A Turquia, o Estado Islâmico e a reação do Ocidente

califadoMeu amigo Marcus Reis perguntou-me ontem o porquê da aparente inação da Turquia diante do Estado Islâmico, que aos poucos se aproxima da fronteira turca. Sobre o assunto, importante lembrar que a população que está massacrando pelo Estado Islâmico no norte da Síria é curda. A questão curda é, há muito tempo, um espinho no sapato do governo de Ancara (ou Angorá, como já se disse em outros tempos).

Ademais, uma ação turca em defesa dos curdos sírios poderia de alguma forma beneficiar o PKK, considerado grupo terrorista por Ancara. Isso traria problemas internos para os turcos e complicaria a relação com a comunidade curda na Turquia. Bom lembrar, finalmente, que a Turquia é membro da OTAN. Se o ISIS (sigla em inglês para o Estado Islâmico do Iraque e do Levante) entrar em território turco, será um membro da OTAN atacado… aí a coisa fica mais feia…

20141006084702218rtsMinha opinião a respeito de como lidar com o Estado Islâmico já foi apresentada aqui em Frumentarius: para resolver o problema, a alternativa seria o emprego de força militar clássica, ou seja, tropas da OTAN (forças convencionais) em grande quantidade mobilizadas para entrar na área sobre controle do ISIS e ir varrendo aquele nefasto grupo dali. Seria algo que só encontraria precedentes nas operações militares de 70 anos atrás.

size_590_jihadistas-raqaClaro que ninguém no Ocidente está mais disposto a recorrer à guerra tradicional. “Isso é coisa do passado, inaceitável para os padrões do século XXI!”, dirão alguns (interessante que as barbaridades cometidas pelo ISIS não colocariam aquela população vivendo em outras eras). Sendo assim, a coisa só tende a piorar e não vislumbro solução breve para o inferno na terra causado pelo Estado Islâmico – sim, porque há gente, de todas as idades, homens e mulheres, sendo torturada, violentada, massacrada, enfim, morrendo nas mãos desses monstros que querem o califado mundial.

Não acredito, portanto, na efetividade de bombardeios estratégicos contra o ISIS. E também acho que fornecer armas para os curdos para “deixá-los se defender por si mesmos” só vai servir para plantar a semente de um novo Afeganistão daqui a alguns anos (como sempre tem acontecido nas guerras periféricas). Mas, repito, ninguém quer realmente se preocupar com as atrocidades cometidas pelo Estado Islâmico…

Militant Islamist fighters parade on military vehicles along the streets of northern Raqqa province

NATO promises to protect Turkey against ISIS threat

Published time: October 06, 2014 16:30 Get short URL 
Patriot missile batteries are pictured at their positions near the city of Kahramanmaras, Turkey (Reuters / Rainer Jensen)

NATO will not abandon Turkey if it is attacked by Islamic State fighters which are closing in on the member state’s border from Syria, the alliance’s secretary-general, Jens Stoltenberg, said.

“Turkey should know that NATO will be there if there is any spillover, any attacks on Turkey as a consequence of the violence we see in Syria,” Stoltenberg said, as quoted by Reuters. Continuar lendo

Porque apoiar o Estado Islâmico…

isis_childremDifícil assinalar organização mais execrável, nefasta e bárbara que o chamado “Estado Islâmico”, o grupo jihadista que tem causado terror e morte em uma área abrangente do Oriente Médio, aí incluídos parte da Síria e, sobretudo, do Iraque. Esses facínoras, sob um discurso fundamentalista de estabelecimento de um “grande califado”, têm imposto um regime severo de violência no território por eles ocupado, com atos que compreendem crucificação de mulheres e crianças, degola de prisioneiros,  estupros, tortura, enfim, formas impensáveis de impor dor e sofrimento. Difícil mesmo conceber tamanha barbaridade em pleno século XX.

O Estado Islâmico é considerado radical até mesmo pela Al Qaeda. E consegue reunir contra ele países como os Estados Unidos e o Irã. A Organização das Nações Unidas já se manifestou no sentido de que medidas severas (inclusive com o uso da força) devem ser tomadas para deter a escalada de violência produzida pelos jihadistas. A coalizão internacional estabelecida para intervir militarmente na região encontra apoio de praticamente todo o mundo. Praticamente…

FOTO2-334495-2014-09-24-14-44Em meio à indignação mundial contra o Estado Islâmico, uma voz clamou isolada na abertura dos trabalhos deste ano da Assembléia Geral da ONU em prol da “negociação” com os monstros: foi a presidente Dilma Rousseff, que sem fazer referência direta ao grupo, mas tratando das intervenções militares na região, assinalou que “o uso da força é incapaz de eliminar as causas profundas dos conflitos”. Difícil conceber o que este Governo deseja defendendo um entendimento com os terroristas. Gostaria de uma explicação do porquê dessa atitude parcimoniosa com assassinos cruéis. Talvez a presidente não tenha sido tão bem assessorada para se portar daquela maneira em seu discurso na Assembléia Geral. O que levaria Dilma Rousseff a se colocar contra a necessidade de intervenção militar para por fim à barbárie promovida por um exército terrorista? Falta de informação? Desatenção para com um tema tão importante? Será que há afinidade de pensamento? 

Nada justifica o posicionamento do Governo brasileiro a favor da negociação com terroristas. Inaceitável qualquer forma de entendimento com o Estado Islâmico, mesmo porque o ódio e o obscurantismo daqueles monstros impede qualquer hipótese de negociação. Para acabar com o regime de terror desses criminosos na Síria e no Iraque, a única alternativa efetiva é a intervenção militar. A comunidade internacional precisa recorrer ao uso firme e maciço da força para arrancá-los de suas tocas, por fim a suas atrocidades e limpar os territórios ocupados por essa praga. Mas, pelo visto, não é assim que entende a presidente do Brasil, para a vergonha e a tristeza de muitos brasileiros.

isis_crucifixion_0A conduta condescendente do Brasil foi objeto de críticas diversas de vários países. Ninguém vê com bons olhos a existência do Estado Islâmico. Mas nosso governo quer negociar com eles. Não interessa como esses terroristas mostram o quanto são sanguinários e que estão dispostos aos maiores absurdos pela causa que defendem. Não interessa se crianças morrem massacradas por esses cretinos. Não interessa se mulheres são violentadas e pessoas são crucificadas em nome da religião. Nosso governo parece achar que eles têm o direito de impor seu regime de terror a milhares de seres humanos. Nosso governo acha que vale a pena. Sim, porque há algumas pessoas em Brasília que acreditam que apoiar o Estado Islâmico e todas as suas barbaridades vale a pena…

isis-heads-in-syria-1

Acabem com esses monstros!

islamic-stateMuita gente tem-me perguntado sobre o Estado Islâmico. Serei direto nos meus comentários: trata-se de um bando de facínoras, monstros desalmados que têm promovido violência e morte por onde passam. O que esses monstros (veja que não os chamo de animais) têm feito nas áreas que controlam põe no chinelo qualquer obra fictícia de terror. Ou, em termos modernos, nem os melhores roteiristas conseguiriam descrever o que esses pseudohumanos estão fazendo.

Em pleno século XXI, sob uma justificativa que em nada encontra amparo nos fundamentos do islamismo, o Estado Islâmico vem cometendo atrocidades contra civis, entre as quais execução de crianças, estupros, decapitações, tortura, crucificação. Violência assume outra dimensão com as práticas dessa organização. E milhares de pessoas acabam vítimas desses bandos armados que desejam estabelecer um “califado mundial”.

IslamicStatemassmurderÉ por isso que entendo que a única solução plausível ali é o uso maciço da força, com uma intervenção internacional armada nos moldes antigos.  Sim, falo de exércitos desembarcando ali com batalhões armados até os dentes, para combater esses monstros. Haveria muitas baixas, indubitavelmente. Bombardeios cirúrgicos não funcionam. Claro que as democracias ocidentais não vão chegar a esse ponto, que envolve sacrifício de seu pessoal de uniforme. Mas, sinceramente, há muito não tínhamos uma barbárie dessas proporções. Se o mundo permitir, vão continuar matando, estuprando, torturando… E, vinte anos depois, testemunharemos uma nova Ruanda.

Seguem uma reportagem sobre a nefasta organização e um vídeo mostrando um pouco do que é o Estado Islâmico – as imagens são fortes (legendas em alemão podem ser desativadas).

Inside Islamic State: crucifixions, severed heads, indoctrination

Lara Marlowe

Last Updated: Tuesday, August 19, 2014, 14:41

Until now, journalists who attempted to cover the Sunni Muslim fundamentalist enclave in northern Syria and Iraq known as the Islamic State were invariably taken hostage.

Medyan Dairieh, a London- based Palestinian war reporter, won the group’s trust through his past reporting on jihadists. Dairieh was embedded with IS officials for three weeks in Raqqa, Syria, the “capital” of the Islamic caliphate.

Continuar lendo

Guerras relogiosas

Tudo bem que por aqui a grande preocupação é quem vai para as oitavas e o jogo entre Brasil e Chile no sábado (torcendo pelo Brasil, sil, sil, sil!). Mas, seguindo a linha de Frumentarius, aproveito para lembrar que, no Iraque, a coisa está curda… A guerra entre sunitas e xiitas produz mais tensão e instabilidade na região ao mesmo tempo em que permite cenas inimagináveis como uma aproximação entre Irã e EUA para combater um inimigo comum…

Também complicada está a situação de 40 mil cristãos no Iraque, que são perseguidos e podem se tornar mais vítimas da guerra civil naquele país que, saibam todos, está muito mais terrível do que a imprensa por aqui tem noticiado. Ao menos os nossos internacionalistas deveriam dar atenção a isso…

Segue artigo da Spiegel sobre o assunto.

image-713435-galleryV9-fmcq

Spiegel Online – 06/26/2014 04:18 PM

Days of Terror – Iraqi Christians Live in Fear of ISIS

By Katrin Kuntz in Qaraqosh, Iraq

Some 40,000 Christians live in Qaraqosh, a town near Mosul, Iraq. Residents have been gathering daily in 12 local churches as ISIS jihadists advance towards the community. Their existence is a precarious one.

It was the evening of Tuesday, June 10 when Salam Kihkhwa walked into a mobile phone shop in the Qaraqosh city center to purchase more minutes for his phone. Kihkhwa surfs the Internet for several hours each day and was carrying an iPhone 5s in his hand as he navigated his way past brackish puddles on the edge of the road. He set a few wrinkled dinar notes down on the counter to pay for a pack of Winchesters. Just at that moment, he recalls, he heard the scream: “The jihadists are in the city!”

Salam no longer remembers where the scream came from or whether it was a man or a woman. But he knows he left his cigarettes and money on the counter, grabbed his phone and made a run for it. Hundreds of others joined him, and the crowd kept swelling as it dashed through the streets of Qaraqosh.

Continuar lendo

O Dragão, o Leão e o Urso…

Em uma das cenas de Rambo III, clássico da década de 1980 e que recomendo a meus alunos para conhecerem um pouco mais sobre o final da Guerra Fria (gosto muito de Rambo III), John Rambo usa a frase que se tornou bordão diante da pergunta do oficial soviético sobre quem era ele: “Sou seu pior pesadelo”.

Três décadas depois, essa frase poderia ser dita ao Presidente Obama pelos líderes que participaram da Conferência de Interação em Medidas de Confiança na Ásia. Daquele encontro ganhou força a ideia de se criar uma aliança entre China, Rússia… e o Irã! Claro que as relações entre os três países já seguem bem, obrigado. Porém, o estreitamento desses laços consubstanciado em uma aliança formal certamente tirará o sono de muita gente na Casa Branca, no Pentágono e em Langley.

Segue notícia sobre essa aproximação das três potências. Aproveitei para colocar também o trecho do filme Rambo III.

China aboga por una alianza de seguridad con Rusia e Irán, “una pesadilla para EE.UU.”

Publicado: 22 may 2014 | 21:43 GMT Última actualización: 23 may 2014 | 4:14 GMT
 

China aboga por una alianza de seguridad con Rusia e Irán, "una pesadilla para EE.UU."

El presidente de China, Xi Jinping, considera necesario crear una nueva organización en Asia para la cooperación en materia de seguridad con la participación de Rusia e Irán. Algunos analistas creen que esta alianza sería “una pesadilla para EE.UU.”.

“Necesitamos innovar nuestra cooperación en la seguridad estableciendo una nueva arquitectura de cooperación regional”, indicó Xi Jinping en la Conferencia de Interacción y Medidas de Confianza en Asia (CICA, por sus siglas en inglés), celebrada en Shanghái y que contó con la presencia del presidente ruso, Vladímir Putin

Continuar lendo

Jogada de Mestre!

Apenas uma expressão para definir a última manobra russa na crise da Síria e diante da ameaça franco-estadunidense de atacar o país árabe: ‘”aula de Política Externa!”

Bem que podíamos aprender com Moscou como atua uma Grande Potência! Pazdravliayu, Tavarich Putin! Pazdravliayu, Tavarich Lavrov!

Russia Siria

RIA Novosti

Russia, Syria Back Call for International Control of Syrian Chemical Weapons

21:47 09/09/2013

Russia on Monday threw its backing behind a proposal that Syria’s chemical weapons be put under international control, leading Damascus to say it “welcomes the … initiative” if it would indeed help prevent a US strike on the war-torn country – a suggestion floated by Washington earlier in the day.

 MOSCOW, September 9 (RIA Novosti) – Russia on Monday threw its backing behind a proposal that Syria’s chemical weapons be put under international control, leading Damascus to say it “welcomes the … initiative” if it would indeed help prevent a US strike on the war-torn country – a suggestion floated by Washington earlier in the day.

Russian Foreign Minister Sergei Lavrov told reporters in Moscow that “if putting chemical weapons in that country [Syria] under international control would prevent strikes, we’re immediately beginning to work with Damascus,” and that a proposal had already been passed on to Syria’s Foreign Minister Walid Muallem. Lavrov and Muallem had met earlier on Monday, though it was not clear when or whether they discussed the proposal.

Muallem, in turn, said that Syria “welcomes the Russian initiative” and is “confident in the wisdom of the Russian leadership, which is trying to prevent American aggression against our people,” according to a Russian translation of the Arabic.

Earlier in the day, US Secretary of State John Kerry said Washington could refrain from attacking Syria if Damascus turns over “every single bit” of its chemical weapons to the international community within a week.

 However, a US State Department spokesperson later said Kerry was “making a rhetorical comment,” Reuters reported.

The text of the Russian proposal was not made public, but Lavrov said: “We are calling on the Syrian leadership not only to agree to the placement of chemical weapons storage sites under international control, but also to [their] eventual destruction, and to full accession to the Organization for the Prohibition of Chemical Weapons.”

The United States has accused the regime of Syrian President Bashar Assad of using chemical weapons against civilians.

Most recently, Syrian rebels said the Assad regime was behind an August 21 chemical attack in a Damascus suburb that killed between 355 and 1,700 people; the United States has backed that allegation and is contemplating a retaliatory attack on Syrian government targets.

Assad has said the use of chemical weapons was a provocation by the insurgents, a stance supported by Moscow.

Syria is one of five UN member states that have not signed the 1993 Chemical Weapons Convention outlawing chemical weapons. The other four are Angola, Egypt, North Korea and South Sudan. (Israel and Myanmar have signed but not ratified the convention.)

Forcas ocidentais ataque siria

Razões para a guerra…

Depois da brilhante jogada russa no tabuleiro global envolvendo a questão síria (os dirigentes de Moscou estão-se revelando grandes estrategistas!), o Presidente Obama parece continuar buscar motivos para derrubar o regime de Assad. Isso não é nada bom… Ainda tentando entender o ímpeto do Mandatário estadunidense para desencadear o conflito…

De toda maneira, seria no mínimo irônico um presidente dos Estados Unidos com nome muçulmano e ganhador do Nobel da Paz (lembram disso?) desencadear uma ofensiva militar contra um país árabe por volta do 11 de setembro… Pergunto-me o que George W. Bush estaria pensando disso tudo…

Continuo sem a convicção de que o ataque com armas químicas (se realmente aconteceu) se deu a mando de Assad…

Obama_discurso_Siria

RIA Novosti

Obama Argues for Force in Syria, Says Russian Plan Still in Play

07:28 11/09/2013

In a nationwide televised address Tuesday night, US President Barack Obama argued for a punitive military strike against Syria over its alleged use of chemical weapons, though he said he is working with Russia on a proposal to defuse the situation by securing Syria’s chemical weapons stockpiles.

 WASHINGTON, September 10 (RIA Novosti) – In a nationwide televised address Tuesday night, US President Barack Obama argued for a punitive military strike against Syria over its alleged use of chemical weapons, though he said he is working with Russia on a proposal to defuse the situation by securing Syria’s chemical weapons stockpiles.

“If we fail to act, the Assad regime will see no reason to stop using chemical weapons,” Obama said in his 15-minute speech from the ornate East Room of the White House. “As the ban against these weapons erodes, other tyrants will have no reason to think twice about acquiring poison gas and using them.” Continuar lendo

Um ataque ao Irã?

A declaração de Barak (do Ehud, não de Obama), soa como manobra diversionista, antecendente da ação militar… Claro que qualquer medida de força não será nada fácil, tanto pela capacidade de resposta do Irã quanto pelos fatores geopolíticos que condicionam as ações na região (como a rivalidade árabe-israelense, a questão enérgica e, sobretudo, os interesses das grandes potências, particularmente dos EUA e da Rússia).

De toda maneira, o resultado das eleições nos EUA na próxima semana terá impacto sobre a decisão de Tel Aviv, isso é óbvio! O que não é tão óbvio é até que ponto Netanyahu está disposto a continuar com o apaziguamento de Washigton e se arriscar a ser agredido por uma nova potência nuclear ao invés de tentar um ataque preventivo…

Iran pulls back from nuclear bomb goal: Israeli defense minister

Photo
2Reuters, 30OCT2012 – :42pm EDT

LONDON (Reuters) – Iran has drawn back from its ambitions to build a nuclear weapon, Israel’s defense minister was quoted as saying on Tuesday, while warning that his country may still have to decide next year whether to launch a military strike against it. Continuar lendo

O Levante e o pós-11/09

Há algum tempo não postava os artigos de Lukyanov, sempre muito interessantes. Gostei da observação referente à pouca atenção dada pelos candidatos à Presidência dos EUA ao problema do terrorismo. De toda maneira, com a crise no mundo islâmico se agravando, Obama e Romney acabam tendo que se manifestar… e algumas vezes não o fazem tão bem.

Recomendo a leitura a meus alunos de Relações Internacionais, pois se trata de análise diferente daquelas com que nos deparamos aqui em Pindorama.

Uncertain World: How the Arab Spring Muddied Post-9/11 Clarity

17:00 13/09/2012

Last Tuesday, September 11, while the United States was commemorating the victims of the 9/11 terrorist attacks, anti-American demonstrations erupted at U.S. consulates in Libya and Egypt.

The demonstration in Benghazi, the home base for the Libyan rebels who came to power thanks to military intervention by the United States and NATO, led to clashes that killed several American diplomats, including the U.S. ambassador to Libya.

In an interview with Al Jazeera a few days earlier, Mohammed al Zawahiri, the brother of al Qaeda leader Ayman al Zawahiri, offered to broker a 10-year peace deal between al Qaeda and the West. The U.S. is to abstain from interfering in the affairs of Islamic countries, in return for which the “legitimate rights” of America and the West will be protected and they will stop being provoked.

Mohammed al Zawahiri, who was acquitted by an Egyptian military court in March this year after spending 14 years in Egyptian prisons on extremism charges, is just one beneficiary of the Arab Spring. Many other opponents of the regime have been set free since the fall of the Mubarak regime. Continuar lendo

Inverno de ódio

Ainda como consequência do que se cunhou chamar de Primavera Árabe, e que eu prefiro chamar de “o Levante”, aumentou significativamente a instabilidade no Norte da África e no Oriente Médio nos últimos dias. Pessoas na rua protestando, atacando missões diplomáticas e consulados, gritando palavras de ordem contra Israel e Estados Unidos, queimando bandeiras… Enfim, a efetivação do que para alguns a “consolidação da democracia no mundo árabe/muçulmano”…

Realmente, os ventos democráticos da bela Primavera Árabe, cantada em verso e prosa em diversas partes do globo (sobretudo aqui no Ocidente), sopram com intensidade nas terras do Islã. Na Líbia, quase um ano após a deposição e execução de Muamar Kadafi, permanece o clima de insegurança, associado à disputa pelo poder em um país arrasado pela guerra civil. O fortalecimento do fundamentalismo religioso e de grupos antiocidentais culminou no ataque ao consulado dos Estados Unidos em Benghazi e no assassinato, por extremistas, do Embaixador estadunidense, Christopher Stevens, e de outros três funcionários diplomáticos, além de mais de uma dezena de feridos. Desde 1979 um plenipotenciário norte-americano não havia sido morto em serviço. O trágico evento afeta diretamente as relações entre a Líbia e os Estados Unidos, e pode mesmo influenciar a disputa eleitoral pela Casa Branca. A oposição já cobra medidas mais enérgicas de Barack Obama, que se vê em situação extremamente delicada na reta final da campanha…

Os acontecimentos na Líbia estão relacionados à onda de protestos no mundo árabe em decorrência de um vídeo produzido nos Estados Unidos e ofensivo ao Profeta Maomé. Trata-se de um vídeo de extremo, extremíssimo péssimo gosto, feito, de acordo com as autoridades americanas, por um estelionatário que ganhou notoriedade da noite para o dia com ofensas gratuitas à segunda maior religião do globo. Note-se que foi um ato isolado de um criminoso, nada tendo a ver com o governo dos Estados Unidos.

Em que pese o deplorável vídeo, não me venham com argumentos de que se tem aí uma justificativa para todos esses protestos e explosões de violência no mundo islâmico. Não, não se justificam. Se um cristão resolvesse atacar cada pascácio que fizesse uma piada deplorável contra o cristianismo, ou um judeu resolvesse agredir todo mentecapto que viesse com comentários preconceituosos e ofensivos ao judaísmo, o mundo já teria implodido… Nesse caso, intolerância não pode ser motivo para mais intolerância.

Mas, no Islã, diriam alguns, a coisa parece ser diferente… Manifestações contra representações diplomáticas estadunidenses ocorreram também em outros países de maioria muçulmana, entre os quais Bangladesh, Egito, Tunísia, Marrocos, Iêmen, Iraque e Irã, Sudão e até em Israel (sim, é assim que acontece numa democracia), porém nenhuma tão grave quanto a de Benghazi. O que se evidencia disso tudo é muito mais um pretexto que se encontrou no tal vídeo para uma explosão de descontentamento da parte de milhares de pessoas que vivem em péssimas condições. Sob a camada do protesto de motivação religiosa, estão sentimentos de revolta contra a ordem ali estabelecida e contra tudo que represente aquilo que a maior parte realmente almeja: paz, segurança para tocar a vida e, naturalmente, os benefícios do desenvolvimento. Isso é humano: ao não terem a vida que desejam (e, indiscutivelmente, os padrões econômicos e sociais da América do Norte e da Europa Ocidental são ansiados em todo o mundo), as pessoas acabam se revoltando e buscando bodes expiatórios (algo com a raposa e as uvas). Bom, mas não vou discutir psicologia de massa aqui…

Registro meu repúdio a essas manifestações. Absurdo total a agressão a representações de um país por ações de particulares… O que tem o governo dos EUA (ou da Grã-Bretanha ou o da Alemanha, que acabou de ter sua embaixada atacada no Egito) com um vídeo produzido por um pacóvio? Se assim o fosse, nós ocidentais deveríamos partir para cima de toda nação em que cidadãos se manifestassem contra o Ocidente. Sinceramente, não tenho paciência para esse tipo de coisa…

Voltando à política internacional, esses eventos podem repercutir em uma mudança de percepção dos Estados Unidos (ou da opinião pública e, consequentemente do eleitorado estadunidense) com relação à chamada Primavera Árabe. Note-se que, por exemplo, na Líbia, Egito e Tunísia, regimes seculares foram substituídos por governos sob influência fundamentalista (em alguns casos até com extremistas religiosos em sua composição) e com severas críticas a países ocidentais.

O que mudou no Egito, depois da queda de Mubarack? O país continua em crise, os militares no poder, a população protestando… Ah, sim! Mudou alguma coisa: os egípcios caminham para um governo mais extremista e hostil aos EUA e aos valores ocidentais (bom, né?). Minha viagem do próximo ano para conhecer aquele belo país do Norte da África acabou prejudicada, assim como a principal fonte de recursos do Egito, o turismo. Enfim, salvo por alguns poucos que assumiram o poder no lugar do sucessor Sadat, a tal da “democracia” conquistada na “Primavera Árabe” não beneficiou muita gente, permanecendo a maior parte da população na mesma penúria.

Também como consequência do Levante iniciado no ano passado, a guerra civil prossegue na Síria. Apesar de pressão da comunidade internacional, o regime de Damasco ainda se sustenta, particularmente devido ao apoio de russos e chineses. Como venho insistindo desde sempre, enquanto tiver as graças do Kremlin, o atual regime sírio se sustenta. E, tomando o exemplo do que já aconteceu em outros lugares, será que se teria uma Síria mais estável sem Assad? Não me parece… A queda do atual Presidente sírio só provocaria mais crise e instabilidade, e isso em uma área muito mais estratégica e sensível que o Norte da África.

Chegando ao Golfo, as relações entre potências ocidentais e o Irã têm-se agravado. Recentemente, o Canadá rompeu relações diplomáticas com Teerã (vide posts anteriores). Em nota oficial, Ottawa assinalou que o governo iraniano é “atualmente, a mais significativa ameaça à paz global à segurança no mundo”. A resposta de Teerã foi no sentido de que o Canadá tem tomado numerosas medidas para hostilizar o país dos aiatolás, acusando-se o governo canadense de “racista” e de “seguir a política sionista do Reino Unido”. Coisa boa não sairá daí…

Todos esses eventos assinalam um aumento da insegurança global. Merece atenção um possível aumento de ações terroristas contra alvos ocidentais, paralelamente ao endurecimento nas relações entre potências ocidentais e países islâmicos. A situação conflituosa pode alcançar diferentes partes do globo, inclusive regiões sem envolvimento direto com a crise, como a América Latina. É recomendável que as autoridades brasileiras estejam atentas a esses desdobramentos.

Em tempo: sei que é verão no Hemisfério Norte. Entretanto, assim como aconteceu com a primavera da democracia, o inverno do ódio infelizmente se prolonga no mundo islâmico…

 

A Resposta do Irã…

O que há de mais recente na página do Ministério das Relações Exteriores do Irã sobre a crise diplomática com o Canadá…

Como disse, preocupam-me os desdobramentos dessa crise, pois o Canadá pode passar a ser um alvo mais visível para organizações terroristas.

Mehmanparast: Canada’s government pursuing radical racist views

09:51-08/09/2012

Foreign Ministry spokesman, Ramin Mehmanparast, said that the incumbent Canadian government with Stephen Harper as prime minister is known with radical views in foreign policy.

Mehmanparast made the above remarks in reaction to recent statements of Canada’s Foreign Minister John Baird.  He referred to numerous and hostile measures by the Canadian government against the Iranian society of Canada as closing down the visa section of the Canadian Embassy in Tehran and freezing the accounts of Iranians, as well as blocking cash transfer for Iranian university students of Canada.  Continuar lendo

Ainda sobre o rompimento de relações entre o Canadá e o Irã

Segue a nota do Ministério das Relações Exteriores do Canadá sobre o rompimento de relações com Teerã. Achei forte a assertiva canadense de que o governo do Irã é “atualmente a mais significativa ameaça à paz global à segurança no mundo”.

Uma das preocupações referentes à presente situação é com eventuais ataques terroristas em solo canadense outra contra embaixadas e cidadãos daquele país. A coisa não está boa…

Canada Closes Embassy in Iran, Expels Iranian Diplomats from Canada

September 7, 2012 – Foreign Affairs Minister John Baird today issued the following statement:

“Canada has closed its embassy in Iran, effective immediately, and declared personae non gratae all remaining Iranian diplomats in Canada.

“Canada’s position on the regime in Iran is well known. Canada views the Government of Iran as the most significant threat to global peace and security in the world today. Continuar lendo

Canadá rompe relações com Irã

Esta quem me enviou foi meu ex-aluno e amigo Daniel De Boni. A coisa é séria. Para um país como o Canadá (mesmo sob o administração Harper) romper relações diplomáticas, é sinal de que a batata de Teerã já está quase passando do ponto… Tudo bem que tem a ver com a questão síria, mas mesmo assim a medida foi demasiadamente dura. Se não estiver enganado, nem na Revolução Iraniana e tampouco na crise dos reféns estadunidenses o Canadá havia tomado semelhante decisão (não verifiquei isso, pode ser que tenham rompido sim). De toda maneira, a resposta de Teerã também foi forte e pesada – a meu ver exagerada ao chamar de “racista” o governo canadense…

Vale acompanhar de perto e aguardar os desdobramentos…

G1 – 08/09/2012 – Replicando a Reuters

Irã diz que pode retaliar Canadá por ‘hostil’ corte de relações

País cortou relações diplomáticas na sexta e fechou embaixada em Teerã. Motivo foi o programa nuclear iraniano e o suposto apoio ao ditador sírio.

O Irã acusou o Canadá neste sábado (8) de ter “comportamento hostil” sob influência israelense e britânica, depois de Ottawa cortar as relações diplomáticas. Teerã ainda elevou a perspectiva de alguma forma de retaliação.

O Canadá disse na sexta-feira que estava fechando sua embaixada em Teerã e deu aos diplomatas iranianos cinco dias para sair do país, ao chamar a república islâmica de “a maior ameaça à segurança e à paz mundial”. Continuar lendo

Submarinos alemães e armas nucleares israelenses

Muito interessante a matéria da Spiegel sobre a estreita cooperação entre alemães e israelenses no campo da Defesa (recomendo a leitura, sobretudo a meus alunos de Relações Internacionais). A Alemanha fornece a Israel submarinos com capacidade de transportar mísseis nucleares deste último. Alguns setores da mídia alemã têm defendido que “a Alemanha tem o dever histórico de contribuir para a defesa de Israel”…

Segundo Benjamin Netanyahu em entrevista a um jornal alemão, esse tipo de ajuda é sempre importante para a segurança nacional israelense. E completou, parafraseando Churchill: “dêem-nos as ferramentas que nós cuidamos do trabalho de nos defender”…

Apesar das críticas da oposição no Bundestag, os négocios de armas alemães vão bem, obrigado. Não é à toa que o país é um dos grandes exportadores mundiais de armamentos. Bem que podíamos aprender com os alemães…

Os submarinos alemães são uma importante arma de dissuasão para Israel, sobretudo se podem ser equipados com mísseis nucleares. E, nesse complicado jogo de pode na região, Israel acaba marcando ponto com essas armas. Afinal, nada como alguns kilo ou megatons de diplomacia…

Certamente, a parceria Berlim-Tel Aviv deixa o tabuleiro do Oriente Médio mais complexo… E os iranianos que coloquem suas barbas de molho…

Der Spiegel online – 06/04/2012 06:11 PM

Operation Samson: Israel’s Deployment of Nuclear Missiles on Subs from Germany

Many have wondered for years about the exact capabilities of the submarines Germany exports to Israel. Now, experts in Germany and Israel have confirmed that nuclear-tipped missiles have been deployed on the vessels. And the German government has long known about it. By SPIEGEL Continuar lendo

Cybervirus no Oriente Médio

Mais um movimento na guerra cibernética. Como disse há algumas semanas neste site, ainda é difícil lidar com essa nova dimensão do conflito no século XXI. Nesse sentido, Israel mostra-se uma grande potência e pode causar severos danos a seus adversários. Teerã que se cuide…

Powerful “Flame” cyber weapon found in Iran

Reuters.com, 28MAY2012, 6:17pm EDT – By Jim Finkle

BOSTON (Reuters) – Security experts said on Monday a highly sophisticated computer virus is infecting computers in Iran and other Middle East countries and may have been deployed at least five years ago to engage in state-sponsored cyber espionage.

Evidence suggest that the virus, dubbed Flame, may have been built on behalf of the same nation or nations that commissioned the Stuxnet worm that attacked Iran’s nuclear program in 2010, according to Kaspersky Lab, the Russian cyber security software maker that took credit for discovering the infections. Continuar lendo

Ainda sobre a crise nuclear iraniana

As coisas seguem sem grandes mudanças no Oriente Médio. A boa notícia é que parece que o clima esfriou um pouco por lá na questão iraniana. Pode ser que a diplomacia saia vitoriosa e que a solução belicosa seja substituída por um acordo… Pode ser…

Sinceramente, acho que os iranianos estão ganhando tempo… Tenho minhas dúvidas sobre um acordo com os aiatolás…

Claro que Obama também ganha tempo… seria desastrosa qualquer ação militar contra o Irã a alguns meses das eleições presidenciais nos EUA.

Enquanto isso, o resto do mundo acompanha, temeroso, o desenrolar desses acontecimentos…

West to target Iran’s nuclear fuel work

Reuters, 8ABR2012, 3:18pm EDT

By Dan Williams and Marcus George

JERUSALEM/DUBAI (Reuters) – The United States and its allies are pressing for an end to Iran’s high-level uranium enrichment and the closure of a facility built deep under a mountain as talks on Tehran’s nuclear standoff with the West resume this week.

Iranian media and Western officials said the talks, which collapsed more than a year ago, would begin on Saturday in Istanbul.

A return to the table, as the Western allies tighten sanctions over what they say is Tehran’s programme to develop nuclear weapons, had been in doubt after Iran and the P5+1 countries – the United States, Britain, France, Russia, China and Germany – released conflicting statements about the venue. Continuar lendo

Qual o preço de não agir contra o Irã?

Matéria muito elucidativa sobre a viagem de Bibi Netanyahu aos EUA e a perspectiva israelense frente aos últimos acontecimentos da crise iraniana. Recomendo a leitura!

Haartez.com – 07.03.12

Netanyahu, Obama divided on price of Israeli strike against Iran

By Barak Ravid

Netanyahu considers missiles on Tel Aviv preferable to nukes in Iran, says senior Israeli official.

Prime Minister Benjamin Netanyahu presented one central question during his meetings in Washington in the past few days: “What will be the price of not acting against Iran?” he asked at every opportunity. Continuar lendo

Crise do Irã: rumo a uma solução pacífica?

As duas últimas semanas foram interessantes nas relações entre o mundo civilizado e o chamado “Eixo do Mal”. Enquanto Bob Filho anunciou o acordo com os EUA para suspensão do programa nuclear norte-coreano em troca de comida para a população do país mais fechado do planeta (alguém finalmente descobriu em Piong Yang que as pessoas precisam comer, esse luxo capitalista!), no Irã parece haver um clima de apaziguamento e “solução negociada” para o problema do programa nuclear dos aiatolás… Sinceramente, quando a esmola é grande o santo desconfia!

Confesso que tenho certa dificuldade em acreditar na mudança do discurso de Teerã. Mas talvez tenha sido essa a alternativa possível para Armandinho e sua turma. Aceitaram até a visita do pessoal da Agência Internacional de Energia Atômica! É estranho ou não é?

Sei não, mas diante desse cenário só lembrei da situação de calmaria em que fica a praia antes do tsunami…

Obama says new Iran talks should calm “drums of war”

Photo
Reuters – 06/03/2012 – 7:57pm EST

WASHINGTON/BRUSSELS (Reuters) – President Barack Obama said an announcement on Tuesday of six-power talks with Iran offered a diplomatic chance to defuse a crisis over its nuclear program and quiet the “drums of war.”

EU foreign policy chief Catherine Ashton, who represents the United States, Russia, China, France, Britain and Germany in dealings with Iran, announced a fresh bid to allay suspicions that Iran is developing nuclear weapons after weeks of consultations with the other powers. Continuar lendo

A Rússia, o Irã, e a Síria

Recado de Moscou: “não me venham com pressões contra o regime de Assad… ele continua com o apoio do Kremlin”. E, o mais interessante, Medvedev manifestou essa posição em conversa com os iranianos.

A Síria é, há muito tempo, área de influência de Moscou. E não sei se o Kremlin está disposto a perder esse poder para as potências ocidentais ou mesmo para movimentos populares, com risco de os sírios caírem em um regime fundamentalista. Afinal, esse negócio de levante popular não é algo que soe bem aos ouvidos das autoridades russas… Ademais, a Federação da Rússia tem várias regiões de população muçulmana, sempre com risco de ser influenciada/contaminada pelo fundamentalismo religioso. Claro que Medvedev e Putin não querem isso em solo russo.

Ansioso pelos desdobramentos dessa “queda de braço” entre Moscou e o Ocidente. Para quem joga/jogou War, os russos não aceitam a opção dos ocidentais de “conquistar todos os territórios no Oriente Médio”. Será que estamos voltando aos bons tempos da Guerra Fria?

RIA Novosti

Russia, Iran Oppose Foreign Interference in Syria

21:51 22/02/2012

Russian President Dmitry Medvedev and his Iranian counterpart Mahmoud Ahmadinejad spoke out on Wednesday against foreign interference in Syrian internal affairs, the Kremlin said. Continuar lendo