Filmes sobre a Trégua de Natal

Para quem tiver interesse em conhecer mais sobre a Trégua de Natal, recomendo dois bons filmes:

1) Feliz Natal (Joyeux Nöel), uma produção franco-britânica-alemã-belga-romena, dirigida por Christian Carion, que conta com uma beleza incomparável aqueles acontecimentos; e

2) Oh! What a Lovely War!, um musical de 1969, dirigido por Richard Attenborough sobre o conflito. Apesar de não gostar de musicais, este tem boas cenas de guerra.

Seguem um filme breve sobre a Trégua de 1914:

E cenas de Feliz Natal e de Oh! What a Lovely War.

Guerra e Paz no Natal

lal295769Ainda sobre a Trégua do Natal de 1914, segue uma matéria muito interessante do The Telegraph sobre o evento, com destaque para a carta de um jovem soldado britânico que viveu aqueles acontecimentos e o dia-a-dia nas trincheiras.

Boas Festas! Paz, Saúde e Prosperidade!

How one young soldier’s song inspired the 1914 Christmas Truce

It is a story handed down through the generations – and even Christmas adverts – but here a letter from the trenches tells the true story of the Christmas Truce 100 years ago

By Christopher Middleton
The Telegraph
7:00AM GMT 22 Dec 2014
British and German troops meeting in No-Mans's Land during the unofficial truce on Christmas Day in 1914

British and German troops meeting in No-Mans’s Land during the unofficial truce on Christmas Day in 1914

In the British trenches, a young farmer’s son in the Queen’s Westminster regiment, by the name of Edgar Aplin starts up a song. He’s 26, he’s got a good, tenor voice, and after a few verses of Tommy Lad, he hears voices coming from the German trenches, where the 107th Saxon Regiment are dug in, a short distance away.

“Sing it again, Englander,” they call out, in English. “Sing Tommy Lad again.”

Continuar lendo

Guerra declarada

Daily T 29071914 Mapa“Diversos acontecimentos de grande importância tiveram lugar ontem para trazer uma luz à crescente crise austro-sérvia. Primeiramente, a Áustria-Hungria declarou guerra à Sérvia.” Essa é nossa livre tradução da notícia do jornal britânico Daily Telegraph sobre o início da Grande Guerra.

De fato, muito interessante é ver como as pessoas da época percebiam os acontecimentos. Vale a pena a leitura do jornal, mesmo que sua apresentação seja a típica dos diários da primeira metade do século passado, com muita informação, em letras minúsculas, várias colunas por página e a ênfase à informação e não à forma. Interessante, também, como muitas notícias poderiam ser quase que literalmente publicadas hoje, sem que se notasse que são de um século atrás (por exemplo, “os mercados abalados”) e a publicidade da época, como a da Kodak.

Para acessar a edição do dia 29 de julho de 1914 do Daily Telegraph, clique Telegraph1914_2907_2983878a.

GreatWar00011

Daily Telegraph July 29 1914

The conflagration starts as Austria-Hungary declares war on Serbia

“Several developments of great importance took place yesterday to throw light upon the situation arising out of the Austro-Servian crisis. In the first place, Austria-Hungary has declared war on Servia.” Thus in an extraordinarily understated way on page 11, the Telegraph starts to report the outbreak of war on the continent. Further on the page is another case of litotes as another report calls the declaration of war a “serious development.”

Our correspondent in Paris writes “the hopes of preserving general peace are still slender,” as all eyes turned now to Russia – how would she react to a military attack on a fellow Slavic state? The third of the several developments was reported to be negotiations between her and Austria – if Russia did come in then Germany, which in the second development announced its refusal to participate in Sir Edward Grey’s proposed mediation, would surely do so as well as Austria’s ally, and then France as Russia’s ally would surely be dragged in as well.

Continuar lendo

A trégua do Natal de 1914

Quase um século após seu início, a Grande Guerra (1914-1918) continua a despertar interesse de milhões de pessoas, entre as quais este que escreve e muitos de nossos leitores. Afinal, ela foi única em diversos aspectos, pôs fim a uma era e deu início a outra.

Não foram poucos os episórdios inusitados da Grande Guerra. Um dos mais marcantes, sem dúvida, foi o da grande trégua do Natal de 1914, quando, ao longo de toda a trincheira ocidental, os disparos foram interrompidos, e milhões de homens ergueram-se das trincheiras para se confraternizar com o inimigo.

De fato, naquele Natal de 1914, o inimigo desapareceu. Em seu lugar, surgiram homens que descobriram que tinham muito em comum, que estavam longe de casa há semanas e que passariam o frio 25 de dezembro no front, junto de seus camaradas e… dos sujeitos do outro lado da terra de ninguém.

Nunca se vira um episódio como aquele… e nunca mais se veria outro igual. Mas o certo é que, por algum tempo, as armas cederam às saudações e cumprimentos, e a troca de tiros e ofensas deu lugar à troca de cortesias e, em alguns casos, de presentes. Muitos compartilharam a ceia naquela noite…

E a paz reinou, ao menos por algumas horas… Eis a prova do espírito de Natal!

Segue artigo interessante sobre aqueles acontecimentos…

A trégua de Natal de 1914 
A incrível trégua não oficial em 25 de Dezembro de 1914.

Não há a menor dúvida de que realmente aconteceu – a trégua de Natal não oficial de 1914 – mas até hoje, muitas pessoas não estão totalmente a par dos detalhes e extensão deste notável hiato na guerra, que ocorreu durante aquelas poucas horas do quinto mês do primeiro ano de conflito.

Para a maioria das pessoas, a trégua foi observada pelos britânicos e alemães na parte mais ao sul do saliente de Ypres, na Bélgica. Entretanto, ela ocorreu em vários outros pontos do Fronte Oeste e por outros combatentes, notadamente os franceses e belgas, embora o fato que os alemães estavam situados em território francês ou belga inibiu qualquer grande demostração de boa vontade para com os openentes alemães. Continuar lendo