26. Pelo Mundo (23/11/2014)

Navigare necesse; vivere non est necesse!
Pompeu

Faltam 15 dias para que eu complete 40 anos! E, direto das terras ludovicenses, escrevo sobre uma das minhas grandes paixões na vida: viajar! Pouca coisa me dá mais prazer do que sair pelo mundo a conhecer novos lugares, gente de diferentes matizes, culturas peculiares! Viajar é preciso!

Conheço pessoas que não gostam de viajar. Dizem não ter paciência para arrumar mala, sair do conforto do lar, pegar avião… Argumentam que preferem ficar em casa, conhecendo o mundo pela televisão, por meio de um livro ou recorrendo à internet… E tudo é motivo para não viajar: o destino é muito frio ou muito quente; agitado demais ou tremendamente monótono; longe ou muito perto… Não importa, sempre encontrarão um motivo para não fazer as malas e sair batendo perna por aí! Eu não as condeno! Mas comigo é o contrário.

Não sei de onde vem meu interesse por viajar. Talvez de mamãe, que sempre que tem oportunidade se lança ao mundo – bom lembrar que, numa dessas, ela veio para Brasília, conheceu papai, e o restante da história vocês já conhecem. Seu Jacob, por sua vez, é enraizado em casa, prefere o conforto do lar à surpresa de outros lugares… Pode ser de mamãe mesmo! Mas, claro, alguns diriam que tem a ver com o fato de ser eu sagitariano, ou com o mais íntimo de minha personalidade, ou com vidas passadas. Não sei de nada… só sei mesmo é que gosto disso!

Quando criança, sonhava em viajar pelo mundo, conhecer outras terras, gente diferente, visitar lugares históricos, mergulhar em outras culturas! E queria fazê-lo viajando! Como não tínhamos dinheiro para isso, comecei a aprender pelos livros, revistas, tv, e decidi que me esforçaria para conseguir um emprego que me possibilitasse essas experiências. Pensei em ser comissário de bordo, jornalista, ou em trabalhar em algum organismo internacional… Daí minha opção por Relações Internacionais. Estava convicto de que, como internacionalista, meu mercado de trabalho seria o mundo, e minha profissão me levaria aos mais distantes locais do globo!

Claro que, devido às limitações financeiras, passei todo o curso de Relações Internacionais sem conhecer terras estrangeiras, restringindo-me a viajar algumas poucas vezes pelo Brasil mesmo. Naquela época, passagem de avião era coisa caríssima, carro eu não tinha, e aí ia de ônibus mesmo. Entretanto, por mais que gostasse de rodar pelo Brasil (e continuo adorando fazê-lo, pois nosso País é fantástico e diversificado), queria mesmo era me lançar ao mundo!

Só fui conseguir o que queria quando comecei a trabalhar. Então, a serviço ou nas férias, minha alegria era arrumar as malas e entrar em um avião para conhecer novas terras! E é o que tenho feito nos últimos 15 anos! Entre os lugares que já visitei estão Canadá, Chile e Alemanha (três países muito queridos, com os quais tenho uma relação bem especial, e onde já estive diversas vezes), Suécia (D’us abençoe o Reino da Suécia), Noruega (quando vivi o atentado de Oslo, pois estava em um hotel na rua atrás do local da explosão, no dia do ataque), Finlândia, Estônia (grandes experiências nesses dois países), França e Grã-Bretanha (dispensam qualquer comentário!), Bélgica (chocolate, cerveja, sede da União Europeia e da OTAN, campos de batalha), Portugal (nossas origens, nosso DNA!), Polônia (ah, Cracóvia!), República Tcheca (Praga é única!), Espanha (comprei uma espada em Toledo!), Argentina (alfajores, livrarias e boa gente!), Paraguai (conheci o Lago Azul de Ypacaraí – que de azul nada tinha), Peru (senti-me em casa entre os nativos!), Colômbia (só na fronteira), Falklands (que me desculpem os hermanos, mas é isso mesmo!), e, naturalmente, Estados Unidos (cujo nome já é múltiplo). Detalhe: quando gosto de um lugar, tenho por hábito voltar mais vezes. E a cada nova chegada, novos locais encontro para explorar: assim acontece, entre outros, com o Canadá, com minha querida Alemanha, com a Suécia, a França, e a Grã-Bretanha… Se gosto, volto! Por que não?

No meu Brasil, fico feliz em já ter passado por 21 das 27 capitais, e por outras cidades em pontos distantes. Em minhas atividades profissionais, tive a imensa satisfação de conhecer nossa preciosa Amazônia, visitar pelotões de fronteira, ir a rincões pouco conhecidos deste País continental! E me agrada tanto estar na megalópole paulistana quanto na pequena Clevelândia! O Brasil é lindo, e sua gente maravilhosa!

Indescritível a sensação de chegar em um lugar novo! Visões, sons e odores diferentes, locais a explorar, sabores pitorescos, gente diferente com quem conversar! Boas experiências, más experiências… Aprendizado intensivo, mesmo porque costumo viajar sozinho.

Prefiro viajar sozinho: faço meus horários e meus roteiros, tiro minhas centenas de fotos (sempre com meu tripé), passo o tempo que quiser em um determinado local… E, o melhor de tudo, acabo conhecendo gente fantástica. Nunca estamos sós quando viajamos sozinhos!

Definitivamente, tenho o bicho carpinteiro viajador. Sou econômico no dia-a-dia. Emprego meus recursos em viagens (excelentes investimentos!). Tenho uma malinha pronta em casa, e estou sempre disposto a pegar a estrada (não literalmente, pois não gosto de dirigir, e aprecio mesmo é a sensação de estar nas nuvens). Havendo a oportunidade, viajo!

Inspiro-me em um amigo, Gilberto Guerzoni. Solteiro, sem filhos, bom salário, Guerzoni usa seus 30 dias de férias por ano para rodar o mundo. Já conheceu mais de 150 países, da Groenlândia à Antártica, das florestas do Peru à savana africana, esteve em Galápagos e no Vietnã, na Austrália e em Kosovo, foi mesmo até Chernobyl. Esse é meu amigo, que preenche todas as folhas do passaporte muito rapidamente. Claro que estou longe de alcançar Guerzoni, mas pretendo continuar meus próximos quarenta anos viajando! Navegar é preciso!

As cortes europeias entre 1843 e 1944

IMG_20190810_194918_365Como hoje é o dia do livro, faço referência a uma interessante obra que estava a consultar dia desses… Chama-se Les Cours d’Europe – Histoire d’un Siècle, 1843-1944, e é uma publicação da Revista L’Illustration, um semanário fundado em 1843, e que marcou a França durante a Belle Époque e a primeira metade do século XX. L’Illustration foi o primeiro periódico francês a publicar uma fotografia (em 1891) e também o primeiro a publicar uma foto colorida (em 1908). Em 1957, após inúmeros problemas relacionados inclusive ao colaboracionismo de seus editores durante a Segunda Guerra Mundial, a revista foi à falência e encerrou definitivamente suas atividades.

A obra, portanto, reúne uma série de reportagens e publicadas por L’Illustration nos seus tempos áureos. Descreve um pouco da vida e da história das Casas europeias reinantes no período, dos Windsor (com uma bela foto da Rainha Victoria e três gerações de descentes que reinaram no trono britânico) à Casa dos Romanov (brutalmente executada pelos bolcheviques em julho de 1918).

O que gostei no livro foi de conhecer um pouco mais sobre os antepassados dos atuais soberanos europeus (para aqueles que acham que a monarquia é coisa do passado, lembro que entre as 10 nações mais desenvolvidas do planeta, a maioria é composta por monarquias, como o Reino Unido, a Espanha, a Suécia, a Noruega, a Holanda, a Bélgica, e o Luxemburgo, além, é claro, do Império do Sol Nascente, o Japão).

Fatos inusitados são ali narrados. Certamente, conhecer a história dessas pessoas é positivo para a causa monárquica. Dessa maneira, consegue-se entender muito do lado humano da realeza se percebe o quanto esses Casas, reinantes ou não, são nada mais que “famílias”, o que naturalmente as aproxima do povo. Quem conhece a vida de reis e príncipes modernos (de monarquias constitucionais, que fique o registro) bem sabe o quanto são pessoas simples, comprometidas com suas funções de Estado (dificílimas, por sinal), sem vida privada, patriotas e amantes de seu povo e seu país.

O livro é rico em histórias e em ilustrações, portanto. Nesse sentido, lendo sobre Dom Manuel II, de Portugal, descobri que o último monarca português nasceu exatamente no dia 15 de novembro de 1889, ou seja, na data do golpe de estado que pôs fim ao Império do Brasil. Coincidência? Não sei. Definitivamente, os Bragança nos surpreendem sempre!

A mais poética das revoluções!

cravosO país vinha de quatro décadas de ditadura. Certamente, foi uma ditadura muito diferente de qualquer outra. Afinal, fundara-se e fora conduzida, praticamente em quase toda sua duração, por um dos estadistas mais brilhantes que o país já tivera, um intelectual, catedrático, patriota e que se casara com a nação, a ela dedicando toda uma vida de obstinados e incansáveis esforços, como um sacerdócio cívico. Mas o ditador, que jamais vestira um uniforme, havia deixado o poder seis anos antes e seu sucessor não conseguira, naturalmente, substituí-lo a contento. O país encontrava-se em meio a grave crise, muito influenciada pelas guerras coloniais, que culminavam na perda do controle sobre um vasto império de além-mar às custas de milhares de mortos e feridos… O regime logo cairia de podre, só não se poderia dizer de que maneira isso ocorreria, e a que custo.

A  REVOLUÇÃO DOS CRAVOSMas a grandiosidade de um povo pode ser percebida nos momentos de maior crise. E aqueles originários de uma pequena nação, esquecida na periferia de um rico continente, mostrariam ao mundo o quão imponente, valiosa e singular era sua origem, nossa origem. E mostrariam ao mundo a mais poética, melodiosa e pacífica das revoluções… naquele 25 de abril!

O sinal para a queda do regime fora dado na noite da véspera. Precisamente às 22:55, transmitia-se pelo rádio um bela canção, uma canção de amor: E Depois do Adeus. Essa música, que nada tinha de conteúdo político, e que fala de um homem que sofre com o fim de um relacionamento amoroso, era o sinal para a preparação das tropas, em sua maior parte comandadas por jovens capitães, que se rebelariam contra o regime.

Com as forças a postos, foi transmitida então, à 00:20h, a segunda senha, o sinal para se desencadear a revolução: a belíssima peça intitulada Grândola, Vila Morena, que trata da fraternidade de um povo de uma pequena vila. E os militares foram às ruas para derrubar a ditadura e instaurar a liberdade. Em poucas horas seu objetivo seria alcançado. E um país novo surgiria.

25abrilPraticamente nenhum tiro foi disparado, e muito pouco sangue derramado. Vermelho apenas o dos cravos que a população colocava  no cano dos fuzis dos soldados, em apoio ao movimento. Sim, porque todo o povo foi logo às ruas, embalado pela canção e pelo desejo de liberdade, apoiar a revolução.

E foi assim que se transformou uma nação. E foi assim que se começou a reconstruir um país. E foi assim que o povo unido disse para o mundo que não admitiria nada diferente de liberdade e democracia. Era 25 de abril… Era 1974.

Passados quarenta anos da Revolução dos Cravos, registramos aqui nossa homenagem ao querido povo português, que deu ao mundo mais uma grande lição de civilidade. O que aconteceu naquele 25 de abril foi único, tinha poesia, melodia e beleza, marca singular do povo lusitano.

Viva o 25 de abril! Viva Portugal! Viva a democracia! Viva a liberdade!

25_Abril_1983_Porto_by_Henrique_Matos_01

O Grande Terremoto de Lisboa

Não postei ontem, mas faço questão de registrá-lo hoje, pois é data que deve ser lembrada. Aconteceu no dia 1 de novembro de 1755, “dia de todos-os-santos”(quando milhares de pessoas estavam nas inúmeras igrejas da capital portuguesa, para a celebração da missa). Um tremor de cerca de 9 graus na escala Richter pôs abaixo Lisboa, a pujante capital do Império Português, e um dos grandes centros (senão o maior) culturais, políticos e econômicos da Europa. Seguido de um tsunami e de inúmeros incêndios, o terremoto marcou a história de Portugal, da Europa e do mundo. Terra, água e fogo: os elementos pareciam dispostos a arrasar com os lisboetas. Um terço da população de Lisboa morreu. A cidade foi quase que totalmente destruída. Portugal entrou rapidamente em decadência desde então. E o mundo registrou estarrecido aqueles acontecimentos…

Segue a transcrição do artigo da Wikipédia sobre o sismo de Lisboa ( Wikipédia sim, o que eu posso fazer? está bem escrito, oras!). Há também um link para uma apresentação em powerpoint (provavelmente de um professor da USP) que achei interessante: O terremoto de Lisboa – 1755

Sempre bom lembrar como uma catástrofe natural daquelas proporções provocou o colapso de uma nação. Somos frágeis, realmente, muo frágeis…

Sismo de Lisboa de 1755

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa

Gravura em cobre alusiva ao terramoto de 1755 em Lisboa

O sismo de 1755, também conhecido por Terramoto de 1755 ou Terramoto de Lisboa, ocorreu no dia 1 de Novembro de 1755, resultando na destruição quase completa da cidade de Lisboa, e atingindo ainda grande parte do litoral do Algarve. O sismo foi seguido de um tsunami – que se crê tenha atingido a altura de 20 metros – e de múltiplos incêndios, tendo feito certamente mais de 10 mil mortos (há quem aponte muitos mais[1]). Foi um dos sismos mais mortíferos da História, marcando o que alguns historiadores chamam a pré-história da Europa Moderna. Os geólogos modernos estimam que o sismo de 1755 atingiu a magnitude 9 na escala de Richter. Continuar lendo