O Dragão, o Leão e o Urso…

Em uma das cenas de Rambo III, clássico da década de 1980 e que recomendo a meus alunos para conhecerem um pouco mais sobre o final da Guerra Fria (gosto muito de Rambo III), John Rambo usa a frase que se tornou bordão diante da pergunta do oficial soviético sobre quem era ele: “Sou seu pior pesadelo”.

Três décadas depois, essa frase poderia ser dita ao Presidente Obama pelos líderes que participaram da Conferência de Interação em Medidas de Confiança na Ásia. Daquele encontro ganhou força a ideia de se criar uma aliança entre China, Rússia… e o Irã! Claro que as relações entre os três países já seguem bem, obrigado. Porém, o estreitamento desses laços consubstanciado em uma aliança formal certamente tirará o sono de muita gente na Casa Branca, no Pentágono e em Langley.

Segue notícia sobre essa aproximação das três potências. Aproveitei para colocar também o trecho do filme Rambo III.

China aboga por una alianza de seguridad con Rusia e Irán, “una pesadilla para EE.UU.”

Publicado: 22 may 2014 | 21:43 GMT Última actualización: 23 may 2014 | 4:14 GMT
 

China aboga por una alianza de seguridad con Rusia e Irán, "una pesadilla para EE.UU."

El presidente de China, Xi Jinping, considera necesario crear una nueva organización en Asia para la cooperación en materia de seguridad con la participación de Rusia e Irán. Algunos analistas creen que esta alianza sería “una pesadilla para EE.UU.”.

“Necesitamos innovar nuestra cooperación en la seguridad estableciendo una nueva arquitectura de cooperación regional”, indicó Xi Jinping en la Conferencia de Interacción y Medidas de Confianza en Asia (CICA, por sus siglas en inglés), celebrada en Shanghái y que contó con la presencia del presidente ruso, Vladímir Putin

Continuar lendo

Um ataque ao Irã?

A declaração de Barak (do Ehud, não de Obama), soa como manobra diversionista, antecendente da ação militar… Claro que qualquer medida de força não será nada fácil, tanto pela capacidade de resposta do Irã quanto pelos fatores geopolíticos que condicionam as ações na região (como a rivalidade árabe-israelense, a questão enérgica e, sobretudo, os interesses das grandes potências, particularmente dos EUA e da Rússia).

De toda maneira, o resultado das eleições nos EUA na próxima semana terá impacto sobre a decisão de Tel Aviv, isso é óbvio! O que não é tão óbvio é até que ponto Netanyahu está disposto a continuar com o apaziguamento de Washigton e se arriscar a ser agredido por uma nova potência nuclear ao invés de tentar um ataque preventivo…

Iran pulls back from nuclear bomb goal: Israeli defense minister

Photo
2Reuters, 30OCT2012 – :42pm EDT

LONDON (Reuters) – Iran has drawn back from its ambitions to build a nuclear weapon, Israel’s defense minister was quoted as saying on Tuesday, while warning that his country may still have to decide next year whether to launch a military strike against it. Continuar lendo

A Resposta do Irã…

O que há de mais recente na página do Ministério das Relações Exteriores do Irã sobre a crise diplomática com o Canadá…

Como disse, preocupam-me os desdobramentos dessa crise, pois o Canadá pode passar a ser um alvo mais visível para organizações terroristas.

Mehmanparast: Canada’s government pursuing radical racist views

09:51-08/09/2012

Foreign Ministry spokesman, Ramin Mehmanparast, said that the incumbent Canadian government with Stephen Harper as prime minister is known with radical views in foreign policy.

Mehmanparast made the above remarks in reaction to recent statements of Canada’s Foreign Minister John Baird.  He referred to numerous and hostile measures by the Canadian government against the Iranian society of Canada as closing down the visa section of the Canadian Embassy in Tehran and freezing the accounts of Iranians, as well as blocking cash transfer for Iranian university students of Canada.  Continuar lendo

Ainda sobre o rompimento de relações entre o Canadá e o Irã

Segue a nota do Ministério das Relações Exteriores do Canadá sobre o rompimento de relações com Teerã. Achei forte a assertiva canadense de que o governo do Irã é “atualmente a mais significativa ameaça à paz global à segurança no mundo”.

Uma das preocupações referentes à presente situação é com eventuais ataques terroristas em solo canadense outra contra embaixadas e cidadãos daquele país. A coisa não está boa…

Canada Closes Embassy in Iran, Expels Iranian Diplomats from Canada

September 7, 2012 – Foreign Affairs Minister John Baird today issued the following statement:

“Canada has closed its embassy in Iran, effective immediately, and declared personae non gratae all remaining Iranian diplomats in Canada.

“Canada’s position on the regime in Iran is well known. Canada views the Government of Iran as the most significant threat to global peace and security in the world today. Continuar lendo

Canadá rompe relações com Irã

Esta quem me enviou foi meu ex-aluno e amigo Daniel De Boni. A coisa é séria. Para um país como o Canadá (mesmo sob o administração Harper) romper relações diplomáticas, é sinal de que a batata de Teerã já está quase passando do ponto… Tudo bem que tem a ver com a questão síria, mas mesmo assim a medida foi demasiadamente dura. Se não estiver enganado, nem na Revolução Iraniana e tampouco na crise dos reféns estadunidenses o Canadá havia tomado semelhante decisão (não verifiquei isso, pode ser que tenham rompido sim). De toda maneira, a resposta de Teerã também foi forte e pesada – a meu ver exagerada ao chamar de “racista” o governo canadense…

Vale acompanhar de perto e aguardar os desdobramentos…

G1 – 08/09/2012 – Replicando a Reuters

Irã diz que pode retaliar Canadá por ‘hostil’ corte de relações

País cortou relações diplomáticas na sexta e fechou embaixada em Teerã. Motivo foi o programa nuclear iraniano e o suposto apoio ao ditador sírio.

O Irã acusou o Canadá neste sábado (8) de ter “comportamento hostil” sob influência israelense e britânica, depois de Ottawa cortar as relações diplomáticas. Teerã ainda elevou a perspectiva de alguma forma de retaliação.

O Canadá disse na sexta-feira que estava fechando sua embaixada em Teerã e deu aos diplomatas iranianos cinco dias para sair do país, ao chamar a república islâmica de “a maior ameaça à segurança e à paz mundial”. Continuar lendo

O Irã e as ações preventivas

Esta foi publicada pelo meu amigo Marcus Reis (por sinal, recomendo efusivamente seu site – http://www.marcusreis.com).

Agora, quem ameaça “agir preventivamente” (seguindo a mais tradicional escola bushiana – nada contra a escola bushiana) é o regime de Teerã. Os iranianos realmente conseguem surpreender… Isso preocupa.

Sinceramente, às vezes acho que o maior aliado do Irã nos últimos anos foi George W. Bush e sua Política Externa. Afinal, ele conseguiu acabar com o maior adversário do regime dos aiatolás na região (Saddam Hussein), fez os preços do petróleo subirem, e permitiu que os xiitas chegassem ao poder no Iraque. Quer prova maior de amizade? E, agora, é o idealizador da doutrina que inspira Armandinho e sua trupe…

Iran threatens preemptive action

CNN.com – By the CNN Wire Staff – 2012-02-21T13:26:46Z

 (CNN) –Iranwarned Tuesday it would strike against an “enemy” threatening it if needed to protect its national interests — even if the enemy didn’t attack first.

Gen. Mohammad Hejazi, a deputy head ofIran’s armed forces, said his country “will no more wait to see enemy action against us,” according to the semi-official Fars News Agency. Continuar lendo

Mais sobre Israel e o programa nuclear iraniano

Hoje, conversando com alguns amigos sobre a possibilidade de um ataque israelense ao Irã, um deles lembrou bem que Israel não costuma anunciar antecipadamente suas ofensivas militares. Entretanto, não é de hoje que se tem intensificado o discurso das autoridades israelenses de que o Irã deve ser contido. Parece que a opinião pública doméstica e a comunidade internacional estariam sendo “preparadas” para uma eventual medida de força comandada por Tel Aviv.

Difícil, entretanto, afirmar com segurança se o ataque contra o Irã realmente acontecerá este ano. Há que se considerar, para Israel desencadear qualquer ofensiva militar contra o Irã, os custos políticos, econômicos e, principalmente, de vidas humanas. Também a eleição presidencial nos EUA não deve ser desprezada (será que os israelenses fariam algo sem o apoio e o consentimento de seu maior aliado?).

Teerã, por sua vez, continua com as provocações. E o regime dos aiatolás, relembre-se, é uma ameaça a vários países do Golfo (inclusive Estados árabes). E uma ação israelense contra o Irã até poderia agradar a alguns governos da região…

De toda maneira, pode até acontecer um ataque israelense contra o Irã… Só que ninguém disse aqui neste site que o referido ataque não poderia se dar de outras maneiras, como um ação ofensiva cibernética ou “medidas ativas” direcionadas (usando-se forças especiais ou o pessoal da inteligência). Alternativa também seria o financiamento da oposição a Armandinho e sua turma… A coisa só esquenta por ali…

IDF chief: Iran’s nuclear program must continue to be disrupted

Haaretz.com 02FEB2011 – By Gili Cohen

Israel Defense Forces Chief of Staff Lt. Gen. Benny Gantz said on Wednesday that the threats facing Israel have increased and intensified in recent years due to regional instability. He also said that Iran’s attempts to acquire nuclear weapons must continue to be disrupted. Continuar lendo