Os setenta anos da morte da Besta

hitler-Recorte-de-jornal-com-a-notícia-da-morte-de-HitlerO dia era 30 de abril. O ano, 1945. O local, Berlim, capital de uma nação completamente arrasada. De fato, a cidade em escombros testemunhara a ascensão e queda de um regime e de um país que, em 12 anos, saíra do caos da instabilidade política, econômica e social, tornara-se a nação mais poderosa da Europa, conquistara todo um continente, afrontara as grandes potências da época, matara milhões de seres humanos, tivera seu território invadido, ocupado e destruído, com perdas irreparáveis. E tudo isso, sob motivação da voz inigualável e do discurso de ódio de um homem, ao qual milhões de alemães chamariam de Líder.

Ele era naturalizado alemão (de fato, havia adquirido aquela nacionalidade apenas algumas semanas antes de chegar ao poder). Nascido na Áustria, filho do segundo casamento de um funcionário público de quinto escalão, órfão de pai ainda cedo, muito jovem se viu sozinho, vagando pelas ruas da Viena dos Habsburgos em busca de trabalho e de sucesso. Nada conseguiu em sua terra natal… Atravessou a fronteira e foi viver em Munique, onde permaneceu um excluído artista frustrado, sobrevivendo de bicos e fazendo crescer o ódio em seu coração.

129958-004-C9B8B89DTudo mudou com a Grande Guerra (ah, sempre a Grande Guerra!!!). Ele se alistou no regimento bávaro, e foi combater no front ocidental, lutando pelo Kaiser e pela pátria. Amadureceu muito naqueles quatro anos de terrível guerra, foi ferido em combate algumas vezes, tornou-se cabo, e ganhou a Cruz de Ferro de primeira classe, maior comenda do seu Exército, raramente concedida a não-oficiais. Nos estertores do conflito, sofreu um ataque de gás e caiu enfermo. Foi no hospital que soube da notícia da capitulação alemã. E chorou.

De volta à vida civil, não conseguia emprego. Acabou se infiltrando em um pequeno partido de trabalhadores e outras pessoas insatisfeitas com o resultado da Guerra. Era uma época de disputas ideológicas acirradas, de tentativas de revolução e golpe, de combates nas ruas, de hiperinflação, desemprego e miséria, de frustração pela derrota. Sua agremiação era apenas uma dentre as tantas que a Alemanha de Weimer viu florescer sob discursos radicais de direita e de esquerda. Porém, seria ali, reunido com alguns poucos nas cervejarias da capital bávara, que ele descobriria sua verdadeira vocação: não seria pintor ou arquiteto! Seria um homem público, um político, um líder.

Sob sua orientação direta, o partido ganhou novo nome e uma bandeira. A cruz gramada seria para sempre associada àquele homem, que a inseriu em um círculo branco sob fundo vermelho. Milhões jurariam fidelidade àquele pavilhão e a seu criador, e botas marchariam de norte a sul e de leste a oeste seguindo o símbolo e as idéias de ódio e superioridade racial, em busca do sonho de se tornarem senhores do mundo.

Em 12 anos, o pequeno partido se tornou poderoso e, no dia 30 de janeiro de 1933, o cabo austríaco, líder absoluto e inquestionável do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, seria convidado pelo velho Marechal Hindemburgo, outro herói de guerra, para se tornar o chefe de um novo governo, que levaria ao estabelecimento de um regime que não encontrou precedentes na história e que lançaria seu povo no meríodo mais rico e também mais obscuro até então.

O III Reich deveria durar 1000 anos. Durou apenas 12. Mas foram doze intensos anos, de progresso, desenvolvimento, recuperação do orgulho ferido…mas também de destruição, preconceito, ódio e morte. O que aconteceu naqueles anos tem sido objeto de estudo, reflexão e incompreensão nas últimas sete décadas, dando margem a obras nas mais diversas áreas sobre inexplicáveis 12 anos.

4144912_x720Agora, em 30 de abril de 1945, tudo se tornara ruínas: as idéias, as conquistas, o país. Berlim sobre os escombros, sob o fogo constante e o barulho ensurdecedor da artilharia soviética, e com tropas inimigas conquistando suas ruas, era o símbolo de toda a destruição causada por aquele homem e seus seguidores.

Para ele, tudo estava consumado. Seu projeto de domínio do planeta encontrava-se agora sob os escombros de uma cidade arrasada, de um povo acabado, de um país exaurido. Como último ato daquela tragédia épica, consciente de que sua existência não seria mais cabível no inferno que ele mesmo criara, decidiu abandonar sua gente e tirar a vida. E assim o fez, com tiro na cabeça. Acabava ali o vagabundo que se tornara o homem mais importante de seu tempo.

Em poucos dias, a guerra na Europa também chegou a termo. Mas as marcas deixadas nos 12 anos em que estivera no poder, jamais serão removidas. Sob sua voz forte e seu olhar hipnótico, o mundo foi posto de ponta-cabeça, com o sacrifício de 100 milhões de vidas em seis anos.

Nada mais precisa ser dito sobre ele, que será sempre lembrado como a encarnação do mal. Neste 30 de abril de 2015, celebra-se (e esta é a palavra) os 70 anos de sua morte. E que nunca mais outro como ele caminhe sobre a face da terra!

adolf-hitler

O maior estádio do mundo…

Matéria interessante sobre o estádio que os nazistas pretendiam construir perto de Nuremberg… Claro que nem se compara aos que um certo país da América do Sul pretende fazer para certos grandes eventos… ao menos nos custos…

10/18/2012 05:44 PM

Hitler’s Secret Grandstand – The Nazi Plan to Build World’s Biggest Stadium

By Katja Sebald

Seventy-five years ago, Adolf Hitler laid the cornerstone in Nuremberg for what was meant to be the world’s biggest stadium. It was never completed, but a gigantic test grandstand was erected on a Bavarian hillside 40 kilometers away, just to test the acoustics and sight lines. Its concrete remains convey Hitler’s crazed megalomania.

It must have been a glorious day for the tiny village of Achtel, in Hirschbachtal, not far from the southern German city of Nuremberg. Adolf Hitler himself had bestowed the honor of his presence along with his architect Albert Speer and several top Nazi party officials. Photographers couldn’t get enough of what they thought would become a magnificent moment in history. The high-ranking delegation had come to inspect a massive construction site on a local hill — one that had begun taking shape in recent months — and which seemed radically out of place.

Small and disoriented, that is how visitors were supposed to feel in the presence of the edifice being built. Hitler himself referred to it as “words of stone,” which, he added, were to be stronger than anything that could ever be spoken. Continuar lendo

Sugestão de destino para as próximas viagens…

Essa quem me enviou foi o caro amigo Alexandre A. Rocha. Certamente vai figurar no roteiro de futuras viagens!

The Wolf’s Lair, a 200-building encampment in the Polish forest from which Hitler, seen there on July 15, 1944, gave commands, fell into disrepair after the war. Gedenkstaette Deutscher Widersta/A.F.P. – Getty Images

Interessante preocupação dos poloneses em recuperar um lugar histórico. Importante manter viva a lembrança do passado, até mesmo para que não se repitam os acontecimentos fatídicos daqueles anos sombrios… A matéria me faz pensar ainda o quanto nós brasileiros pouca atenção damos a nossa memória. Certa vez, quando estava em Estocolmo e tinha que decidir entre os inúmeros museus para ir em tempo escasso, tomei consciência de que na capital do Brasil (e, provavelmente, na maior parte das cidades brasileiras) isso não seria um problema! Decepcionante e vergonhoso imaginar como em Brasília não temos um grande museu, um museu histórico de peso ou um de História Natural… Será que não temos história ou o que nos falta mesmo é memória?

Apesar de sermos a sexta economia do mundo, não, não somos desenvolvidos… ainda vamos demorar muito para sermos uma grande nação e mais ainda para chegarmos à categoria de civilização…

September 17, 2012
 

Restoring the Walls, and the History, at Hitler’s Wolf’s Lair

By JOANNA BERENDT

KETRZYN, Poland — For nearly three years, Hitler commanded the Third Reich from a vast network of bunkers and buildings hidden in the forest here, guiding his genocidal war effort from an encampment called the Wolf’s Lair. Continuar lendo

Neonazistas e a inteligência doméstica alemã

Para quem acha que só por estes lados é que a inteligência escorrega, segue matéria do El País, enviada pelo meu amigo Marcus Reis, sobre o caso da destruição de arquivos referentes a organizações neonazistas pela inteligência doméstica alemã… Atente-se para a importância do controle externo parlamentar da atividade de inteligência em situações como essa.

El espionaje alemán destruyó pruebas de la trama neonazi

La banda grabó en vídeo asesinatos de inmigrantes y reivindicaciones

Berlín7 JUL 2012 – 22:35

El trío de Jena, Beate Zschäpe, Uwe Böhnhardt y Uwe Mundlos. / REUTERS

La estupefacción general tras conocerse que los servicios secretos internos alemanes (BFV) habían destruido expedientes relacionados con la banda terrorista neonazi NSU queda expresada en una frase del presidente de la Comisión parlamentaria que investiga el caso, el socialdemócrata Sebastian Edathy: “esto no contribuye a desterrar las teorías conspiratorias”. Continuar lendo

Prisioneiros do passado…

Nada tem a ver com o post anterior, apesar dos títulos. Achei interessante essa entrevista da Spiegel sobre como os alemães ainda são reféns dos acontecimentos da primeira metade do século XX. O engraçado é que vi a matéria logo depois de assistir novamente Berlim 36 e O Triunfo da Vontade (para treinar meu alemão…). Recomendo leitura e também os dois filmes. Sem maiores comentários…

Spiegel.com 06/22/2012 05:31 PM

Interview with Daniel Barenboim: ‘The Germans Are Prisoners of Their Past’

World-famous Argentine-Israeli conductor Daniel Barenboim is noted for his strong views on the Middle East peace process and for performing Wagner’s music in Israel. In a SPIEGEL interview, he explains why the Israeli antipathy toward Wagner is grotesque and argues that Israel shouldn’t depend too much on Germany and the US for support.

SPIEGEL: Mr. Barenboim, why are you fighting to perform the music of Richard Wagner in Israel? No other composer is as hated there as this anti-Semitic German composer. Continuar lendo

Submarinos alemães e armas nucleares israelenses

Muito interessante a matéria da Spiegel sobre a estreita cooperação entre alemães e israelenses no campo da Defesa (recomendo a leitura, sobretudo a meus alunos de Relações Internacionais). A Alemanha fornece a Israel submarinos com capacidade de transportar mísseis nucleares deste último. Alguns setores da mídia alemã têm defendido que “a Alemanha tem o dever histórico de contribuir para a defesa de Israel”…

Segundo Benjamin Netanyahu em entrevista a um jornal alemão, esse tipo de ajuda é sempre importante para a segurança nacional israelense. E completou, parafraseando Churchill: “dêem-nos as ferramentas que nós cuidamos do trabalho de nos defender”…

Apesar das críticas da oposição no Bundestag, os négocios de armas alemães vão bem, obrigado. Não é à toa que o país é um dos grandes exportadores mundiais de armamentos. Bem que podíamos aprender com os alemães…

Os submarinos alemães são uma importante arma de dissuasão para Israel, sobretudo se podem ser equipados com mísseis nucleares. E, nesse complicado jogo de pode na região, Israel acaba marcando ponto com essas armas. Afinal, nada como alguns kilo ou megatons de diplomacia…

Certamente, a parceria Berlim-Tel Aviv deixa o tabuleiro do Oriente Médio mais complexo… E os iranianos que coloquem suas barbas de molho…

Der Spiegel online – 06/04/2012 06:11 PM

Operation Samson: Israel’s Deployment of Nuclear Missiles on Subs from Germany

Many have wondered for years about the exact capabilities of the submarines Germany exports to Israel. Now, experts in Germany and Israel have confirmed that nuclear-tipped missiles have been deployed on the vessels. And the German government has long known about it. By SPIEGEL Continuar lendo

Paris e Berlim: trabalhando pelo crescimento…

Alguém esperaria uma notícia diferente desta sobre o primeiro encontro Merkel-Hollande após a posse do novo Presidente francês? Quero ver é como vão fazer isso… Se o casamento franco-alemão começar a degringolar, o bloco inteiro poderá colapsar…

Paris et Berlin travailleront ensemble sur la croissance

Reuters.fr mardi 15 mai 2012 23h09

BERLIN (Reuters) – France et Allemagne sont convenues mardi à Berlin, à l’occasion d’un premier entretien entre Angela Merkel et François Hollande, de présenter en commun des idées sur les moyens de relancer la croissance européenne au Conseil européen du mois prochain. Continuar lendo