39. Sonhos, títulos e livros (06/12/2014)

O conhecimento torna a alma jovem e diminui a amargura da velhice. Colhe, pois, a sabedoria. Armazena suavidade para o amanhã.
Leonardo da Vinci

De que adianta ter conhecimento e não-lo transmitir? O conhecimento é como o sorriso, seus efeitos são muito maiores se compartilhados. Faltando 2 dias para meu aniversário, resolvi dividir com os amigos alguns aspectos de minha formação acadêmica e das obras que escrevi.

Os rosacruzes ensinam tradicionalmente que qualquer criação no mundo material deve começar com um projeto nos planos mental e espiritual. Em outras palavras, conquistas de hoje são sonhos de ontem realizados – ao menos para quem realmente tem conquistas, pois há pessoas que conseguem viver passivas, aguardando tudo cair em suas mãos (em geral, são acomodadas e, ainda que a Providência lhes traga grandes riquezas, não dão o devido valor e permanecem com um vazio que não conseguem preencher).

Sempre tive que batalhar para alcançar o que desejava. Nunca me acomodei. Mas todas as vitórias se forjaram, primeiro, em sonhos que ansiava realizar. Sim! Sonhar é bom e tem efeitos muito positivos. E, a melhor maneira de fazer os sonhos realidade é trabalhando para torná-los concretos e, isso aprendi também com os rosacruzes, construir no plano mental os alicerces para as realizações, o que é feito por meio da técnica milenar da visualização. A fórmula é: sonhar, visualizar, trabalhar, realizar (ou saber, ousar, querer e calar, diriam os sábios).

Nos primeiros 40 anos de vida, concluí um Mestrado, um Doutorado, quatro Especializações e duas Graduações. Publiquei alguns livros. Busquei difundir conhecimento. E todos esses projetos nasceram de sonhos que, com visualização, planejamento, e muito esforço e dedicação, tornaram-se realidade.

Tenho sede de conhecimento. Desde cedo, busco ampliar meus horizontes e obter mais e mais informações sobre o mundo e as pessoas. Por isso gosto de estudar. Daí as duas graduações, as especializações, o mestrado e o doutorado. E não pretendo parar por aí. Só pararei de estudar e de buscar conhecimento quando passar pela maior e mais certa experiência de todos os seres vivos: a Grande Iniciação. E quanto mais conhecimento obtiver, mais pretendo difundi-lo, seja por meio de aulas, palestras, artigos ou livros.

Livros1

Não fiz um Mestrado só por fazer. Não me contentaria com mais uma dissertação acadêmica esquecida nas prateleiras de um repositório na universidade. Ingressei no mestrado com uma proposta de estudo sobre integração latino-americana. Claro que logo mudei meu tema: decidi tratar de um assunto sobre o qual nenhum outro lusófono já havia tratado em um trabalho de pós-graduação: o Julgamento de Nuremberg.

Poderia passar horas dissertando sobre Nuremberg (pouparei o leitor disso, fique tranquilo). O que me levou a estudar o caso, a ir aos autos (42 volumes em francês, que encontrei na Biblioteca do Superior Tribunal Militar, em Brasília), transportar-me para a sala de audiências daquela corte, naqueles onze meses de 1945 e 1946, foi a vontade de conhecer sobre a natureza humana, sobre a história do maior conflito de todos os tempos, e sobre o julgamento dos acusados de crimes de guerra, crimes contra a paz e contra a humanidade. E tive uma experiência tremendamente fascinante, envolvente. Éramos eu e os réus, juízes, promotores e testemunhas de Nuremberg.

Após três anos de intenso trabalho e uma Dissertação de mais de 300 páginas, fui aprovado pela banca examinadora e obtive o título de Mestre em História (lembrando que História é uma grande paixão). Interessante que a outorga do título, feita na hora pela Presidente da Banca (minha orientadora e amiga, Albene Menezes) teve efeitos de um gesto final de uma iniciação, como se a espada do conhecimento estive colocada sobre minha cabeça. Esse momento, no Mestrado, foi mais importante que qualquer outro título futuro, e jamais me esquecerei dele.

Como o título de Mestre, estava habilitado a lecionar no ensino superior. Foi o que fiz. E pude difundir conhecimento. E ali começou a trajetória como professor universitário, que nunca abandonei, pois, como já disse em outra crônica, aprendemos muito dando aula e com nossos alunos.

Mas não consigo ficar quieto. Por ser inédito, achava que o tema de minha Dissertação poderia dar um bom livro. Fiz algumas adaptações, apresentei a editoras de Brasília e de outras cidades. Algumas não deram resposta, outras retornaram dizendo que não tinham interesse, e uma, daqui de Brasília, deixou-me em banho-maria por vários meses para, no final, retornar dizendo que não valeria a pena publicar meu livro. Essas repostas seriam suficientes para fazer desistir a muita gente, mas não a mim. Continuei tentando. Meu sonho era publicar um livro sobre o Julgamento de Nuremberg.

Foi quando recebi uma carta de uma editora de médio porte do Rio de Janeiro, a Renovar, interessada em publicar a obra. Aceitei a proposta. Passados alguns meses, saiu a primeira edição, cujo lançamento foi em setembro de 2001: “Tribunal de Nuremberg, 1945-1946: a Gênese de uma Nova Ordem no Direito Internacional”. Apesar de muito específico, o livro rendeu uma segunda edição, em 2004. E o nome do filho de Seu Jacob e Dona Conceição ficou associado definitivamente ao Julgamento de Nuremberg aqui no Brasil.

O primeiro livro trouxe grandes satisfações, não em termos de direitos autorais, mas de difusão de nossas reflexões e projeção de nosso trabalho. Também conseguiu alcançar o público em geral, o que me deixou tremendamente feliz. Afinal, busco escrever de maneira simples, pois me alegro quando descubro que meu texto é compreendido por “não-iniciados”. Isso me realiza. E aqui conto um episódio que me deixou muito feliz: certa feita, encontrei meu amigo Erick Vidigal, com sua filha de 15, 16 anos, lá no Ceub (a faculdade onde Erick e eu lecionávamos). Qual não foi o regozijo quando me disse que ela havia lido o “Tribunal de Nuremberg”, gostado, e tinha alguns comentários a fazer sobre o caso! Ganhei o dia!

O Tribunal de Nuremberg encontra-se esgotado. Desde 2006, a Editora não me presta contas sobre as vendas ou a situação do livro. Tentei inúmeros contatos, sem sucesso. Isso me decepcionou muito com uma editora que reputava séria. Pretendo atualizar o livro e buscar outro editor que queira republicá-lo. Quem sabe não o consigo com quarenta anos!

Quando se acaba um mestrado, ainda mais como foi o meu, a sensação é de que você vai embora da universidade e deseja nunca mais passar por lá. Isso é perfeitamente normal e aconteceu comigo. Mas a sede de continuar os estudos, o sonho de progredir academicamente, e a ânsia por conhecimento me fizeram voltar, em 2004, para um programa de doutorado. A proposta inicial da tese era sobre o Brasil e questões de Defesa na América do Sul – coincidentemente, um certo professor da UnB a quem mostrei minha proposta de trabalho, algum tempo depois, montou um projeto de pesquisa em termos muito parecidos, com o qual conseguiu alguns recursos, inclusive de fundações estrangeiras (ali conheci mais uma faceta da canalhice acadêmica!). Mas acabei mudando para um assunto que me apraz ainda mais que Defesa: Inteligência.

Foram quatro anos de doutorado, com uma pesquisa aprofundada que rendeu uma Tese de cerca de 800 páginas (fora os anexos, que entreguei em CD) sobre os sistemas de inteligência no Brasil e no Canadá e seus mecanismos de controle – outro assunto inédito no País. Ao final de seis horas de banca examinadora, fui aprovado e recebi o título de Doutor em Relações Internacionais. Mais um sonho realizado! Era o primeiro com mestrado dos dois lados da família, e também o primeiro com doutorado. E, o melhor de tudo, conhecia mais sobre Inteligência ao final do doutorado do que quando ingressara nele!

Li uma vez que não adianta ter doutorado e não dar bom dia ao porteiro. Concordo plenamente! Mesmo com todo o esforço para gerar a tese, posso assegurar que um título de Doutor não faz ninguém melhor que outra pessoa. E se tentarem afirmar de forma diferente, estão mentindo. Não adquiri superpoderes, não fiquei mais inteligente, e continuo com os mesmos anseios e necessidades de todo ser humano. Por isso, quando um idiota pernóstico vier tripudiar sobre alguém se dizendo melhor porque é “Doutor nisso ou naquilo”, tenha a absoluta certeza de que a maior característica dessa pessoa, e que a diferencia de você, é que ela é “um idiota pernóstico”.

De toda maneira, o doutorado me permitiu alçar voos mais altos e obter certo reconhecimento no meio acadêmico e na comunidade de inteligência. E, como não poderia deixar o conhecimento apodrecendo como água parada, tenho buscado publicar com constância sobre o assunto, com destaque para os dois livros “Atividade de Inteligência e Legislação Correlata” (já na terceira edição) e “Políticos e Espiões: o controle da Atividade de Inteligência” (caminhando para a segunda). Daí advieram palestras, cursos e artigos… E pude contribuir para difundir o conhecimento sobre um tema tão hermético.

Enfim, nestes primeiros quarenta anos, busquei adquirir o máximo de conhecimento que consegui. E, sob a proteção do Criador, pude compartilhar com muita gente esse conhecimento, o que me deixa bastante realizado. Pretendo continuar estudando, lecionando, escrevendo, palestrando, adquirindo e difundindo conhecimento. Sou feliz assim. E pretendo fazer muito mais nos próximos quarenta anos.

Em tempo: seguem algumas fotos de lançamentos de meus livros, oportunidade sempre muito agradável de encontrar os amigos!

[Em 2019, o Atividade de Inteligência encontrava-se na 6ª edição, o Políticos e Espiões na 2ª, havia publicado outro livro, Terrorismo: conhecimento e combate, em parceria com meu amigo Marcus Reis, e não parei de escrever…]

Livros2

236-baixa-resolucao

A história dos vencidos

Como ontem foi a celebração dos 101 do Armistício de 1918, e hoje é nosso dia do livro aqui em Frumentarius, indico uma obra excelente que li faz pouco: The Vanquished, de Robert Gerwarth (New York: FSG Books, 2016). Muito bem escrito e com uma profusão de histórias, o livro narra como ficou a Europa (e sua gente) no imediato pós-guerra. A pergunta central do autor é: “Que razões fizeram com que a I Guerra Mundial continuasse mesmo após seu término oficial?”

Pouca gente se dá conta disso, mas as guerras continuam mesmo depois do fim oficial das hostilidades. No que concerne à Grande Guerra, mais alguns milhões de seres humanos morreram ou tiveram sua vida destruída após o 11/11/1918. Vale lembrar que a Guerra continuou na Europa Oriental e no Oriente Próximo, com conflitos localizados e guerras civis, das quais a principal referência foi a Guerra Civil Russa. O massacre continuou, portanto, pela década de 1920 adentro. 

Tenho-me interessado pela história do imediato pós-guerra, seja no final da Grande Guerra, seja no período que imediatamente se seguiu ao 8 de maio de 1945. Recomendo muito o livro. 

Vanquished

Valorize o Livreiro!!!

Este quem me enviou foi a querida amiga Beatriz Simas. Trata-se de um artigo sobre a reforma na Barnes & Noble, uma das grandes redes de livrarias dos Estados Unidos, promovidas por seu novo CEO, James Daunt. 

A B&N, como é mais conhecida, entrou em crise, seguindo a tendência de muitas livrarias pelo mundo, que sucumbiram diante do comércio eletrônico e das mudanças no “mercado consumidor” de livros. Vide, por exemplo, o que tem acontecido com grandes corporações aqui no Brasil, como a Saraiva e a Cultura – comento sobre isso no artigo “Livro, um péssimo negócio!, publicado aqui em Frumentarius.

Sem querer me antecipar ao que você lerá na matéria, destaco que o cerne da questão é valorizar o livreiro, aquele sujeito que conhece (e ama) o que faz! Vou sempre repetir que livro não é um negócio como uma rede de fast food, uma indústria de calçados, ou serviços bancários, e que envolve muito mais que comercializar papel com coisas impressas! Enquanto as modernas livrarias e seus “managers” não entenderem isso, continuarão perdendo mercado e acabarão por desaparecer.

Livro é gente. É gente que cria e escreve, gente que edita, gente que tem prazer em momentos consigo mesma, e não gente que compra aquele troço para exibir para os outros ou porque tem a necessidade de adquirir papel impresso e encadernado. Livro é mais que papel, é emoçar, é prazer, é realização! Se os CEO, directors e managers não entenderem isso, que conversem com os livreiros (estes sabem do seu negócio!)!

Segue o artigo que Beatriz me enviou (aproveite!) – se desejar acessar o site é só clicar no título:

Livreiros serão a chave para a mudança na Barnes & Noble, aposta James Daunt

Novo CEO da maior rede de livrarias dos EUA disse que as mudanças necessárias passarão por um novo desenho das lojas, pela curadoria dos seus catálogos e mais investimentos, afinal, ‘lojas precisam de amor e de dólares’

Continuar lendo

Mansões da Alma

Pode ser que alguns dos meus 16 (dezesseis) leitores estranhem, mas neste Dia do Livro quero indicar uma obra que me foi muito marcante, estando entre aquelas que verdadeiramente fizeram diferença em minha vida: Mansões da Alma – A Concepção Cósmica, de Harvey Spencer Lewis (Curitiba: Ordem Rosacruz, AMORC, 9ª edição em Língua Portuguesa, 2005). E esse estranhamento talvez se deva ao fato de não se tratar de um livro sobre Política ou Guerra, tampouco sobre acontecimentos históricos ou biografias. Mansões da Alma é uma obra mística.

mansoes-da-alma.jpegNesse clássico da literatura rosacruz, escrito na década de 1930, Spencer Lewis (grande místico do século XX, que restabeleceu a Ordem Rosacruz nas Américas) escreve sobre reencarnação e acerca dos princípios que regem a passagem da alma pela Terra. São dezenove capítulos que compreendem assuntos distintos, como o que motiva a encarnação neste planeta, a sobrevivência da personalidade após a transição (que é como os rosacruzes chamam a morte terrena), carma e evolução pessoal, almas de animais e do “natimorto”, recordações de outras vidas. O autor discorre ainda sobre a reencarnação sob a perspectiva de grandes religiões, inclusive do Cristianismo.

Uma vez que a Ordem Rosacruz não é uma religião, mas uma escola de aperfeiçoamento moral, Mansões da Alma pode trazer esclarecimentos para pessoas de distintos credos e concepções filosóficas. É, de fato, a percepção rosacruz sobre o fenômeno, contada de forma clara e objetiva – Spencer Lewis tinha um grande talento para explicar coisas difíceis de maneira simples.

Nesta semana que começou com a triste notícia da transição de um amigo, o Cel Gilmar, deixo a recomendação de Mansões da Alma, com o sincero desejo de que alcance os corações de alguns dos meus leitores e traga respostas a suas dúvidas.

E para quem quiser adquirir o livro, acesse o site da Ordem Rosacruz, AMORC, clicando aqui. Há outras obras também muito interessantes na Biblioteca Rosacruz.

 

 

As mais belas livrarias

Verdade que gosto, cada um tem o seu. Entretanto, no post de hoje sobre livros, quero compartilhar alguns artigos que achei interessantes sobre as mais belas livrarias do planeta. Interessante como algumas, como El Ateneo, de Buenos Aires, a Livraria Lello, do Porto, e a Livraria Boekhandel Selexyz Dominicanen, de Maastricht, encontram-se nas várias listas!

Confesso que muito me apraz passear por livrarias ao redor do Globo! São, sem dúvida, templos dedicados à cultura, lugares onde recarrego minhas baterias e, claro, aproveito para buscar as novidades difíceis de se encontrar em Pindorama (onde é o livro um péssimo negócio)! Assim, volto para casa com alguns quilos a mais na bagagem e com a felicidade que só aqueles que têm essa obsessão por livros (sim, no meu caso é patológico, mas não vou me tratar!) conhecem o real significado!

Talvez a particularidade que faz dessas livrarias as mais belas seja o local onde se encontram. O Ateneo, por exemplo, está em um antigo teatro da capital argentina, e merece uma visita! Diga-se de passagem, aquele belo país austral já teve mais livrarias que o Brasil só em Buenos Aires! Ali, vá ao café e peça um “submarino”.

A Lello, por sua vez, é por si uma obra de arte! Entre as mais tradicionais de Portugal, cobra ingresso para quem queira ali entrar – segundo um amigo que mora no Porto, esse valor é mais para afastar as ondas de turistas de massa (tão somente interessados em fotografar a livraria, mas pouco dispostos a adquirir aquelas coisas estranham que lá são vendidas), pois o valor é abatido das compras. Não conheço o Porto, mas a Lello está na minha lista de primeiros lugares a visitar (para longas horas de felicidade!) na cidade que tem o coração de nosso amado Dom Pedro I (Dom Pedro IV, de Portugal).

Já a Boekhandel Selexyz Dominicanen, eleita a mais bonita do mundo em 2008, segundo um dos artigos aqui compartilhados, estabeleceu-se em uma antiga igreja dominicana, construída em 1294, em Maastricht. Como não render graças ao Criador por um lugar tão fascinante? (Também está na minha lista de “a visitar”).

Bom, independentemente de onde esteja, de seu tamanho ou dos idiomas dos livros ali vendidos, sempre procurarei livrarias por onde eu for! A satisfação, certamente, é garantida!

Seguem os links. Divirta-se!

As 10 livrarias mais bonitas do mundo

AS 10 LIVRARIAS MAIS BONITAS DO MUNDO

As mais belas livrarias do mundo !

As mais belas livrarias do mundo

Livrarias antigas

Como ontem foi Dia do Livro em Frumentarius, mas não consegui publicar (acontece), resolvi deixar seu hoje um link para matéria interessante sobre as livrarias mais antigas do Ocidente… Recomendo, por exemplo, a Bertrand de Lisboa, lá no Cuidado, e que, fundada em 1732, informa orgulhosamente ser a mais antiga livraria em funcionamento. Na capital portuguesa,   passeio imperdível (O bom é que o post já serve também para a série Pelo Mundo – que publico às quintas.)! 

Las 9 librerías más antiguas del mundo aún en funcionamiento

Screenshot_20190821-071523_Chrome

 

As cortes europeias entre 1843 e 1944

IMG_20190810_194918_365Como hoje é o dia do livro, faço referência a uma interessante obra que estava a consultar dia desses… Chama-se Les Cours d’Europe – Histoire d’un Siècle, 1843-1944, e é uma publicação da Revista L’Illustration, um semanário fundado em 1843, e que marcou a França durante a Belle Époque e a primeira metade do século XX. L’Illustration foi o primeiro periódico francês a publicar uma fotografia (em 1891) e também o primeiro a publicar uma foto colorida (em 1908). Em 1957, após inúmeros problemas relacionados inclusive ao colaboracionismo de seus editores durante a Segunda Guerra Mundial, a revista foi à falência e encerrou definitivamente suas atividades.

A obra, portanto, reúne uma série de reportagens e publicadas por L’Illustration nos seus tempos áureos. Descreve um pouco da vida e da história das Casas europeias reinantes no período, dos Windsor (com uma bela foto da Rainha Victoria e três gerações de descentes que reinaram no trono britânico) à Casa dos Romanov (brutalmente executada pelos bolcheviques em julho de 1918).

O que gostei no livro foi de conhecer um pouco mais sobre os antepassados dos atuais soberanos europeus (para aqueles que acham que a monarquia é coisa do passado, lembro que entre as 10 nações mais desenvolvidas do planeta, a maioria é composta por monarquias, como o Reino Unido, a Espanha, a Suécia, a Noruega, a Holanda, a Bélgica, e o Luxemburgo, além, é claro, do Império do Sol Nascente, o Japão).

Fatos inusitados são ali narrados. Certamente, conhecer a história dessas pessoas é positivo para a causa monárquica. Dessa maneira, consegue-se entender muito do lado humano da realeza se percebe o quanto esses Casas, reinantes ou não, são nada mais que “famílias”, o que naturalmente as aproxima do povo. Quem conhece a vida de reis e príncipes modernos (de monarquias constitucionais, que fique o registro) bem sabe o quanto são pessoas simples, comprometidas com suas funções de Estado (dificílimas, por sinal), sem vida privada, patriotas e amantes de seu povo e seu país.

O livro é rico em histórias e em ilustrações, portanto. Nesse sentido, lendo sobre Dom Manuel II, de Portugal, descobri que o último monarca português nasceu exatamente no dia 15 de novembro de 1889, ou seja, na data do golpe de estado que pôs fim ao Império do Brasil. Coincidência? Não sei. Definitivamente, os Bragança nos surpreendem sempre!

Terça, dia do livro!

Muito bem, meus queridos 16 leitores! Como havia prometido, as terças-feiras serão consagradas a uma de minhas grandes paixões – e que, tenho certeza, é também a de 11 em cada 10 seguidores de Frumentarius: os livros!

Assim, a ideia é a cada terça publicar algo sobre livros, por exemplo, comentários referentes a alguma obra que esteja lendo, bem como alguma matéria de interesse de apreciadores dessa maravilhosa peça provocadora da imaginação e geradora de emoções! Nesse sentido, impressionante o quanto repercutiu nosso desabafo, “Livro, um péssimo negócio!“, que alcançou mais de 4 mil visualizações em três dias! (Para alguém que não tem maiores pretensões que as de poder compartilhar com os amigos suas reflexões sobre um pouco de tudo, o alcance realmente superou quaisquer expectativas.)

Pois muito bem! Fique sabendo que toda terça teremos pelo menos um post sobre livros. Espero que goste!

Como “prólogo” dessa nova categoria de publicações de Frumentarius, quero compartilhar com vocês um vídeo sobre meu cantinho, meu lugar sagrado, onde reúno meus livros e posso relaxar e me dedicar à leitura e à reflexão. Conheçam a minha biblioteca! Abraço!

PS: Consultas no local, mediante agendamento prévio e acompanhadas do bibliotecário!