O que estou a ler no momento

Aprendendo a usar um software de edição de vídeo… Então por favor não se chateie com o meu vídeo tosco! De toda maneira, publiquei esses dias no meu canal do YouTube (www.YouTube.com/joanisvalbsb) alguns comentários sobre o que estou lendo no momento. É que nas redes sociais as pessoas têm-me perguntado sobre isso!

Vá lá ao canal (pode ir clicando aqui), curta os vídeos, e se inscreva nele para receber as atualizações! Ah! Se quiser divulgar, agradeço! Abraço!

 

7 Lições de Liderança

Hoje é Dia do Livro em Frumentarius. E aproveito que estamos na semana do batismo de fogo da Força Expedicionária Brasileira (FEB) nos campos de batalha da Itália, para indicar a obra de um valoroso combatente moderno, meu amigo Coronel Ricardo Bezerra, que comandou o Batalhão Brasileiro (BRABAT) na Missão de Paz da Organização das Nações Unidas no Haiti. O livro, Missão Haiti – 7 Lições de Liderança, reúne as experiências de Ricardo em sua missão de seis meses à frente de homens e mulheres em um teatro de operações peculiar, complexo e dinâmico.

Naturalmente, o aprendizado de Ricardo é de grande utilidade em cenários distintos daqueles do Haiti. Os ensinamentos ali reunidos são úteis para líderes nas batalhas do mercado, na motivação das equipes e, ademais, no próprio crescimento pessoal. Tive a oportunidade de conhecer as provas iniciais da obra de Ricardo ainda quando conversávamos do potencial de seu trabalho e dos significativos benefícios que a publicação traria para milhares de afortunados leitores.

Recomendo efusivamente o livro de Ricardo Bezerra, que se mostrou um profissional de altíssimo nível quando atuou como Chefe de Gabinete no Instituto Pandiá Calógeras do Ministério da Defesa. De fato, o Coronel foi fundamental para reestruturação do Instituto, no apoio ao Diretor (como adjunto, conselheiro e amigo), e para motivar a equipe. Interessante que sempre tinha uma boa história que trazia um ensinamento a seus subordinados e superiores.

Onde você pode adquirir Missão Haiti – 7 Lições de Liderança? Bom, as melhores livrarias já o têm disponível – se não o tiverem, não serão as melhores livrarias. E, se quiser um autógrafo do autor, Ricardo fará o lançamento em algumas cidades do Brasil.

Nesse sentido, aproveito para convidar a todos para o lançamento das Missão Haiti – 7 Lições de Liderançaem Brasília! Será amanhã, quarta-feira, 18/09, às 19h, no restaurante Carpe Diem da 104 Sul, em Brasília (DF). Evento imperdível!

818g6bnrbfl.jpg

 

Breve história do nome Capitão-de-Mar-e-Guerra

platinamareguerraComo hoje é quarta-feira, e para manter a constância, resolvi publicar um texto que recebi de um grande amigo naval. Trata-se da explicação da origem do nome “Capitão-de-Mar-e-Guerra”, patente que na Marinha corresponde à de Coronel nas Forças de Terra e Ar. Vamos a ele então!

Breve história da origem do nome Capitão de Mar e Guerra.

Nos tempos das caravelas existiam duas entidades muito importantes a bordo: o piloto e o capitão. O primeiro responsável pela navegação segura do navio. Para tal, contava com o Mestre e os marinheiros para conduzir as fainas marinheiras,  principalmente as velas. O Capitão por sua vez era de formação militar e conduzia os soldados que guarneciam fuzis (daí fuzileiros navais), cuja função era atirar naqueles que quisessem abordar o navio e atirar  no piloto prejudicando a abordagem. A expressão Capitão significa “aquele que comanda”. Assim, o Piloto era o “Capitão do Mar “(expressão usada por muitas Marinhas para o posto equivalente a CMG). Já o outro era o “Capitão da Guerra” devido à sua formação militar.  Com o tempo um mesmo homem passou  a exercer as duas funções. Daí surgir o nome “Capitão-de-Mar-e-Guerra” na Marinha portuguesa. Mais tarde, o termo foi adotado nas Marinhas de língua portuguesa.

Minha homanagem aos amigos da Marinha do Brasil!

Cuidado com o que pede…

Para sair um pouco da temática do Brexit (ih! falei!), segue notícia que me chamou a atenção: a Ministra da Defesa da Alemanha pede aos russos que informem aos ocidentais sobre suas tropas (Uahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha! Desculpem…).

Não sei se a Senhora Ministra falou com Frau Merkel (gosto de Frau Merkel) sobre o assunto antes de fazer a declaração. Só acho que isso pode ser interpretado por Moscou como provocação… E talvez os russos resolvam informar aos alemães que podem se deslocar para Oeste se for da vontade de Berlim (há 25 anos eles estavam lá, né?)… E os poloneses começam a se preocupar…

De toda maneira, quando se trata com Putin, acho que é bom tomar cuidado com o que se pede… Vai que ele resolve atender! Acompanhemos os desdobramentos e vejamos a reação de Putin. Gosto de Putin. Putin é KGB.

A Ministra de Defesa alemã, Ursula von der Leyen, com soldados da infantaria depois dos exercícios militares na parte sul da Alemanha, em 23 de março, 2016

Alemanha quer informação sobre o número de tropas russas

Ursula von der Leyen, a ministra da Defesa alemã, pediu que Moscou divulgasse as deslocações e o número de suas tropas.

© SPUTNIK/ ALEKSANDR KRYAZHEV, 26/06/2016

“Seria razoável se a OTAN e a Rússia, no âmbito da OSCE, informassem uma a outra sobre o movimento e o número de suas tropas. Por parte da OTAN, que é uma aliança exclusivamente defensiva, a proposta foi feita há muito tempo”, disse a ministra em uma entrevista ao Bild am Sonntag.

 

Continuar lendo

Russos ao Mar!

russian-navyNeste 26 de julho, data em que os russos comemoram o Dia da Marinha, Vladimir Putin (gosto de Putin; Putin é KGB) aprovou a nova Doutrina Naval de seu país. Segundo o documento, a atuação da Rússia no mar torna-se mais abrangente: além dos quatro oceanos tradicionais por onde navega a frota russa (Atlântico, Ártico, Pacífico, e Índico), o Urso passa a querer nadar na Antártida! (Ou seja, urso polar não come pinguim, mas o urso negro do cáucaso está de olho nas riquezas do continente gelado!).

akula19Sim! Russos navegando nas gélidas águas austrais! (Algo me diz que submarinos russos, que passeiam pelo Ártico, podem desviar a rota para cá também… mas só por curiosidade, para confirmar se aqui é tão frio quanto lá e, claro, se o o gelo é bom para o Whisky ou para a Vodca – é bom sim, confirmo!). Indubitavelmente, a manobra acende a luz amarela para países com interesses estratégicos no Atlântico Sul e no Oceano Glacial Antártico, por exemplo, para os Estados Unidos (por óbvio) e a Grã-Bretanha (como o anterior, membro da OTAN). Assim também deveria ocorrer com outra nação que possui em sua Estratégia Nacional de Defesa um destaque para o Atlântico Sul e a Antártica – ganha um bolo de mandioca comungada com milho quem acertar o nome desse país! 

A agência [(para)oficial] russa Sputniknews publicou matéria hoje sobre a questão, destacando que “a nova versão da Doutrina Naval estabelece a inadmissibilidade dos planos de aproximação da infraestrutura militar da OTAN das fronteiras da Federação Russa como fator determinante das relações com a aliança”, e acrescenta que “a nova doutrina prevê ainda a redução das ameaças à segurança nacional no Ártico e o reforço das posições de liderança da Federação Russa na exploração desta região”. Também se deu atenção ao fortalecimento da infraestrutura para a Frota do Mar Negro (leia-se, Crimeia, deixando claro que ninguém em Moscou cogita devolver a região aos ucranianos) e o desenvolvimento da Frota do Norte.

Resumo da ópera, a Rússia reafirma sua condição de potência naval e dá o recado à OTAN: estamos preparados para usar a força na defesa de nossos interesses (ou ao menos esperamos que vocês pensem assim)!”. Sempre repetirei que uma potência não deixa de ser potência do dia para a noite. Pode até não ser a fera ameaçadora dos tempos soviéticos, mas o velho urso ainda tem dentes e garras!

Para a matéria na Sputniknews:
http://br.sputniknews.com/defesa/20150726/1676059.html#ixzz3h2itlIf3

Russian President Vladimir Putin seen aboard the Arkhangelsk nuclear submarine in the Barents Sea, Russia, Tuesday, Feb. 17, 2004. At left is  presidential standard flag, at right is Russian navy flag. Putin went out to the Barents Sea on board the Arkhangelsk nuclear submarine to observe the maneuvers set to involve numerous missile launches and flights of strategic bombers in what Russian media described as the largest show of military might in more than 20 years.  (AP Photo/ITAR-TASS, Presidential Press Service)

O papel das Forças Armadas em tempo de paz

Alguns amigos têm-me perguntado sobre um programa de TV exibido esta semana pela NBR e do qual participei falando de Forças Armadas em tempos de paz. Pois bem! Segue o vídeo do programa Panorama Ipea, que contou também com a participação de meu amigo Edison Benedito da Silva Filho. Trata-se de iniciativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em conjunto com a NBR.

Discutir sobre a política de defesa do país é indispensável frente a um cenário internacional cada vez mais complexo, incerto e turbulento. No campo doméstico, os militares sempre estiverem presentes em momentos decisivos de nossa história. Fica o convite para quem quiser conhecer um pouco mais a respeito.

Como prejudicar a Política Externa, a Indústria de Defesa e a Economia nacional de um só golpe

presidente indonesiaSei que o título ficou longo, mas é exatamente isso. Dias desses, um mui prezado amigo perguntou-me sobre a importância econômica da Indonésia para o Brasil (foi uma pergunta sincera, nada de ironia ou ridicularização do caso). Respondi-lhe que iria verificar como eram as relações bilaterais com a maior nação muçulmana. Antes que encontrasse tais informações, chegou a notícia da perspectiva do Governo da Indonésia de cancelar parte da compra de 16 aviões EMB-314 Super Tucano, fabricados pela empresa brasileira  (privada) orgulho de todos nós na produção de aeronaves. Até a hora em que escrevi este post, não havia notícia sobre a decisão de cancelamento por parte  de Jacarta, mas o simples fato de se considerar o cancelamento já fez com que as ações da Embraer despencassem na bolsa e afundassem a Bovespa! Mais uma brilhante manobra de autoridades brasileiras em prol da indústria nacional de Defesa e de nossa robusta e estabilizada Economia!

As relações entre Brasil e Indonésia sofreram forte abalo em razão de certas condutas da senhora presidente da república para com o Governo de Jacarta, todos disso sabemos. O que mais incomoda nessa história toda é que a justificativa do Governo brasileiro seria o estopim da crise seria o transtorno causado pela execução (legal e legítima) de dois traficantes que saíram daqui para vender cocaína na Indonésia e lá foram descobertos e presos pelas autoridades locais, julgados e condenados à morte. Dois traficantes!!!

Sempre digo a meus alunos que Política Externa não é para amadores. A tradição brasileira é de pragmatismo e eficiência em nossas relações exteriores, conduzidas por um corpo diplomático de altíssimo nível e, até alguns anos atrás, não-ideológico e orientado por interesses de Estado (e não de governo). Isso mudou nos últimos tempos, graças a arroubos de humor de certas autoridades na cúpula do governo e (des)orientações que chegam de fora do Itamaraty (existiria uma Eminência Parda em certo palácio que deseja ser o protagonista, de fato, de nossa Política Externa). O Brasil caminha então para ser realmente um anão diplomático e as pachouchadas de Política Externa prejudicam cada vez mais a imagem e, pior, as relações (políticas, mas também econômicas) do País com seus pares da comunidade internacional.

1024px-Embraer_logo.svg-e1422981442447No que concerne à indústria de nacional de Defesa, a medida tomada por Jacarta representa prejuízo para uma empresa brasileira (privada) de renome no plano internacional. Os efeitos podem ser nefastos em um momento em que se precisa alavancar o setor. Lembro que o Brasil é o único país do Hemisfério Sul a produzir aviões do porte dos jatos e aviões de combate da Embraer e que, com o início da produção do KC-390 (nosso avião cargueiro de grande porte e que rivalizará com o C-130, o velho Hércules), pode alcançar níveis de competitividade que rivalizem com a Boeing e a Airbus (a Embraer já é a terceira empresa de construção de aviões civis no mundo). Mas isso não deve ser objeto de preocupação de certas pessoas do governo brasileiro, que já não têm problemas em lidar com a crise econômica (para quem não sabe, estamos em crise).

A Economia? “A Economia, estúpido!”, diria Bill Clinton. Pois é… A simples notícia da possibilidade de cancelamento da compra de aviões da Embraer já gera impacto em outros setores da Economia brasileira além da indústria de Defesa. Bolsa, repito, cai. E tem-se mais um fato para abalar nossa sustentabilidade, que já está trêmula com escândalos de corrupção, greve, e crise na outra grande empresa brasileira, a Petrobrás (continuo usando o acento no “á”). Mas não há motivo para pânico. Os próceres que nos lideram resolverão nossos problemas. Os brasileiros temos que continuar, como bons ovinos, calmos, (c)ordeiros e sem reclamar.

Evidentemente que se não houvesse a Embraer, nada disso teria acontecido. A culpa desses males todos é, portanto, do Brigadeiro Osires Lopes Silva, responsável pela criação da Embraer, e dos executivos e funcionários daquela empresa que fazem dela um primor de excelência e orgulho nacional. Sim, a culpa só pode ser deles. Se não for deles, é do FHC…

supertucano

Indonésia reconsidera compra de aviões Embraer por tensão

Exame.com – 24/02/2015

Jacarta – A Indonésia está reconsiderando a compra de aviões militares e lança-foguetes do Brasil, em meio a uma tensão entre os dois países sobre a execução de brasileiros por tráfico de drogas, disse o vice-presidente indonésio, Jusuf Kalla, de acordo com o jornal Jakarta Post.

Os dois países chamaram de volta seus embaixadores para consultas em uma disputa que começou quando a Indonésia executou o cidadão brasileiro Marco Archer e outras cinco pessoas de diferentes países, no mês passado. Continuar lendo

Tu és na guerra a nossa estrela guia

patrono_osorioNeste 10 de maio, minha saudação e meu abraço fraterno aos amigos da Cavalaria. Ao longo da história da humanidade, a Cavalaria mostrou-se presente em grandes momentos de que se tem registro, das Guerra Púnicas ao Conflito do Iraque, com grandes ou pequenas unidades, mas sempre de forma decisiva. Nos dias de hoje, exército nenhum pode abrir mão da flexibilidade, capacidade de manobra, ação de choque, comunicações amplas e flexíveis, potência de fogo e proteção blindada, características que conferem à arma significativa importância na batalha.

O 10 de maio é celebrado no Brasil como o Dia da Cavalaria por ser a data natalícia do patrono da arma, o Marechal Manuel Luís Osório, ou simplesmente Osório, Marquês do Herval, um dos maiores heróis de nossa História. Osório foi um grande exemplo de militar, inciando como praça e chegando ao mais alto grau da hierarquia do Exército, com uma trajetória de vida que poderia servir de roteiro para um grande filme épico. Não por acaso, Osório também ficou conhecido como “o Legendário”, e tem-se nele um exemplo de liderança, obstinação e coragem não só para os militares, mas para todos os brasileiros.

Parabéns, cavalarianos! Parabéns à Cavalaria, as estrela guia dos exércitos no campo de batalha!

Cavalaria

PS: Segue vídeo com a canção da cavalaria (feito pelo CML).

Amigos, amigos, negócios…

Reportagem da Spiegel sobre “indisposições” no seio da OTAN, algumas delas associadas à conduta dos EUA com relação a seus aliados… Recomendo a leitura, sobretudo a meus alunos de Relações Internacionais que ainda achem que o mundo é feito de flores..

Daqui a pouco Putin propõe uma aliança no estilo Pacto de Varsóvia para atrair os povos do Leste (claro que com todos sabendo quem manda e quem pode o quê)…

Belgium NATO Ukraine

SPIEGEL ONLINE
03/06/2014 04:48 PM

Whither NATO? Difficulties in the Trans-Atlantic Relationship

An Op-Ed by Secretary William Cohen and General James Jones

Revelations about NSA spying and an unequal sharing of military burdens has cast a recent shadow over the trans-Atlantic relationship. But NATO remains just as important as ever. It is time for all alliance members to recognize that fact.

During the course of more than three decades, in our public service and private capacities, we have regularly attended the Munich Security Conference, formerly known as Wehrkunde.

The Conference initially consisted of a small group of military experts from the United States, Canada and Western Europe who discussed issues involving the threat posed by the former Soviet Union. Today, the Conference includes representatives from the business, diplomatic and military communities from all of Europe, Russia and Asia who examine the new threats posed by terrorists, religious extremists, nuclear proliferation, cyber warfare and organized crime.

Although the US delegation to the Conference included 15 members of Congress and a joint appearance by Secretary of State John Kerry and Secretary of Defense Chuck Hagel we detected the “brooding omnipresence” of a discontent for the United States that contained a whiff of anti-Americanism.

This dark overhang is due in part to Edward Snowden’s revelations about NSA’s collection activities, but it is coupled with a perception that the United States is withdrawing its interest from vast areas of the globe, including Europe, a feeling partly fueled by the “Pivot Towards Asia” declaration announced in Washington. While nothing could be further from the truth, perceptions can become reality when not effectively rebuffed by evidence to the contrary. There also seems to be a little too much enthusiasm to link this perception with the increasingly popular notion of a general “American decline”, something we have heard about in every decade since 1945. Continuar lendo

Guerra cibernética na Ucrânia

cyberattackEnquanto no Brasil se comemora o resultado do desfile das escolas de samba do grupo especial (hein?), na Ucrânia a situação está cada vez mais russa… Segue artigo muito interessante, enviado por um caríssimo amigo lá do Timor Leste, que trata de ataques cibernéticos contra aquele país.

Lembro que a guerra neste novo século pode-se dar em diferentes cenários, com as armas mais distintas. E um campo absurdamente sensível é o cibernético. Daí a importância de estarmos preparados… Daí meu pleito por investimento maciço em segurança e defesa cibernética. Os danos de um ataque no mundo virtual podem ser tão ou mais nefastos que um ataque com mísseis ou com a infantaria contra um território. Ah sim, atentem na reportagem para o comentário sutil sobre a origem do ataque.

Em tempo, sempre convém lembrar que, por ocasião da guerra entre a Rússia e a Geórgia, em agosto de 2008, antes que a primeira bota russa estivesse em solo georgiano, os sistemas deste país já haviam colapsado sob ataque cibernético. Mas, por aqui, o que importa é quem venceu o desfile do grupo especial…

Finantial Times – March 7, 2014 7:25 pm

Cyber Snake plagues Ukraine networks

By Sam Jones, Defence and Security Editor
A magnifying glass is held in front of a computer screen©Reuters

An aggressive cyber weapon called Snake has infected dozens of Ukrainian computer networks including government systems in one of the most sophisticated attacks of recent years.

Also known as Ouroboros, after the serpent of Greek mythology that swallowed its own tail, experts say it is comparable in its complexity with Stuxnet, the malware that was found to have disrupted Iran’s uranium enrichment programme in 2010.

 The cyber weapon has been deployed most aggressively since the start of last year ahead of protests that climaxed two weeks ago with the overthrow of Viktor Yanukovich’s government. Continuar lendo

Mais deserções…

mísseis A Voz da Rússia anunciou nesta segunda que mais três grupos (que lá chamam de regimentos) de mísseis antiaéreos das Forças Armadas da Ucrânia  (os 50º, 55º e 147º regimentos de mísseis antiaéreos, localizados em Eupatória, Feodosia e Fiolente) passaram para o lado das autoridades da Crimeia – leia-se, Moscou. 

Segundo o porta-voz da República Autônoma, “no total, mais de 700 soldados e oficiais declararam a sua disponibilidade para defender a população da Crimeia. As unidades de defesa aérea, que passaram para o lado do governo, contam com mais de 20 complexos de mísseis antiaéreos Buk e mais de 30 sistemas de mísseis antiaéreos S-300PS”. Seriam já cerca de 5.500 soldados “ucranianos” a passar para o lado dos russos.

Assim, das 34 unidades militares ucranianas estacionadas na Crimeia, 23 já teriam manifestado lealdade a Moscou. Some-se aí a frota ucraniana (ou ex-frota ucraniana, ou ex-frota soviética do Mar Negro) de Sebastopol que optou por aderir à causa da secessão.

Diante desse quadro, alguém tem dúvida de que a Crimeia deixou de pertencer à Ucrânia? O problema é se o exemplo for seguido pela região leste do país, de maioria russa. Isso acontecendo, a probabilidade de secessão da Ucrânia é  alta. Com o Urso à espreita, as lideranças do governo provisório em Kiev têm muito com o que se preocupar…

Segue artigo da RIA Novosti sobre as deserções…

RIA Novosti

5,500 Ukrainian Soldiers Defect to Serve an Independent Crimea

18:22 04/03/2014

More than 5,500 soldiers have defected from Ukraine’s military to serve the autonomous republic of Crimea, the region’s newly appointed leader said.

 MOSCOW, March 4 (RIA Novosti) – More than 5,500 soldiers have defected from Ukraine’s military to serve the autonomous republic of Crimea, the region’s newly appointed leader said.

Sergei Aksyonov, named prime minister last week in a local parliamentary vote, said Tuesday that talks with unit commanders led to the defections of soldiers to join an independent Crimean military. Continuar lendo

Poder Aeroeapacial e Estudos Interdisciplinares de Segurança e Defesa

seminario defesa aeroespacial 2014Compartilho a notícia sobre o seminário V Seminário de Estudos: Poder Aeroeapacial e Estudos Interdisciplinares de Segurança e Defesa, promovido pela minha querida Universidade da Força Aérea (UNIFA), e que ocorrerá nos dias 26 e 27 de março, no Rio de Janeiro.

Recomendo particularmente a meus alunos de Relações Internacionais e Defesa.

Para acessar o site do evento, inscrições e maiores informações, clique aqui

Segue o texto de apresentação do evento.

“Em tempos remotos, as guerras reuniam grupos que se confrontavam na disputa por melhores espaços para produção agrícola, confisco de armas e expansão dos seus territórios. Terminados os conflitos, vencedores e vencidos conheciam os seus destinos e, com o decorrer dos séculos, trouxeram, a reboque, uma nova variável incorporada à necessidade estratégica de expansão, o poder. Esse novo pensamento modificou os objetivos políticos, impregnou as relações entre os Estados e inaugurou um novo olhar sobre os conflitos, desta feita sob os auspícios do entendimento Geopolítico e das Relações Internacionais. Continuar lendo

“A paz só pode ser preservada com a força”

China Marks 60 Years Of The Chinese NavyEm meio à crise da Ucrânia, os trabalhos do Congresso Nacional do Povo chinês foram retomados. Interessante a declaração de sua porta-voz sobre a segurança na Ásia e, em última instância, no mundo… De acordo com Fu Ying, secretária de imprensa do parlamento da China, o país deixa claro que suas Forças Armadas “estão prontas para darem uma enérgica resposta a quem atentar contra a paz na região”. 

Fu Ying, assinalou, ainda, que a China advoga a solução pacífica dos conflitos, e que seu exército só tem objetivos de defesa. Entretanto, Pequim reagirá efusivamente a qualquer “violação da paz”. Fica o recado para países que teriam litígios territoriais com o Dragão vermelho, particularmente para Japão e Coreia do Sul. 

Em tempos de potências mostrando as garras e os dentes, o Dragão aumenta seus gastos militares e deixa claro que pode também cuspir fogo… A frase da porta-voz, segundo a qual “a paz só pode ser preservada com a força” poderia servir de alerta para outros países que queiram ocupar um papel de destaque no cenário internacional, mas se esquecem de investir em defesa… E, naturalmente, fez-me lembrar das palavras de um grande estadista, este brasileiro, que viveu em Pindorama há cerca de cem anos, o Barão do Rio Branco. Segundo o pai de nossa diplomacia, “não se pode ser pacífico sem ser forte”.

Segue matéria sobre a declaração do Parlamento chinês, extraída do site oficial.

Peace can only be preserved with strength: NPC spokeswoman

English.news.cn | 2014-03-04 16:14:06 | Editor: Yang Yi

BEIJING, March 4 (Xinhua) — A spokesperson for China’s top legislature on Tuesday defended the country’s defense policies, saying that peace can only be preserved with strength.

Responding to a question concerning China’s growing military power, Fu Ying, spokesperson for the second session of the 12th National People’s Congress (NPC), said China as a major power is responsible for regional peace and security. Continuar lendo

15 mil toneladas de diplomacia!

USS_Zumwalt_(DDG-1000)_DesignMatéria sobre o novo buque de guerra estadunidense. Bela arma! Dissuasória, segundo a Marinha dos EUA. São esperados 24 destróiers (ou contratorpedeiros por aqui). Devem ser usados na Ásia e Pacífico (preciso dizer mais alguma coisa?).

uss-monitor-shipwreck-1Segundo meu amigo Márcio Scalércio, o DDG-1000 lembra o USS Monitor, usado pela União na Guerra Civil. Só que o Monitor afundou…

EUA lançam navio de guerra mais caro do mundo

Estadão Conteúdo – dom, 5 de jan de 2014, publicado em http://br.noticias.yahoo.com/eua-lan%C3%A7am-navio-guerra-caro-101000859.html
 
EUA lançam navio de guerra mais caro do mundo. (Foto: UNITED STATES/MARITIME MILITARY)

EUA lançam navio de guerra mais caro do mundo. (Foto: UNITED STATES/MARITIME MILITARY)

O navio de guerra mais poderoso do mundo é, também, o mais caro: o novo destróier americano Zumwalt, o DDG 1000, custou US$ 7 bilhões – preço do desenvolvimento do projeto, mais a construção da primeira unidade de uma série de três. Descontado o investimento, só o navio saiu por US$ 1,4 bilhão.

“É um ‘drakar’ da idade da tecnologia”, afirma Júlio Penteado, engenheiro naval com especialização militar, comparando o destróier às embarcações dos guerreiros vikings – os mais temidos da Europa há 1.200 anos. Para o engenheiro, o desenho revolucionário do Zumwalt e as inovações que incorpora, “estabelecem referências que não poderão ser ignoradas no planejamento das frotas modernas”. Continuar lendo

F-X2 e Gripen-NG

GripenNG__02Segue um material tremendamente interessante, indicado pelo meu grande amigo, Eugênio Diniz, um dos maiores especialistas brasileiros em estudos estratégicos e conhecedor profundo de Defesa. Traz muitos esclarecimentos tanto sobre o Gripen-NG quanto sobre o Projeto F-X2. Recomendo!

F-X2: Brazil Picks Saab’s JAS-39 Gripen-NG over Rafale, Super Hornet

Dec 19, 2013 20:18 UTC by Defense Industry Daily staff
Latest update [?]
http://www.defenseindustrydaily.com/brazil-embarking-upon-f-x2-fighter-program-04179/?utm_medium=textlink&utm_term=continuereading
Dec 18/13: Tack sa mycket, Herr Snowden! Earlier press reports that the competition was stalled for another 2 years are proven wrong by a somewhat unexpected announcement by the Ministerio da Defesa that Brazil has picked Saab’s Gripen-NG as their preferred bidder, and expects to buy 36 planes for $4.5 billion. That’s currently just an estimate, as negotiations need to sort… {click to expand +}
 

As Brazil started boosting its defense budgets in past years, its Navy and Army received funds to replace broken-down equipment, while new fighters will be a critical centerpiece of the Forca Aerea Brasileira’s efforts.

Boeing’s F/A-18 E/F Super Hornet, France’s Dassault’s RafaleSaab’s JAS-39 Gripen NG were picked as finalists. But after repeated stalling, for years the question was whether Brazil would actually place an order, or fold up the competition like the ill-fated 2011 F-X process. At the end of 2013 Brazil unexpectedly picked the Swedish offer, though offsets, price, and lack of diplomatic baggage, all can explain the decision.

 F-X2: The Competition

Rafale-M Launch CVN-65

Dassault Rafale:
Takeoff at last?
(click to view full)

The 36+ aircraft under consideration for F-X2 were mostly the same set of 4+ generation fighters that were considered for the canceled F-X competition: Boeing’s F/A-18 E/F Super HornetDassault’s RafaleEADS’ Eurofighter, Lockheed Martin’s F-16 Block 60,Saab’s JAS-39 Gripen NG, and Sukhoi’s SU-35. Continuar lendo

Salva de Kalashnikov

24Kalashnikov-popupInformo que faleceu hoje, 23DEZ13, Mikhail Kalashinikov, o inventor da arma mais conhecida do século XX, o AK-47, mesmo só tendo sido inventado após as duas guerras mundiais. Tido como arma simples, versátil, resistente e, praticamente, infalível, o AK-47 foi utilizado pelos mais distintos exércitos por todo o globo. também era arma favorita de milícias, grupos insurgentes, guerrilheiros e terroristas – sempre vem à mente a imagem de Bin Laden com um. Exatamente por isso, foram produzidos e vendidos milhões de AK-47. Não seria temerário dizer que o fuzil foi usado em praticamente todas as guerras desde sua criação…

601641_672457459444153_242481829_n

December 23, 2013, New York times
 

Mikhail Kalashnikov, Creator of AK-47, Dies at 94

By 

Lt. Gen. Mikhail T. Kalashnikov, the arms designer credited by the Soviet Union with creating the AK-47, the first in a series of rifles and machine guns that would indelibly associate his name with modern war and become the most abundant firearms ever made, died on Monday in Izhevsk, the capital of the Udmurtia republic, where he lived. He was 94. Continuar lendo

Asilo para quê?

Edward_SnowdenArtigo em que meu amigo Marcos Degaut é coautor. Transcrevo aqui e concordo com a percepção dos articulistas. Temos muito pouco a ganhar e bastante a perder com a concessão de asilo a Edward Snowden.

Brasil e Estados Unidos são parceiros históricos. Claro que essas relações podem e devem se pautar em cooperação equilibrada e respeito mútuo. Trazer o traidor Snowden para nossas terras só vai arranhar mais o relacionamento com os estadunidenses. E trazê-lo para quê?

Ademais, sempre bom lembrar que, para concedermos asilo a esse rapaz, ele teria que entrar em território brasileiro para solicitá-lo, ou seja, teria que sair da Rússia e fazer escala em algum outro país antes de chegar em Pindorama. Aí seria detido. Asilo diplomático só é reconhecido na América Latina.

Ainda não conseguiram me convencer de que esse Edward Snowden não foi é recrutado, e muito bem recrutado, pelos russos. E os russos sabem magistralmente como fazê-lo, com todo o mérito pelo êxito na operação. Afinal, é assim que funciona o jogo. E, entre grandes potências, fundamental é saber jogar…

Folha, 22DEZ2013 – HUSSEIN ALI KALOUT E MARCOS DEGAUT
TENDÊNCIAS/DEBATES
O ASSUNTO É: O DESTINO DE SNOWDEN
 

Uma janela de oportunidades

O Brasil tem muito mais a perder do que a Rússia em sua relação com os Estados Unidos se conceder eventual asilo a Edward Snowden

O caso Edward Snowden ganha um novo capítulo internacional. A manifestação pública do ex-funcionário da inteligência americana vislumbrando lograr asilo político do governo brasileiro é ainda uma hipótese que apenas o próprio autor e seu círculo mais íntimo gostariam de transformar em realidade.

Importantes indagações pairam no ar sobre o impacto dessa hipotética medida: o que o Brasil ganharia com isso? Quais seriam as consequências? A resposta inicial de por que o Brasil deveria conceder-lhe o asilo parece óbvia: coletar dele informações sobre a espionagem norte-americana. Preliminarmente, o Brasil não ganharia muita coisa além de meter-se numa curiosidade perigosa e contraproducente. Continuar lendo

Gripen-NG

Mais algumas informações sobre o Gripen-NG, aeronave escolhida para ser nosso caça de superioridade aérea… São informações extraídas do sítio da Força Aérea Brasileira (FAB).

O projeto apresentado pela empresa sueca SAAB, “é um modelo supersônico monomotor projetado para emprego em missões ar-ar, ar-mar e ar-solo, sob quaisquer condições meteorológicas”. É uma aeronave multi-missão, podendo ser empregada em distintas hipóteses de combate. 

A versão brasileira será desenvolvida em parceria com empresas do Brasil, a partir de um projeto original destinado à Força Aérea da Suécia, e contará, registra a FAB, “com modernos sistemas embarcados, radar de última geração e capacidade para empregar armamentos de fabricação nacional”.

gripen ng especificacoes

Devido ao sistema de reabastecimento em voo, o Gripen-NG terá autonomia para defender o espaço aéreo brasileiro nos pontos mais remotos do País. E a Aeronáutica completa que “tais características, aliadas ao desempenho da aeronave, possibilitarão um expressivo ganho na capacidade operacional da FAB”.

Algumas das características da aeronave:

Comprimento 14,1 m
Envergadura 8,6 m
Altura geral 4,5 m
Peso máximo na decolagem 16.500 kg
Velocidade máxima M 2.0
Empuxo > 22.000 lb
Carga útil 7.200 kg
Combustível máximo 7.000 kg
Super Cruise > M 1.2
Manobrabilidade 9g
Alcance máximo > 4000 km
Distância de pouso < 500 m
Substituição de motor < 1 hora
Tempo de imobilização no solo < 10 min
Custo por hora de voo < US$ 4,000.00

Para o sítio oficial do Gripen NG, clique aqui.

Para a matéria completa produzida pela FAB, acesse <http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?mostra=17471&PROJETO%20FX-2%20-%20Conhe%E7a%20um%20pouco%20mais%20sobre%20o%20Gripen%20NG>.

Decolando…

Matéria publicada na Voz da Rússia sobre a decisão pelo Gripen NG. Os comentários de Jakitas convergem com minha percepção do assunto.

Brasil acerta ao definir pela aquisição de caça sueco por US$ 4,5 bilhões

Gripen, Brasil, caça, contrato, Suiça, defesa

 
Foto: AFP

Uma espera de 18 anos chegou ao fim nesta quarta-feira, 18, quando Dilma Rousseff deixou 170 oficiais generais de boca aberta durante almoço de fim de ano ao anunciar a opção brasileira pelos caças suecos Gripen, que serão adquiridos em substituição aos Mirage, em vias de serem aposentados.

Chega assim uma longa e disputada negociação internacional, uma das mais ferrenhas do mercado de defesa nos últimos anos, e com um desfecho mais brasileiro impossível: pegando todo mundo de surpresa. Ao longo do governo Lula, chegou-se a anunciar a opção pelo francês Dassault Rafale, que ofereceu ao Brasil transferência irrestrita de tecnologia. Mas o pronunciamento foi encarado precipitado e desagradou profundamente os oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB). Lula recuou. Continuar lendo

Finalmente!

Depois de mais de um mês em estado latente (só justificável pelo excesso de trabalho que tomava todo nosso tempo e esforço mental), retomamos os comentários em Frumentarius. E nosso retorno se dá com observações sobre um evento histórico para a Força Aérea Brasileira e a Defesa Nacional do Brasil: a escolha do novo caça brasileiro de superioridade aérea!

Foram cerca de duas décadas de um processo cheio de altos e baixos para que se chegasse à opção de ontem. Tempo demais, diga-se de passagem. A escolha é muito bem-vinda, mas peca pela demora… Nossas atuais aeronaves de superioridade aérea, os Mirage 2000-C, tornar-se-ão inoperantes agora em 31 dezembro, serão desativados. O projeto do Gripen-NG ainda levará alguns anos… Nesse ínterim, o Brasil terá que se virar com os F-5EM…

Os brasileiros estamos acostumados a novelas, ou seja, histórias contadas em capítulos que se propagam ao longo de muito tempo. Decisões rápidas e  oportunas não costumam ser bem vistas em nossa cultura do “deixa para depois”…. E, nesse caso específico, a novela só está na metade…

Certamente, sob o aspecto técnico, o Gripen NG é uma boa opção (assim como também o eram seus concorrentes). O desenvolvimento do projeto em parceria com a indústria nacional trará excelentes dividendos para o País em termos de tecnologia e fomento à produção nacional no campo da Defesa – o que, naturalmente, converterá em benefícios para nossa já muito qualificada indústria aeronáutica. O caso do AMX é notório exemplo.

Ademais, tem-se uma oferta que, de acordo com a nota produzida pela Aeronáutica, que transcrevemos a seguir, engloba “o fornecimento de 36 (trinta e seis) aeronaves, logística inicial, treinamento, simuladores de voo e projetos de transferência de tecnologia e cooperação industrial”. Tecnicamente, o resultado é, portanto, positivo.

Em termos políticos, a Presidente parece ter acertado, uma vez que escapou de uma “saia justa” que seria um acordo com os Estados Unidos em um momento de tensão nas relações bilaterais ou uma parceria com a França para aquisição de aeronaves que, em razão do alto custo, poderia provocar críticas domésticas. Ademais, ao contrário dos estadunidenses e franceses, aliados tradicionais, mas com interesses diretos na América do Sul, a Suécia está distante de qualquer disputa geopolítica na região.

Não cansarei os meus 8 (oito) leitores com tecnicismos. O mais importante disso tudo é que a decisão foi tomada. Agora é por as mãos na massa e, independentemente de qual seja o próximo governo a partir de 2015, desenvolver o projeto para aumentar nossa capacidade defensiva.

Parabéns à Força Aérea Brasileira! Parabéns, Brasil!

Segue a Nota da Aeronáutica sobre o acontecimento.

gripen_ng_br__by_plamber-d4rwks6

18/12/2013 – 18h54

NOTA OFICIAL – Governo Federal seleciona novos caças para a FAB

 18 de dezembro de 2013.

Um dia histórico para a Força Aérea Brasileira.

Por meio do Programa F-X2, o Governo brasileiro confirmou a aquisição do avião militar supersônico GRIPEN-NG, caça de última geração que atenderá às necessidades operacionais da FAB para os próximos 30 anos e que faz parte do Programa de Articulação e Equipamento da Defesa, da Estratégia Nacional de Defesa, com vistas à defesa da Pátria. Continuar lendo