33. Atalaia eterna! (30/11/2014)

Em defesa da paz social, do direito da ordem, da lei… sempre, sempre eu serei policial, atalaia eterna eu serei!
Refrão do Hino da Polícia Civil do DF

Todo menino sonha em ser astronauta, jogador de futebol (eu não), piloto, policial… Não pude ser astronauta nem piloto, e não imaginava que um dia viria a me tornar policial. Só que a vida nos prega peças: meu primeiro emprego público efetivo foi exatamente como agente da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF)! E foi uma experiência muito gratificante.

O ano era 1998. Estava desempregado, desesperado. Buscava um concurso para todo e qualquer cargo público que aparecesse. Como disse em outro texto, se houvesse concurso para bailarino do teatro nacional ou para tratador de leões no zoológico faria a inscrição.

Surgiu, então, o edital para concurso de agente de polícia da PCDF. Vi o programa das disciplinas para as provas e percebi que teria chances. Estudei. Não tinha dinheiro para pagar cursinho, tendo que me virar por conta própria. E fui fazer as provas!

Passei na primeira fase, de provas escritas. O segundo passo eram as provas físicas. Aí a situação complicava. Afinal, nunca tive vocação para esportes. Mas a necessidade falava mais alto. E a disciplina imperou.

Uma prova que me preocupava era a corrida de 2.400 metros em 12 minutos (creio que era isso). Nunca havia corrido. Não tinha muito hábito nem de caminhar. Mas, naturalmente, precisava daquele emprego. Procurei meu Mestre D’Armas (estava afastado havia mais de um ano da esgrima) e Evandro me deu boas orientações de como começar a me preparar e ganhar condicionamento físico para correr. Ia fazer o que fosse necessário para superar essa barreira.

Se me perguntassem hoje se fiz aquilo, respondo que sim só porque fui eu mesmo quem fez! Eu, que nunca havia corrido na vida, agora saia duas vezes por dia, pela manhã e à tarde, para correr pelas ruas de Sobradinho por uma hora e meia! E corria! Corria como um louco, pois precisava vencer aquela batalha e alcançar um emprego público. Precisava de condicionamento. Cronometrava o tempo. Eita canseira! Run, Forrest, run!

Chegou o dia da prova física. O local, o Centro Olímpico da UnB. Era como um grande evento! Os candidatos eram chamados em grupo para correr, e lhes acompanhava uma torcida de amigos, familiares, namoradas. Fui como nasci, sozinho.

Chegou minha hora de fazer a prova. Tinha que correr os 2.400 metros em 12 minutos (“bobagem”, diriam alguns! Mas para mim seria impensável alguns meses antes). Se alcançasse a distância antes (o que também não era fácil, pois estava bem no limite durante os treinos), tinha que continuar ao menos caminhando até o final do circuito.

Deram a largada. Corro. Run, Forrest, run! Minha vida passa em ritmo acelerado! Primeira volta, segunda volta, terceira volta… perdi a conta… Tinha um fiscal contando (ainda bem!). Esbaforido. Falta fôlego. “Onde é que fui me meter?”, penso, bravo, comigo: Run, Forrest, run!

Mais uma volta. A língua completamente para fora da boca – vai chegar uns dois minutos na minha frente. O ar fica escasso. Continuo correndo. Não dá para intercalar com paradas para caminhar. As pessoas lá fora gritando e torcendo pelos seus entes queridos. E eu só – melhor assim, a vergonha seria só minha também. Continuo correndo.

Entro na última volta. Olho para o lado. A imagem que presencio fica gravada para sempre em minha mente: um gordinho, bem gordinho mesmo, que vinha correndo e, não sei como, continuava na prova, tropeça. A cena se passa em câmera lenta… vejo o gordinho com uma perna se entrelaçando na outra (nãaaaoooooo!)… o gordinho vai ao chão estabanado. Fica ali deitado, esbaforido, chorando. A prova acabava naquele instante para ele… e o concurso!

Eu continuo no páreo… É a última volta. Só mais um pouco! Run, Forrest, run! Os últimos metros e os derradeiros segundos se aproximam. Olho para o fiscal que me faz um sinal: consegui já os 2.400 metros! Basta agora só terminar o tempo continuando no circuito. Felicidade!

Acabou o tempo! Consegui! Não acreditava! Me dei um caloroso abraço (não tinha quem me abraçasse)! Respirei fundo. Mais uma etapa concluída. Orgulho de mim. Superei um obstáculo quase que intransponível para alguém desacostumado a exercícios físicos. Venci. Viriam o psicotécnico e a investigação sobre vida pregressa – nos quais seria aprovado sem problema. Viva eu!

Logo fui chamado para a Academia de Polícia. Época muito boa. Naqueles anos, a academia ficava em uma área distante, no final da Ceilândia (Finlândia, portanto), uma cidade satélite de Brasília. Mas eu iria onde fosse necessário, claro. Todo dia chegava cedo e ficava até o fim da tarde, quando voltava correndo para a faculdade, que cursava à noite.

O curso foi ótimo. As aulas, bem divertidas: Direito, Primeiros Socorros, Segurança Orgânica, Defesa Pessoal e, o melhor, Adestramento e Tiro! Eita que adorava atirar! Foi paixão à primeira vista com as armas! Gostei mesmo! Era melhor na técnica de saque rápido (na prova final de saque rápido, fiz 99 pontos em 100, contra 97 em tiro de precisão), mas o que importava mesmo era atirar. Realmente, foi inesquecível o tempo de academia.

Excelentes também foram os amigos, entre instrutores e colegas de concurso, que fiz na academia de polícia. Gente boa, de diferentes cantos do Brasil, com perspectivas distintas, mas com o objetivo de se tornar policiais, bons policiais. Minha turma em particular era divertidíssima! Ficamos unidos. Alguns dos amigos da academia tenho até hoje. Seguem fotos daqueles bons tempos!

Indescritível a felicidade quando tomei posse na PCDF. Era servidor público e policial! Meu primeiro emprego público! Salário garantido no fim do mês e um trabalho para lá de interessante. Identifiquei-me muito com a atividade de polícia. E entendo perfeitamente que, ao menos com quem está disposto a fazer uma carreira honesta e decente, a profissão de policial é como um sacerdócio – sem exageros!

Fui designado para a Delegacia do Meio Ambiente (DEMA). “Um lugar bem tranquilo”, diria meu caro leitor! Certamente mais que as delegacias regionais ou que algumas especializadas (como a de Roubos e Furtos ou a de Repressão a Entorpecentes). Certamente. O único problema é que quem investiga grilagem de terras no DF é a DEMA – esse é um grande problema na capital federal e era uma época em que o Governo estava pondo abaixo lotes e cercas em condomínios irregulares (onde depois íamos reunir provas e fazer ronda).

Aprendi bastante na PCDF. Cresci como pessoa e como profissional. Não cabe aqui contar os “causos” da época de polícia… Isso é conversa para um bom bar, com uma boa cerveja e bons amigos. Só digo que para mim foi extremamente importante a passagem por lá.

Só tenho boas lembranças de meus tempos de polícia. Fiquei pouquíssimo tempo porque, logo em seguida, fui chamado para o curso de formação da Agência Brasileira de Inteligência (pois passara nesse concurso também). Mas o período que fiquei ali aprendi muito e, acima de tudo, fiz boas amizades.

Faltam 8 dias para meu aniversário. E hoje lembro dos amigos que fiz na polícia, e de todos os policiais (civis, militares, rodoviários, federais) que combatem com bravura a criminalidade e que trabalham duro, muitas vezes com o sacrifício da vida, pela segurança dos cidadãos, nesta guerra diária em um país onde o policial é desprezado, a vítima é esquecida e o bandido vira herói. Isso me incomoda. Sonho com um Brasil em que o policial seja mais valorizado, e onde ser polícia seja entre as crianças um sonho maior que o de se tornar jogador de futebol…

PCDF

32. Seu Olavo e Dona Marieta (29/11/2014)

Cânone 872. Ao batizando, enquanto possível, seja dado um padrinho, a quem cabe acompanhar o batizando adulto na iniciação cristã e, junto com os pais, apresentar ao batismo o batizando criança. Cabe também a ele ajudar que o batizado leve uma vida de acordo com o batismo e cumpra com fidelidade as obrigações inerentes.
Código de Direito Canônico

Se na vida pública e profissional nunca tive padrinhos, o batismo católico me abençoou com duas pessoas muito amadas: Seu Olavo e Dona Marieta, meu padrinho e minha madrinha.

Padrinhos são de grande importância na vida de qualquer pessoa. Devem ser escolhidos com muito carinho e atenção. Afinal, são eles que, na ausência dos pais, assumem a missão dos genitores junto ao afilhado. Extrapolando-se as determinações canônicas, os padrinhos são os pais substitutos, os pais em duplicidade. Isso deve ser considerado na escolha dos padrinhos, pois eles também transmitem valores e são responsáveis pela formação da pessoa.

Eu tive a felicidade e ter Seu Olavo e Dona Marieta como padrinhos. Minha madrinha é irmã mais velha de mamãe. Vivem em Caxias, mas sempre me senti muito próximo de ambos – a Santa Kabalah ensina que a distância entre pessoas não se mede por critérios espaciais, mas sim pela afinidade de pensamento e, se pudéssemos desenvolver essa ideia, pelos valores e pelas crenças comuns. Então, mesmo a quase dois mil quilômetros de distância, meus padrinhos estiveram próximos a mim nessas quatro décadas.

Seu Olavo, nascido no Ceará (como meu pai), foi ainda muito jovem ganhar a vida em Caxias/MA. Lá conheceu minha madrinha, casaram-se e tiveram uma bela prole de cinco filhos, acrescida por sobrinhos que foram criados como filhos após o falecimento de meu tio Walter e sua esposa Irene, em um acidente de carro nos anos setenta. Aí está uma primeira lição que me ensinaram: o amor incondicional e o carinho, sem qualquer diferenciação, com que criaram seus filhos naturais e adotivos.

Sempre vi meu padrinho trabalhando, e duro, para sustentar a família. Nunca o vi se queixando da labuta… Ao contrário, o bom-humor de Seu Olavo é singular: continuamente tem uma tirada interessante, um comentário apropriado para algo que veja na TV ou no quotidiano. É um excelente observador das pessoas e de seu comportamento. Meu padrinho, de fato, é um homem sábio, e o admiro muito pela maneira como ele vem encarando a vida nestes 83 anos e três pontes de safena. Sim! 83 anos! Mas transmite uma vitalidade de garoto – talvez pela paz interior e pela alegria com que encare a vida.

Sobre Dona Marieta, o que primeiro posso dizer é que ela é, sem qualquer sombra de dúvida, minha segunda mãe (que, junto com Dona Conceição e a Rosa, formam um triunvirato materno, certamente benção de Nossa Senhora)! Minha madrinha é também uma grande referência para mim: coração gigante, carinho incondicional, uma mulher forte, sábia e muito trabalhadora. Interessante sobre Dona Marieta é que ela também trabalhava fora de casa, como funcionária dos Correios (coisa pouco usual para uma mulher de sua geração). Mas entre as melhores recordações que tenho de minha querida madrinha estão os sábios conselhos, as orações diárias por mim, a caridade com que cuida dos pobres em Caxias, e o amor incondicional a seu afilhado.

Batalhando muito, meu padrinho e minha madrinha criaram seus filhos e netos, e tiveram uma descendência feliz. A casa deles está sempre cheia de gente: filhos, netos, bisnetos, amigos, agregados, afilhados. A mesa, posta todo o tempo, e as portas da casa abertas para acolher quem necessite de conforto – é como as antigas “casas do caminho”, que acolhiam todos os peregrinos cansados em busca de conforto físico e espiritual.

Tenho muito orgulho de ser afilhado de Seu Olavo e Dona Marieta. Certamente, esses meus primeiros quarenta anos de vida foram mais especiais porque os tenho como padrinhos. A nove dias de meu aniversário, meu beijo carinhoso a meu amado pai e a minha amada mãe em duplicidade!

20190121_090234

31. Tocada à direita, ponto à esquerda (28/11/2014)

Sans le duel, on ferait de l’escrime tranquillement.
Jules Renard

Dorival Caymmi morreu com 94 anos. As tartarugas, se não forem devoradas por predadores ou vitimadas pela poluição dos oceanos, costumam viver mais de um século. Os atletas, entretanto, antes dos 30 já estão a fazer cirurgia ou em recuperação por alguma lesão fruto de suas atividades. E o coelho, bicho hiperativo, morre com 5 ou 6 anos (anos felizes, de prole numerosa, mas 5 ou 6 apenas). Isso me leva a concluir que esporte é prejudicial à saúde. O corolário é que nunca fui afeito a práticas desportivas.

Houve, porém, um esporte que pratiquei com gosto. Não foi futebol, pois, como já disse, corro em linhas e ângulos retos e meu sentido de autopreservação me impediria de ficar no gol levando bolada, razão pela qual também evitei vôlei, basquete, handball e todas essas práticas violentas que, ainda por cima, exigiam coordenação com uma equipe de pessoas sempre mais competentes que eu e que acabavam irritadas pela minha inabilidade na quadra ou em campo. Sobravam-me, assim, os esportes individuais e de baixa probabilidade de lesão, nos quais só dependeria de mim mesmo: natação, tiro e esgrima!

fencing-6

Esporte fascinante é a esgrima. Prática aristocrática, elegante e exigente em termos físicos e mentais. De fato, além de carregar tradição, requer habilidade, concentração e preparo físico. Apesar de não ter preparo físico e habilidade, a concentração e a tradição levaram-me a procurar esse belíssimo esporte olímpico.

Eram meados da década de 1990. Não sei como, mas fui parar na Casa do Ceará, onde davam aulas de esgrima. O Mestre D’Armas, Evandro Oliveira, já havia passado pela Academia da Força Aérea, era um sujeito de grande talento e tentava trazer de volta o esporte tradicional, airoso e requintado para a capital federal. Além disso, Evandro era um sujeito de boa conversa e foi muito receptivo. Resultado: cheguei e fiquei.

Com poucos recursos, nosso grupo de esgrima se divertia bastante. Praticamente não tínhamos sala d’armas na Casa do Ceará. Montávamos as pistas e dividíamos o espaço com o pessoal da capoeira, que também praticava Jiu-Jitsu, e que chegava depois e devia achar no mínimo estranho aquele bando de malucos de branco batendo lâminas… Nosso tempo ia até eles precisarem do espaço para começar a aula. Éramos pontuais e disciplinados. E, claro, não era de bom alvitre contrariar o pessoal da capoeira, que também praticava Jiu-Jitsu.

O grupo da esgrima era bacana. Éramos poucos, mas nos divertíamos muito! Em média, tínhamos a mesma idade e gostávamos dos mesmos assuntos além da nobre arte. Alguns tinham um quê de “nerdismo” acima da média. Mas estava valendo! A maioria de nós não se preocupava em ganhar competições, tampouco em se profissionalizar. Queríamos nos divertir e jogar esgrima. Claro, grandes amizades também dali sairiam, algumas que perduram duas décadas depois.

escrimearmes

Não fiquei muito tempo na esgrima. Tive que me afastar por alguns meses, e acabei não voltando a praticar. O pessoal se mudou para a AABB, com uma boa sala d’armas, e depois tomou outros rumos. Evandro, merecidamente, alçou novos voos. Sua disciplina e extrema competência o levariam à posição de técnico de nossa seleção brasileira, o que nos orgulha a todos.

Também fazíamos bons churrascos, porque ninguém é de ferro. Seguem fotos do churrasco de 1997, em comemoração a nosso brassard amarelo. Foi na casa do Evandro. Sempre boas festas!

A 10 dias de meu aniversário, tomo consciência de que preciso praticar algum esporte por questão de saúde – é isso ou a morte lenta. Os coletivos estão fora de cogitação. Lutas, bem, não gosto de apanhar. Sobram a natação (está em meu planos), o tiro (que já pratiquei, mas que acaba sendo um pouco complicado neste país onde não deixam os cidadãos andarem armados, para a alegria dos vagabundos), e minha querida esgrima! Opa! Taí uma boa idéia!

Continuo fascinado pela esgrima. Continuo com bons amigos daqueles tempos. E tenho esperança de voltar a jogar – claro que apenas por diversão e para melhorar a saúde. Quem sabe em 2015, com 40 anos.

[Em tempo: em 2019, Evandro mudou-se com a família para os Estados Unidos, onde prepara novas gerações para o tradicional esporte. Eu, bem, ainda não voltei a praticar esgrima…]

20141102_155125-1

20141102_155109-1

30. Direito e Ceub (27/11/2014)

A justiça sem a força é impotente, a força sem justiça é tirana.
Blaise Pascal

Concluí o curso de Relações Internacionais sem grandes perspectivas profissionais. Apesar de tremendamente interessante pelo currículo e excelente para a formação humanística, em termos práticos, Relações Internacionais se revelaria um grande fiasco. E lá estava eu, com 20 anos, um impoluto diploma por uma das melhores universidades do País e… desempregado! Não seria simples sair das estatísticas com um título de bacharel em algo pouco conhecido no Brasil. Tinha que fazer alguma coisa.

Em meu penúltimo semestre na UnB, talvez já instintivamente percebendo as dificuldades que adviriam nos próximos anos, resolvi prestar vestibular para Direito naquela que era considerada a melhor faculdade particular do DF: o então Centro de Ensino Unificado de Brasília (CEUB). Não estava muito convicto de que gostaria de ser advogado, mas meu pai insistiu e fui fazer as provas. Fiz o vestibular e esqueci completamente do episódio – estava mais preocupado em concluir meu bacharelado em Rel (como nós na UnB chamamos Relações Internacionais).

Havia esquecido completamente do vestibular do CEUB. Afinal, não estudara para as provas e não pensava na carreira jurídica… Então, fizera os exames admissionais por fazer. Mas a boa surpresa chegaria de forma inusitada…

Estava em casa e um colega me telefonou. “Parabéns, cara!”, disse ele, “você passou para Direito!”. Ele vira meu nome na lista dos aprovados e perguntava se eu não iria fazer a matrícula, pois o prazo estava se encerrando. Naquela época não havia internet como hoje (estou falando de 1994!) e a divulgação dos resultados dava-se pelo jornal ou nas listas afixadas na faculdade – foi onde meu colega viu meu nome. Nesse sentido, uma vez que “Joanisval” não encontra homônimos no mundo civilizado, só poderia ser eu mesmo! E fiz a matrícula.

Não consegui aproveitar muito bem meu curso de Direito. Como já trazia algumas disciplinas da UnB, minha grade curricular no Ceub era sempre complicada… Estava usualmente em dois ou três semestres ao mesmo tempo. Ademais, tive que suspender o curso algumas vezes, pois não tinha dinheiro para pagar, ou estava concluindo meu Mestrado, ou com problemas pessoais. Enfim, levei cerca de 8 anos para concluir o curso de Direito, passei por três currículos distintos e nunca estive plenamente inserido em um semestre específico, com uma turma própria. Isso acabou sendo valioso, pois conheci muita gente na trajetória, e boas amizades foram ali moldadas – muitas da quais perduram até hoje.

20191124_161057

Mas foi no segundo semestre de 1996 que, retornando aos estudos, encontraria a “turma” que acabaria adotando como minha. O pessoal estava, creio, no quarto semestre. Gente muito simpática e aberta aos “novatos” que apareciam. Logo fiz amizades. Com eles seguiria mais ou menos até o fim do curso (que acabariam cerca de um ano e meio antes de mim) e faríamos juntos muitas disciplinas. Essa boa gente acabaria marcando minha vida – dali saíram meus grandes amigos do curso de Direito e aquela com quem viria a me casar e ser a mãe de meus filhos. Pois é! Conheci minha esposa na faculdade e cursamos Direito juntos. Isso por si já seria mais que suficiente para justificar minha passagem pelo Ceub, né?

Concluí o curso de Direito no final de 2001. Recuperando as memórias e refletindo sobre a segunda graduação, posso asseverar, sem qualquer sombra de dúvida, que a melhor coisa que fiz foi cursar Direito, e no Ceub!

Costumo recomendar Direito a todo mundo, inclusive como segunda graduação. Direito nos dá base sólida para a vida em sociedade e, apesar das dificuldades inerentes às carreiras jurídicas, é um curso que tem excelentes perspectivas profissionais. Pelo menos comigo foi assim. Graças ao Direito, tive a preparação necessária, por exemplo, para conseguir ser aprovado nos concursos que me levaram ao serviço público. E, associando os conhecimentos jurídicos à capacidade reflexiva e conhecimentos oriundos de Relações Internacionais, consegui, finalmente, boa formação acadêmica e prática. Devo, enfim, parte importante de meu êxito profissional ao curso de Direito.

Não me considero um profundo conhecedor das Ciências Jurídicas, pelo contrário. Como meu curso foi muito esparso, não aproveitei tanto as disciplinas e o conhecimento extremamente bem transmitido pelos meus mestres – muitos dos quais se tornaram grandes amigos! De Direito Civil, entendo pouco, pois meu Código ainda é o de 1916. Já sobre Direito Comercial, apesar das excelentes aulas do amigo Marcus Palomo, sei muito pouco. Com Trabalho e Previdenciário nunca tive muita afinidade. Processo Civil era extremamente complexo, e irritavam-me os recursos de natureza absolutamente protelatória – entretanto, gostava da parte prática e estratégica de processo civil e trabalhista. Tributário sempre foi bom para ganhar dinheiro, mas exige conhecimentos muito específicos, restritos a iniciados.

Gostava mesmo era de Direito Público. Penal e Processo Penal atraíam-me e cheguei mesmo a advogar um pouco nessa área – o problema era a clientela… Mas a afinidade mesmo foi por Direito Constitucional e Administrativo. A paixão, naturalmente, pelo Direito Internacional! E foi por aí que segui carreira, vindo mesmo a, como muita honra, lecionar na área…

Devo muito a meu curso de Direito e tenho um carinho extremo com o CEUB, hoje Uniceub. Se a UnB é minha Alma Mater, o Ceub é uma instituição constante em minha vida: é a faculdade onde meus pais estudaram, onde estudei, conheci a mãe de meus filhos, e onde me tornaria professor. Já ia ao Ceub quando criança, acompanhando papai às aulas de Direito. Adoro o lugar, que tem uma vibração distinta daquela da UnB (não melhor ou pior, distinta). Passei bons anos naqueles prédios e ali vivi grandes experiências. Fiz muitos amigos entre colegas, professores e alunos. O Ceub é, portanto, parte de mim.

Faltando 11 dias para meu aniversário, resolvi escrever sobre o Ceub (desculpem os mais novos, mas continuarei chamando o Uniceub de Ceub). Afinal, se parar para calcular, destes últimos 40 anos, ao menos metade deles estive no Ceub, na condição de aluno ou professor. Minhas primeiras aulas de Direito foram lá quando, repito, ainda criança ia acompanhar meu pai que ali estudava. Ali, meu primeiro professor de Direito foi o caríssimo [e saudoso] Antônio Guimarães Neto, a quem dedico uma parte especial desta crônica. Lembro das aulas de Direito Penal com o Professor Guimarães, as quais eu, uma criança de 8, 10 anos, assistia atento. Teria a felicidade de ser aluno do Professor Guimarães quando eu próprio cursava Direito, ocasião em que percebi que, mais do que nos ensinar sobre as Ciências Criminais, Guimarães nos orientava e nos formava como juristas, inclusive com sábios conselhos até de como se portar perante clientes, autoridades, pares e sociedade. Lições assimiladas e que permanecem vivas. Por coincidência, e sob aquela perspectiva de que a Providência sempre coloca pessoas fundamentais em nosso caminho, foi por intermédio do Professor Guimarães que comecei a lecionar no Ceub. Sim! Ele me convidou e me deu essa grande honra e satisfação! Ser-lhe-ei eternamente grato pela oportunidade!

Não tenho qualquer inclinação para poesia. Se tivesse e fosse possível fazer uma ode a uma instituição, o Ceub certamente estaria entre minhas escolhas. Difícil explicar o carinho que sinto por aquela casa. Só sei que é imenso. E hoje, cada vez que entro nas salas de aula do Bloco III do Ceub, é indescritível a satisfação e a emoção! Sim, porque cada aula ministrada é uma experiência única, geralmente de “recarga da bateria” após um dia de trabalho. E no Ceub essa sensação é ainda melhor! Afinal, leciono na instituição em que me graduei! E sigo com a missão de tentar transmitir, da melhor maneira possível, o conhecimento que tão bem me foi passado pelos mestres ali naqueles bancos. É muito bom ser docente do Ceub e fazer parte dessa cadeia de transmissão do saber jurídico, em que me preocupo não em formar “operadores do Direito” (termo que detesto), mas juristas.

Gosto de lecionar. Gosto do Ceub. Gosto de lecionar no Ceub. E encerro o texto de hoje agradecendo muito a todos que passaram pelo meu caminho ali naquela instituição tão querida! Minha gratidão a pessoas como Guimarães, Marcus Palomo, Rossini Corrêa, Any Ávila, Paulo Thompson, Sílvio Cirilo, Stefânia Viveiros, Flávio Salles, Túlio Arantes, Tarcísio de Carvalho Neto, Ademar Vasconcelos, e tantos outros que me ensinaram sobre o Direito. Minha gratidão a todos os meus alunos, pois com vocês nós aprendemos. Agradeço, ainda, a meus colegas e amigos que estiveram comigo durante os 8 anos e graduação e aqueles com quem hoje tenho a honra de partilhar a sala dos professores, a secretaria, o campus do Ceub. Enfim, meu muito obrigado aos mestres, aos alunos, aos colegas e aos amigos! E vamos adiante!

20141124_183452.jpg

29. Concursos e Anjos (26/11/2014)

A investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei (…).
Constituição Federal de 1988, art. 37, II.

Sou pagão. Nunca tive padrinho que me indicasse para qualquer vaga ou emprego na estrutura do Estado ou na iniciativa privada. Em razão disso, assim que terminei minha graduação em Relações Internacionais e percebi que estava desesperadamente nas estatísticas do desemprego, comecei a cogitar a hipótese de me tornar servidor público.

Formei-me com 20 anos em Relações Internacionais. Naquela época, não tinha maturidade para encarar adequadamente o mercado de trabalho. Também não tive quem me orientasse a já me preparar, desde a faculdade, para a vida que se seguiria com um diploma de bacharel nas mãos, fosse me inscrevendo como trainee de alguma empresa, fosse estudando para um concurso público. Mas agora estava com o canudo, e deveria seguir a caminhada! Diante de mim parecia haver uma grande planície deserta, a qual tinha que atravessar se quisesse ser alguém… E o trajeto que surgia era como servidor do Estado.

Como muitos que optam pelos concursos públicos, comecei disperso e despreparado (tanto em termos de conteúdo exigido nas provas quanto no que diz respeito às técnicas para o êxito nesse tipo de certame). E fui fazendo de tudo, sem conseguir nada… Enquanto isso, trabalhava no que aparecia (de professor particular de francês a vendedor de software de contabilidade). Uma bolsa de auxiliar técnico de pesquisa me assegurava dois salários mínimos (salários mínimos da segunda metade da década de 1990, que fique claro), com os quais pagava a faculdade e outras despesas.

Não lembro quantos concursos fiz. Mas o primeiro de relevância foi para Gestor – Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental era o pomposo nome! Tampouco me lembro quando fiz as provas, mas deve ter sido entre 1996 e 1997. E dali viria mais um aprendizado…

As provas para o concurso de Gestor eram objetivas e subjetivas, feitas no mesmo dia, pela manhã e à tarde. Havia estudado, conhecia a matéria e sentia-me seguro. Respondi às provas objetivas e à questão subjetiva, que versava sobre matéria que me era familiar. Concluídas as avaliações, conferi o gabarito: estava muito bem classificado! Faltava apenas a correção da parte subjetiva! E aí veio a decepção!

O resultado da prova subjetiva jogou-me por terra. Fiz algo como 8,5 pontos em 90! Não acreditei! Tinha certeza da resposta e do que havia respondido! Não podia ser! Um amigo que estudava comigo, frater rosacruz e administrador de empresas experiente que resolvera deixar o setor privado para fazer concursos (viria a ser analista do Supremo Tribunal Federal e hoje já se encontra em fim de carreira naquela Corte), observou que havia algo estranho em minha nota. Parecia ser um erro no registro, de modo que se fosse inserido um determinado multiplicador que parecia faltar, minha nota iria a 85, colocando-me no pelotão de frente da classificação. Associado a isso estava o fato de que a minha resposta, disso me lembro, era na linha da pergunta. Assim, o importante era que eu visse fisicamente a prova!

Procurei a instituição promotora. Não me lembro qual era. Eles se negaram a fornecer o espelho de minha prova subjetiva (concursos dos anos noventa!). A solução, hoje o sei, era um mandado de segurança para que me fosse apresentado meu texto, simples assim. Cheguei a conversar com um advogado especializado, que também comentou ser estranho o fato de não me mostrarem a prova. Iria recorrer ao judiciário e já buscava maneiras de pagar o referido advogado para me representar. Foi aí que a coisa degringolou de vez.

Seu Jacob entrou no circuito. Disse que não admitia que eu pagasse um advogado com ele em casa! Papai iria entrar com a ação! O problema é que aquela não era a área de meu pai, voltado ao direito civil e ao trabalhista. Não lembro bem, mas acho que optou por uma ação ordinária sem liminar e não por um mandado de segurança. Não tivemos êxito, naturalmente. Fiquei muito, muito frustrado na ocasião. Havia realmente me preparado, mas parecia que aquele não deveria ser meu caminho! Mais um doloroso aprendizado!

Não culpo meu pai por aquele fracasso. Hoje, sei que ele fez o melhor que podia e tudo que sabia para me ajudar. Mas, à época, aquilo realmente me decepcionou muito. Aprendi na carne o que nos ensinam no curso de Direito: nunca advogue para a família! E tive que amargar mais um tempo estudando como um doido para concursos.

Em 1998, já estava obcecado por passar em um concurso, qualquer um. Na ocasião, encontrava-me deprimido, sem perspectivas profissionais, frustrado com o que acontecera nas provas para Gestor, e sob a permanente pressão do desemprego, morando na casa de meus pais e me sentindo um inútil. Sim, inútil é a palavra! 23 anos e sem emprego! Claro, cursava o Mestrado e tinha a bolsa de pesquisa, mas sabia que as duas situações eram passageiras e que precisava, verdadeiramente, de um emprego, um trabalho dignificante. A depressão aumentava, não tinha nem como pagar terapia ou cursinho preparatório.

Que fique registrado que minha namorada à época foi muito importante naquele processo – concursada do Poder Executivo, apoiava-me nos estudos, garimpava os editais de concursos e me instigava a fazer as provas e a não desistir. Foi, de fato, fundamental naquele momento. Não é à toa que acabaria me casando com ela.

Além da namorada, minha formação rosacruz foi essencial para me manter forte. Buscava por em prática os ensinamentos da Ordem e, com isso, conseguia forças no meu Mestre Interior e nas práticas de visualização e concentração tão conhecidas dos rosacruzes. Além disso, imprescindível foi o apoio, o braço amigo de alguns irmãos e irmãs rosacruzes, sempre presentes. Aqui minha lembrança de uma querida amiga que não está mais entre nós, e que me ajudou muito à época. Dedicarei uma das crônicas a esse anjo que passou pelo meu caminho. Com todo esse apoio, com esses anjos ao meu lado, só tinha que conter a ansiedade, pois o que era meu viria no momento certo.

Mas como era difícil conter a ansiedade! Precisava me tornar servidor público e faria qualquer concurso que aparecesse! Brinco que se houvesse concurso para bailarino do Teatro Nacional, para limpador de estrume do zoológico ou para domador júnior de leões, estaria fazendo… Sim, porque o que importava era trabalhar!

Foi também em 1998 que prestei concurso para diplomata. Afinal, era uma carreira que parecia natural para alguém de Relações Internacionais. Juntei dinheiro para me inscrever para as provas do Instituto Rio Branco e o fiz. Mas não sabia nada sobre os exames e as disciplinas requeridas. Cheguei a procurar alguns cursos preparatórios, consegui pagar aulas de inglês, mas foi só isso. Não tinha dinheiro! Então, a solução era me virar sozinho, comprando apostilas e tentando me preparar por conta própria. Mas a coisa não seria fácil.

Já disse que acredito em anjos que aparecem em nosso caminho. E, à época que me preparava para o Itamaraty, meus amigos Paulo Roberto de Almeida e Carmen Lícia Palazzo me indicaram um diplomata que dava aulas de português para o Itamaraty. Lá fui eu conversar com ele.

Seu nome era Wamberto Hudson de Almeida. Creio que, à época, era Conselheiro ou Ministro. Uma figura humana ímpar, Wamberto chegara há pouco do exterior. Havia se separado recentemente e parecia que tentava resolver algum problema com a filha que se afastara dele. Fumava muito. Era hipertenso e estava acima do peso – acho que o coração devia ser tão grande que não cabia no peito do meu amigo. Gostava de contar que, em sua trajetória como diplomata, geralmente era “sorteado” com postos que se tornavam complicados! Contou-me que, pouco depois que chegara ao Líbano, creio que ainda como Segundo Secretário, estourou a guerra civil, e foi ele quem ficou cuidando da embaixada brasileira em meio aos combates entre cristãos e muçulmanos (passara péssimos bocados em Beirute). Fora então mandado para outro posto no Oriente Médio: Iraque, se não me engano, e um pouco antes da guerra com o Irã estourar (acho que era isso). Haja preparo psicológico!

Quando o conheci, Wamberto chegara do Haiti, país mais pobre das Américas, onde vivera o golpe que derrubara Jean-Bertrand Aristide. Estava muito contente de voltar ao Brasil, e ao mesmo tempo desesperado porque haviam perdido sua mudança. E aí fumava mais e mais. E sorria. E brincava com a vida. Gostava de mostrar uma foto dele com a dançarina Carla Pérez (a famosa “Loira do Tchan” da época!), quando ela fora fazer um show em um posto onde ele estivera transitoriamente depois do Haiti. Esse era meu amigo Wamberto.

Logo surgiu uma boa amizade entre nós. Eu sempre disposto a ouvir as boas histórias de Wamberto, e a conversar sobre política externa e outros assuntos mais mundanos com meu amigo, mulherengo inveterado. E Wamberto, acho que simpatizando com minha situação, disse que me ajudaria me preparando em Português, e que eu lhe pagaria quando pudesse. E me ajudou muito! Ia a sua casa e lá recebia orientações de como fazer as provas, encontrava outros candidatos alunos seus, escrevia redações e as tinha corrigidas minuciosamente pelo meu querido amigo. Fui preparado por Wamberto e me sentia em condições de encarar os exames!

Vieram as provas. Fiz a primeira parte, objetiva, o tal do TPS. Creio que deve ter sido um dos primeiros, ainda elaborado pela própria Casa de Rio Branco. Passei nessa primeira fase, apesar de até hoje me questionar sobre como acertei algumas questões que julgava absolutamente inúteis para quem fosse trabalhar no serviço público (como um item inesquecível sobre o nome do precursor do surrealismo no cinema italiano!). Ia para a segunda fase, para a temida prova de Português, à época a disciplina que mais reprovava e que funcionava como um grande filtro, e para a de Inglês. Fiz os exames.

No dia marcado, fui conferir os resultados. Para minha feliz surpresa, obtive a segunda ou a terceira maior nota de Português do concurso! Devo isso, sem qualquer sombra de dúvida, ao apoio do amigo Wamberto! Seus ensinamentos foram fundamentais! Faltava conferir o resultado de Inglês!

A prova de inglês do Itamaraty não era simples. Acertadamente, exige-se que um diplomata domine o idioma de Shaw. Lembro que era uma redação, uma tradução e uma versão (ou algo assim). Textos pesados, ao menos para mim que não tinha educação formal em língua inglesa. Claro que o resultado não poderia ser outro: fui reprovado. Não alcancei a pontuação suficiente em inglês! Mais uma decepção – que só foi amenizada quando descobri que outros colegas, com mais conhecimentos daquele idioma que os meus, inclusive uma tradutora, foram reprovados. De toda maneira, perdi mais uma oportunidade de me tornar servidor público – só que, nesse caso, por reconhecida incompetência minha.

Foi a única vez que prestei concurso para o Itamaraty. Ainda naquele ano, seria aprovado em outros exames e deixaria de lado a alternativa da carreira diplomática. O que realmente ficou da situação toda foram o amadurecimento pela derrota e a amizade com Wamberto.

Nunca consegui pagar a meu amigo pelas aulas. Algum tempo depois, ainda naquele ano, veio me contar todo feliz que seria transferido para a África, para um país estabilizado no continente, uma democracia em construção. Agora tudo daria certo, pois era um posto para ele descansar e lidar com os traumas de guerra – sim, porque ele os tivera, e carregava no coração e na mente fortes chagas obtidas nos lugares em que servira ao Estado brasileiro. O país para onde iria meu amigo, se não me engano, era Guiné Bissau. E para lá foi ele!

Por essas peças que pregam o destino, quando Wamberto estava na Guiné Bissau, um golpe de Estado derrubou o presidente e teve início sangrenta guerra civil! Às vezes penso que Wamberto atraía essas coisas.

Pouco depois de voltar da África, meu amigo faleceu. Acho que foi de ataque cardíaco ou de complicações causadas pelo diabetes. Minhas orações estão sempre com aquela figura ímpar. Ainda hoje guardo uma imagem de São Francisco que comprara para ele – Wamberto colecionava imagens de São Francisco – e que não tive a oportunidade de lhe presentear, pois os outros anjos o chamaram de volta, para cumprir novas missões.

Eu continuaria estudando… Seria aprovado no primeiro concurso ainda em 1998, para Agente de Polícia da Polícia Civil do Distrito Federal (dedicarei uma crônica a minha querida PCDF). Em seguida, viria a aprovação para a Agência Brasileira de Inteligência (onde amadureci muito como profissional) e, por último, para o Senado.

Neste 12º dia que antecede meu aniversário de 40 anos, lembro como foram marcantes os exames públicos que me tornaram servidor do Estado. Não foram provações fáceis, mas, graças ao D’us de meu coração, ao Mestre Interior, aos anjos que apareceram no meu caminho sob a forma de homens e mulheres de bem, e a muita disciplina, estudo e vontade de alcançar os objetivos, venci!

Hoje, sirvo ao Estado e ao povo brasileiro. Levo muito a sério a ideia de ser “servidor público”. Não me vejo trabalhando na área privada ou como empreendedor. Gosto do que faço, orgulho-me de servir a meu país como agente estatal e me irrito sobremaneira com aqueles que menosprezam o serviço público, vilipendiam o Estado, ou não cumprem suas obrigações como servidores. E agradeço, diariamente, ao Criador, por essa benção e pelas graças alcançadas.

Concurso Público

28. Gente Feliz! (25/11/2014)

Na plenitude da felicidade, cada dia é uma vida inteira.
Johann Wolfgang von Goethe

Não existe coisa melhor do que partilhar felicidade e estar em um ambiente de gente feliz. E nunca conheci gente mais alegre e animada que os colegas de meu primeiro emprego como assalariado: o de professor de francês no Centro Interescolar de Línguas de Sobradinho, o CIL! Inesquecíveis os momentos ali passados e a gente singular que lá conheci!

Fui convidado para lecionar no CIL por minha primeira professora de francês, Neusa, que se tornara diretora da escola. Apesar de pertencer à Fundação Educacional do Distrito Federal, no CIL havia professores sob contrato temporário, em razão da escassez de docentes qualificados. Isso, juntamente com uma estrutura moderna e equipamentos de idiomas adequados (graças às contribuições da Associação de Pais e Mestres, às mensalidades pagas pela comunidade que ali cursava inglês, francês e espanhol, e a uma excelente gestão desses recursos), fazia do CIL de Sobradinho um centro de excelência no ensino de idiomas na região (eu mesmo comecei ali meus estudos de francês). Foi minha primeira experiência, portanto, em sala de aula. E realmente adorava aquilo!

Mas o que mais encantava no CIL era o ambiente de trabalho! Alunos interessados (pois se tratava de atividade optativa para a maioria dos provenientes de escola pública e para todos da comunidade que se matriculavam), funcionários simpáticos e atenciosos. E, o melhor de tudo, colegas divertidíssimos! Era gente inteligente e com afinidade de interesses – afinal, todos gostavam de estudar idiomas estrangeiros e de viajar e conhecer o mundo. Se professor costuma ser criatura animada, professor de idiomas supera qualquer coisa! Ao menos no CIL era assim!

Gente Feliz

Tivemos momentos hilários dentro e fora da escola. A sala dos professores era uma festa só! E a hora do intervalo sempre com piadas, brincadeiras, distribuição de sorrisos. Tínhamos uma escala para o lanche do dia. Então, todo dia alguém trazia algo diferente (mesmo que fosse pão com requeijão e refrigerante, já era muito bom pela oportunidade de partilhar a refeição). Brincadeira o tempo todo em um ambiente saudável e harmonioso! Diversão garantida, sem se perder o profissionalismo e a dedicação à docência!

Felizmente, acabei me enturmando rápido! Não tinha como ser diferente. Éramos quatro os professores de francês: Neusa, a diretora, Sheila, que havia sido minha professora (excelente, por sinal) de Português na 5ª série, Eric, profissional extremamente competente e com quem estudara quando aluno de francês, e eu! Assim, com todos os colegas da área tinha vínculos anteriores. E o restante do pessoal, totalmente acolhedor! Lembro-me de que uma das práticas que instituí foi escrever “a frase do dia”, sempre uma mensagem que colocava no quadro para animar o povo. Coloquei hoje uma foto de minha despedida, onde está escrito no canto superior direito a última frase que deixei: “Eu voltarei!” – vejam quem é o autor!

20141124_183734-1

A festa continuava fora da escola. Final de ano, fazíamos uma confraternização. E era divertidíssimo! Boa comida, excelentes conversas, gaiatice, troca de presentes, e muita, muita alegria e descontração! Até o mais rabugento se tornava divertido! Lembro, ainda, que Eric pegava o violão (aprendeu sozinho a tocar) e sempre nos brindava com belas canções! Éramos um grupo integrado e unido (claro que, naturalmente, havia um ou outro ponto fora da curva, mas isso faz parte da vida em sociedade…)! No final das contas, éramos uma grande família.

Tive que deixar o CIL porque a Fundação Educacional passou a exigir que os docentes tivessem cursado disciplinas de didática na faculdade. Recordo-me de duas delas, cujas siglas me chamaram a atenção: FUDA (Fundamentos da Didática ou algo assim) e ESTRUFUNC (Estrutura e Funcionamento do Ensino). Assim, uma vez que não tinha FUDA nem ESTRUFUNC, não estava mais habilitado para lecionar nas escolas públicas do DF! Paciência! Foi ótimo enquanto durou e “o importante é que emoções eu vivi!”.

Em meu período no Centro de Línguas, fiz bons amigos entre alunos, funcionários e professores. E confirmei minha convicção de que alegria e felicidade são duas coisas que, quanto mais distribuímos, mais temos!

Faltam 13 dias para meu aniversário de 40 anos. Nesta data, quero deixar meu fraterno abraço a todos os amigos do Centro Interescolar de Línguas de Sobradinho e desejar-lhes muita alegria e felicidade! Vocês também foram muito importantes nestas primeiras 4 décadas!

PS: Aproveito para registrar que 25/11 é a data de nascimento de Harvey Spencer Lewis, um dos grandes místicos da primeira metade do século XX, e primeiro Imperator da Ordem Rosacruz, AMORC, para seu segundo ciclo nas Américas. Minha saudação calorosa a todos os fratres e sorores da R+C!

27. Fomos tão jovens! (24/11/2014)

Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?
Mateus 6: 26

Aos 20 anos, concluí a graduação em Relações Internacionais. Formei-me em julho de 1995, seis meses antes de minha turma. Consegui a proeza de cumprir 188 créditos em três anos e meio, 24 a mais do que os exigidos para o curso à época (164 créditos).

Éramos doze formandos dos cursos de Relações Internacionais e Ciência Política, dos quais dez mulheres (viva!). Apesar de não ser minha turma original, os formandos eram todos colegas e alguns bons amigos – o currículo dos cursos da Universidade de Brasília nos permitia um trânsito em vários semestres, de modo que era usual fazermos disciplinas com colegas de semestres anteriores e posteriores aos nossos.

Um fato marcante da formatura é que fui escolhido para orador da turma. Preparei um discurso para ser lembrado, buscando referência a nossa formação, à importância das Relações Internacionais e da Ciência Política, aos valores que nos foram ensinados, aos amigos que fizemos. Busquei sair do lugar comum dos discursos de formatura. E deu certo! O discurso foi marcante, muita gente chorando, emoções afloradas. Foi minha primeira e feliz experiência falando para mais de uma centena de pessoas! Cerca de quinze anos depois, recuperaria muito do que disse a meus colegas formandos em um discurso aos bacharéis da primeira turma em Relações Internacionais que me honrou com o convite para padrinho. As mesmas palavras tiveram impacto semelhante. Afinal, como certa vez me ensinou um Mestre rosacruz, “o que passa não é”.

Encerrava minha primeira graduação com muitos sonhos e poucas perspectivas. Apesar do excelente histórico acadêmico, dos programas de iniciação científica, e da disposição para trabalhar, naquela primeira metade da última década do século XX a procura por profissionais de Relações Internacionais no Brasil era praticamente inexistente. Poucos conheciam a graduação e as competências do profissional de Rel (como nós da UNB conhecíamos o curso), e eram raríssimas as ofertas de trabalho, tanto no setor público quanto na iniciativa privada, para um “bacharel em Relações Internacionais”. A maior parte de nós acabaria não trabalhando na área…

Formatura de Rel

Quanto a mim, esperava fazer uma grande viagem após o curso. Meus pais haviam-me convencido a não trabalhar durante a graduação e fazer o curso intensamente para concluir logo. Foi-me feita uma promessa de que seria por eles agraciado com essa sonhada viagem, por meio da qual poderia adquirir alguma experiência no exterior. Naturalmente, a viagem ficou só na promessa – não culpo meus pais, eles não tinham recurso para me ajudar com aquilo; fui ingênuo e bobo acreditando naquele sonho que, de fato, não se poderia concretizar dadas as minhas condições econômico-financeiras… mais uma lição dolorosamente aprendida! Que bom! Afinal, o que não mata, fortalece. E minha vontade de atuar no plano internacional só aumentaria.

Os meses que se seguiram à formatura não foram fáceis. Estava agora com um diploma de um curso superior muito exclusivo e de uma das mais renomadas universidades do País. Adiantou-me pouco. Entrava para as estatísticas do desemprego. Como ainda vivia com meus pais, não tinha muitas contas a pagar, e busquei diferentes maneiras de ganhar dinheiro: dava aulas particulares de francês, fui auxiliar de pesquisa do Professor Amado Cervo (uma sumidade na nossa área), com quem aprendi muito, fazia algumas traduções, e trabalhei como representante comercial de software de contabilidade – época divertida, quando rodei o Distrito Federal tentando vender software para todos os escritórios de contabilidade da região (gastei quase toda a sola de meu único par de sapatos)! Consegui algum êxito, o que me ajudava a pagar minha segunda graduação em Direito, no Ceub (hoje, Uniceub). Também busquei prestar alguns concursos públicos, experiência que contarei em outra oportunidade destas crônicas dos meus 40 anos.

Ao final do ano de 1995, resolvi tentar o Mestrado em Relações Internacionais da UnB. Pretendia continuar a carreira acadêmica, já tinha experiência em pesquisa científica (fora bolsista em um programa do Departamento de Economia, sob orientação de Flávio Rabelo Versiani, expoente na História Econômica do Brasil, trabalhara com Amado Cervo, e fui o terceiro aluno da história do curso de Relações Internacionais a fazer uma monografia de final de curso – que, à época, era optativa). Ademais, inscrevia-me para uma pós-graduação na instituição onde havia cursado a graduação e concluído com louvor o curso no próprio Departamento de Relações Internacionais. Continuaria estudando em minha Alma Mater!

Meu projeto de pesquisa para o Mestrado, lembro bem, era sobre “possibilidades de conflito no Oriente Médio e na Ásia Central no início do século XXI, e o risco do acirramento da presença estadunidense na região”. A temática, portanto, envolvia a essência das Relações Internacionais (a guerra e a paz). Fiz as provas, sendo nelas aprovado. Faltava apenas a entrevista em que discutiriam meu projeto. Grandes expectativas. E mais uma frustração adviria…

Na entrevista, os membros da banca me questionaram sobre o projeto. Era 1995, e os temas comuns de pesquisa eram meio ambiente, direitos humanos, a recém-criada Organização Mundial do Comércio e o liberalismo nas relações internacionais, Mercosul e integração regional. Guerra, Geopolítica (assunto proscrito à época) e Segurança Internacional estavam fora de cogitação aqui no Brasil. E ouvi de um dos membros da banca que “seria inconcebível uma hipótese de conflito no Oriente Médio e na Ásia Central no início do século XXI, ainda mais com uma intervenção armada dos Estados Unidos!” (isso mesmo que vocês leram… nunca me esqueci daquelas palavras). Recordo que o professor Argemiro Procópio argumentou com veemência em meu favor – nunca fora aluno dele, mas acho que percebeu que eu tinha potencial. A banca, ao contrário, não achava minha pesquisa pertinente… Afinal, como alguém poderia imaginar uma situação como aquela no século XXI, que estava por chegar em um ambiente internacional globalizado e de pós-Guerra Fria? Resumo da ópera: não fui aceito no Programa.

Confesso que fiquei muito frustrado à época. A impressão que tinha era de que todo o esforço na graduação, com excelentes notas ao longo do curso, com atividades extracurriculares e muito estudo, de nada me adiantaram. Relações Internacionais não me serviria para nada mesmo, acreditava eu! Nunca havia comentado sobre isso com alguém, mas me senti mal com o episódio…

Não obstante, o Sol sempre nasce no dia seguinte… Continuaria tocando a vida… E aprenderia com o episódio, simples assim! Nós rosacruzes sabemos que nada acontece por acaso, e o que era meu já me estava reservado. Em 1997, acabaria sendo aceito no Mestrado em História da UnB, linha de pesquisa de História das Relações Internacionais… Minha dissertação seria sobre o Tribunal de Nuremberg, tema absolutamente inédito na academia brasileira. Concluiria o mestrado com louvor, aqui assinalando minha gratidão à mui querida orientadora, Professora Albene Menezes (germanófila e historiadora de tremenda competência, uma orientadora e interlocutora sensacional, e uma grande amiga!), ao Professor Antônio Augusto Cançado Trindade (à época magistrado da Corte Interamericana de Direitos Humanos e hoje o juiz brasileiro na Corte Internacional de Justiça), que acabou se tornando uma espécie de coorientador e fundamental para a qualidade de nossa pesquisa, e aos estimados professores Rossini Corrêa e Amado Cervo, presentes ao longo do Mestrado e na banca final. Foi um trabalho muito interessante e daria origem a meu primeiro livro, “Tribunal de Nuremberg, 1945-1946: a Gênese de uma Nova Ordem no Direito Internacional” (Rio de Janeiro: Editora Renovar, 1ª edição, 2001, 2ª edição, 2004), com prefácio de Cançado Trindade, e primeira obra escrita por um lusófono sobre o maior julgamento da história. O livro renderia bons frutos e me faria conhecido nesse campo do Direito Internacional dos Conflitos Armados. Enfim, há males que vêm para o bem…

Depois do Mestrado, continuaria a vida acadêmica com quatro especializações (em Inteligência de Estado, em Direito Militar, em História Militar, e em Integração Econômica e Direito Internacional Fiscal), e o Doutorado (este sim no Departamento de Relações Internacionais, quando fui aprovado em primeiro lugar no concurso de admissão… outros tempos!). E o menino que alcançara a maioridade civil antecipadamente (o Código Civil da época estabelecia a possibilidade em razão de conclusão de curso superior), concluiria um Doutorado, o primeiro da família (pelo lado de papai e pelo de mamãe) a fazê-lo! O tema do Doutorado? Atividade de Inteligência – nunca deixaria o campo da Segurança Nacional e da Defesa… Em tempo: minha gratidão ao meu orientador, que se tornou um bom amigo, Professor Eduardo Viola, aos professores George Felipe de Lima Dantas e Eiti Sato, e aos queridos amigos Paulo Roberto de Almeida e Carmen Lícia Palazzo – todos de extrema importância naquele processo de amadurecimento como pesquisador.

Essas histórias da graduação e pós-graduação que compartilho com os amigos, faltando 14 dias para o meu aniversário de 40 anos, têm por objetivo, além de registrar minhas impressões pessoais sobre as primeiras décadas de vida (estou gostando disso!), ilustrar como a vida muitas vezes nos coloca em situações difíceis e frustrantes, mas que são fundamentais para que cresçamos, em um processo evolutivo que não permite retrocesso. O segredo, ao menos assim tenho aprendido, é nunca desanimar, perseverar nos objetivos, e seguir adiante, consciente de que, se não deu certo, é porque não era para ser…

Importante, ainda, buscar no Mestre Interior inspiração para fazer as escolhas adequadas, e no D’us do coração, no D’us da compreensão de cada um, a força e a confiança para continuar a jornada, com a certeza de que Ele não nos desampara! – ensinamentos rosacruzes que têm que ser vividos! Como disse o Mestre Jesus, “buscai primeiro o reino de D’us e a sua justiça… e tudo mais vos será acrescentado”. Acredito nisso.

Hoje compartilho as fotos de minha primeira formatura, em julho de 1995. Há uma com os que se formaram comigo. Mas fiz questão de colocar também duas fotografias da festa de formatura de minha turma de ingresso na faculdade (minha turma de fato), realizada seis meses depois – em uma delas é possível ver os três valetes juntos!

20141124_181246IMG_20170401_203533_249

Turma de Rel 1-92

26. Pelo Mundo (23/11/2014)

Navigare necesse; vivere non est necesse!
Pompeu

Faltam 15 dias para que eu complete 40 anos! E, direto das terras ludovicenses, escrevo sobre uma das minhas grandes paixões na vida: viajar! Pouca coisa me dá mais prazer do que sair pelo mundo a conhecer novos lugares, gente de diferentes matizes, culturas peculiares! Viajar é preciso!

Conheço pessoas que não gostam de viajar. Dizem não ter paciência para arrumar mala, sair do conforto do lar, pegar avião… Argumentam que preferem ficar em casa, conhecendo o mundo pela televisão, por meio de um livro ou recorrendo à internet… E tudo é motivo para não viajar: o destino é muito frio ou muito quente; agitado demais ou tremendamente monótono; longe ou muito perto… Não importa, sempre encontrarão um motivo para não fazer as malas e sair batendo perna por aí! Eu não as condeno! Mas comigo é o contrário.

Não sei de onde vem meu interesse por viajar. Talvez de mamãe, que sempre que tem oportunidade se lança ao mundo – bom lembrar que, numa dessas, ela veio para Brasília, conheceu papai, e o restante da história vocês já conhecem. Seu Jacob, por sua vez, é enraizado em casa, prefere o conforto do lar à surpresa de outros lugares… Pode ser de mamãe mesmo! Mas, claro, alguns diriam que tem a ver com o fato de ser eu sagitariano, ou com o mais íntimo de minha personalidade, ou com vidas passadas. Não sei de nada… só sei mesmo é que gosto disso!

Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo, conhecer outras terras, gente diferente, visitar lugares históricos, mergulhar em outras culturas! E queria fazê-lo viajando! Como não tínhamos dinheiro para isso, comecei a aprender pelos livros, revistas, tv, e decidi que me esforçaria para conseguir um emprego que me possibilitasse essas experiências. Pensei em ser comissário de bordo, jornalista, ou em trabalhar em algum organismo internacional… Daí minha opção por Relações Internacionais. Estava convicto de que, como internacionalista, meu mercado de trabalho seria o mundo, e minha profissão me levaria aos mais distantes locais do globo!

Claro que, devido às limitações financeiras, passei todo o curso de Relações Internacionais sem conhecer terras estrangeiras, restringindo-me a viajar algumas poucas vezes pelo Brasil mesmo. Naquela época, passagem de avião era coisa caríssima, carro eu não tinha, e aí ia de ônibus mesmo. Entretanto, por mais que gostasse de rodar pelo Brasil (e continuo adorando fazê-lo, pois nosso País é fantástico e diversificado), queria mesmo era me lançar ao mundo!

Só fui conseguir o que queria quando comecei a trabalhar. Então, a serviço ou nas férias, minha alegria era arrumar as malas e entrar em um avião para conhecer novas terras! E é o que tenho feito nos últimos 15 anos! Entre os lugares que já visitei estão Canadá, Chile e Alemanha (três países muito queridos, com os quais tenho uma relação bem especial, e onde já estive diversas vezes), Suécia (D’us abençoe o Reino da Suécia), Noruega (quando vivi o atentado de Oslo, pois estava em um hotel na rua atrás do local da explosão, no dia do ataque), Finlândia, Estônia (grandes experiências nesses dois países), França e Grã-Bretanha (dispensam qualquer comentário!), Bélgica (chocolate, cerveja, sede da União Europeia e da OTAN, campos de batalha), Portugal (nossas origens, nosso DNA!), Polônia (ah, Cracóvia!), República Tcheca (Praga é única!), Espanha (comprei uma espada em Toledo!), Argentina (alfajores, livrarias e boa gente!), Paraguai (conheci o Lago Azul de Ypacaraí – que de azul nada tinha), Peru (senti-me em casa entre os nativos!), Colômbia (só na fronteira), Falklands (que me desculpem os hermanos, mas é isso mesmo!), e, naturalmente, Estados Unidos (cujo nome já é múltiplo). Detalhe: quando gosto de um lugar, tenho por hábito voltar mais vezes. E a cada nova chegada, novos locais encontro para explorar: assim acontece, entre outros, com o Canadá, com minha querida Alemanha, com a Suécia, a França, e a Grã-Bretanha… Se gosto, volto! Por que não?

No meu Brasil, fico feliz em já ter passado por 21 das 27 capitais, e por outras cidades em pontos distantes. Em minhas atividades profissionais, tive a imensa satisfação de conhecer nossa preciosa Amazônia, visitar pelotões de fronteira, ir a rincões pouco conhecidos deste País continental! E me agrada tanto estar na megalópole paulistana quanto na pequena Clevelândia! O Brasil é lindo, e sua gente maravilhosa!

Indescritível a sensação de chegar em um lugar novo! Visões, sons e odores diferentes, locais a explorar, sabores pitorescos, gente diferente com quem conversar! Boas experiências, más experiências… Aprendizado intensivo, mesmo porque costumo viajar sozinho.

Prefiro viajar sozinho: faço meus horários e meus roteiros, tiro minhas centenas de fotos (sempre com meu tripé), passo o tempo que quiser em um determinado local… E, o melhor de tudo, acabo conhecendo gente fantástica. Nunca estamos sós quando viajamos sozinhos!

Definitivamente, tenho o bicho carpinteiro viajador. Sou econômico no dia-a-dia. Emprego meus recursos em viagens (excelentes investimentos!). Tenho uma malinha pronta em casa, e estou sempre disposto a pegar a estrada (não literalmente, pois não gosto de dirigir, e aprecio mesmo é a sensação de estar nas nuvens). Havendo a oportunidade, viajo!

Inspiro-me em um amigo, Gilberto Guerzoni. Solteiro, sem filhos, bom salário, Guerzoni usa seus 30 dias de férias por ano para rodar o mundo. Já conheceu mais de 150 países, da Groenlândia à Antártica, das florestas do Peru à savana africana, esteve em Galápagos e no Vietnã, na Austrália e em Kosovo, foi mesmo até Chernobyl. Esse é meu amigo, que preenche todas as folhas do passaporte muito rapidamente. Claro que estou longe de alcançar Guerzoni, mas pretendo continuar meus próximos quarenta anos viajando! Navegar é preciso!

25. Los tres Valetes (22/11/2014)

Mais vale ter amigos que tesouros acumulados.
Provérbio russo

O que leva determinadas pessoas, entre as mais de 7,5 bilhões que povoam o planeta, a se encontrarem com outras especificamente, e tornarem-se grandes amigos? Os místicos sabem que o acaso não existe, daí minha plena convicção de que cada ser humano que cruza meu caminho não o faz aleatoriamente e que nos encontramos (ou reencontramos) porque somos parceiros de caminhada e nos ajudaremos (consciente ou inconsciente) a aprender algo na vida. Dessa maneira, há aqueles que aparecem, juntam-se a nós na jornada por um tempo, e depois somem de maneira indeterminada (ao menos para os que não conhecemos os desígnios do Criador). Outros amigos permanecem sempre conosco, independentemente de estarem fisicamente ao nosso lado, e nossos caminhos se cruzam com frequência. Convém ter em mente que as duas categorias de pessoas são relevantes em nossa vida.

Hoje, a 16 dias do aniversário, e ainda escrevendo sobre a primeira Graduação, dedico a crônica dos meus 40 anos a duas figuras ímpares que conheci ao chegar à Universidade de Brasília para cursar Relações Internacionais: Mario Jorge e Maurício. Formaríamos um triunvirato, unidos para começar a caminhada naquela fase importante de nossa vida. Viveríamos situações inusitadas, dentro e fora da UnB.

Tínhamos praticamente a mesma idade. Maurício era alguns meses mais velho, e Mário o mais novo. Vínhamos de origens bastante distintas, mas, por alguma razão que a razão desconhece, descobriríamos muitas coisas em comum que acabariam nos aproximando. Nos anos que se seguiriam, estaríamos juntos para apoiar e criticar um ao outro, vivenciando situações como os porres de um (enquanto os outros dois não bebiam – claro que não contarei de quem foi), as namoradas (e o fim de namoros), a tomada (com estratégia) do Centro Acadêmico (em uma eleição vitoriosa sobre a chapa da situação), as festas, a pressão dos estudos e as inúmeras disciplinas, uma viagem a Cabo Frio, meus primeiros momentos aprendendo a dirigir (com o quase acidente na Brasília amarela), e a formação de “Los tres Valetes”.

Mário, o Mariozinho, conheceria logo na pré-matrícula. Lembro como se fosse hoje: chegando para conversar com o coordenador do curso e escolher as disciplinas, topei com ele e outro colega nosso, o Bruno, pois os dois já se conheciam do Colégio Militar de Brasília. Começamos a conversar e dali surgiu uma grande amizade. Mariozinho, cabeça de piloto, era o mais racional dos três valetes, vinha de uma família de militares (o bisavô foi um general importante do período militar, que alcançara a presidência da república) e chegou a ingressar na Academia da Força Aérea. Muito inteligente e centrado, fizemos várias disciplinas juntos, tínhamos identidade ideológica (estávamos entre os poucos que se declaravam mais à direita – bem à direita, diga-se de passagem – naquele mar de cultura esquerdista), e compartilhávamos muitos pontos de vista. Certa vez, decidimos cursar Cálculo I como disciplina optativa e lideramos um movimento de vários colegas de Relações Internacionais a essa empreitada insana – ao menos para a maioria de nós, que mal conhecia as operações básicas. Resultado: ao final do semestre, só o Mário, sua namorada – nossa colega de curso –, e eu concluímos a disciplina. Para mim foi gratificante, pois consegui cursar Cálculo, concluir a disciplina com êxito e confirmar, definitivamente, minha total incompetência para a Ciência Pitagórica!

Outro episódio que ficou na memória ocorreu quando eu e Mário compramos um pequeno dicionário de russo (um exemplar para cada) na livraria da UnB. Começamos a estudar o cirílico e a aprender algumas palavras. Passamos a escrever em cirílico. Sentávamo-nos no fundão da sala nas aulas mais chatas e ficávamos jogando forca em russo. Coisas de gente de Relações Internacionais…

Lá pelo meio do curso, Mário começou a cursar Direito em outra faculdade. Iria se tornar um competente advogado, depois de passar algum tempo como piloto privado (sim, porque sempre foi fascinado por aviação), até que prestaria concurso para juiz aqui no Distrito Federal. Hoje, meu amigo é magistrado – e fico feliz com isso, pois sei que o Poder Judiciário do DF conta com um juiz altamente competente e, acima de tudo, absolutamente íntegro. Em tempo: foi Mário o grande responsável, junto com meu pai, a me instigar a cursar Direito. Devo a eles essa decisão fundamental para minha vida. Continuamos a nos encontrar com frequência para longos almoços ou degustações de cerveja juntamente com outro amigo e irmão dos tempos da universidade (o quarto elemento do trio), meu caríssimo Ricardo Nery. O que posso dizer de Mariozinho é que ele foi um irmão que encontrei na universidade.

O segundo dos três valetes, Maurício, era filho de um servidor do Banco Central (não lembro o que fazia sua mãe). Maurício era um sujeito que tinha o coração duas vezes maior do que ele. Amigo de toda hora, era o emotivo do grupo, brincalhão, permanentemente sorridente. Era aquele amigo que sempre tinha uma boa piada para contar, ou uma mensagem reconfortante quando estávamos chateados com alguma coisa. Não ligava muito para política estudantil e era bem mais moderado que Mário e eu. Mas estava junto se precisássemos dele! Lembro que, depois da vitória em uma difícil eleição para o Centro Acadêmico de Relações Internacionais (em uma chapa construída por Mário – o tesoureiro – e eu – vice-presidente –, mas da qual Maurício não participou diretamente), tivemos que mudar as instalações do CA. E quem carregou os armários, livros e toda a parafernália de um lado para outro fomos eu, Mário… e Maurício! Parece uma história boba, mas foi marcante o peso daqueles armários, só superado pelo dos desafios que tivemos que enfrentar em nossa gestão.

Maurício foi quem me ajudou muito quando estava aprendendo a dirigir. Dava-me dicas de como conduzir um veículo – detesto dirigir – e se aventurava a bordo de uma Brasília amarela que meu pai tinha e com a qual comecei a dar minhas primeiras voltas de carro. A Brasília, primeiro carro que papai comprara na vida, alguns dias antes do Plano Collor, era mais velha que nós, mas servia bem a nosso propósito. Certa vez, Maurício e Mário foram comigo para a zona rural de Sobradinho (no antigo polo de Cinema e Vídeo), para que eu, ainda com a carteira de motorista recém-tirada, pudesse treinar um pouco com o carro. Mário vestido com macacão de piloto, com uma câmera na mão. Comecei a dirigir na estrada de piçarra. Despenhadeiros de um lado e do outro (sim, porque Sobradinho é uma região serrana aqui no DF). Segue para cá, segue para lá. Em determinado momento, perdi o controle da direção. A Brasília rodou conosco. Meu Anjo da Guarda, sempre atento, segurou o veículo. Depois de umas voltas, a Brasília parou na beira de um precipício. Aquela tinha sido por pouco. Claro que foi tudo filmado. Mas a imagem que melhor ficou foi na memória: nós três dentro do carro, girando em alta velocidade e parando à beira do precipício. Foi tenso, mas divertido. E, prova inconteste de amizade, mesmo depois desse evento inusitado, os dois ainda continuaram me dando aulas de direção…

Também viajamos juntos. Fomos os três passar uns dias em Cabo Frio. Aproveitamos bastante, vivemos situações singulares e nos divertimos muito. Paro por aqui. O que aconteceu em Cabo Frio fica em Cabo Frio, hehehehe!

E por que “los tres valetes”? Outra boa história… Já para o fim do curso, descobrimos que sabíamos cantar. Não tocávamos nenhum instrumento, a não ser nossos dedos que estalávamos, mas conseguíamos cantar bem à capela. Cantávamos nos intervalos das aulas, na hora do almoço, sempre que tínhamos um tempinho em meio à correria do final do curso. E até que fazíamos algum sucesso – sobretudo quando vinha algum professor de dentro da sala de aula pedir para que nós, nos corredores da FA, parássemos de cantar! E cantávamos de tudo: Tom Jobim, Vinícius, Beatles, MPB em geral… Quando não sabíamos a letra (e geralmente conhecíamos pouco), íamos à la Ray Conniff… Eu, geralmente, fazia a primeira voz, e Mário e Maurício acompanhavam. Éramos “Los tres valetes”: Maurício, o valete de copas, Mário, o de ouro, e eu, o de espada (ninguém queria o valete de paus!). E nos divertimos bastante! Chegamos até a cogitar cantar na formatura!

Como todo ciclo, nosso período de faculdade acabou. Eu me formei um semestre antes de Mário e Maurício – adiantei meu curso e o concluí em três anos e meio. Acabaríamos nos separando, cada um seguindo seu rumo. Maurício já saía empregado na Embaixada da Argentina e, praticamente, casado. Mário continuaria seu curso de Direito, e passaria um tempo como piloto, rodando o mundo em jatinhos. E eu, bem, eu, com um diploma de bacharel em Relações Internacionais e sem qualquer perspectiva profissional, buscaria um rumo na vida… E “los tres valetes” chegava a seu fim.

Como disse, ainda continuo em constante contato com Mariozinho. Nossa amizade permanece mais firme do que nunca. Perdi completamente o contato com o caríssimo Maurício. Tentei encontrá-lo nas redes sociais e pela internet, sem sucesso. Espero, sinceramente, conseguir reencontrar esse bom amigo nos próximos 40 anos. E, quem sabe, possamos relançar nas paradas “los tres valetes”!

[Em tempo: no meu aniversário de 40 anos, restabeleci o contato com o querido amigo Maurício! Coloco aqui uma foto nossa, com 25 anos e alguns quilos de diferença. O próximo passo é a volta de “los tres valetes” ao mundo da música!]

Los tres valetes

24. Universidade (21/11/2014)

A coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio conhecimento.
Platão

Tinha acabado de completar 17 anos. A notícia da aprovação para o concorrido curso de Relações Internacionais ainda não fora plenamente assimilada. Afinal, começava uma nova e importante fase de minha vida: tornava-me universitário!

Pré-matrícula: chegávamos perdidos, éramos calouros. Gente diferente. Escolha de disciplinas. Pilhas de papel com ofertas de cursos. E o primeiro contato com os novos colegas.

Nossa turma era pequena, 23 calouros de diferentes pontos do país – como só havia Relações Internacionais na Universidade de Brasília e na Estácio de Sá, até meados da década de 1990 afluíam para a UnB estudantes interessados em se tornar internacionalistas (nem sabíamos que era assim que viríamos a ser chamados). E tínhamos os colegas estrangeiros, estudantes de todos os continentes – afinal, estávamos em um curso de Relações Internacionais!

Disciplinas: Introdução às Relações Internacionais, Ciência Política, Direito, Economia… Tínhamos muito a aprender, muito o que escolher. O curso, tremendamente interessante, ensinar-nos-ia a sobre a paz e a guerra, a influência das ideologias nos destinos da humanidade, o papel da Política entre as nações, a importância da Economia (“A Economia, estúpido!”), o Direito das Gentes… Aprenderíamos sobre as quase duas centenas de países, seríamos instados a analisar as condutas dos atores internacionais, a entender as “forças profundas”. Compreenderíamos o valor da História e os dilemas da Teoria… E acabaríamos descobrindo que o mundo é uma pequena e complexa aldeia, que os homens, apesar de suas diferenças, pertencem todos ao gênero humano, e que, no fim das contas, são ricamente iguais. Tudo isso aprenderíamos em Relações Internacionais. O curso nos traz um grande cabedal cultural e nos faz singulares.

Entretanto, as melhores memórias da universidade são as de fora da sala de aula. As festas, os encontros e as conversas na FA, as tardes e noites na biblioteca (e os cochilos nas caixas onde deveríamos estudar os volumosos conteúdos para as complexas provas), o almoço no Bandejão (com salitre, suco e gelatina de laranja, de vermelho, de verde…)… Episódios e momentos inesquecíveis, lembrados com clareza ainda hoje, duas décadas depois.

Obviamente, disso tudo, o que melhor guardamos em nosso coração foram as pessoas que conhecemos e os amigos que fizemos. Sim! Fiz boas e perenes amizades, algumas delas que se mantêm fortes e inabaláveis duas décadas depois. Alunos, professores, funcionários, colegas e amigos do Brasil e de outros países! Muito bom quando encontro pelo globo os amigos da UnB, com as consequentes alegres lembranças daqueles tempos que não voltam mais!

E, a 17 dias de meu aniversário, essas lembranças confirmam que o mais importante legado dos tempos da universidade foram os amigos que fizemos. Meu abraço carinhoso a todas aquelas pessoas que contribuíram com sua presença em nossa caminhada!

Unb