14. O menino e a Guerra (11/11/2014)

Si vis pacem, para bellum.
Brocado latino

Hoje é 11/11/2014, e faltam 27 dias para meus 40 anos! Por mais estranho que possa parecer, o dia 11/11 é uma data sempre muito importante para mim… Afinal, foi na 11ª hora, do 11º dia, do 11º mês do ano de 1918, que chegou ao fim a I Guerra Mundial, a Grande Guerra.

O menino e a guerra1Você deve estar se perguntando qual a razão dessa data ter algum significado para mim. De fato, ela nem é conhecida, tampouco lembrada, por 99,99% dos brasileiros! Por que alguém que nasceu e cresceu no Brasil, país sem tradição republicana de envolvimento em conflitos armados, se interessaria por polemologia (do grego, polémikus, conflito – o estudo dos conflitos)? O que tenho eu a ver com isso? Sinceramente, não sei… a única coisa que sei é que a guerra sempre me fascinou e o interesse pelos conflitos armados esteve junto de mim desde muito cedo…

Não tenho qualquer parente militar… De fato, talvez o parente mais próximo meu que tenha chegado perto da caserna deve ter sido algum primo que fez tiro de guerra no interior do Maranhão. Meu pai nunca teve qualquer interesse em assuntos militares, guerra ou história dos grandes confrontos bélicos. Nem filmes de guerra papai costumava ver. Durante toda a infância e juventude, estive inserido em instituições civis, jamais cursei escola militar e fui dispensado do serviço militar obrigatório por excesso de contingente. Apesar disso tudo, é inerente a minha pessoa essa fixação pelos grandes conflitos.

O menino e a guerra2Interessante que, na tenra infância, já lembro de brincar com meus soldados de plástico. Ah! Como gostava dos meus soldadinhos de uma única cor! Alemães azuis, japoneses amarelos, americanos verdes. Tinha também os soldados do Velho Oeste, com alguns de branco (que logo associava aos confederados se quisesse brincar de Guerra de Secessão), os azuis (da 7ª Cavalaria), e os vermelhos (índios que, normalmente, estavam em maior número e levavam a melhor). E tardes inteiras se passavam em batalhas constantes!

Geralmente, brincava só comigo mesmo… Meus pais não me permitiam brincar na rua com os outros meninos (não os culpo nem tenho qualquer queixa por isso!). Sobrava-me, então, divertir-me sozinho, brincando de guerra com meus soldados. E como gostava de comandar os exércitos! Sob meu comando, exércitos em lados distintos se digladiavam nas minhas brincadeiras infantis! E de nada mais precisava para ser feliz!

Qualquer brinquedo que ganhava, virava logo uma peça militar para as campanhas da infância… Se me davam um carrinho, obviamente ele se transformava em uma viatura. Minha madrinha costurava saquinhos de arroz, que eu usava como barricada para proteger minhas tropas. Era um aviãozinho que ganhei de aniversário? Não, uma aeronave de combate.

A falta de recursos financeiros e a criatividade faziam com que sucata e papelão fossem reciclados em brinquedos (nada comparado aos ossinhos de boi e os gravetos que papai usava como brinquedo em sua paupérrima e curtíssima infância – lembro que meu pai começou, de fato, a trabalhar com 5, isso, cinco anos de idade, ajudando na lavoura). Caixas de papelão viravam edifícios e casas, onde se escondiam soldados para trocar tiros com o inimigo. Barquinhos de papel só tinham razão de ser se fossem buques de guerra, com canhões de palito de fósforo, inclusive. E até potinhos de iogurte colados transformavam-se em “robôs-soldados” quando a brincadeira envolvia a guerra do futuro.

O menino e a guerra3Na minha infância, qualquer aviãozinho de papel virava uma aeronave de combate. E, com 7, 8 anos, já fazia esquadrilhas de cores e tamanhos distintos e, inconscientemente, reproduzia formações que depois viria a descobrir que existiram realmente durante as guerras mundiais: pequenos caças escoltando bombardeios. Não me pergunte de onde tirava essas ideias!

Nas poucas vezes em que estava com outras crianças, as brincadeiras descambavam para reprodução de batalhas. Uma casa em construção, por exemplo, era cenário perfeito para formarmos dois “times” e fantasiarmos um combate à la Stalingrado. Futebol, bola de gude ou pipa? Não tinha paciência para isso não…

Sempre me fascinaram os filmes e séries de guerra (posso assegurar, com relativa tranquilidade, que já vi a maioria produzida no Ocidente). Livros de história militar logo começaram a ocupar minhas estantes – conhecimento esse que, com imenso prazer, adquiria sobre as guerras da História, com ênfase nos dois grandes conflitos do século XX e na Guerra Civil americana.

O menino e a guerra6De armamentos entendo pouco. O que me fascinava mesmo era a estratégia, a maneira como os generais dispunham suas tropas, as grandes batalhas e, sobretudo, os efeitos da guerra sobre as pessoas… Sim, porque é na guerra que a condição humana chega aos extremos da perversidade e da benevolência, do egoísmo e da generosidade, do desprezo pelo outro e do sacrifício mais nobre, da traição e da mais canina fidelidade. Na guerra, as pessoas se revelam, e se transformam. E, qualquer um que tenha o infortúnio de viver a guerra, nunca mais será o mesmo! Minha fascinação pela guerra talvez repouse no fato de que ela parece ser uma condição essencial da natureza humana, e algo sempre presente desde que os primeiros homens caminharam sobre a terra!

Sempre fui um menino completamente aficionado pela guerra. Os cínicos ou os mais críticos dirão que é certamente porque não a vivi na pele. Para estes, sempre lembro de Sir John Keegan, provavelmente o maior historiador militar do século XX, falecido em 2012 aos 78 anos, que, em um de seus livros sobre a guerra, queixava-se de pertencer a uma geração que não mais convivia com o fenômeno que tanto o fascinava.

Haverá outros que se ofenderão com esse meu interesse na guerra. Mas o que posso fazer? Estou relatando o que sei e como me sinto! Não tenho culpa se é mais comum aqui no Brasil se interessar por futebol, ou por novela, ou pela vida dos outros. Eu, honrosa exceção, sempre fui fascinado pelo fenômeno da guerra! E isso é um aspecto importante dessas minhas primeiras quatro décadas encarnado neste plano!

Assim, aquele menino que brincava com soldadinhos de plástico cresceu, especializou-se em História Militar como hobby, coleciona (e assiste com frequência) filmes de guerra, tem prazer em ouvir marchas militares (mas não só elas, claro!), e está sempre a adquirir novos livros sobre os conflitos armados (muitos dos quais só espera ler na velhice – ou numa outra encarnação). Também se tornou especialista em Segurança Nacional e Defesa, trabalha com temas que envolvem diretamente as Forças Armadas, tem muitos amigos militares. E, quando viaja, o menino não visita estádios ou vai a teatros ou shopping centers (ou só a shopping centers). Quando viaja, o menino que cresceu busca encontrar e conversar com pessoas que viveram guerras, conhecer museus militares, campos de batalha e cemitérios onde repousam combatentes, para que possa render homenagem àqueles que sacrificaram o que tinham de mais precioso por uma causa, àqueles para os quais o tempo parou, àqueles que conservarão a eterna juventude, àqueles que sempre serão lembrados.

Para as crônicas de meus 40 anos, tinha que registrar essa característica que me é peculiar: o interesse pela guerra, desde pequenino, e sem qualquer justificativa ambiental, familiar, ou mesmo racional. Certamente os místicos têm explicação para isso. Mas essa é outra história…

20140606_114622

13. Vovô, o campo de batalha, e a Santa Isabel (10/11/2014)

A coroa dos velhos são os filhos dos filhos; e a glória dos filhos são seus pais.
Provérbios 17:6

Apesar do pouco que passamos juntos, Vovô Sother foi muito marcante em minha vida. “Seu Sota” lia muito (apesar de, como disse ontem, não ter concluído o ginasial), o que fazia dele homem de vasta cultura, sendo conhecido e respeitado na cidade de Caxias. Para mim, era aquele senhor muito magro e de cabelo absolutamente branco, de quem eu gostava de estar perto, pois sempre tinha algo para me ensinar sobre a vida.

Na minha infância, adorava quando, nas férias, viajava para Caxias para a casa de meus avós. Ali brincava em um imenso quintal, com uma grande mangueira ao centro, imponente e em cuja sombra repousava à tarde depois do almoço, degustando seu fruto como sobremesa! Corria pelo jardim cuidado por vovó, dormia em rede (coisa que não consigo fazer hoje), onde também balançava tanto, imaginando ser um piloto de guerra a bombardear as cidades inimigas, que uma vez caí e ralei as costas de um jeito que carrego a cicatriz do tombo até hoje! Bebia litros de Guaraná Jesus (sonho cor-de-rosa!!!), que meu avô comprava pouco antes de nossa chegada, e, repito, adorava ficar perto do velho Sother.

Também me divertia passeando pela cidade de minha mãe, onde ocorreram as batalhas da Balaiada. Ainda muito, muito pequeno, a felicidade era plena quando vovô me levava para o alto do Morro do Alecrim, onde havia ruínas do que fora uma construção bombardeada durante os combates e a praça com a estátua do Duque de Caxias, ladeada por dois canhões usados no conflito. Interessante o quanto gostava, desde a mais tenra infância, de locais de batalha e de temas relacionados à guerra – meus brinquedos sempre foram soldados de plástico, e todo carrinho que ganhava logo virava, de alguma maneira, um veículo militar requisitado pelas tropas…

Porém, o lugar mais marcante de Caxias depois da casa de meus avós era a Santa Isabel, um pequeno sítio comprado por Seu Sother e nomeado em homenagem a vovó Sidoca (cujo nome de nascimento era, de fato, Isabel). Ali, sempre me lembrarei da casa ao centro (pequena e simples, mas que para mim era gigante e um lugar a ser explorado, com baús que me reservavam tesouros históricos, e com peças antigas – como uma espada e algumas espingardas – pregadas às paredes!). E, diante da casa, a pitombeira! Ah, a pitombeira! Quem nunca teve o privilégio de experimentar pitomba não compreenderá o prazer de ficar embaixo da árvore e degustar aquela fruta pequena e suculenta. Sou aficionado por pitomba (talvez porque me remonte à infância no sítio)! Havia, ainda, o pomar em que se destacavam as diversas mangueiras, e uma área com muitas plantas, arbustos e árvores que, para mim, era a “mata” a ser explorada.

Ia muito com vovô a Santa Isabel. E adorava quando ele me entregava um pequeno facão e um cantil e me levava para desbravar a “selva”, onde minha imaginação me alçava à condição de grande explorador de uma floresta inóspita e desconhecida. O melhor de tudo, acompanhado de meu avô, que sempre tinha muito a me ensinar.

Aspecto interessante de vovô é que ele, na infância, vivera com os índios no Maranhão. Apesar de loiro e branco, aprendera muito com o povo da floresta (para usar o jargão do momento), a quem muito respeitava. Conhecia plantas e animais, sabia fazer pintura de guerra com urucum, e sempre tinha um ensinamento indígena a transmitir quando nos embrenhávamos pelas trilhas da mata da Santa Isabel, abrindo caminho a facão entre os arbustos! Essas experiências, de quando era bem pequeno, ficaram marcadas na memória e no coração.

Sinto muita saudade do velho Sother. As crianças deveriam poder passar mais tempo com seus avós, que não poderiam partir tão cedo. Hoje, faltando 28 dias para meu aniversário de 40 anos, enquanto escrevo este texto me veem lágrimas aos olhos junto com a memória das últimas imagens de vovô: estava eu sentado no chão de piso quadriculado, brincando com meus soldados, próximo a sua cadeira de balanço, e ele alegre a conversar com meus pais sobre um livro de troças em forma de poesia, de onde destacara uma quadrinha, da qual, mesmo com meus oito ou nove anos, talvez menos, ouvi uma vez e nunca esqueci, pois associo o poeminha diretamente à imagem sorridente de meu avô:

Chegava o compadre a reclamar com o outro sobre os desmandes da vida. Depois de perguntado sobre o porquê de estar aborrecido, respondeu sobre sua lida:

– Ora, cumpadi! Há quatro coisas no mundo que atormentam um cristão: uma mulher ciumenta, um menino chorão, uma casa que goteja e um burro topão!

Ao que o outro compadre retruca:

– Meu cumpadi, não se incomode com isso! Para tudo tem solução: o menino, a gente acalenta; a casa, a gente retelha; o burro se apara os cascos; tudo isso se arremedeia!

– Mas cumpadi, pergunta o aborrecido, e a mulher ciumenta?

– Ah, cumpadi! O diabo da mulher ciumenta, a gente só resolve na peia!

Troça simples e de um humor até questionável nos atuais tempos do politicamente correto, mas meu avô tirara de um livro seu. Nunca esqueci dessa historinha, que foi a última que ouvi do pai de mamãe. Algum tempo depois, aos oitenta anos bem vividos, um câncer de pulmão o levaria – Seu Sother fumava muito, e seu último pedido, antes de falecer, foi por um cigarro…

Agradeço sempre ao criador por ter colocado o velho Sother, ainda que por pouco tempo, em minha vida. Ele permanece em minha memória e em meu coração.

As fotos de hoje foram tiradas em Santa Isabel. Devo estar com uns quatro ou cinco anos nelas. Na primeira, encontro-me na mata, escondido entre os arbustos, como um guerreiro de selva! Já na segunda, no tanque de água que para mim era uma grande piscina, praticava as técnicas de mergulhador de combate! Ser criança é sempre muito bom!

Santa Isabel

12. Meus avós (09/11/2014)

Uma geração contará à outra a grandiosidade dos teus feitos; eles anunciarão os teus atos poderosos.
Salmos, 145:4

20141101_193013-3-1-1Faltam 29 dias para meu aniversário!!! Na sequência das crônicas de meus quarenta anos, o texto de hoje é dedicado a meus avós.

Avós são fundamentais na vida de qualquer criança. Quando se tem a oportunidade de ter os quatro junto, a felicidade é certa.

Tive pouco contato com meus avós. Os paternos não conheci. O pai de meu pai, José Jacob Gonçalves nasceu em 1864 (ano em que o Paraguai atacou o Império do Brasil, iniciando a maior guerra que a América do Sul já vivenciou). Sim, meu avô paterno é da segunda metade do século XIX e papai é o penúltimo filho de seu segundo casamento. Minha avó paterna, Dona Carminda, também não conheci, pois faleceu nos anos cinquenta (bom lembrar que, quando nasci, papai já tinha 42 anos). O que sei sobre eles é que meu avô era lavrador e vovó cuidava da casa. Sertanejo, analfabeto, Seu José Jacob deixou para os filhos dois grandes legados: a honra (pois sem ela um homem não é homem); e longevidade (sim, porque vovô viveu até quase cem anos, e tenho tios e tias que alcançaram um século de vida). De Dona Carminda, por sua vez, a lembrança que meu pai nos conta era de uma mulher de fibra que amou e criou seus filhos com dignidade. Gostaria de tê-los conhecido.

Da parte de mamãe, pude conhecer, ainda que brevemente, meus avós: Sother e Isabel (Sidoca). A lembrança que tenho de Vovô Sother é de um homem sério, inteligentíssimo (apesar de não ter completado o ginasial, lia muito, e tinha um vasto conhecimento das coisas do mundo).

Vovô Sother sempre foi o patriarca de um clã que, como disse, rendeu muitos bons frutos. Ao fechar os olhos e pensar no meu avô, vem-me à cabeça ele sentado em uma cadeira de balanço, cabelos completamente brancos, e um livro ou um jornal nas mãos. Como eu era o mais novo dos netos, sentia com ele um vínculo muito forte.

Já de vovó Sidoca, creio que nascida em 1912, típica avó, gordinha, simpática e uma cozinheira de mão cheia, a recordação que tenho é de um grande sorriso, e de amor e carinho incondicionais! Pena que a conheci pouco, pois faleceu quando eu tinha uns cinco ou seis anos, vítima do diabetes. Vovô partiria algum tempo depois, deixando uma saudade e um vazio nos sete filhos, nas dezenas de netos, e naquele garotinho em particular que adorava quando chegavam as férias e podia ir a Caxias encontrar o avô, que era uma grande referência.

Não tenho muito mais o que dizer de meus antepassados. Mas o que sei é que sinto muito orgulho de trazer comigo essa herança genética de homens e mulheres fortes, honrados e amorosos. É fascinante pensar que cada ser humano é o resultado de milhares e milhares de anos de evolução e carrega consigo no DNA um legado de homens e mulheres que remonta o início dos tempos. Há que se honrar os antepassados! E a melhor maneira de fazê-lo, creio eu, é preservando a memória dos que o antecederam conduzindo-se com a retidão que justifique honre toda a corrente que veio antes.

Já filosofei muito! Fotos de Vovô Sother e Vovó Sidoca.

Em tempo: amo o nome de meu avô! Sother, em grego, significa Salvador. Acho tremendamente forte e significativo. Queria muito ter dado a meu filho o nome de João Sother, mas a mãe o vetou…

20141101_193036-1

10. A sagrada iguaria (07/11/2014)

Há o sexo bom e o sexo ruim, mas chocolate é sempre chocolate.
Autor desconhecido

ChocolateDireto da capital capixaba, neste 31° dia que antecede meu aniversário, aproveito para escrever algumas palavras sobre um vício que me persegue desde sempre: chocolate!

Quando os espanhóis chegaram ao continente americano, descobriram uma bebida sagrada à base de cacau consumida pelos nativos. Daí para se misturar com leite suíço e virar uma iguaria inigualável foi um pulo. E a sacralidade foi preservada!

Eu sei que existe gente que não gosta de chocolate, assim como há pessoas que não apreciam uma boa música, um bom vinho, um whisky 18 anos e outras coisas fantásticas da vida. Pobre delas! Tento me perguntar como alguém pode não gostar de chocolate, não salivar diante de uma barra marrom e suculenta, de não ter pensamentos idílicos e até libidinosos ao sentir o odor tão característico desse produto divino…

Chocolate é, simplesmente, muito bom! Prefiro o amargo, mas, em sua ausência, não hesitarei em degustar o branco, ao leite, com menta, ou com frutas… Não aprecio muito aqueles com castanhas – acho que tiram a pureza do produto.

Chocolate é bom com qualquer coisa e a qualquer hora. Comigo serve para abrir o apetite antes de uma refeição e, naturalmente, como sobremesa. Em sua forma líquida, é minha primeira refeição do dia – que começa com um achocolatado, e só isso -, no lanche da tarde (acompanhado ou não de um pão de queijo, de uma tapioca, ou de um bolo, claro, de chocolate!), e, finalmente, como bebida da noite. Essa é minha rotina diária com chocolate, desde que me entendo por gente.

Chocolate3

Chocolate e paixão estão diretamente relacionados! Amigo certo das horas incertas, é usado para conquistar a mulher amada, mas também para afogar as mágoas com o fim de um relacionamento. Na alegria ou na dor, portanto, sempre haverá motivo para morder uma barra de chocolate!

Quando dava aula de francês no Centro de Línguas de Sobradinho, nos idos dos anos noventa do século passado, tinha uma querida amiga que era alérgica a chocolate! Quanto me apiedei dessa moça! Nunca consegui esquecer essa brincadeira sem graça da genética com um ser humano! D’us me livre! Se comigo fosse, minha vida teria um vazio…

Sim! Sou chocólatra confesso! E não me envergonho desse vício. Da terra dos chocolates Garoto, meu abraço fraterno a todos os apreciadores desse manjar que os deuses nos legaram!

Chocolate2

9. Rir é o melhor remédio! (06/11/2014)

As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns, que viajam, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam de pequenas luzes. Para outros, os sábios, são problemas. Para o meu negociante, eram ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu, porém, terás estrelas como ninguém… Quero dizer: quando olhares o céu de noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então será como se todas as estrelas te rissem! E tu terás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá). Terás vontade de rir comigo. E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto… e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!

Antoine de Saint-Exupéry

 

20141101_194349-1.jpgSempre fui uma criança sorridente (dizem). Lembrem que sou o filho da senhora que teve o bebê sorrindo (vide capítulo anterior)!!!

Existem duas maneiras de se encarar a vida. A primeira delas é reclamando de tudo, rosto emburrado, apiedando-se de si e lidando com as crises e problemas quotidianos como se fossem uma batalha constante pela sobrevivência. E a segunda, a que adoto, é encarando as adversidades como uma oportunidade de crescimento e aprendizado, respirando fundo diante dos obstáculos no caminho… e sorrindo!

Rir faz bem! Melhora o corpo e o espírito! Ninguém paga nada por sorrir. E um sorriso pode abrir portas… ou ao menos facilitar a abertura delas!

Coisa interessante sobre o sorriso é que ele é contagiante. Experimente chegar em um lugar, como o trabalho, sorrindo. Não tenha medo de parecer bobo. Você vai perceber que pode transformar as pessoas com um sorriso! E, se não adiantar com o outro, se não receber um sorriso em troca, saiba que o problema é… do outro! Tenha certeza que ao menos você próprio está melhor! E siga a vida sorrindo!

Faltando 32 dias para meu aniversário, já começo a distribuir sorrisos de presente. E, assim como o abraço e a alegria, quanto mais você distribui mais você tem! Um bom e sorridente dia a todos!

Sorrindo

8. Meu primeiro discurso (05/11/2014)

O dom da fala foi concedido aos homens não para que eles enganassem uns aos outros, mas sim para que expressassem seus pensamentos uns aos outros.
Santo Agostinho

Um dos aspectos mais característicos da condição humana é a fala. No momento em que nossos antepassados dominaram a articulação das ideias por meio de palavras, demos um salto evolutivo e (ao menos é no que acreditamos) passamos a nos diferenciar dos outros animais.

Fosse para orientar a caça nas primitivas tribos, fosse para transmitir a memória do clã, ou ainda para “discutir a relação” quando o marido voltava cansado para a caverna ao final de um dia extenuante (sim, porque “discutir a relação” deve ser tão antigo quanto o próprio domínio da fala), os seres humanos descobriram que, por meio do verbo, poderiam manifestar a centelha divina que têm em si e dar vida às ideias, seguindo na espiral evolutiva rumo à reintegração. Ao menos é o que dizem os místicos e os filósofos.

Admiro o dom da oratória. Aprecio ouvir bons discursos. Nesse sentido, um bom orador sabe que um discurso marcante envolve 80% de emoção e 20% de conteúdo. Fascina-me essa habilidade de manter a atenção do expectador e fazer com que ele acompanhe seu pensamento. Bons oradores, arrastando multidões ou formando grandes homens em sala de aula, transformam o mundo.

Não que seja um bom orador, mas nunca tive problema em falar em público. Gosto disso, de fato. Afinal, cada discurso é um desafio, cada aula, palestra, conferência é uma gratificante tarefa a ser cumprida: a de transmitir ideias, compartilhar pensamentos e emoções, cativar a audiência. Sim, porque um orador que fala para si sem pensar naqueles que o ouvem, não é um bom orador.

Claro que essa paixão pela oratória vem de família. Do lado de mamãe, além de parentes professores (inclusive minha querida mãezinha), há um padre, meu amado tio Vicente de Paulo Britto, cujos discursos são históricos. E, do lado paterno, Seu Jacob é minha grande referência – desde muito cedo, mesmo quando ainda não dominava a palavra escrita (lembro orgulhosamente que papai começou a se alfabetizar aos 25 anos de idade), aquele cearense já subia em um banquinho para discursar e pessoas se reuniam a sua volta. Papai não perde a oportunidade de falar em público (gostem disso ou não), e eu sigo na mesma linha. Em tempo: João e Victoria carregam com galhardia a chama da família e sei que mais uma geração apreciará o púlpito!

Faltando 33 dias para meus 40 anos, queria compartilhar com os amigos a foto do meu primeiro discurso. Não sei o que disse, mas certamente agradou a audiência – havia ao menos duas pessoas, como se pode perceber pelas sombras. De lá para cá não parei mais…

20141102_153934-1-1

7. Esportes? Desculpe, não é aqui não… (04/11/2014)

Les sports ont fait fleurir toutes les qualités qui servent a la guerre : insouciance, belle-humeur, accoutumance à l’imprévu, notion exacte de l’effort à faire sans dépenser des forces inutiles.
Pierre de Coubertin

Nunca fui muito afeito a esportes… de fato, não tenho o menor jeito para atividades desportivas, tampouco para exercícios físicos de repetição, e muito menos paciência para academias com gente cultuando o corpo ao passo que o cérebro desfalece à míngua (há exceções, claro!)… Esportes coletivos, nem pensar! Afinal, se já tenho dificuldade de me coordenar os movimentos sozinho, ainda mais com uma equipe correndo atrás de uma bola ou dando pancada nela!

Definitivamente, estou fora de esportes coletivos. Futebol nunca me atraiu: corro em linhas e ângulos retos. Aí você diria “fique no gol, então!”, ao que logo respondo que meu instinto de autopreservação me impede de permanecer estanque sob uma pequena trave como alvo de boladas… Não, de jeito nenhum…

E, por falar em instinto de autopreservação, foi ele que evitou que eu praticasse esportes como futebol, vôlei, basquete, ou qualquer outro que pudesse culminar em escoriações ou ossos quebrados (nunca coloquei um gesso na vida!). Violento demais para mim esse tipo de atividade. Por isso, sempre preferi esgrima e tiro…

Artes marciais? Nem pensar! Mas aí é por causa de um trauma de infância. Quando tinha uns cinco ou seis anos, meus pais me colocaram na aula de judô. “Ótimo!”, dirá você, “excelente idade para começar!”. O problema é que me colocaram no final do ano na academia de judô e numa turma de garotos maiores/mais velhos. Chego e vejo a molecada praticando aulas de rolamento que haviam sido treinadas durante o ano inteiro, golpes com nomes que para mim eram japonês, e a turma com sangue na boca se preparando para o exame de faixa! E eu, o menor, mais novo, e sem nenhuma experiência em defesa pessoal… Prevaleceram a razão e, novamente, meu instinto de autopreservação: fiquei umas duas semanas só e nunca mais voltei… A experiência foi tão marcante que decidi que, diante da seleção natural, não seria por meio da força física que conseguiria vencer! Fui malhar o cérebro.

Conheço muita gente que tem uma disposição inacreditável! A pessoa acorda às cinco da manhã, toma uma vitamina e vai toda sorridente para a academia “malhar para começar bem o dia!” Aí, depois de uma hora “pegando ferro”, está continua toda disposição para a lida. Isso para mim é absolutamente inconcebível! Pertenço à parcela da humanidade conhecida como “notívagos”, durmo geralmente às 2h da madrugada (feliz da vida!), e tenho grandes dificuldades de acordar cedo. De fato, acho que esse negócio de acordar de madrugada para malhar não é de D’us não. Esse pessoal só pode ter pacto com o Capiroto!

Esporte é tão importante para mim que tenho que confessar que não me lembro de ter aberto alguma vez o caderno de esportes em um jornal… Tampouco fiquei mais que alguns segundos diante de um desses canais de esporte da TV a cabo… Houve, somente, duas exceções ao referido comportamento: na última Copa, quando acompanhava o futebol da seleção canarinho (a dos 7×1) com meu filho João (por causa dele, naturalmente), e comentava os jogos nas redes sociais; e ano passado, quando, na Europa, assisti algumas vezes ao mundial de esgrima – esse sim um esporte que aprecio!

O menino e a bolaTá bom! Não sou “completamente avesso” a práticas desportivas. Gosto de caminhar (correr não) e de nadar (preciso voltar a fazer isso). Também já pratiquei tiro (ué, é esporte sim!) e, o esporte que realmente aprecio, esgrima (dedicarei a ela uma das crônicas de meus 40 anos)! Esgrima me fascina e já ensaio há algum tempo voltar à pista. Quem sabe depois dos 40!

Neste 34º dia que antecede as comemorações das minhas 

quarenta primaveras, resolvi partilhar com meus amigos o apreço que tenho por esportes (nada contra os esportes em si, o problema é comigo, estou ciente!) e postar aqui um retrato do início de minha vida quando, já dando meus primeiros passos, demonstrava completa habilidade para atividades físicas e familiaridade com a bola…

5. A Importância e o Significado do Nome (02/11/2014)

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
João 1:01

Não existe nada mais indicador da individualidade do ser humano que seu nome. Graças ao nome, a pessoa deixa de ser um “não ser” e passa à condição de “alguém” (ok, estou filosofando, e nunca fui bom nisso). Nosso nome não define só quem nós somos, mas como somos percebidos e nos fazemos perceber em uma comunidade.

O nome também é revelador, muitas vezes, de ideias defendidas pelos pais, de pessoas por eles admiradas ou mesmo de momentos ou lugares importantes para os genitores. Napoleão, César, Pedro, Apolinário, Cícero, Alexandre, Victoria, Catarina, Maria de Jesus, Brasília… O problema é quando a criança acaba sendo vítima do devaneio dos pais… Quem nunca procurou na internet uma relação de nomes esquisitos? (Se você nunca fez isso, tenho certeza de que está fazendo agora! – Peraí! Termine de ler meu texto!).

Nomes estranhos pululam nos cartórios, registros do INSS e cadastros bancários aqui em Pindorama. Lembro, por exemplo, do ex-Diretor-Geral da Polícia Civil de Goiás, já falecido, o Dr. Hitler Mussolini (sim, existiu, e, mesmo sem conhecê-lo, tenho certeza de que não deveria ser muito agradável vê-lo com raiva). Mas há, também, o Amado Amoroso, o Antônio Manso Pacífico de Oliveira Sossegado, o Arquiteclínio Petrocoquínio de Andrade, o Brasil Washington C. A. Júnior, o Chevrolet da Silva Ford, o Disney Chaplin Milhomem de Souza, a Izabel Rainha de Portugal, a Magnésia Bisurada do Patrocínio, a Maria Felicidade, o Último Vaqueiro, e, naturalmente, a Madeinusa (que certamente não foi feita nos Estados Unidos), o Bráulio Pinto Grande, e a senhora Ava Gina (em homenagem a Ava Gardner e Gina Lolobrigida) – todos nomes reais. Os pais têm a ideia que parece brilhante e sobra à pobre criatura carregar pelo resto da vida a escolha inglória.

Não conheço povo mais criativo para botar nome em filho que o brasileiro. Escolha usual costuma ser o de alguma personalidade estrangeira (claro que, muitas vezes, transcrito para nosso vernáculo com primor que deixaria os imortais da Academia Brasileira de Letras abismados): Maicon Jakisson, Uóshiton Rusevelte e Valdisney (em homenagem ao astro pop, aos presidentes dos EUA, e ao criador do Mickey, respectivamente)… Entre os casos que podem ser encontrados nos cadastros diversos deste Brasil estão: Anjo Gabriel Rodrigues Santos, Charles Chaplin Ribeiro, Elvis Presley da Silva, Hericlapiton (sim, isso que você leu) da Silva, Ludwig van Beethoven Silva, Marili Monrói (esse é horrível), Marlon Brando Benedito da Silva, Sherlock Holmes da Silva, Bill Clinton de Souza… Estou absolutamente seguro de que o funcionário do cartório era um gaiato…

Lá no meu Nordeste, é comum também se juntar o nome do pai com o da mãe, com consequências, geralmente, fatais: Valdirene, Marivaldo, Marcélio, Vanderly, Josecleide, Ivanildes, Marivan, Marinelson… todo mundo conhece um desses… E essa é sempre uma pergunta que me é feita sobre o nome que carrego! Primeira informação mais que relevante: Joanisval não é junção de nome do meu pai com o da minha mãe!!!

Há, ainda, os que foram na onda dos movimentos “nova era” e botaram nomes esotéricos (sei…) nos rebentos. Veio-me à mente a prole de Pepeu Gomes e Baby Consuelo (ou Bernadete Dinorah de Carvalho Cidade, que mudou seu nome artístico para Baby do Brasil): Riroca (que viria a trocar seu nome para Sarah Sheeva – ajudou muito! Mas temos de convir que Riroca sofreu muito no colégio), Zabelê, Nana Shara, Pedro Baby, Krishna Baby, e Kriptus Baby. Preciso dizer mais alguma coisa?

Com os avanços da medicina, hoje já se sabe muito cedo o sexo do bebê. Isso é bom, pois dá tempo aos pais para meditar e fazer uma escolha refletida e razoável (nem sempre). Há, porém, os tradicionalistas, que preferem esperar a criança nascer para olhar para ela e lhe dar o nome. O problema é quando demoram a escolher. Tenho um amigo muito querido que passou nove dias para decidir que nome daria a seu terceiro filho… nove dias depois que o menino nasceu! E a questão só foi resolvida quando a esposa dele decidiu ir ao tabelião e, unilateralmente, registrar o menino. Quando fiquei sabendo da história, não consegui deixar de pensar no romance magistral de Graciliano Ramos, “Vidas Secas”, no qual só tinham nome o personagem principal da obra (Fabiano), e sua cachorra (Baleia). No sentido contrário, há aqueles que querem escolher logo o nome do pequeno(a), antes mesmo de saber o sexo! (“Ah, esse negócio de sexo ele resolve quando crescer!” – dizia um amigo comediante). Como fazer? Os portugueses têm uma boa solução para o problema: “Dá-lhe o nome de João Maria, ou Maria João! Resolvido, ora pois!” Claro que, no Brasil, se não souber o sexo da criança, pode-se recorrer a um nome neutro, indígena geralmente: Guaraci, Iraci, Jaci, Juraci… todos nomes que nos levam ao desespero ao fazer uma primeira ligação telefônica para essas pessoas!

Muito bem! Poderia passar horas divagando sobre o tema. Tenham certeza de que já fiz isso – e sem qualquer ajuda de terapia! Mas vou poupá-los desse sofrimento. Vamos, então, à explicação para meu nome! Reitero que não se trata de junção dos nomes de meus pais.

Antes, porém, breve explicação sobre os motivos alegados por Seu Jacob (sim, porque Dona Conceição não teve culpa alguma, estava de resguardo em casa) para escolher chamar o filho de Joanisval (e quando termino de escrever, aparece a marquinha vermelha embaixo de meu nome – obrigado, Dicionário do Word)! Papai alega que, simplesmente, queria evitar “problema com homônimos” para o filho! Muito bem, pai! Evitou sim! Mas, em compensação, criou um trauma na criança ainda não resolvido: ninguém fala (tampouco escreve!) meu nome corretamente! Jonisval, Jonisvaldo, Joanisvaldo, Josivaldo (por que as pessoas insistem em acrescentar um “do” ao final de meu nome!?!?!?), Jonesval, Joanesval, ou, como diz a Dona Rosa que trabalha aqui comigo há alguns anos, “Seu Lourisval” – sim, em casa sou o “Seu Lourisval”… De toda maneira, justiça seja feita, problema com homônimos nunca tive…

Então, vocês devem estar se perguntando, de onde veio esse nome? Qual o seu significado? Respondo agora: quando indagado por pessoas com quem não tenho grande intimidade, digo que meu nome vem do sânscrito antigo e significa “aquele que foi iluminado pelos gloriosos raios do Sol ao nascer”… se fizer cara de sério, geralmente cola…

Mas vamos à verdade (que rufem os tambores!), muito mais simples (como toda verdade) do que os mais imaginativos poderiam conceber! Meu pai, em sua sábia simplicidade sertaneja, vê os filhos como seres que são “derivados” seus! Sim, sou uma derivação de meu pai (o que não deixa de ter lógica). Daí, como seu primeiro nome é João, resolveu “derivar” de João o Joanisval!!!! Não disse que era simples!?! Cai o véu deste mistério! (Claro que esta é a explicação exotérica… sobre a esotérica não tratarei aqui).

Nunca vi seu João Jacob com um copo de cerveja na mão. Nunca o vi nem perto de um estado mais etílico. Entretanto, tenho muita convicção de que meu pai resolveu tomar umazinha para celebrar o meu nascimento… e aí me registrou com esse nome! Brincadeira. Hoje vejo que meu nome é como uma marca, e graças a ele sou facilmente identificável e conhecido. Obrigado por isso, papai! Mesmo!

E, para provar que não tenho ressentimentos, e que, apesar do nome, era um bebê bonitinho, publico uma de minhas primeiras fotos, sorridente como sempre, e outra no colo de Seu Jacob, o autor da façanha de me dar este nome! E faço tudo isso no 36º dia que antecede meu aniversário de 40 anos!

Nome

4. A história deles (01/11/2014)

Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor, o teu Deus, te dá.
Êxodo, 20:12

Para as crônicas de meus 40 anos, neste 37º dia que antecede o aniversário, contarei a história da união que culminou em meu nascimento.

É interessante como a Providência faz com que pessoas que estão em diferentes pontos do mundo se encontrem e comecem a se relacionar. Afinal, somos mais de 7 bilhões de almas espalhadas pelos cerca de 70 milhões de km2 de terras emersas no planeta! E, em meio a tanta gente e tanta área, duas pessoas têm seus caminhos cruzados e passam a caminhar, juntas, em uma única jornada.

Casamento_Pai_e_MaeComo rosacruz, já dediquei muito de minhas reflexões exatamente aos vínculos que o “destino” estabelece entre as pessoas. E, pensando sob uma perspectiva mística, ciente de que o acaso não existe, tento compreender qual a importância de cada ser humano que passa por minha vida (do seu Maurílio, que com tanto esmero cuida da limpeza lá no escritório, aos seres mui preciosos que optaram por encarnar em minha família).

Todo aquele que conosco se encontra não o faz por acaso, estando lá para participar de nosso processo evolutivo e nós do dele. Portanto, cada pessoa é importante, e aquilo que fazemos um com o outro, o modo como nos tratamos, as experiências que compartilhamos, e as lembranças que deixamos, reverberam por todo o universo, ao longo das eras, de modo que, nesta ou em outra encarnação, acabamos por nos reencontrar. A roda gira, a caravana passa, e a evolução acontece… É assim que entendo a vida. Nesse sentido, a minha vida começou graças, em última instância, a Juscelino Kubistchek, que tornou o sonho de Dom Bosco realidade em 1960, e inaugurou a amada Brasília, para onde confluiriam milhares de brasileiros, inclusive meus pais. Só estou aqui hoje porque Brasília foi sonhada, construída e inaugurada. Obrigado, JK!

Pois bem! Voltemos à história deles! No início dos anos 1970, Seu Jacob vivia em Brasília. O cearense que havia nascido durante uma das maiores secas do século, crescido em família humilde na caatinga, começado a trabalhar aos 7 (isso mesmo, sete) anos de idade, tocando gado no interior, saído sozinho da casa de seu pai para tentar a vida no Rio de Janeiro, onde, aos 25 anos, começara a aprender as primeiras letras, depois de quase vinte anos vivendo na Cidade Maravilhosa, resolveu largar tudo (não que tivesse muita coisa) e se mudar para a Nova Capital, terra de sonhos, em que construiria sua nova vida.

Dona Conceição, por sua vez, professora formada no Colégio São José de Caxias, MA, tocava a vida em sua cidade natal como diretora de escola, sem imaginar que sairia da casa de seus pais para terras distantes. Casamento não estava entre as prioridades. O que Ceiça gostava mesmo era de viajar: destinava parte de seu salário para “tours” pelo Brasil. Em um desses passeios, veio para Brasília (“neste País lugar melhor não há!”).

Pai_e_mae

E foi casualmente, passeando com uma tia pela nova capital da república, que Conceição conheceu Jacob, um amigo de sua zelosa acompanhante. Olhares foram trocados, algumas palavras ditas, fez ele alguns gracejos prontamente correspondidos. Em outro momento, papai, que de bobo não tinha nada, perguntou à tia de mamãe: “Sinal verde ou vermelho?”. Pronto, resposta positiva lhe fora dada e já se encontrava em plenas condições para desencadear a corte.

Conversa vai, conversa vem, começaram a trocar cartas e flertes (ao melhor estilo dos romances de outras épocas). Passados alguns meses, ele a pede em casamento e se prontifica a ir a Caxias para se apresentar à família e buscá-la para viver consigo. Mamãe aceita, dando prosseguimento à história de união dessas duas almas.

Já disse que uma das palavras que definem meu pai é obstinação. Obstinadamente, Seu Jacob se deslocou de Brasília para Caxias do Maranhão, para se casar com Dona Conceição. Na Toca do Lobo (a casa de meu avô materno), o cearense de cabeça chata conquistou, com seu jeito simpático, honesto e obstinado, os futuros sogros e toda a família. E foi assim que, em julho de 1973, na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição e São José (a mesma em que eu seria batizado e faria minha primeira comunhão), meus pais se casaram. A cerimônia reuniu muita gente e foi celebrada por meu tio, Padre Vicente (que também me batizaria e me daria a primeira comunhão), irmão mais velho de mamãe. Selava-se a união que permaneceria até nossos dias, por mais de quatro décadas. E, cerca de dezoito meses depois, chegaria eu a este plano, em mais uma encarnação para aprender e evoluir.

Resumidamente, essa é a história do início de minha família. Publico hoje algumas fotos de mamãe e papai na juventude (ela em sua formatura como professora, ele discursando em algum evento no Rio de Janeiro dos anos sessenta – esse gosto por falar em público e participar da vida da polis herdei de papai). Também coloquei algumas imagens do casamento deles, dentre as quais uma feita a pedido de meu pai, com toda a família de mamãe (a única que tenho de vovô e vovó juntos).

A pesquisa sobre minhas origens segue com algumas fotos antigas que publicarei nos próximos dias.

Amanhã falarei de minha primeira foto e, como é domingo, vou revelar o significado de meu nome! Abraço a todos!

Casamento_Pai_e_Mae_2

3. Mamãe e a herança maranhense (31/10/2014)

Deus não pode estar em todos os lugares e por isso fez as mães.
Ditado Judaico

Hoje, faltando 38 dias para minha celebração natalícia, contarei um pouco da história da mulher que me botou no mundo: Dona Conceição. Aqueles que conhecem mamãe logo identificam que herdei dela o bom humor, a maneira tranquila de encarar os problemas e, no campo profissional, a paixão pela docência. Sim! Mamãe sempre foi meu exemplo de professor.

Dona Conceição nasceu na cidade de Caxias do Maranhão, lugar que deu o título ao Duque, e terra do grande poeta Gonçalves Dias (o da terra com palmeiras onde canta o sabiá)! É a sétima de uma família de oito filhos (seis homens e duas mulheres), tendo durante muito tempo mantido a hegemonia de caçula até a chegada de meu tio Orlando. Vovô, funcionário dos correios, e vovó, dona de casa, conheci pouco, mas deles guardo ótimas lembranças (falarei de meus avós em publicação futura).

A família de mamãe era humilde, mas dos oito filhos saíram um padre, um médico e um juiz, além de um diretor dos correios em Caxias, uma funcionária daquela instituição, um diretor do banco do Brasil, e um professor. E minha mãezinha foi normalista e seguiu carreira como professora e diretora de escola em sua cidade natal, e depois professora da antiga Fundação Educacional em Brasília. Também dava duro em sala de aula de manhã e à tarde e ia à noite para faculdade. Essa é uma lembrança muito viva: papai e mamãe indo juntos para a faculdade, pegando ônibus de Sobradinho para estudar no Plano Piloto e voltando tarde, meia-noite (quando os filhos já dormiam, o que fazia com que visse meus pais às vezes só mesmo no fim-de-semana). Acho que a perseverança e a obstinação ficaram gravados na memória e no coração daquele garotinho e forjariam o homem que sou hoje…

Outra lembrança de mamãe é sempre o sorriso. De um rosto todo o tempo alegre a gargalhadas gostosas, Dona Conceição costuma encarar as adversidades com bom humor. E, a meu ver, mostrou-se guerreira ao deixar a casa de meus avós no interior do Maranhão para vir construir a vida com o marido aqui na Brasília do início dos anos setenta! Certamente foi difícil, mas ela também venceu.

Na condição de professor, acabo replicando a maneira de mamãe de lecionar. Fui seu aluno no ginásio e com ela percebi o quanto pode ser divertida e gratificante a sala de aula. Sim, porque não se leciona pelo salário (infelizmente, este país ainda não reconhece a mais importante das profissões, junto com a de agricultor e de empregada doméstica – e não estou brincando). A docência, ao menos como aprendi com mamãe, relaciona-se a um desejo intenso de aprender (porque são nossos alunos que mais nos ensinam) e de contribuir para a formação de outras pessoas! E essa alegria de ver um conhecimento transmitido bem assimilado não tem preço!

Ah! Também herdei de Dona Conceição a paixão por viajar e rodar o mundo. Gosto demais de viajar… mas minha mãe tem o bicho carpinteiro! Está sempre juntando suas economias para passear pelo Brasil e, de uns tempos para cá, pelo globo! Gosta de viagens com o pessoal da Igreja e vai para lugares de peregrinação católica (de Aparecida de Goiás ao Santuário de Lourdes, na França!). Divertido ouvir as aventuras de mamãe em seus giros pelo planeta!

Os rosacruzes sabem que nada acontece por acaso. Apenas a título de curiosidade, nasci no dia de Nossa Senhora da Conceição, sendo filho de uma Conceição de Maria! Detalhe: fui batizado e fiz minha primeira comunhão na Igreja Matriz de Caxias, a Igreja de Nossa Senhora da “Conceição”, onde meus pais se casaram! Talvez daí venha minha devoção a Nossa Senhora. Haja Conceição de Maria em minha vida!

A propósito, como ainda não tive tempo de encontrar fotos da infância, publico hoje algumas de Caxias, cidade de onde trago boas recordações das férias da infância. Além da Igreja Matriz (datada de 1735), onde fui batizado e fiz minha primeira comunhão, há imagens do Morro do Alecrim, lugar da Balaiada, e do busto do Duque, na praça onde restam canhões e ruínas do conflito. Minha infância não seria a mesma sem Caxias, que também mora no meu coração!

Caxias