline”, something we have heard about in every decade since 1945. Continuar lendo