Não se esqueça do meu blindado!

Estamos em abril, mas já quero aproveitar para ajudar os amigos que desejem me presentar no meu aniversário (8 de dezembro, anote aí!) ou no Natal (25 de dezembro, para quem não sabe!): já escolhi o que quero, e é simples de conseguir!

Quero um tanque de guerra russo, tudo bem? Existe na terra de Putin (gosto de Putin! Putin é KGB) uma “Associação de Veículos para Todos os Terrenos”, por meio da qual se pode adquirir veículos militares (como um tanque!). Para o site da Associação, clique aqui (está em russo, tudo bem?).

T-34 – coisa munita!

Assim, com quaisquer 200 mil dólares você pode adquirir um belíssimo T-34, o mais famoso blindado soviético da II Guerra Mundial (ou, se quiser usar o termo russo, da Grande Guerra Patriótica)!

20171111_160156

A descrição no site do T-34 é muito bacana, mais ou menos assim:

Modelo lendário T-34: características e vantagens de um tanque médio. O modelo T-34 pode ser chamado de lenda – é o tanque mais massivo da Segunda Guerra Mundial, que desempenhou um papel crucial em muitas batalhas. Ele começou a produção em massa em 1940, e até meados de 1944 foi o principal tanque do Exército Vermelho. Ao longo da história, a URSS produziu mais de 80 mil desses tanques, alguns dos quais chegaram aos nossos tempos. O tanque modelo T-34 é de interesse para colecionadores e amantes de veículos blindados históricos. Se desejar, você pode obter um carro lendário em boas condições: em movimento, customizado, mas tendo passado por um processo de desmilitarização.

Caso você, meu caro leitor e amigo, queira me presentear com alguns veículos mais modernos (se puder escolher, prefiro o T-34, que já foi muito testado inclusive contra Panzer), pode escolher um T-72 ou um T-80, ao precinho camarada – entendeu o trocadilho? – de 350 a 500 mil dólares! O que são alguns mil dólares para fazer o Joanisval feliz?

20171111_160001Faço um pequeno alerta: não compre munição! Os módulos de munição são removidos de todos esses blindados, de modo que o canhão de 125 mm não vai funcionar (o que, realmente, é uma pena!)… Tudo bem, cavalo dado…

Finalmente, e como sou boa pessoa, posso até arcar com o frete do bichinho! Só não me mande pelo correio porque ele pode desaparecer no caminho (como a grande maioria das encomendas que a gente ainda insiste em mandar!).

Então, quer fazer este ser humano feliz? Não se esqueça do meu blindado!

20171101_145537

Emoções passadas…

Dia desses, a BBC publicou uma matéria sobre “7 emoções humanas do passado que já não sentimos mais“. Achei interessante em razão dos aspectos linguísticos, pois aquelas palavras, mais que as emoções, é que me pareceram acabar em desuso (e isso assinala a evolução do idioma…). Afinal, não me parece razoável dizer que não sentimos mais hoje “melancolia”, “nostalgia” ou que a “hipocondria” deixou de existir (eu mesmo sou hipocondríaco – tudo bem que sou “old school”, utilizo o smartphone para fazer chamadas e emprego o termo “transparências” para me referir aos slides das minhas aulas…

De fato, devem ser velhas emoções com novas roupagens. O importante mesmo é ter consciência do que se sente e saber lidar com isso para evitar excessos. E há aquelas emoções que ainda existem, mas que deveriam ter ficado na memória: rancor, raiva, inveja… Melhor seria se não as conhecêssemos mais…

Bom, segue a matéria que achei, no mínimo, curiosa…

Resultado de imagem para emoções

7 emoções humanas do passado que já não sentimos mais

Tendemos a pensar que as definições das emoções são fixas e universais. Porém, variam de país a país e também mudam com o tempo.

Considere, por exemplo, a palavra schadenfreude, que só existe em alemão e que descreve o desfrute da desgraça alheia.

Além disso, novos tipos de emoções surgem a todo momento – vide as novidades constantes nos emoticons, que tanto usamos para expressar nossos sentimentos.

A BBC Radio 3 conversou com Sarah Chaney, especialista do Centro para a História das Emoções, no Reino Unido, sobre as emoções do passado e como elas podem nos ajudar a entender como nos sentimos hoje.

Essas são algumas delas.

1 – Acédia

A acédia era uma emoção sentida por homens muito específicos na Idade Média: monges que viviam em monastérios. Esta emoção surgia, em geral, devido a uma crise espiritual. Quem era acometido pela acédia sentia inquietação, desânimo, apatia e, sobre tudo, um forte desejo de abandonar a vida santa.

“É possível que, hoje em dia, isso seja catalogado como depressão”, explica Chaney. “Mas a acédia estava especificamente associada a uma crise espiritual e à vida no monastério.”

Certamente, era uma fonte de preocupação para os abades, que ficavam desesperados com a indolência que acompanhava a acédia.

Com o passar do tempo, o termo “acédia” foi se tornando intercambiável com “preguiça”, um dos sete pecados capitais.

A acédia era uma emoção vinculada a monges que passavam por uma crise espiritual

2 – Frenesi

“Esta é outra emoção medieval”, diz Chaney. “É como a ira, mas é mais específica que a ira – da forma que a compreendemos hoje. Alguém que sentia frenesi ficava muito agitado. Tinha ataques violentos de fúria, fazendo birra e muito barulho.”

Assim, era impossível sentir frenesi e ficar quieto.

Continuar lendo

A Guerra dos Chimpanzés

Compartilho aqui artigo interessante, publicado pela BBC News Brazil, sobre um fenômeno identificado entre chimpanzés, os primatas mais próximos dos seres humanos: a guerra.

Chimpanzès de GombeSim! Ao contrário do que se comumente imagina, a guerra não é algo que se restrinja aos seres humanos. De fato, os estudos da Dra. Jane Goodall, hoje octagenária, que dedicou toda a sua vida a trabalhar junto a esses fantásticos seres, muitas revelações trouxeram sobre o comportamento e as práticas de nossos primos.

jane-goodall.jpgFoi graças à Dra. Goodall, por exemplo, que se descobriu que os chimpanzés são capazes de desenvolver ferramentas rudimentares, as quais facilitam suas atividades diárias. Também foi Goodall quem mapeou o perfil de dezenas de indivíduos do Parque Nacional de Gombe, na Tanzânia, sendo responsável pelos mais importantes estudos sobre primatas superiores nos últimos cinquenta anos, estudos que atestam a personalidade de cada chimpanzé, seus anseios, medos e até vontades e interesses. Acompanho o trabalho dessa grande mulher desde que eu tinha meus dez anos…

Indubitavelmente, graças a Jane Goodall, descobriu-se que a guerra é algo atávico nos seres humanos, e que a compartilhamos com nossos parentes mais próximos do mundo animal. A guerra, ousaria dizer, está em nosso DNA, fazendo parte de nossa ancestralidade. Talvez seja isso que faz com que alguns de nós sejamos fascinados por esse fenômeno e queiramos tanto compreendê-lo…

Segue o link para a matéria da BBC News Brasil: Os motivos por trás da Guerra dos Chimpanzés, a única registrada entre animais.

Recomendo, ainda, o Jane Goodall Institute, que pode ser acessado clicando-se aqui.

Tomada de Três Pinos: sua hora vai chegar…

A famigerada

A famigerada…

Depois da decisão pelo fim do (famigerado) horário de verão, da placa do Mercosul, e daquele Cruzeiro do Sul em nosso passaporte (o que deixava os atleticanos furiosos), ouso recomendar novas alterações que devem ser feitas para pôr uma pedra às mazelas criadas por alguma mente perversa no governo do PT (e como havia mentes perversas ali!): a hedionda tomada de três pinos!

Típica jaboticaba tupiniquim, esse torvo apetrecho criado durante o (des)governo petista é algo que só existe aqui em Pindorama, e que foi concebida para atormentar nossas vidas. Quanto não se gastou para trocar milhões de tomadas e para se comprar outros tantos adaptadores?

Já escrevi aqui condenando essa aberração, que certamente encheu o bolso de muita gente… Agora passa da hora de colocá-la em um passado a ser esquecido. O ideal é retornarmos a um padrão universal ou, ao menos, adotado na maior parte do planeta…

modelos_tomadas

Um amigo sugeriu uma lista de pequenas barbaridades da era petista que poderiam ter um fim:

  1. o acordo ortográfico;
  2. a tomada de três pinos;
  3. celulares com mais número no prefixo do que na parte que vem depois do traço (coloquei aqui para preservar o texto do amigo);
  4. campeonato brasileiro de pontos corridos (idem);
  5. frases que começam com “então” (boa também);
  6. cobrança de bagagem despachada (isso eu acrescentei);
  7. bandeira vermelha na conta de luz (acrescentei também).

Esses são apenas alguns exemplos… Muita coisa ainda há a ser alterada (em breve farei meus comentários sobre a farra das companhias aéreas). Mas começar pela tomada de três pinos já seria bem bacana!

adaptador-para-tomada-americana-padro-europeu-universal-D_NQ_NP_661605-MLB25029135966_082016-F

 

O fim do Horário de Verão: amém!

Na última semana, nosso Presidente Jair Bolsonaro anunciou (viva!) o fim do horário de verão. Afinal, a economia de energia é ínfima perto dos transtornos causados pela mudança no relógio.

Comentei da minha satisfação em algumas redes sociais e muita gente assinalou que gosta desse horário do Capiroto… Meus amigos argumentam que “essa hora a mais de luz” é algo bom para aproveitar o dia, que dá para ir para a academia no final da tarde ainda com sol, que até se aproveita uma praia depois do expediente. Tudo bem! Há quem goste… e que bom que isso acontece!

Eu, particularmente, detesto e sempre detestei horário de verão. Mas isso, repito, é uma questão de foro íntimo, como se gostar desse ou daquele time de futebol ou dessa ou daquela escola de samba. Porém, contudo, todavia e entretanto, minha alegria em ver essa coisa ruim acabando repousa em uma preocupação coletiva…

Quem gosta do famigerado horário de verão porque pode aproveitar a praia depois do expediente já pensou nos milhões de trabalhadores que têm que acordar cedo para pegar o ônibus ou o trem das quatro ou cinco da madrugada? Imaginemos o cidadão que tem que estar na estação ou na parada às 5h da manhã (sim, milhões de brasileiros passam por isso todos os dias), e que, portanto, desperta, muitas vezes, 4h da matina (no horário de D’us)? Esses homens e mulheres batalhadores terão que acordar às 3h da manhã com um horário de verão. Isso tem impacto não só sobre o sono e o rendimento dessas pessoas, mas também sobre sua segurança (quantas pessoas no tenebroso horário do Tinhoso não têm que sair para trabalhar ainda no escuro, enfrentando nossas ruas pouco seguras?).

E pensemos também nas crianças e adolescentes (e em seus respectivos responsáveis) que devem estar na escola às 7h, 7h30 da manhã? No horário do Coisaruim, isso seria 6h ou 6h30… A que horas os pobres e seus genitores teriam que acordar?

Assim, repito, ainda que individualmente se ache maravilhoso o tal horário de verão, pensando-se no coletivo a medida veio em muito boa hora (hora regular, de D’us, não hora de verão)! E vida que segue!

Obrigado, novamente, às autoridades federais por essa sábia decisão. Certamente virão outras! (A tomada de três pinos que se cuide…)

Imagem relacionada

Breve história do nome Capitão-de-Mar-e-Guerra

platinamareguerraComo hoje é quarta-feira, e para manter a constância, resolvi publicar um texto que recebi de um grande amigo naval. Trata-se da explicação da origem do nome “Capitão-de-Mar-e-Guerra”, patente que na Marinha corresponde à de Coronel nas Forças de Terra e Ar. Vamos a ele então!

Breve história da origem do nome Capitão de Mar e Guerra.

Nos tempos das caravelas existiam duas entidades muito importantes a bordo: o piloto e o capitão. O primeiro responsável pela navegação segura do navio. Para tal, contava com o Mestre e os marinheiros para conduzir as fainas marinheiras,  principalmente as velas. O Capitão por sua vez era de formação militar e conduzia os soldados que guarneciam fuzis (daí fuzileiros navais), cuja função era atirar naqueles que quisessem abordar o navio e atirar  no piloto prejudicando a abordagem. A expressão Capitão significa “aquele que comanda”. Assim, o Piloto era o “Capitão do Mar “(expressão usada por muitas Marinhas para o posto equivalente a CMG). Já o outro era o “Capitão da Guerra” devido à sua formação militar.  Com o tempo um mesmo homem passou  a exercer as duas funções. Daí surgir o nome “Capitão-de-Mar-e-Guerra” na Marinha portuguesa. Mais tarde, o termo foi adotado nas Marinhas de língua portuguesa.

Minha homanagem aos amigos da Marinha do Brasil!

Mais uma data a ser lembrada…

O dia 23 de março de 2019 é uma data que merece ser lembrada. Hoje, após anos de combates, a coalização ocidental que opera na Síria anunciou a queda de Baghuz, último reduto da organização que ficou conhecida como “o Estado Islâmico”, ou Daesh – passei a usar o termo Daesh, pois amigos árabes me disseram ser mais adequado.

Com a tomada da cidade pelas “Forças Democráticas Sírias” (FDS) – ou os “rebeldes moderados” tão aclamados por alguns meios aqui no Ocidente -, o projeto de poder de criação de um califado pelo Daesh fracassou. Até esse ponto, entretanto, foram muitos anos de dor, sofrimento, morte… Foram anos de violência exarcebada e de radicalismo, anos de imposição do terror a centenas de milhares pessoas… Sempre vale lembrar que o Daesh, conhecido pela extrema violência, dominou um território do tamanho do Estado de Minas Gerais, promovendo barbaridades que chocariam até membros de outras organizações terroristas. Esses fatos, certamente devem ser lembrados.

AFP Photo

Capture d’écran de la chaîne kurde Ronahi TV montrant les Forces démocratiques syriennes levant leur drapeau au sommet d’un bâtiment du dernier bastion de Daesh. AFP PHOTO / HO / RONAHI TV

Não entrarei neste post nas questões geopolíticas relacionadas à débacle do Estado Islâmico. Deixarei isso para publicações futuras. Mas lembro que a situação na Síria ainda não está totalmente pacificada. Convém que isso seja lembrado.

Agora acabou! Ao menos acabou a dominação do Daesh sobre milhares de seres humanos (sírios, curdos, iraquianos) de uma das regiões mais ricas em história e cultura no planeta. Acabou o osbcurantismo imposto pelo fundamentalismo religioso. Acabaram os estupros, o uso de escravas sexuais e como serviçais, as execuções em praça pública (transmitidas pela internet), o emprego de crianças para promover atrocidades, a violência contra homossexuais… Será que acabou mesmo?

Dificilmente a violência terá acabado para as populações que estiveram sob o jugo do Daesh nos últimos anos. Certamente ela diminuirá, esparamos que bastante. Mas os traumas físicos e psicológicos desse período de terror, de violações indescritíveis à dignidade humana, ainda continuarão com aquelas pessoas pelo resto da vida. Elas precisarão de cuidados, muitos e constantes cuidados. De toda maneira, a bandeira negra do Daesh não mais tremula naquelas cidades. Isso é algo que deve ser lembrado.

Reuters

Syrian Democratic Forces (SDF) fighters ride atop military vehicles as they celebrate victory in Raqqa, Syria, October 17, 2017. REUTERS/Erik De Castro

O fim da dominação do Daesh na Síria e no Iraque não é, inobstante, o fim da organização terrorista. Ainda há milhares de combatentes espalhados pela região e, pior, emigrando (alguns de volta) às cidades da Europa e das Américas. Com isso, o perigo de uma guerra nas sombras, com ataques no coração da civilização ocidental, permanece. A hidra teve suas cabeças cortadas, mas a experiência ensina que elas nascerão novamente. Eis um aspecto do esfacelamento do Daesh que deve ser lembrado.

De toda maneira, a data de hoje tem sua simbologia. Representa o fim do terror e possibilidade de uma nova vida para, repito, centenas de milhares de pessoas. Por aqui, importante ficarmos atentos. Mas, pelo momento, cabe comemorar e orar pelos mortos e pelos que enterraram seus mortos.

Continuar lendo