Piada soviética do dia…

090101 Stalin 4 jokerSe tem uma coisa que prolifera descontroladamente em regimes autoritários são as piadas! Não aquelas autorizadas pelo regime, mas as peças humorísticas que surgem como críticas ferrenhas e inteligentes ao sistema. Essas piadas circulam clandestinamente, e fazem o homem comum rir um pouco de sua triste condição e, ao mesmo tempo, permanecer crítico da situação que lhe é imposta e manter acesa a chama da esperança de que um dia aquilo acabará. Toda ditadura um dia acaba… o problema é quando esse dia demora a chegar.

Em homenagem às vítimas de regimes autoritários, com destaque para aqueles que, sob a ideologia da igualdade, da solidariedade entre os povos, e do governo do proletariado, ceifaram milhões de vidas, publicarei aqui periodicamente piadas contadas clandestina mas amplamente na União Soviética e em outros países comunistas.

A de hoje é sobre a eficiência daquele modelo de produção:

Um gerente de fábrica [na União Soviética] mostra a empresários norte-americanos a linha de produção.
“Este é nosso produto de maior sucesso”, diz ele. “No primeiro ano. fizemos 500 unidades. No segundo, 5 mil, e no terceiro, 500 mil.”
“Uau”, diz um dos visitantes americanos. “O que você fabrica?”
O gerente lhe entrega uma chapa de metal.
O visitante vira a chapa e descobre que é uma placa dizendo: “Com defeito.”

Qual o problema da Grã-Bretanha com a Rússia?!?!?!

Encontrei este artigo na versão em inglês do Pravda (tradicionalmente isento, absolutamente imparcial, hehehe). Achei divertido. Não farei maiores comentários…

PS: Para os mais jovens, o Pravda (Пра́вда) foi o principal jornal da União Soviética e um órgão oficial de notícias do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética entre 1918 e 1991. O jornal ainda existe e está em circulação na Rússia, mas ficou mais conhecido nos países ocidentais por seus pronunciamentos durante o período da Guerra Fria (ou seja, pronunciamentos oficiais do Partido Comunista). Hoje, a versão online nada tem a ver com a versão impressa, mas ambos trazem a percepção peculiar do bom e velho Pravda soviético.

O outro grande jornal soviético era o Izvestia (Известия), que também existe ainda hoje, e pertence a estatal russa de notícias. Nos tempos da Guerra Fria, fora da União Soviética, e sobretudo entre as esquerdas da América Latina, exemplares desses jornais eram artigos de luxo para os militantes que sonhavam com a vitória proletária (sei…), e quem tinha um se destacava como bom revolucionário (apesar de, geralmente, não entender uma palavra de russo).

Pravda em russo significa verdade, e Izvestia notícia. Havia inúmeras piadas à época soviética com esses dois diários. Em uma delas, dizia-se que o Pravda nunca trazia notícias e que no Izvestia não havia verdade… 

putin_cameron

Why does Britain have a problem with Russia?

Pravda.ru – 19.02.2015 13:13
Why does Britain have a problem with Russia?. 54598.jpeg

In recent days, the hyperbole has risen to hysteria level with senior members of the British government outdoing each other to make the most infantile, irresponsible, insolent and insulting remarks against Russia and its President, Vladimir Putin. What is Britain’s problem with Russia, the country that shed rivers of blood to free Europe from Fascism?

Only last week, Britain’s Foreign Secretary Philip Hammond was insinuating that Britain might get involved in Ukraine because he would not allow Ukraine’s military forces to collapse, while his boss, Prime Minister Cameron, rudely referred to Russia’s President as “Putin”. Today, we have the Defense Secretary Michael Fallon warning that Russia might use military force against its neighbors, while the British Bullshit Corporation and Lies on Sky ratchet up the anti-Russia hype calling its President a despot, calling Russia’s government “desperate” and insinuating that Moscow might suddenly send the tanks rolling across the frontiers.

Two questions: Is the British public really so gullible that it will swallow that nonsense, or are the purveyors of lies as truth yet again a decade or so behind the times? The answer to the first question is no and the answer to the second is yes.

Everybody knows that Russia and Britain (and France and the USA, among others, including Serbia) stood together just over half a century ago to defeat the worst scourge Europe has seen since the days of Genghis Khan – Adolf Hitler’s Nazi Third Reich. It was a war in which Russia, as part of the Union of Soviet Socialist Republics, lost over 26 million souls freeing Europe from tyranny, racism, homophobia, intolerance and Fascism. Around ninety per cent of  the Wehrmacht losses were incurred on the Eastern Front. Continuar lendo

Putin: um recado para o Ocidente / Putin: a message to the West

Pois é! A notícia abaixo, divulgada no dia da posse de Putin, serve de alerta para o mundo em geral, e para o Ocidente em particular: de que o novo (não tão novo) Presidente da Rússia fará todo o possível para tornar seu país cada vez mais forte e tentar recuperar o prestígio dos tempos soviéticos. Afinal, Putin é um remanescente do período em que a União Soviética disputava com os Estados Unidos a hegemonia global. E ele fará de tudo para recuperar a condição de grande potência para seu país.

Já disse que gosto de Putin? Putin é KGB. Salve, Putin!

 *****************************************

By the following news, on his inauguration day, Mr. Putin sends a message to the world, and to the West in particular: he will continue to keepRussiastronger and trying to recover theSoviet Unionlost prestige. The new (not so new) Russian President comes from the time when his country was the second world power in terms of global influence. And he will make everything to bringRussiaback to that condition. Is the Cold War back? Obviously not! However, with Putin, the Kremlin says clearly thatRussiais still a great power and an important player on the international game.

I really admire Mr. Putin. He’s an example of leadership to millions. Actually, I like Putin. Putin is KGB. Hail, Putin!

Putin Pushes For Guarantees on U.S. Missile shield

http://en.rian.ru/world/20120507/173297944.html
RIA NOVOSTI – 19:37 07/05/2012

Russian President Vladimir Putin on Thursday urged the Foreign Ministry to stick to the provisions of the new Russia-U.S. Start treaty and push for guaranties that the U.S. missile shield in Europe will not be aimed against national nuclear facilities. Continuar lendo

Cartazes Soviéticos: Не болтай!

Esta encontrei na página de Delmo Arguelhes no Facebook. Muito interessante e uma fantástica aula de História! Os nazistas podem até ter inventado a propaganda, mas os soviéticos também não ficavam para trás com seus cartazes e palavras de ordem! 

Gosto, particularmente, daqueles feitos durante a II Guerra Mundial (ou Grande Guerra Patriótica para os soviéticos)… Tenho curiosidade para saber como eram os cartazes da época que nazistas e soviéticos eram aliados (entre 1939 e 1941).

Outros que me chamaram a atenção são o do bebezinho (de 1936) com os dizeres: “os felizes nascem sob a estrela soviética!”. Isso no auge dos expurgos! E também há aquele com o retrato de Lênin e os dizeres “o homem mais humano” (de quem estão falando?)… Mas os melhores são os de Stálin: um dizendo que ele é a “luz do comunismo” e o outro com o camarada Stálin botando um papel numa urna e os dizeres “pela felicidade do povo” (três coisas incompatíveis: Stálin, urna e felicidade do povo)! Vale a pena ver todos!

Há um que não está na relação, mas que reproduzo aqui com os dizeres “Não Tagarele!” (Не болтай!), feito à época da II Guerra. 

* * *

A Rede Histórica selecionou 50 posters e pediu para que Irina Starostina traduzisse para o português. Confira o resultado!

A Pátria-Mãe chama!

Para o alto a bandeira do internacionalismo proletário! Continuar lendo

Nostalgia soviética

Ainda por ocasião dos 20 anos do fim da União Soviética, segue mais um interessante artigo de Fyodor Lukyanov sobre a nostalgia dos tempos da foice e do martelo e como isso pode afetar a Rússia hoje… Como sempre, recomendo a meus alunos de Relações Internacionais.

Em tempo: para uma matéria da ABC News sobre o tema, clique aqui.

RIA Novosti

Uncertain World: Destructive Soviet nostalgia

18:46 08/12/2011
 

Twenty years ago, on December 8, 1991, the leaders of the Soviet Union’s Slavic republics – Russia, Ukraine and Byelorussia – signed an agreement dissolving the Soviet Union. Formally, they claimed the right to dissolve it because these three republics established it in 1922. Many analysts still dispute the legitimacy of this deal, but that does not change anything. By December 1991, the Soviet Union had de facto ceased to function, as power already belonged to its constituent republics. Continuar lendo

O legado de Gorby…

Outro ótimo artigo, cuja leitura considero fundamental, sobretudo para meus alunos de Relações Internacionais…

Gosto de Gorby. Sempre gostei dele… Tem todo seu valor, mesmo diante dos três grandes homens da década de 1980: João Paulo II, Ronald Reagan e Margareth Thatcher…

18/08/2011

The Mystery of Mikhail: Gorbachev’s Ambiguous Legacy

By Christian Neef and Matthias Schepp in Moscow

Was Mikhail Gorbachev the greatest reformer of the 20th century? Or did he rise to the position of Communist Party leader more or less by accident, only to cause the collapse of the Soviet Union through indecision and fear? Twenty years after perestroika, the politician’s legacy is still disputed.

This is the second part of a SPIEGEL series looking at the legacy of Mikhail Gorbachev, 20 years after the collapse of the Soviet Union. Read part one here and SPIEGEL’s exclusive interview with Gorbachev here. Continuar lendo

Novas informações sobre o colapso da União Soviética

Excelente material sobre o colapso soviético. Peça histórica de grande valor! Recomendo a meus alunos a leitura. Agora que me dei conta de que estamos em agosto, 20 anos após o golpe que marcou o início do fim do regime estabelecido após a nefasta revolução de 1917! 

Pois é… Há exatos vintes anos o mundo assistia, atônito, aos acontecimentos que pareciam por fim à Perestroika e à Glasnost promovidas por Gorbachev. Lembro, como se fosse, hoje das imagens das ruas de Moscou apinhadas de gente reunida para fazer frente ao golpe da linha dura do Partido Comunista da URSS. 

Pretendo postar algumas coisas sobre o período nas próximas semanas…

Gostava do mundo sob a bipolaridade… Era mais seguro e mais previsível…

08/11/2011 03:57 PM
 

The Gorbachev Files: Secret Papers Reveal Truth Behind Soviet Collapse

By Christian Neef

Communist hardliners staged a coup against Mikhail Gorbachev 20 years ago, and the Soviet Union collapsed soon afterwards. Previously unknown documents, which SPIEGEL has obtained, show just how desperate the last Soviet leader was as he fought to retain power — and how he begged Germany for money to save his country. 

There is one moment — a single decision — that some people still hold against Mikhail Gorbachev today, 20 years later.

Gorbachev, the last leader of the Communist Party of the Soviet Union and last president of the Soviet Union, his wife and his closest confidants had survived the attempted coup by the KGB, the military leadership and the interior minister. They returned to Moscow from their house arrest at Gorbachev’s vacation home in the Crimean resort of Foros. Their plane landed in the capital at 2:15 a.m., local time, on August 22, 1991. Continuar lendo

Vinte anos sem a União Soviética

Artigo muito bom dentro de uma cobertura especial da RIA NOVOSTI sobre os vinte anos do fim da União Soviética. Só lendo o artigo entendi porque a data nacional da Rússia é comemorada em 12 de junho… Recomendo.

RIA Novosti

Three chapters of history – the presidency as a mirror of reality

12:28 16/06/2011

Twenty years ago, on June 12, 1991 Russia elected its first president, Boris Yeltsin, with a convincing majority. This fact predetermined the events of the following months and became the final prerequisite for the Soviet Union’s imminent disintegration. The federal center was weakening and Soviet President Mikhail Gorbachev was rapidly losing support. He never dared hold direct elections. Against this background, the popular vote gave Yeltsin a qualitatively different level of legitimacy. Given the split in society and escalating struggle for power this was to play the decisive role. Continuar lendo