Revenons à nos moutons

« De par le diable, vous bavez !
Eh ! Ne savez-vous revenir
Au sujet, sans entretenir
La cour de telle baveries ?
Sus, revenons à ces moutons !
Qu’en fut-il ?
»

La Farce de Maître Pathelin, 1485

 

Eu poderia apresentar a meus 8 (oito) leitores muitas desculpas por esses dez meses sem publicação em Frumentarius… Poderia dizer que o tempo se tornou escasso para escrever, que as atribuições do dia-a-dia me impediam de fazer os comentários com a regularidade que desejava… Poderia também dizer que a inspiração estava pouca (não estava), que os posts em minha página do Facebook eram suficientes (por falar nisso, já curtiu minha página no Facebook? – veja a lateral esquerda superior desta tela)… Mas tudo isso seria apenas e tão somente desculpa…

Portanto, em vez das escusas pelo tempo sem publicar, informo simplesmente que estou saindo (de maneira lenta, gradual e progressiva) dessa fase de recolhimento e logo teremos novos posts sobre “um pouco de tudo” de uma forma mais regular… Isso deve acontecer a partir de julho! Vejam que retomaremos a regularidade em julho, com ao menos três posts comentados por semana. Durante junho faremos apenas um “esquenta”!

Há muita coisa sobre o que refletir no mundo em constante transformação! Enquanto Frumentarius estava adormecido, o terrorismo se tornou um tema mais presente no imaginário dos europeus em razão dos ataques de Paris e Bruxelas. Tema mais presente e erroneamente associado às massas de refugiados que chegam à Europa fugindo de sua terra natal em busca de uma vida de paz… Obviamente, vamos comentar sobre isso e tentar remover véus sobre o mito dos “refugiados terroristas”.

Não é possível falar de terrorismo sem uma referência ao Estado Islâmico, que se tornou muito forte nos últimos dois anos (apesar das derrotas recentes para as forças de Assad – continuo achando que ruim com ele, muito pior sem ele – e da intervenção russa – ok, os ocidentais também fizeram intervenções importantes na Síria… fizeram???), chocando o mundo com barbaridades que deixariam roteiristas de Hollywood no chinelo… O ISIS trata-se realmente de organização que merece constante atenção dos serviços de segurança e inteligência pelo mundo…

Outro conflito que continuou foi o da Ucrânia, apesar das poucas atenções àquele lado do mundo… Afinal, aquilo é zona de influência russa, sendo temerário que os ocidentais queiram interferir naquelas terras. Diga-se de passagem, o Urso tem aumentado sua capacidade de atemorizar os países ocidentais… Impossivel falar de Rússia sem referência expressa a Puti… Putin continua lá, mandando como nunca. Gosto de Putin… Putin é KGB…

Eleições nos EUA também são tema corriqueiro! Nunca pensei que fosse torcer por um candidato do Partido Democrata, mas com o Pato Donald Trump sendo o ungido do Partido Republicano, chego à conclusão que passa da hora dos EUA terem Hillary Clinton na cadeira presidencial – Sanders nem com reza brava, por favor!

Tema que meus leitores sabem que muito me agrada é a atuação de Bob Filho no seu aterrorizante parque de diversões! O rato tem rugido, e isso gera instabilidade no Continente Asiático. Em tempo: recentemente ele foi confirmado como Líder Supremo da Coréia da Norte – mas como não fazê-lo com o sujeito que inventou o Ipad? 

E o Brasil? Bom, o Brasil merecerá muitos posts! O melhor foi o ocaso de Madame et caterva, pois o País não aguentava mais o desgoverno… Tenho esperança que nosso novo Presidente (volto a usar o “P”maiúsculo)! Di-lo-ei  (Ahá!) que lhe desejo muito êxito ao promover as mudanças que farão com que o Pais se recupere política, econômica e moralmente (afinal, precisamos recuperar valores morais acima de tudo!)… A equipe econômica é ótima, a equipe de governo também. O Presidente é homem inteligente e lúcido e conhece o Congresso, o que é fundamental neste modelo presidencialista fracassado – sim, porque continuo monarquista e tratarei disso também! 

Essas são apenas algumas palavras iniciais. Espero que possamos interagir mais, meus queridos leitores, e continuar conversando sobre “um pouco de tudo”! Avante!

20160511_191342-1.jpg

Quando o Brasil foi Grande

cetro imperio Neste 15 de novembro, data que considero o dia da infâmia, gostaria de compartilhar com os amigos algumas de minhas razões de ser monarquista convicto. Esta a atualização de um texto que escrevi aqui em 2012.

Preliminarmente, convém registrar que não estou aqui a fazer proselitismo. Não quero convencer ninguém de que o regime monárquico é a melhor opção (apesar da profunda convicção de que é). Só o que desejo é expor minhas razões. Sou monarquista desde que me entendo por gente, e poderei dizer a meus netos que meu primeiro voto foi no parlamentarismo monárquico, por ocasião do plebiscito de 1993. Àquela época votei com convicção e segurança – vou o voto mais valioso e valorizado que já coloquei na urna.

Outra coisa: espero que este texto ajude ao menos a remover alguns preconceitos para com a alternativa monárquica. É irritante as pessoas acharem que somos monarquistas por excentricidade ou anacronismo. Incomoda a reação crítica a esse modelo quando é feita sem nenhum conhecimento do assunto, sob o único argumento (imbecil, desculpem a honestidade) de que “monarquia é coisa do passado” ou de que “o modelo republicano é mais democrático”. Para esses já respondo que a maior parte da população de países como o Reino Unido, o Japão, Suécia, Noruega, Holanda, Bélgica, Dinamarca (que, junto com Canadá, Austrália e Nova Zelândia constituem democracias modernas e desenvolvidas sob um regime monárquico) não pensa assim. Antes de criticarem a monarquia, as pessoas deveriam se informar mais…

Muito bem! Perguntam a razão de eu ser monarquista. Já disse, e repito, preliminarmente, que só vim a conhecer alguém da Casa Imperial do Brasil este ano de 2014, quando tive a feliz oportunidade de encontrar com Dom Bertrand de Orléans e Bragança. Príncipe Imperial do Brasil, com quem tive uma excelente conversa! Tampouco estou formalmente vinculado a qualquer organização monarquista (o que não significa que não o farei oportunamente). Sou monarquista, primeiro, porque creio que uma boa democracia se desenvolve em regimes parlamentaristas e, no Parlamentarismo, entendo que o melhor modelo é o monárquico, não o republicano. Repúblicas parlamentaristas são imperfeitas e o Presidente nunca consegue representar a totalidade da nação como o Chefe de Estado deve fazer (vide o recente caso alemão).

moeda imperioAdemais, parece-me que o único lugar onde o Presidencialismo realmente deu certo foi nos EUA, onde eles criaram o modelo, e no qual a instituição “presidência” é sagrada. Por aqui pela América Latina, o que se viu foram republiquetas instáveis, com caudilhos lutando pelo poder, golpes de Estado e instabilidade político-institucional marcada por aspirantes vorazes a ditador ou megalômanos que chegavam ao palácio presidencial sem estar realmente preparados para ocupar a posição de primeiro mandatário.

Outra razão pela qual sou monarquista é que acho que à época do Império tínhamos instituições mais sólidas e valores mais consistentes. A figura do monarca ajuda nisso – por mais que pessoalmente ele possa ser cheio de imperfeições (senão não seria humano), como figura pública é um símbolo nacional, com valores que devem ser seguidos, servindo de exemplo à população. O povo precisa de heróis, o povo precisa de referenciais, e um soberano é muito útil para compor positivamente esse imaginário. Ademais, aquela foi uma época em que o Brasil, com todos os seus problemas de desenvolvimento e atraso social, tinha uma Economia estável, um regime com liberdade de imprensa, grandes estadistas na vida pública, e era respeitado no concerto das nações, isso muito se devendo aos soberanos que aqui reinaram. Foi uma época, realmente, em que o Brasil era grande!

Antes que venham os comentários pacóvios: monarquias são menos suscetíveis à corrupção que repúblicas, a começar pelo próprio Chefe de Estado. Um monarca não precisa roubar do erário. Afinal, se o fizesse, estaria tirando do próprio bolso e não faria o menor sentido degradar um patrimônio que ele iria deixar para seus filhos. E se roubasse, qual seria o sentido? Onde, quando e como gastaria o butim? Presidentes, por outro lado, têm que fazer seu pé de meia, para quando deixarem o poder…

A monarquia, ao contrário do pensam alguns, é muito mais barata que uma República. Saibam que a Presidência de um país como o Brasil gasta muito mais que qualquer Casa Real. E, ainda que as despesas fossem mais altas para manter uma família real (melhor manter uma família permanentemente que várias famílias de presidentes por sucessivos anos), alguém já pensou no custo do presidencialismo em termos de gastos com campanhas eleitorais periódicas? Quanto dinheiro público não é gasto a cada quatro anos somente com as eleições presidenciais?

coroas (1)Não quero, repito, convencer ninguém para minha causa. Escrevi este texto porque quero compartilhar com meus leitores essa característica político-ideológica que para muitos me é tão marcante. Se você não gostar do que escrevi, paciência, não perca seu tempo tentando desconstruir meu discurso, vá cantar em outra freguesia. Escrevo para aqueles que, ao menos, tenham um mínimo de discernimento e sensatez para considerarem opiniões divergentes das suas, e que não sejam obtusos a ponto de simplesmente se fecharem a qualquer argumento que não tenham facilidade de compreender ou que pensem ser contrário a sua maneira de ver o mundo.

Monarquia é sinônimo de estabilidade. Refiro-me a monarquias constitucionais, que fique bem claro. É instituição moderna (ao contrário do que muitos pensam) e tem aspectos muito positivos.

Este quase quarentão (faço aniversário daqui a 23 dias) pode afirmar com toda convicção que prefere ser súdito do Império do Brasil a cidadão desta (ou de qualquer outra) república… Viva o Império do Brasil! Pela restauração! 

brasilimp1822-1889

O homem de bem e a Política

Plenario-camara-federalEm conversa recente com um amigo, tratamos sobre a desilusão crescente de muitos brasileiros com as nossas instituições e com os rumos que o Brasil está tomando. O resultado é que cada vez menos pessoas têm interesse em participar da vida política do País. Afinal, Política no Brasil virou sinônimo de corrupção, falcatruas, falta de compromisso como interesses maiores, com o bem comum, em um ambiente de agentes públicos ineptos, de quadrilhas que se reúnem para se apropriar do erário…

Com a crise de valores em que vivemos, as pessoas boas e honestas tendem não querer se envolver com a política. Essa opção, entretanto, é tremendamente danosa para a democracia brasileira e constitui um grande perigo para o futuro do País.

politica-no-brasil-eleicao-2012O homem de bem não pode se omitir da participação na vida política de sua cidade, de seu estado, de seu país. De fato, ao se omitir, ele ou ela cede espaço para os inescrupulosos, para os desonestos e para os maus, que acabam encontrando na vida pública um campo fértil para explorar os mais necessitados e usar o Estado para objetivos privados e ilegítimos.

As pessoas de bem querem certamente um Brasil melhor, mais justo e igualitário. Querem um Brasil onde haja igualdade de oportunidades, onde o Estado não interfira na vida privada dos cidadãos, e em que a autoridade pública cuide dos mais necessitados. As pessoas de bem querem justiça social e liberdade, querem segurança e serviços públicos de qualidade. O problema é que, enquanto o Estado brasileiro estiver entregue aos maus e aos despreparados, dificilmente teremos um país melhor.

É por isso que acredito que é um dever da pessoa de bem participar da vida pública e da Política, e trabalhar pela boa Política. Somente com mudanças e renovação na Política é que mudaremos o Brasil. Essa participação pode-se dar de diferentes maneiras: com atividades de assistência social, com dedicação de tempo à conscientização dos brasileiros sobre cidadania e sobre regras de vida em sociedade, bem como apoiando ou votando em pessoas de bem que decidam concorrer nas eleições. Deve-se dar também acompanhando o trabalho e as atividades daqueles que elegemos e cobrando deles o cumprimento dos compromissos de campanha. Certamente, o acompanhamento permanente das atividades dos políticos e a cobrança constante feita pelo eleitor sobre aqueles que o representam terão muito mais efeitos para melhorar o Brasil que manifestações pontuais, ainda que de milhares de pessoas, pelas ruas do País.

Cs-politicas1Há, ainda, uma maneira mais ousada de participar da vida política: candidatando-se a um cargo público… Por que não? Este é, sem dúvida, um dos gestos mais abnegados do homem e da mulher de bem. É se dispor a, como fez Daniel, entrar na cova dos leões e ali se conduzir com higidez, com coragem e com o compromisso de trabalhar por um Brasil melhor. Sim, porque temos que transformar a vida pública em um espaço de pessoas cada vez melhores e mais comprometidas com o bem comum. Se ficarmos acomodados em casa, a situação do País só tende a piorar. Alguma coisa precisa ser feita.

Sobre o homem de bem e a Política, o amigo lembrou-me das palavras do Papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude, em 2013. Independentemente da religião que você professe, meu caro leitor, ou da simpatia que você porventura tenha por Sua Santidade (eu sou um grande admirador do Papa Francisco), as palavras do Chefe de Estado e do líder espiritual de mais de um bilhão de católicos no mundo foram muito apropriadas para o Brasil e os brasileiros no momento de crise de valores, de crise política, pelo qual passamos. Disse o Papa Francisco (transcrição feita pelo amigo do discurso de Sua Santidade):

“Não podemos fazer como Pilatos e lavar as mãos… Nós cristãos temos o dever de nos envolvermos na Política porque a Política é uma das formas mais altas de fazer a caridade, porque busca o bem comum… Envolver-se na Política é uma obrigação para um cristão… Os leigos cristãos devem trabalhar na Política… A Política está muito suja, mas eu pergunto: ‘está suja por quê?!’ Porque os cristãos não se envolveram nela com espírito evangélico… É fácil dizer que a culpa é dos outros… mas eu, o que faço? [Participar da vida política] é um dever… Trabalhar pelo bem comum é um dever cristão…”

Da próxima vez que você se sentir relutante ou desinteressado em participar da vida política de sua cidade, de seu estado, ou mesmo de seu país, lembre-se que, se continuar sem fazer nada, os maus continuarão fazendo alguma coisa de ruim. E, se ainda tiver alguma dúvida, registro as sábias palavras do historiador britânico Arnold Toynbee (1889-1975): “O maior castigo para quem não gosta de política é ser governado pelos que gostam”.

Brazil Confederations Cup Protests

O Império do Brasil

Nesta data, que deveria ser celebrada, em verso e prosa, por todos os que amam o Brasil, como a mais cívica de nosso calendário (mas  a qual, infelizmente, é apenas mais um “feriadão” para a absoluta maioria dos brasileiros), faço aqui esta homenagem ao glorioso Império do Brasil. Nunca se viveu tamanha democracia como naqueles tempos! Nunca se valorizou tanto a nacionalidade e o sentimento de pátria! E nunca se vivenciou tanto o republicanismo, sobretudo à época do reinado de Pedro II, o maior estadista de nossa história!

Alguns leitores, particularmente os republicanos mais radicais, vão dizer que faço aqui uma apologia cega e infundada ao Império… Que pensem e digam assim! Não vou mudar suas convições, nem o quero. Este texto é dedicado aos monarquistas e simpatizantes da causa monárquica, àqueles que acreditam que pode haver um Brasil diferente, mais digno, democrático, moderno e civilizado!

O 7 de setembro é uma celebração das conquistas do Império e dos grandes homens que construíram este País! Podem até nos querer tirar esse sentimento de brasilidade e gratidão para com os fundadores da pátria e aqueles que garantiram nossa unidade nacional! Não conseguirão, entretanto, pois o 7 de setembro é uma data imperial, assim como  as cores de nossa bandeira e o hino nacional, legados do Império!

De fato, o 7 de setembro é uma data de regozijo para todos os monarquistas! Lembremos de um tempo de força, honra e glória, um tempo de independência e de respeito que tínhamos perante o concerto da nações! Sim, talvez ainda hoje não tenhamos alcançado o prestígio do Império, prestígio este que a república não soube preservar!

Mas não falemos da república! Lembremos,  sim, de nossos dois monarcas: Pedro I, o jovem príncipe português, que com apenas 23 anos ousou reagir à pressão das Cortes de Portugal pela volta aos grilhões coloniais e proclamou a independência do Brasil! Ele, o filho e herdeiro de Dom João VI, de Portugal, bom lembrar, não nasceu brasileiro… entretanto, tornou-se brasileiro por escolha própria e pelo amor que tinha a estas terras (de fato, foi o primeiro brasileiro, pois fundou o Brasil!)… e amou o Brasil mais que a grande maioria dos governantes que o sucederam! Amou tanto este País que deixou para os brasileiros o que tinha de mais precioso: seu filho varão, que superaria o pai como soberano-cidadão!

Lembremos de Pedro II, o mais singular dos monarcas de seu tempo, sábio e virtuoso, o qual por sua grandeza própria alçava o Brasil à condição de grande! Pedro II, o primeiro dos voluntários da pátria e que, como o pai, amou tanto o Brasil a ponto de sacrificar sua dinastia por princípios maiores, pela garantia da ordem, pela preservação da paz e para que sangue brasileiro não fosse derramado! Um governante que, ao ser enviado ao exílio, recusou a pensão oferecida pelos golpistas republicanos, e cujo único valor que fez questão de levar consigo foi um travesseiro “com terra do Brasil”. Foi sobre essa terra do Brasil que Sua Majestade descansou a cabeça pela última vez e para a eternidade!

O 7 de setembro deveria servir para lembrar aos brasileiros  (e, em especial, a seus dirigentes) de nossos dois imperadores, os quais, cada um a sua maneira, servem de exemplo aos governantes desta república combalida, saqueada e humilhada, vítima da corrupção, da gatunagem e da exploração inescrupulosa!

Que as futuras gerações possam conhecer mais sobre o Império do Brasil e seus soberanos! Quem sabe dessa maneira consigamos desenvolver um sentimento de patriotismo, respeito e zelo pela coisa pública, de cidadania e civilidade! Só conhecendo mais sobre nosso passado imperial é que conseguiremos entender a frase do então Presidente da Venezuela, Rojas Paúl, quando foi informado do golpe que pusera fim à monarquia: “Acabou-se a única República da América – o Império do Brasil!”!

Viva o 7 de setembro! Viva Dom Pedro I! Viva Dom Pedro II! Viva o Império do Brasil!

Pela Restauração!

2 anos do grande terremoto do Haiti: tributo aos amigos que pereceram naquele desastre

Aconteceu há exatos dois anos. Lembro que chegava ao Chile, para uma conferência na área de Defesa e, no quarto do hotel, ao ligar a televisão, vi as notícias sobre o terremoto que acabara de acontecer. Pensei imediatamente nos amigos militares que estavam no Haiti… Claro que o lado racional se manifestou e concluí que deveriam estar bem… Afinal, seria um triste azar perder amigos em um sinistro como aquele…

No dia seguinte, pouco antes da minha apresentação, acessei a internet. Então veio a infeliz surpresa: militares brasileiros haviam perecido no terremoto sim! E entre eles, o primeiro nome da lista era o de meu caro amigo, o Coronel Emílio Carlos Torres dos Santos… Confesso que não foi fácil realizar a conferência. Emílio estava no Haiti com as forças de paz das Nações Unidas contribuindo para recuperação do país mais miserável do continente. Era um sujeito obstinado e sempre bem-humorado. Profissional competente, representava bem nossos militares. Estava no edifício do alto-comando, disseram. Quando ocorreu o terremoto, conseguiu saltar pela janela do prédio… e a parede caiu por cima dele, esmagando-o. Junto com Emílio, outros  17 militares brasileiros pereceram naquele terremoto. Estavam em missão, missão de paz.

Na semana seguinte, por ocasião da missa de sétimo dia dos mortos no terremoto, tive outra péssima notícia. Haviam identificado o corpo de mais um militar brasileiro, o Coronel João Eliseu Souza Zanin. Zanin também era um amigo. Calado, discreto, Zanin era profissional de alta competência, e o último contato que tivera com ele fora quando me havia dado a notícia que iria para um posto no exterior, aprovado em um difícil processo seletivo. O mais trágico: Zanin tinha acabado de chegar ao Haiti para uma missão de alguns dias apenas. Foi para morrer.

Na data de hoje, meu pesar pelos milhares de mortos naquele fatídico 12/01/2010 e minha homenagem aos brasileiros (e brasileira, pois Zilda Arns deve ser lembrada) que ali tombaram no cumprimento do dever. Também não posso deixar de saudar os brasileiros e brasileiras que estiveram e/ou estão no Haiti, na missão humanitária de (re)construir aquele país, especialmente nossos militares que lá se encontram. Sinto-me realmente muito honrado em conhecer alguns deles, civis e militares. Que saibam que representam muito bem o Brasil e, no caso do pessoal das Forças Armadas que lá se encontram, são o testemunho vivo do profissionalismo dos nossos militares, da grandeza dos brasileiros e do espírito solidário de nosso povo. Como disse em Halifax, em novembro último, nós nos orgulhamos muito dos homens e mulheres brasileiros que servem em missões de paz no exterior, pois cada soldado brasileiro no exterior é também um diplomata do Brasil.

Terremoto no Haiti

Por Fernando Rebouças

No dia 12 de janeiro de 2010, terça-feira, por volta das 19 horas e 50 minutos, o Haiti sofreu um terremoto de 7,0 na escala Richter. Houve temores de incidência de um tsunami na região do Caribe, que poderia atingir a República Dominicana, Cuba e Bahamas, mas logo foram negados.

Continuar lendo

Israel e os imigrantes

No momento em que nós por aqui abrimos nossos braços para receber milhares de refugiados haitianos (nada contra recebermos os haitianos… só me incomoda o Governo conceder certos auxílios a essas pessoas que nega aos próprios brasileiros), Israel discute sua lei de imigração. O Editorial do Haaretz é interessante para pensarmos se não estamos fazendo uma grande bobagem com relação aos haitianos e outros imigrantes ilegais que chegam ao Brasil.

Em tempo: que fique claro que de forma alguma estou defendendo medidas xenófobas por parte do Governo brasileiro ou de nossos nacionais. Sempre achei que imigrantes (ou migrantes) enriquecem qualquer tecido social. Grandes nações se fizeram de imigrantes. Só não creio que as autoridades brasileira estão lidando com habilidade com a questão haitiana (o que pode gerar admoestações por parte dos locais contra os imigrantes).

Israel’s anti-infiltration law is a disgrace

Haaretz Editorial, 11JAN2012

Any detention without trial is an extreme act that should be foreign to a law-abiding state, much more so when the victims are work migrants who harbor no ill intentions against the state.

Of all the antidemocratic laws that have descended on us of late, it is perhaps the most shameful. After a long, late-night session on Monday the Knesset plenum approved the second and third reading of an amendment to the Prevention of Infiltration Law. Only eight Knesset members voted against the amendment, while 37 supported it. Continuar lendo

Parcerias Estratégicas

Segue um artigo nosso, publicado no Inforel, em 16/11. Marcelo Rech, editor do Inforel (obrigado Marcelo, pelo apoio permanente), pediu-me para escrever algo por ocasião do Encontro de Estudos Estratégicos que ocorreu naquela semana, no Rio de Janeiro [e para o qual não fui convidado. Tudo bem, o Ministério da Defesa do Canadá e os demais organizadores do Halifax International Security Forum (clique no nome para acessar a página) acharam que seria interessante minha presença em terras canadenses para discutir segurança e defesa com especialistas internacionais e autoridades como Ehud Barack e John McCain. Aí eu fui…].

São algumas reflexões sobre o papel estratégico do Brasil em promover os interesses do Ocidente diante da crise das Potências tradicionais e do fato de que o centro de gravidade do poder internacional ter se deslocado do Atlântico para a Ásia-Pacífico. Espero que gostem!

Parcerias Estratégicas: o Brasil e os Três Triângulos

Inforel – 16/11/2011 – 20h54

No início da segunda década do século XXI, as mudanças na ordem internacional evidenciam profunda crise entre as tradicionais potências ocidentais.

Os Estados Unidos da América (EUA), ainda abalados pela crise financeira de 2008, encontram-se diante de sérios problemas estruturais e reformas em diversos setores mostram-se necessárias.

A situação não é diferente da Europa, na qual a integração encontra-se ameaçada por uma crise econômica que se propaga pelo continente como o foi Peste Negra, 700 anos antes.

E, diante desse cenário, parece cada vez mais evidente que o eixo de poder segue para a Ásia-Pacífico e que a influência no sistema terá que ser compartilhada com potências emergentes, com destaque para as que compõem os BRIC (Brasil, Índia, Rússia e China). Estaria o Ocidente definitivamente fadado a sucumbir diante da hegemonia do Oriente? Continuar lendo

Geopolítica do Brasil

Mais uma excelente contribuição do meu caro Daniel Pinto para começar a semana. Bom para a reflexão acerca de como somos vistos pelo mundo. Recomendo a meus alunos de Relações Internacionais.

Stratfor logo
July 14, 2011 | 1216 GMT
The Geopolitics of Brazil: An Emergent Power's Struggle with Geography
STRATFOR

Editor’s Note: This is the 15th in a series of STRATFOR monographs on the geopolitics of countries influential in world affairs.

South America is a geographically challenging land mass. The bulk of its territory is located in the equatorial zone, making nearly all of the northern two-thirds of its territory tropical. Jungle territory is the most difficult sort of biome to adapt for human economic activity. Clearing the land alone carries onerous costs. Soils are poor. Diseases run rampant. The climate is often too humid to allow grains to ripen. Even where rivers are navigable, often their banks are too muddy for construction, as with the Amazon. Continuar lendo

Modelos de desenvolvimento

Trecho de uma de minhas aulas sobre modelos de desenvolvimento. Destaco o potencial do Brasil como grande celeiro do mundo. Trato de alguns de nossos problemas de desenvolvimento, das possibilidades para o País e dos obstáculos ao crescimento.

Para o vídeo, clique aqui.