O Metrô de Moscou

20171105_212917Pense em um imenso palácio subterrâneo. Salas das mais distintas temáticas, com obras de artes que fazem o visitante, por mais rápido que por elas passe, surpreender-se com a beleza ali retrada – e com a história e a cultura de um povo! Mosaicos, pinturas, vitrais. Tudo isso pelo preço de um bilhete de metrô!

Continuando nossa Operação Outubro Vermelho, a publicação de hoje se refere ao metrô de Moscou. Sim, isso mesmo que você leu! A capital russa dispõe de um sistema de transporte subterrâno de 346 quilômetros de extensão, distribuído por 12 linhas e 206 estações. Por ele circulam dez milhões de pessoas diariamente.

E o que tem o metrô de Moscou de tão especial para merecer uma publicação? Chamado de “Palácio Subterrâno” por Stálin, o metrô da capital, cuja construção foi iniciada na década de 1930, deveria levar arte ao povo que por ali circulava. Daí que cada estação teria uma temática própria, sendo preenchida por mosaicos, pinturas e até estátuas que despertassem no homem soviético a percepção do belo e o amor ao regime.

Vale muito a pena conhecer o metrô de Moscou, passear por suas estações! Faz-se mesmo um mergulho no tempo e, muitas vezes, andando por elas a gente pensa que está de volta à União Soviética.

Em nosso canal do Youtube (www.youtube.com/joanisvalbsb) fiz um vídeo mostrando um pouco do Metrô de Moscou. Vá lá conferir, curta o vídeo e se inscreva no canal. Para acessá-lo diretamente, clique aqui.

20171105_215910

Livros, Viagens e um Pouco de Tudo… Agora em vídeo!

Passados três meses desde minha última publicação por aqui, retorno para que meus 16 (dezesseis) leitores não se esqueçam de mim e saibam que estou vivo! Como diz meu amado paizinho, quem não é visto não é lembrado!

Não pretendo, nesta época de isolamento e quarentena, escrever muita coisa aqui sobre a pandemia – de fato, nem vou mais usar esse termo ou outros relacionados… O mundo já está histérico demais (passou da fase da preocupação) com esse negócio.

Claro, preocupo-me com os milhões de trabalhadores que não estão podendo ganhar seu pão de cada dia, e consequentemente choram ao verem o quadro ruim que já se forma junto à família e aos entes queridos. Acredito, entretanto, na capacidade e nas iniciativas deste Governo para cuidar dessas pessoas. E faço minha parte, ajudando quem posso e, enquanto estiver recebendo meu salário, continundo com o pagamento regular de quem tanto nos ajuda (incluindo a Dona Rosa, que vai ficar em casa recebendo normalmente sua féria).

O trabalho de home office segue de vento em popa! Nossa equipe do Instituto Pandiá Calógeras continua produzindo com excelência! Orgulho-me muito desse time pequenino, porém tremendamente profissional, capacitado e comprometido com o serviço e, por que não, com a nação!

Assim, nas horas vagas, buscarei publicar aqui matérias interessantes e leves, para aqueles que já não queiram mais ler ou ouvir de p… e de C…. Mantenho meu compromisso de não tratar de política ou assuntos domésticos polêmicos, ao mesmo tempo em que estou atento ao que se passa pelo mundo (e que nem sempre poderei comentar neste site).

Bom, sob essa perspectiva, informo que já reativei meu canal no YouTube e comecei a comentar sobre livros, viagens e um pouco de tudo! Esta semana, na terça, deixei uma sugestão de leitura para o iso… para o período que você estiver em casa, caro leitor! E amanhã, quinta, compartilharei aqui o vídeo sobre viagem, em mais um capítulo da Operação Outubro Vermellho!

Por agora, a chamada para meu canal no YouTube (www.youtube.com/joanisvalbsb): vá lá, confira, curta e, já que eu sei que você é um leitor fiel, inscreva-se no canal! Quem sabe não conseguimos chegar a 16 (dezesseis) inscritos lá também!

Abraço!

26. Pelo Mundo (23/11/2014)

Navigare necesse; vivere non est necesse!
Pompeu

Faltam 15 dias para que eu complete 40 anos! E, direto das terras ludovicenses, escrevo sobre uma das minhas grandes paixões na vida: viajar! Pouca coisa me dá mais prazer do que sair pelo mundo a conhecer novos lugares, gente de diferentes matizes, culturas peculiares! Viajar é preciso!

Conheço pessoas que não gostam de viajar. Dizem não ter paciência para arrumar mala, sair do conforto do lar, pegar avião… Argumentam que preferem ficar em casa, conhecendo o mundo pela televisão, por meio de um livro ou recorrendo à internet… E tudo é motivo para não viajar: o destino é muito frio ou muito quente; agitado demais ou tremendamente monótono; longe ou muito perto… Não importa, sempre encontrarão um motivo para não fazer as malas e sair batendo perna por aí! Eu não as condeno! Mas comigo é o contrário.

Não sei de onde vem meu interesse por viajar. Talvez de mamãe, que sempre que tem oportunidade se lança ao mundo – bom lembrar que, numa dessas, ela veio para Brasília, conheceu papai, e o restante da história vocês já conhecem. Seu Jacob, por sua vez, é enraizado em casa, prefere o conforto do lar à surpresa de outros lugares… Pode ser de mamãe mesmo! Mas, claro, alguns diriam que tem a ver com o fato de ser eu sagitariano, ou com o mais íntimo de minha personalidade, ou com vidas passadas. Não sei de nada… só sei mesmo é que gosto disso!

Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo, conhecer outras terras, gente diferente, visitar lugares históricos, mergulhar em outras culturas! E queria fazê-lo viajando! Como não tínhamos dinheiro para isso, comecei a aprender pelos livros, revistas, tv, e decidi que me esforçaria para conseguir um emprego que me possibilitasse essas experiências. Pensei em ser comissário de bordo, jornalista, ou em trabalhar em algum organismo internacional… Daí minha opção por Relações Internacionais. Estava convicto de que, como internacionalista, meu mercado de trabalho seria o mundo, e minha profissão me levaria aos mais distantes locais do globo!

Claro que, devido às limitações financeiras, passei todo o curso de Relações Internacionais sem conhecer terras estrangeiras, restringindo-me a viajar algumas poucas vezes pelo Brasil mesmo. Naquela época, passagem de avião era coisa caríssima, carro eu não tinha, e aí ia de ônibus mesmo. Entretanto, por mais que gostasse de rodar pelo Brasil (e continuo adorando fazê-lo, pois nosso País é fantástico e diversificado), queria mesmo era me lançar ao mundo!

Só fui conseguir o que queria quando comecei a trabalhar. Então, a serviço ou nas férias, minha alegria era arrumar as malas e entrar em um avião para conhecer novas terras! E é o que tenho feito nos últimos 15 anos! Entre os lugares que já visitei estão Canadá, Chile e Alemanha (três países muito queridos, com os quais tenho uma relação bem especial, e onde já estive diversas vezes), Suécia (D’us abençoe o Reino da Suécia), Noruega (quando vivi o atentado de Oslo, pois estava em um hotel na rua atrás do local da explosão, no dia do ataque), Finlândia, Estônia (grandes experiências nesses dois países), França e Grã-Bretanha (dispensam qualquer comentário!), Bélgica (chocolate, cerveja, sede da União Europeia e da OTAN, campos de batalha), Portugal (nossas origens, nosso DNA!), Polônia (ah, Cracóvia!), República Tcheca (Praga é única!), Espanha (comprei uma espada em Toledo!), Argentina (alfajores, livrarias e boa gente!), Paraguai (conheci o Lago Azul de Ypacaraí – que de azul nada tinha), Peru (senti-me em casa entre os nativos!), Colômbia (só na fronteira), Falklands (que me desculpem os hermanos, mas é isso mesmo!), e, naturalmente, Estados Unidos (cujo nome já é múltiplo). Detalhe: quando gosto de um lugar, tenho por hábito voltar mais vezes. E a cada nova chegada, novos locais encontro para explorar: assim acontece, entre outros, com o Canadá, com minha querida Alemanha, com a Suécia, a França, e a Grã-Bretanha… Se gosto, volto! Por que não?

No meu Brasil, fico feliz em já ter passado por 21 das 27 capitais, e por outras cidades em pontos distantes. Em minhas atividades profissionais, tive a imensa satisfação de conhecer nossa preciosa Amazônia, visitar pelotões de fronteira, ir a rincões pouco conhecidos deste País continental! E me agrada tanto estar na megalópole paulistana quanto na pequena Clevelândia! O Brasil é lindo, e sua gente maravilhosa!

Indescritível a sensação de chegar em um lugar novo! Visões, sons e odores diferentes, locais a explorar, sabores pitorescos, gente diferente com quem conversar! Boas experiências, más experiências… Aprendizado intensivo, mesmo porque costumo viajar sozinho.

Prefiro viajar sozinho: faço meus horários e meus roteiros, tiro minhas centenas de fotos (sempre com meu tripé), passo o tempo que quiser em um determinado local… E, o melhor de tudo, acabo conhecendo gente fantástica. Nunca estamos sós quando viajamos sozinhos!

Definitivamente, tenho o bicho carpinteiro viajador. Sou econômico no dia-a-dia. Emprego meus recursos em viagens (excelentes investimentos!). Tenho uma malinha pronta em casa, e estou sempre disposto a pegar a estrada (não literalmente, pois não gosto de dirigir, e aprecio mesmo é a sensação de estar nas nuvens). Havendo a oportunidade, viajo!

Inspiro-me em um amigo, Gilberto Guerzoni. Solteiro, sem filhos, bom salário, Guerzoni usa seus 30 dias de férias por ano para rodar o mundo. Já conheceu mais de 150 países, da Groenlândia à Antártica, das florestas do Peru à savana africana, esteve em Galápagos e no Vietnã, na Austrália e em Kosovo, foi mesmo até Chernobyl. Esse é meu amigo, que preenche todas as folhas do passaporte muito rapidamente. Claro que estou longe de alcançar Guerzoni, mas pretendo continuar meus próximos quarenta anos viajando! Navegar é preciso!

Operação Outubro Vermelho: Festa da Luz

Indubitavelmente, um dos momentos mais marcantes de nossa viagem à Rússia ocorreu às vésperas de deixarmos São Petersburgo. Fiquei sabendo que à noite haveria, no centro da cidade, defronte o Hermitage (e usando a fachada do Palácio), o que se chamou de “Festa da Luz”, um grande evento criado na Era Putin para celebrar “a unidade nacional do povo russo” – claro que se trata da substituição, na antiga capital imperial, das comemorações do nefasto golpe de outubro de 1917.

20171104_215644

O povo precisa cultuar seu passado, lembrar de seus heróis. E, cem anos decorridos da tragédia do levante bolchevique de 1917, natural que o espírito russo quisesse celebrar alguma coisa! Assim, já que festa deveria haver, testemunhamos um belíssimo espetáculo de som e imagens, luzes na praça central de Petrogrado, e a história daquele país sendo recontada!

O espetáculo, que durava uns vinte minutos, contava a história de amor de Nicolau e Alexandra, falava dos últimos dias do Império, da Grande Guerra e da crise interna e, finalmente, dos nefastos bolcheviques e de sua tomada do poder, com consequente período de ódio, rancor, violência e miséria que se abateu sobre a Rússia. Claro que concluí trazendo esperança, e assinalando que, cem anos após os acontecimentos de 1917, uma nova Rússia erguia-se, forte, próspera e unida! Não há como não se emocionar.

E ali estávamos nós, Gustavo, Adriana e eu, presenciando um espetáculo incrível, em meio a milhares de pessoas que se aglomeravam a celebrar, mas sem qualquer violência ou episódios que nos preocupassem. Sim, os russos lá estavam para festejar, e assim o fizeram! E que povo animado! Em Moscou, veríamos um pouco mais sobre essa gente alegre e confiante, que nada tem de fria!

E assim chegávamos a nossa última noite daquele passeio pela belíssima São Petersburgo/Petrogrado/Leningrado/São Petersburgo, que ficará para sempre em nossos corações!

Segue um vídeo que fiz da Festa da Luz!

Café na Padaria

Como hoje é dia de falar de viagens, atenderei esta semana aos pedidos de alguns de meus 16 (dezesseis) leitores e tratarei um pouco mais sobre o Rio de Janeiro. Prometo que retorno à Rússia na próxima quinta…

Bom, no Rio de Janeiro resolvi fazer uma coisa que seria muito difícil em Brasília – ou ao menos não teria o mesmo charme na minha amada cidade do Planalto Central: fui tomar café em uma tradicional padaria de Copacabana! 

Copacabana tem essa aura de Rio Clássico! Sem dúvida, não há como falar de Rio de Janeiro sem a referência automática a “Côpa-ca-bena”, como diriam os milhões de turistas anglófonos que há décadas passam por aqui. Charmosa, com algum ar decadente, e ao mesmo tempo blasé e se renovando… Essa é Copacabana.

Gosto de andar pelo bairro – sempre atento a eventuais ameaças vindas de nativos, claro -, ver os nomes das ruas em seus cruzamentos, olhar as pessoas indo e vindo apressadas ou contemplativas, admirar os edifícios, com arquitetura dos anos 50 e 60… Acho muito bacana mesmo, um passeio também pelo tempo, retornando a época do rio glamouroso e da praia mais famosa do planeta! Sim, porque sempre que penso no bairro, as imagens que me chegam à mente são em preto-e-branco… Outros tempos, sem dúvida, mas uma memória marcante! E, para registro, achei Copacabana mais tranquila e segura que no passado recente.

Mas vamos ao que interessa! Resolvi não tomar café no hotel e fui explorar o entorno. Por indicação da recepcionista, segui para a “padoca” ali perto. E foi aí que descobri a “Panificação e Confeitaria Tupan”, ou, simplesmente, “Padaria Tupan”, localizada na Av. Nossa Senhora de Copacabana, 1375. Trata-se de uma tradicionalíssima padaria de bairro, com bolos, pães e as mais diversas guloseimas fresquinhas, feitas ali mesmo e para o dia! Como li em um comentário na internet (sim! há comentários sobre a Tupan na internet!), “seu charme é não querer ser uma padaria sofisticada. Eles lá sabem muito bem o que fazem/vendem de bom e do melhor”- descrição excelente!

Outro aspecto bacana da Tupan é a clientela. Perece-se logo de cara que são fregueses tradicionais, clientes que há muitos anos começam seu dia com um desjejum no balcão da padaria ou comprando pães quentinhos ou outros produtos de trigo açucarados para comer em casa! Do trabalhador que chega cedo para fazer uma boquinha antes da lida à senhorinha aposentada que por ali passa para ver quais são as “novidades” (que, por óbvio, ela já conhece há décadas, como o bolinho com doce de leite ou o panetone da casa), a freguesia da Tupan é um caleidoscópio de tipos que revelam um pouco do bairro mais populoso do Brasil… E todo mundo se conhece!

Mas o ponto alto da Tupan é o Seu Antônio de Souza (Seu Souza, como ele gosta de ser chamado), o português (típico, não?), que é o proprietário do estabelecimento  há exatos 59 (cinquenta e nove!) anos! Pois é! Há quase seis décadas Seu Souza toca a padaria, sempre muito atencioso com os clientes e disposto a uma boa conversa!

Assim foi que no balcão pedi, no primeiro dia, um misto quente (que veio no pão francês prensado) e, no dia seguinte, outro misto e depois um pão com ovo! Claro, café com leite para completar o típico pequeno almoço em Copacabana! Experiência rica e por menos de vinte reais, em uma padaria que descobri começou a funcionar em 1927! Excelente! 

Gente boa o Seu Antônio! Ganhei de cortesia uns bolinhos, um pão de sal quentinho e ainda um cafezinho “com cheirinho” (que é uma garapa de uva que ele mistura no café preto). Tudo isso acrescido de uma ótima conversa! Seu Antônio sabe realmente como fidelizar os clientes!

Casa de Rui Barbosa e a inexistência do acaso

Uma vez que as quintas-feiras são dedicadas às minhas aventuras pelo mundo, interromperei a jornada pela Mãe Rússia para contar sobre duas situações inusitadas que me aconteceram há algumas semanas… O lugar: São Sebastião do Rio de Janeiro (acho que era esse o nome antigo da cidade)! 

Estava eu em viagem à capital fluminense para um compromisso de trabalho. Como o evento ocorreria muito cedo, tive que ir no dia anterior. Cheguei a meu hotel ainda por volta das 16:00 e resolvi proceder ao reconhecimento do ambiente operacional nos arredores. Nesse processo, descobri que a Fundação Casa de Rui Barbosa estava a cerca de 700 metros de onde eu me hospedara.

Ora, o que é que um sujeito como eu, hospedado numa excelente localização em Botafogo, vai fazer com seu tempo livre no Rio de Janeiro? Óbvio: conhecer a Casa de Rui Barbosa! 

Preliminarmente, registro que, em minha defesa, não tenho qualquer simpatia pelo senhor Rui Barbosa. Não obstante, por se tratar de um importante ponto turístico do Rio (vai me dizer que você não sabia disso!), decidi conhecer a residência daquele senhor arrogante, que traiu Sua Majestade instigando o golpe republicano, conduta da qual depois se arrependeu (mas aí Inês já estava morta). E lá fui! 

A  Casa de Rui Barbosa é um palacete de meados do a século XIX, erguido em Botafogo, e serviu de morada ao jurista e político republicano entre 1895 e 1923 (quando de sua morte). O excelente estado de conservação, a bela arquitetura neoclássica, a pluralidade de cômodos (bem-divididos e com os móveis e decoração dos tempos de seus famosos moradores) e, principalmente, a biblioteca de 37 mil volumes (bem-cuidada e disposta exatamente como o deixara o metódico baiano em 1923), tudo isso faz da Casa de Rui Barbosa um destino turístico imperdível. Acrescente-se aí os jardins e a “garagem”, na qual se encontram os carros e carruagens usados por Rui. 

Fiquei fascinado pelo lugar. Mais surpreendentes ainda foram as duas situações que vivenciei nesse passeio. Vamos a elas!

Chego ao palacete (vivia bem o Dr. Rui!) e me dirijo à recepção do museu. Lá, uma simpática mocinha me pede para preencher uma pequena tabela com meus dados. Informa então que a entrada é gratuita, mas que eu teria que esperar uns quinze minutinhos, pois a visita é acompanhada de um vigilante. “Tudo bem”, disse eu, e fui fazer hora passeando pelos jardins (excelente programa), onde casais de namorados se encontravam, e crianças pequenas brincavam sob a supervisão de mães, avós e babás – um bucólico oásis de tranquilidade no agitado Rio de Janeiro! 

Na hora da visita, comigo estavam mais três senhoras, todas de fora da Cidade Maravilhosa, com as quais formei o heterogêneo grupo que iria conhecer o museu. E aí veio a grata surpresa! Luciano, o vigilante designado para nos acompanhar, não nos acompanhou! De fato, Luciano nos guiou pela casa-museu, em uma jornada regada de excelentes histórias sobre o lugar e seus moradores do passado. O nosso guia-vigilante sabe muito sobre o local onde trabalha, conta boas anedotas de cada cômodo e fala de Rui Barbosa e família como se fossem conhecidos seus de longa data! – e são mesmo! Luciano também conhecia particularidades da História do Brasil que deixariam meus amigos do Instituto Histórico e Geográfico orgulhosos! Assim, aprendi muito com aquela moço que honrou com louvor a camisa da Casa. Essa foi a primeira surpresa. 

A segunda ocorreu na saída, quando o grupo já se dispersava. A primeira senhora se despediu e foi embora. Quanto às duas outras, antes que partissem, minha curiosidade linguística me impeliu a perguntar de onde eram (sim, gosto de sotaques e de me desafiar a identificar de onde são as pessoas pela forma como elas falam!):

“Por acaso vocês são do Maranhão?”, perguntei finalmente. E elas, com ar surpreso: “Sim! Como descobriu?”. Minha resposta, com sorriso maroto, “pelo sotaque! Vocês são de onde lá?” (Sou curioso). “Somos de São Luís! E você?”, já atentas à conversa. “Sou de Brasília, mas mamãe é de Caxias.”

Os olhos de ambas se arregalaram. Explicaram que nasceram em São Luís, mas a família era de…Caxias! Cresceram na cidade. Falei então da minha família lá. Logo descobrimos que uma delas tinha sido aluna de uma prima minha, e colega de outra! Ou seja, na Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, encontrei pessoas que tinham vínculos com a família de minha mãe! Note-se que a população de Caxias é de 118.000 habitantes! Parecíamos velhos amigos a falar de Caxias, de amigos em comum, e de perceções afins. Trocamos contatos.

E foi assim que, na Casa de Rui Barbosa, conheci um grande guia turístico e encontrei novas velhas amigas! Existe acaso? Claro que não! 

Depois fui fazer uma incursão à Livraria da Travessa, onde comprei um livro e tomei um chocolate quente, seguindo para jantar no Matsuda, um restaurante japonês tradicional e típico, onde a comida é excelente e preparada pelo Inácio, um mineiro que sabe tudo da culinária nipônica! No Rio, gosto de jantar no Matsuda! 

20190806_172846

Artilharia e Cultura (Operação Outubro Vermelho)

Ainda sem os demais integrantes do grupo, Adriana, Gustavo e eu seguimos a explorar a bela São Petersburgo. Aquele seria um dia cheio e muito andaríamos, daí a importância de começar nossa jornada com um lauto café da manhã – obrigado, Pai, pelo excelente desjejum no restaurante do hotel!

Já de posse de nossos bilhetes de metrô, fomos explorar a cidade de Pedro. A circulação é simples, e se torna mais fácil quando se tem um smartphone com internet. E seguimos a apreciar os monumentos e belos edifícios da antiga capital, e a andar pelas ruas que contavam muitas histórias, enquanto ríamos, tirávamos belas fotos e imaginávamos quanta gente interessante não teria feito aqueles caminhos pelos quais passávamos!

peter-and-paul-fortress-and-the-museum-of-artillery-in-st-petersburg

São Petersburgo, repito, tem inúmeras atrações, de suntuosos monumentos a grandes museus, representando diferentes épocas da história da Rússia, seja o tempo dos czares, sejam os nefastos anos do comunismo. Naturalmente, como não somos turistas comuns, elegemos um museu que é imperdível para quem se interessa por assuntos militares e pela história das guerras: o Museu Militar e Histórico de Artilharia, Engenharia Militar e Tropas de Comunicação – Военно-исторический музей артиллерии, инженерных войск и войск связи (esse é o nome completo do lugar) ou, simplesmente, Museu da Artilharia de São Petersburgo!

Fundado por Pedro I, o Grande, em 1703 já como um Arsenal (depósito de armas), o museu se localiza em uma antiga fundição, no centro histórico da cidade (no número 7, em Aleksandrovsky Park), separado da Fortaleza de São Pedro e São Paulo por um canal. As estações de metrô mais próximas são as de Gorkovskaya e Sportivnaya. Desça em qualquer delas e aproveite uns dez minutos de caminhada!

Quando o visitante chega ao museu, já se depara, logo de cara, com o jardim, no qual estão dezenas de blindados, lançadores de mísseis, canhões de distintos calibres e uma diversidade de veículos militares. Isso é só o prenúncio dos 850.000 objetos que estão ali expostos, em diversas coleções, nas 13 salas que abrangem uma área de 17 mil metros quadrados. Gustavo logo fez amizade com um soldado russo e lá fomos nós tirar foto numa peça (ou canhão, para os leigos) – a propósito, meu amigo paulista tem uma grande capacidade de socialização, o que nos ajudava muito com os locais!

Entre as exposições, você encontrará armas de fogo e brancas, petrechos, munição, os mais distintos equipamentos militares e de engenharia de diversas épocas, material de comunicações, bandeiras, uniformes, pinturas e mapas, condecorações e peças que contam a história da artilharia entre os séculos XIV e XXI (inclusive com uma sala dedicada aos arsenais soviéticos e à Guerra Fria). Quando lá estivemos, havia uma exposição especial sobre os eventos de outro de 1917, com muitas fotos de época – e foi possível perceber como estava frio por ocasião do golpe bolchevique e das semanas que se seguiram ao fim do Governo Provisório (nem de longe uma temperatura tão agradável quanto a que vivenciamos cem anos depois).

Prepare-se para passar algumas horas ali dentro, imerso naquele parque de diversões dos apreciadores da engenhosidade militar e do talento humano para forjar armas! Dos canhões de Pedro I aos troféus conquistados de turcos, franceses e alemães ao longo de mais de 200 anos, passando pelos lançadores de foguete Katiusha, usados durante a II Guerra Mundial (os famosos órgãos de Stálin), tenho certeza de que você esquecerá do tempo no Museu da Artilharia. Há ainda uma exposição muito bacana sobre um certo Mikhail Kalashnikov, criador do fuzil mais famoso da história, o AK-47. E, antes de ir embora, lembre-se de dar um pulo na “lojinha” (não vai se arrepender)!

Passamos os três momentos agradabilíssimos no Museu da Artilharia, lugar imperdível da Capital do Norte. Terminamos o dia voltando a pé para o hotel, pelo centro histórico, aproveitando uma noite bonita e a temperatura de 3º (três graus) por sobre as pontes que cruzam os canais daquela cidade fascinante, fruto do sonho de um homem que quis levar a Rússia ao Ocidente! 

Em tempo: quanto é a entrada para o Museu? A inteira era de 400 rublos (uns 25 reais no câmbio de agosto de 2019). Vale muito a pena!

20171101_145537

As mais belas livrarias

Verdade que gosto, cada um tem o seu. Entretanto, no post de hoje sobre livros, quero compartilhar alguns artigos que achei interessantes sobre as mais belas livrarias do planeta. Interessante como algumas, como El Ateneo, de Buenos Aires, a Livraria Lello, do Porto, e a Livraria Boekhandel Selexyz Dominicanen, de Maastricht, encontram-se nas várias listas!

Confesso que muito me apraz passear por livrarias ao redor do Globo! São, sem dúvida, templos dedicados à cultura, lugares onde recarrego minhas baterias e, claro, aproveito para buscar as novidades difíceis de se encontrar em Pindorama (onde é o livro um péssimo negócio)! Assim, volto para casa com alguns quilos a mais na bagagem e com a felicidade que só aqueles que têm essa obsessão por livros (sim, no meu caso é patológico, mas não vou me tratar!) conhecem o real significado!

Talvez a particularidade que faz dessas livrarias as mais belas seja o local onde se encontram. O Ateneo, por exemplo, está em um antigo teatro da capital argentina, e merece uma visita! Diga-se de passagem, aquele belo país austral já teve mais livrarias que o Brasil só em Buenos Aires! Ali, vá ao café e peça um “submarino”.

A Lello, por sua vez, é por si uma obra de arte! Entre as mais tradicionais de Portugal, cobra ingresso para quem queira ali entrar – segundo um amigo que mora no Porto, esse valor é mais para afastar as ondas de turistas de massa (tão somente interessados em fotografar a livraria, mas pouco dispostos a adquirir aquelas coisas estranham que lá são vendidas), pois o valor é abatido das compras. Não conheço o Porto, mas a Lello está na minha lista de primeiros lugares a visitar (para longas horas de felicidade!) na cidade que tem o coração de nosso amado Dom Pedro I (Dom Pedro IV, de Portugal).

Já a Boekhandel Selexyz Dominicanen, eleita a mais bonita do mundo em 2008, segundo um dos artigos aqui compartilhados, estabeleceu-se em uma antiga igreja dominicana, construída em 1294, em Maastricht. Como não render graças ao Criador por um lugar tão fascinante? (Também está na minha lista de “a visitar”).

Bom, independentemente de onde esteja, de seu tamanho ou dos idiomas dos livros ali vendidos, sempre procurarei livrarias por onde eu for! A satisfação, certamente, é garantida!

Seguem os links. Divirta-se!

As 10 livrarias mais bonitas do mundo

AS 10 LIVRARIAS MAIS BONITAS DO MUNDO

As mais belas livrarias do mundo !

As mais belas livrarias do mundo

Livrarias antigas

Como ontem foi Dia do Livro em Frumentarius, mas não consegui publicar (acontece), resolvi deixar seu hoje um link para matéria interessante sobre as livrarias mais antigas do Ocidente… Recomendo, por exemplo, a Bertrand de Lisboa, lá no Cuidado, e que, fundada em 1732, informa orgulhosamente ser a mais antiga livraria em funcionamento. Na capital portuguesa,   passeio imperdível (O bom é que o post já serve também para a série Pelo Mundo – que publico às quintas.)! 

Las 9 librerías más antiguas del mundo aún en funcionamiento

Screenshot_20190821-071523_Chrome