Quando o Brasil foi Grande

cetro imperio Neste 15 de novembro, data que considero o dia da infâmia, gostaria de compartilhar com os amigos algumas de minhas razões de ser monarquista convicto. Esta a atualização de um texto que escrevi aqui em 2012.

Preliminarmente, convém registrar que não estou aqui a fazer proselitismo. Não quero convencer ninguém de que o regime monárquico é a melhor opção (apesar da profunda convicção de que é). Só o que desejo é expor minhas razões. Sou monarquista desde que me entendo por gente, e poderei dizer a meus netos que meu primeiro voto foi no parlamentarismo monárquico, por ocasião do plebiscito de 1993. Àquela época votei com convicção e segurança – vou o voto mais valioso e valorizado que já coloquei na urna.

Outra coisa: espero que este texto ajude ao menos a remover alguns preconceitos para com a alternativa monárquica. É irritante as pessoas acharem que somos monarquistas por excentricidade ou anacronismo. Incomoda a reação crítica a esse modelo quando é feita sem nenhum conhecimento do assunto, sob o único argumento (imbecil, desculpem a honestidade) de que “monarquia é coisa do passado” ou de que “o modelo republicano é mais democrático”. Para esses já respondo que a maior parte da população de países como o Reino Unido, o Japão, Suécia, Noruega, Holanda, Bélgica, Dinamarca (que, junto com Canadá, Austrália e Nova Zelândia constituem democracias modernas e desenvolvidas sob um regime monárquico) não pensa assim. Antes de criticarem a monarquia, as pessoas deveriam se informar mais…

Muito bem! Perguntam a razão de eu ser monarquista. Já disse, e repito, preliminarmente, que só vim a conhecer alguém da Casa Imperial do Brasil este ano de 2014, quando tive a feliz oportunidade de encontrar com Dom Bertrand de Orléans e Bragança. Príncipe Imperial do Brasil, com quem tive uma excelente conversa! Tampouco estou formalmente vinculado a qualquer organização monarquista (o que não significa que não o farei oportunamente). Sou monarquista, primeiro, porque creio que uma boa democracia se desenvolve em regimes parlamentaristas e, no Parlamentarismo, entendo que o melhor modelo é o monárquico, não o republicano. Repúblicas parlamentaristas são imperfeitas e o Presidente nunca consegue representar a totalidade da nação como o Chefe de Estado deve fazer (vide o recente caso alemão).

moeda imperioAdemais, parece-me que o único lugar onde o Presidencialismo realmente deu certo foi nos EUA, onde eles criaram o modelo, e no qual a instituição “presidência” é sagrada. Por aqui pela América Latina, o que se viu foram republiquetas instáveis, com caudilhos lutando pelo poder, golpes de Estado e instabilidade político-institucional marcada por aspirantes vorazes a ditador ou megalômanos que chegavam ao palácio presidencial sem estar realmente preparados para ocupar a posição de primeiro mandatário.

Outra razão pela qual sou monarquista é que acho que à época do Império tínhamos instituições mais sólidas e valores mais consistentes. A figura do monarca ajuda nisso – por mais que pessoalmente ele possa ser cheio de imperfeições (senão não seria humano), como figura pública é um símbolo nacional, com valores que devem ser seguidos, servindo de exemplo à população. O povo precisa de heróis, o povo precisa de referenciais, e um soberano é muito útil para compor positivamente esse imaginário. Ademais, aquela foi uma época em que o Brasil, com todos os seus problemas de desenvolvimento e atraso social, tinha uma Economia estável, um regime com liberdade de imprensa, grandes estadistas na vida pública, e era respeitado no concerto das nações, isso muito se devendo aos soberanos que aqui reinaram. Foi uma época, realmente, em que o Brasil era grande!

Antes que venham os comentários pacóvios: monarquias são menos suscetíveis à corrupção que repúblicas, a começar pelo próprio Chefe de Estado. Um monarca não precisa roubar do erário. Afinal, se o fizesse, estaria tirando do próprio bolso e não faria o menor sentido degradar um patrimônio que ele iria deixar para seus filhos. E se roubasse, qual seria o sentido? Onde, quando e como gastaria o butim? Presidentes, por outro lado, têm que fazer seu pé de meia, para quando deixarem o poder…

A monarquia, ao contrário do pensam alguns, é muito mais barata que uma República. Saibam que a Presidência de um país como o Brasil gasta muito mais que qualquer Casa Real. E, ainda que as despesas fossem mais altas para manter uma família real (melhor manter uma família permanentemente que várias famílias de presidentes por sucessivos anos), alguém já pensou no custo do presidencialismo em termos de gastos com campanhas eleitorais periódicas? Quanto dinheiro público não é gasto a cada quatro anos somente com as eleições presidenciais?

coroas (1)Não quero, repito, convencer ninguém para minha causa. Escrevi este texto porque quero compartilhar com meus leitores essa característica político-ideológica que para muitos me é tão marcante. Se você não gostar do que escrevi, paciência, não perca seu tempo tentando desconstruir meu discurso, vá cantar em outra freguesia. Escrevo para aqueles que, ao menos, tenham um mínimo de discernimento e sensatez para considerarem opiniões divergentes das suas, e que não sejam obtusos a ponto de simplesmente se fecharem a qualquer argumento que não tenham facilidade de compreender ou que pensem ser contrário a sua maneira de ver o mundo.

Monarquia é sinônimo de estabilidade. Refiro-me a monarquias constitucionais, que fique bem claro. É instituição moderna (ao contrário do que muitos pensam) e tem aspectos muito positivos.

Este quase quarentão (faço aniversário daqui a 23 dias) pode afirmar com toda convicção que prefere ser súdito do Império do Brasil a cidadão desta (ou de qualquer outra) república… Viva o Império do Brasil! Pela restauração! 

brasilimp1822-1889

Votarei pela mudança

brasil-olhoPara mim é muito desconfortável votar para presidente. Afinal, não acredito neste modelo presidencialista falacioso e ilusório. Entretanto, neste domingo votarei para presidente. Tenho que fazê-lo. E o farei com um profundo desejo de mudança e consciente de que se continuarmos com o (des)governo que aí está, o Brasil entrará em colapso.

Votarei contra a manutenção no poder do grupo que aí está. Doze anos são mais que suficientes.  Levaremos muito tempo para tentar sanar os danos causados por essa organização ao País: inflação sem controle, endividamento, grandes obras no exterior às custas da falta de investimento interno, dilapidação do patrimônio público, corrupção, enfraquecimento de empresas que eram motivo de orgulho para todos os brasileiros, aparelhamento do Estado, destruição da meritocracia, difusão de um discurso de ódio racial e de embate social… Isso só para lembrar alguns dos aspectos marcantes do período. Fatos, contra os quais não há argumentos. Por isso votarei pela mudança.

Houve ganhos sociais no período? Certamente. Importante a quantidade de brasileiros que saíram da miséria e as oportunidades criadas para os menos favorecidos. Entretanto, isso se deu às custas de uma dívida avassaladora, da Economia em frangalhos, da classe média desprestigiada e do setor produtivo enfraquecido. Não coaduno com essa idéia de sacrificar a classe média e aqueles que empreendem e produzem sob o argumento de que se está a socializar a riqueza. Por isso votarei pela mudança.

O legado do grupo que tem estado  por doze anos à frente do Brasil é mais nefasto ainda no campo das idéias e dos valores (ou da falta deles). Estou cansado deste discurso paternalista, assistencialista, fraudulento e autoritário. Estou cansado de um governo que tenta mudar a História, que transforma mentiras em verdades, e que quer impor como devo pensar e agir. Inadmissível a desonestidade intelectual e a falta de moral do discurso oficial. Por isso votarei pela mudança.

Esses últimos doze anos foram de intensa pilhagem dos cofres públicos, de mensalões, de petrolões, de maracutaias institucionalizadas das mais diversas. Estou cansado de um governo que acoberta criminosos comuns como se heróis fossem simplesmente porque pertencem ao partido. Inconcebível que haja quem ainda insista em defender os quadrilheiros que caíram como abutres na estrutura do Estado e começaram a dilapidá-la, pousando de arautos da ética. Por isso votarei pela mudança.

Com o enraizamento no poder do grupo que aí está, os ventos do autoritarismo têm chegado. São perseguições políticas, patrulhamento ideológico, invenção de mentiras contra opositores e, na modernidade, a terrível e famigerada “militância ativa virtual” (MAV) – milhares de pessoas pagas em esquemas que envolvem dinheiro público para, protegidas pelo anonimato do ambiente virtual, monitorar e atacar (com os métodos mais desprezíveis) quaisquer tentativas de crítica ao establishment. Nada muito diferente do que se fazia e se faz nos mais autoritários dos regimes… Estou cansado desse patrulhamento ideológico e desse discurso autoritário. Por isso votarei por mudança.

Se não tivermos mudança, o Brasil entrará em colapso. A situação tornou-se insustentável, simples assim. O próximo ano será um grande desafio para qualquer um que assumir a cadeira presidencial, e tenho convicção de que o grupo que aí está não terá capacidade de gerenciar a crise (para a qual ele muito contribuiu). Também não acredito em qualquer alternativa de cunho “socialista” para o Brasil. Acredito em trabalho, espírito empreendedor, e liberdade para produzir riqueza. Por isso votarei pela mudança.

Enfim, amanhã votarei pela mudança. Não quero e não vou desistir do Brasil. Minhas orações hoje serão para que a Providência ilumine os quase 150 milhões de brasileiros neste 5 de outubro. Que amanhã seja o primeiro dia de grandes transformações. E que o Brasil possa ter um governo que se preocupe com o interesse público e não com ideologias, com interesses partidários e muito menos com benefícios pessoais às custas da res publica. Quero meu Brasil de volta! Quero mudança! Quero que saia o vermelho e volte o verde e o amarelo!

Brasil acima de tudo! Viva o povo brasileiro! Por um País mais ético, livre, democrático, justo e perfeito!

Brazil Confederations Cup Protests

O Hino da Independência

Em 7 de setembro de 2011, ano inaugural de Frumentarius, publiquei o texto que segue sobre o Hino da Independência. Essa composição, bela peça de autoria de nosso primeiro Imperador, sempre enche de emoção os patriotas brasileiros, monarquistas ou republicanos. A bandeira imperial brasileira também foi idealizada por Pedro I, com o Brasão do Império pintado por Debret. Dois dos maiores símbolos nacionais remontam, portanto, aos tempos pré-republicanos. Interessante notar, ainda, que nosso hino nacional brasileiro também é o hino do Império do Brasil, que foi mantido (a letra foi inserida no período republicano).

Neste momento de crise de moralidade, não há como não deixar de pensar em uma época em que valores nacionais eram cultuados, e em que havia uma grande quantidade de homens públicos competentes, preparados e que se preocupavam com os interesses maiores da nação, homens como José Bonifácio e Joaquim Nabuco. O País precisa recuperar esses valores.

Viva o Império do Brasil! Pela restauração!

Seguem um filme com o Hino da Independência e o texto que publicamos em 2011.

Hino da Independência

Pintura em que D. Pedro I realiza a execução da peça musical dedicada ao Hino da Independência.

Uma das mais belas peças dentre as melodias cívicas, o Hino da Independência deveria ser executado com mais freqüência no País, trazendo orgulho a todos os brasileiros. Afinal, quantos países têm o privilégio de ter um hino tão rico e belo composto pelo goverante?!? Para ouvi-lo, clique aqui

O 7 de setembro é data importante para lembrar que ainda temos muito que lutar pela nossa independência como nação sobera, libertando-nos dos grilhões pérfidos da corrupção, da desigualdade e do retrocesso!

Ah, como carecemos de brasileiros comprometidos com um bem maior, com o desenvolvimento do País e com a probidade no trato da coisa pública! Quantos estão dispostos a morrer pelo Brasil?

HINO DA INDEPENDÊNCIA

(Extraído de http://www.brasilescola.com/historiab/hinodaindependencia.htm)

Se a arte imita a vida, podemos notar que a história do Hino da Independência foi tão marcada de improviso como a ocasião em que o príncipe regente oficializou o fim dos vínculos que ligavam Brasil a Portugal. No começo do século XIX, o artista, político e livreiro Evaristo da Veiga escreveu os versos de um poema que intitulou como “Hino Constitucional Brasiliense”. Em pouco tempo, os versos ganharam destaque na corte e foram musicados pelo maestro Marcos Antônio da Fonseca Portugal (1760-1830).

Continuar lendo

192 anos da Independência: Pátria Amada, saqueada

independencia2Há 192 anos, um príncipe português (que amava esta terra como poucos) rompia os laços com a metrópole e proclamava o Brasil um país independente. Uma nova nação se erguia, com um povo valoroso que ansiava por ocupar seu papel de destaque no cenário internacional. Verde e amarelo eram nossas cores. O regime monárquico nos unia e garantia um Estado democrático, Nascia um país rico pela própria natureza, próspero por suas riquezas naturais e, sobretudo, por seu povo singular.

Passados quase duzentos anos do episódio do Ipiranga, pouco há a se comemorar no Brasil independente. Há como se dizer independente, se a nação é saqueada, pilhada, a corrupção impera, homens e mulheres inescrupulosos buscam qualquer oportunidade para roubar e se locupletar da coisa pública, como se de ninguém ela fosse? Denúncias de corrupção em altas esferas do poder nacional se espalham. Ao mesmo tempo, o cidadão se vê vítima também dos “bandidos pequenos”, que se proliferam e roubam, roubam, roubam, com a certeza da impunidade. Será que nos transformamos em uma pátria de ladrões?

Os brasileiros temos pouco a comemorar nestes 192 anos da independência. O País perde valores, ensina-se racismo e ódio nas escolas, parte significativa da população torna-se refém de assistencialismos, o mérito deixa de ser importante, substituído pela afirmação de incompetência  e pelo vínculo ideológico como as únicas formas de se vencer na vida. O que conta, o que se ensina, é o quanto se pode sugar do Estado. A livre iniciativa e o empreendedorismo são condenados e aquele que se faz por si mesmo não tem lugar diante da massa que só prospera por meio de benesses do Estado, pois aqui o melhor é ser “coitadinho”.

CORRUPção1Mensalões e petrolões  assolam o país. A classe política encontra-se completamente desacreditada. Mas ela é só um reflexo do povo que lhe transfere poder. Sim, porque os brasileiros são responsáveis por seus governantes. Gritos de mudança se perdem em meio a mentiras e manipulações. Bandeiras vermelhas e negras assumem o lugar do verde o do amarelo que fundaram a nação. E tudo segue, como se normal fosse. O que importa é o próximo capítulo da novela, ou o jogo da próxima quarta.

Há muito não se via um momento tão crítico na História do Brasil. Infelizmente, o Estado está aparelhado, corações e mentes submissos, mentira e manipulação imperam, e a população tão dependente das benesses públicas, que permanece passiva, bestializada diante do mar de lama que assola o País.

corrupcaoBrasilEm 192 anos de existência, o Brasil parece, realmente, sem rumo. Incompetência gerencial e corrupção, roubalheira generalizada e desavergonhada, assistencialismo, imposição de um discurso mentiroso, falta de valores cívicos, de respeito, de preocupação com o bem comum, tudo isso faz deste País dependente de um grupo com um projeto de perpetuação de poder, e da população completamente refém de si mesma. E o pior, não se percebe sinais de mudança.

Cerca de duzentos anos atrás, o Rei Dom João VI alertou seu filho Pedro de que se atentasse para os aventureiros que poderiam se apossar do Brasil. Dessa maneira, teria dado sua benção para que o amado filho tornasse esta terra independente. Após dois séculos, o Brasil está na mão de aventureiros e aproveitadores, sob o jugo não mais de portugueses, mas dos próprios brasileiros. Precisam proclamar novamente nossa independência e romper com os lações ideológicos e de servidão que fazem 200 milhões de homens e mulheres reféns de brasileiros inescrupulosos. Se não for proclamada uma nova independência do Brasil, a alternativa para esta nação será a morte.

Independência_ou_Morte_

A mais legítima das nossas constituições

imageEntre as publicações da Semana da Pátria, gostaria de fazer referência hoje à melhor constituição que este país já teve e que neste ano completou 190 anos de sua promulgação: a gloriosa Constituição do Império do Brasil, de 1824. Peça jurídico-política fascinante, nossa primeira (e, em que pesem os arroubos republicanos, única e legítima) Constituição durou 67 anos, ao contrário das peças republicanas que parecem ter tempo de validade (cerca de 20 anos)…

Acredito que todos os que se interessam por Política e por História deveriam conhecer a Carta de 1824, obrigação esta também aos juristas. Constituição plástica, objetiva, liberal e democrática, permitiu ao País manter-se como uma democracia unida nos anos de maior tormenta, quando tivemos guerras intestinas e conflitos com os vizinhos.

Gosto da Carta de 1824. E trarei para esta página alguns trechos dela nos próximos dias. O primeiro deles refere-se a seu último artigo, o 179, que trata dos direitos e garantias individuais. Ora, vejo muita gente falando da Carta de 1988 como “constituição cidadã”, como se direitos civis tivessem sido por ela inventados. Não é bem assim. No texto constitucional de 1824 vemos o direito de ir e vir, a liberdade de opinião e de expressão, liberdade religiosa (em um país em que o Estado dispunha de religião oficial), inviolabilidade do lar, o direito ao contraditório e à ampla defesa…

De fato, nossa Constituição do Império já tratava de direitos individuais e de uma forma muito semelhante àquela de 1988. Note-se, porém, que foi produzida no início do século XIX, em um país considerado periférico, que há pouco deixara de ser colônia e em uma época em que os ideais revolucionários de 1789 eram rechaçados pelo retorno do Antigo Regime na Europa.

Conheça o art. 179, e tire suas próprias conclusões. Só peço que leia com atenção, despido de preconceitos, e até o final.

Viva o 7 de setembro! Viva o Império do Brasil! Pela restauração!

Constituição do Império do Brasil (1824)

Art. 179. A inviolabilidade dos Direitos Civis, e Politicos dos Cidadãos Brazileiros, que tem por base a liberdade, a segurança individual, e a propriedade, é garantida pela Constituição do Imperio, pela maneira seguinte.

        I. Nenhum Cidadão póde ser obrigado a fazer, ou deixar de fazer alguma cousa, senão em virtude da Lei.

        II. Nenhuma Lei será estabelecida sem utilidade publica.

        III. A sua disposição não terá effeito retroactivo.

        IV. Todos podem communicar os seus pensamentos, por palavras, escriptos, e publical-os pela Imprensa, sem dependencia de censura; com tanto que hajam de responder pelos abusos, que commetterem no exercicio deste Direito, nos casos, e pela fórma, que a Lei determinar.

        V. Ninguem póde ser perseguido por motivo de Religião, uma vez que respeite a do Estado, e não offenda a Moral Publica. Continuar lendo

Tratamentos imperiais, reais e nobiliários

TITULOS_NOBREZAEstamos na Semana da Pátria, quando celebramos os 192 anos do Grito do Ipiranga, ocasião em que o Brasil rompeu os laços coloniais com Portugal e, graças a portugueses e brasileiros que amavam esta terra, a começar por Sua Majestade Imperial e Real, Dom Pedro I, tornou-se uma próspera e unida nação, abençoada por ser uma monarquia em meio à diversidade de repúblicas e republiquetas deste continente.

Buscarei publicar, nos próximos dias, assuntos referentes à monarquia, que tanto agradam a meus leitores (é interessante como publicações relacionadas a assuntos monárquicos estão entre as mais procuradas neste site, assinalam as estatísticas). Nessa linha, gostei do texto a seguir, retirado da revista eletrônica “Mundo da Nobreza“. Como se dirigir a imperadores, reis e nobres? Quais pronomes de tratamento utilizar? Espero que um dia possamos, novamente, usar alguns desses aqui em Pindorama, quando a república anacrônica e corrompida for substituída pelo novo e moderno Império do Brasil!

Viva o Império do Brasil! Pela restauração!

Brasil.Império

TRATAMENTOS

Muitas vezes nos perguntamos: “Qual a correta maneira de se dirigir a um Príncipe, ou a um outro Nobre?”, para responder a esta, e outras perguntas, a Revista Eletrônica Mundo da NOBREZA publica as corretas formas de tratamento, pelo qual se deve dirigir a cada Membro da Realeza, Nobreza ou Aristocracia.

Os tratamentos estão organizados do mais elevado ao menos importante.

SUA SANTIDADE (S.S): É a mais elevada forma de tratamento, que é de uso exclusivo do Santo Padre o Papa, que como Soberano da Santa Igreja Católica, é também o Chefe de Estado do Principado da Cidade do Vaticano. Possui muitos outros títulos, como Sumo Pontífice, ou Pai dos Reis e dos Príncipes, etc.

SUA SACROSSANTA MAJESTADE IMPERIAL (S.S.M.I.): Título que era utilizado pelos Sacrossanto Imperadores Romano-Germânicos, até 1806. Atualmente não é mais utilizado.

SUA MAJESTADE IMPERIAL E REAL (S.M.I&R.): É a mais elevada forma de tratamento dada a um Monarca, sendo que é reservada aos Imperadores, que também possuam a dignidade de Reis.

SUA MAJESTADE IMPERIAL (S.M.I): É o tratamento dado aos Imperadores, para assim serem distinguidos dos demais Reis. Hoje é quase inexistente seu uso, mas foi o tratamento utilizado pelos Imperadores do Brasil, do México, e pelos Monarcas Britânicos, durante a existência de seu Império colonial. Continuar lendo

O Assassinato que Mudou o Mundo

HGM_Wilhelm_Vita_Porträt_Franz_FerdinandA História se faz de pessoas, fatos e coincidências, ao contrário do que pregam alguns historiadores marxistas (que elaboram teorias rebuscadas sobre lutas de classe e movimentos de ideias, em que o indivíduo pouca importância tem diante do coletivo e das relações sociais). E a história de algumas pessoas individualmente acaba afetando a história de toda uma coletividade. Foi exatamente o que aconteceu há exatos cem anos.

O nome dele era Francisco Ferdinando Carlos Luís José Maria da Áustria-Este. Nascido em 1863, aos 25 anos (1889) foi alçado à condição de herdeiro do trono da Áustria, com o suicídio de seu primo Rodolfo de Habsburgo e a renúncia de seu pai, Carlos, irmão do então quase sexagenário Imperador Francisco José (que reinaria até a morte, em 1916). De temperamento sisudo e, para alguns, pouco expressivo, Francisco Ferdinando não mantinha relações das mais amistosas com seu tio, o que não o impediria de ser preparado para assumir o trono da mais tradicional das Casas Reais europeias (sobre a história da grandiosa Casa de Habsburgo, clique aqui – já escrevemos em Frumentarius a respeito).

Archduke_Franz_with_his_wifeE foi exercendo suas funções de herdeiro do trono da Áustria-Hungria que Francisco Ferdinando perderia a vida, com conseqüências que alcançariam todo o conjunto da humanidade por décadas. Em 28 de junho de 1914, o Arquiduque e sua esposa, Sofia, duquesa de Hohenberg, visitavam Sarajevo, na Bósnia. Era a época das manobras de verão do exército austro-húngaro que se realizavam naquela região periférica, porém estratégica, do Império. Francisco Ferdinando ali chegara em 25 de junho para supervisionar os exercícios militares, e no dia 27 seguira para Sarajevo, capital da província, para compromissos oficiais. O problema é que a data coincidia com a festa de São Vito, o festival nacional sérvio Vidovdan, aniversário da mítica batalha de Kossovo, em 1389, quando os sérvios haviam sido derrotados pelos turcos – e acreditavam que ali havia começado o longo período de sofrimento nas mãos de opressores estrangeiros. Muitos sérvios percebiam a decisão da visita do Arquiduque como um insulto calculado.

sophie deadNaquela manhã, quando seguia pelas ruas de Sarajevo, o cortejo do Arquiduque sofreu um atentado, quando uma bomba foi lançada contra um dos carros da comitiva. O alvo, por óbvio, era Francisco Ferdinando, mas o terrorista incompetente (um jovem revolucionário bósnio) errou, e o veículo de Sua Alteza escapou iles, seguindo o compromisso no Legislativo local. O mentecapto que cometeu o atentado tentou suicídio, engolindo uma cápsula de cianureto e se jogou no rio, mas acabou vomitando o veneno, dominado pela polícia (o rio tinha apenas 12 centímetros de profundidade) e levado sob custódia. Os outros três conspiradores acovardaram-se e fugiram.

Após a solenidade na câmara municipal, o Arquiduque cancelou a agenda do dia e se dirigiu ao hospital para visitar os feridos no atento. Aí é que se operam as coincidências que alteram os rumos da História… O motorista de Francisco Ferdinando errou o caminho e separou dos carros da frente do cortejo, virando em uma rua (que por mais uma coincidência tinha o nome de seu tio, Francisco José). Ao fazer a manobra para retomar o trajeto, o motor parou. Naquele instante, os deuses do destino colocaram o veículo de Francisco Ferdinando indefeso diante de um dos terroristas que, frustrado, ia embora: o nacionalista bósnio, Gravilo Princip. Diante da oportunidade, Princip não titubeou e disparou dois tiros contra o carro do herdeiro do Trono da Áustria, acertando fatalmente o Arquiduque e sua esposa. Ambos morreram em alguns minutos. O acionamento do gatilho da pistola do jovem terrorista seria o estopim do maior conflito que o mundo já conhecera.

 Princip_arrest (1)Fugindo, Princip foi abrigar-se na Sérvia, nação vizinha e rival do Império Austro-Húngaro. Aberto um inquérito para apurar as responsabilidades pelo atentado, as autoridades austríacas não conseguiram encontrar elemento que ligasse diretamente o governo sérvio ao crime, mas identificaram vínculo entre setores do exército sérvio e os conspiradores. De fato, os terroristas pertenciam à “Mão Negra”, uma organização secreta do movimento nacionalista iugoslavo, cujo líder era o chefe do serviço de inteligência sérvio.

250px-GavrilloprincipNas semanas que se seguiriam, Viena exigiria que Belgrado entregasse Princip. Diante da negativa da Sérvia (que tinha o apoio político e militar do Império Russo), a Áustria-Hungria (que, por sua vez, possuía na Alemanha Guilhermina seu principal aliado) acabou declarando guerra aos sérvios no início de agosto. Logo, como em um dominó, partindo em auxílio uns dos outros, e sob a égide de alianças militares secretas, os principais países europeus ver-se-iam envolvidos em conflito que, pondo fim a um século de paz na Europa, duraria quatro anos, alcançaria todo o planeta e ceifaria 15 milhões de vidas: a I Guerra Mundial.

Os rosacruzes costumam dizer que o acaso não existe. Naquele fatídico 28 de junho de 1914, um Princip mataria um Arquiduque, e a morte de um homem acabaria por provocar a aniquilação de milhões. Eis uma data e um acontecimento que devem ser sempre lembrados. Afinal, foi um atentado terrorista, em uma região periférica da Europa, contra uma autoridade pouco querida e mesmo sem muito prestígio, em uma época em que se achava que a paz entre os povos estava assegurada, mas que provocaria uma hecatombe que até hoje afeta nossas vidas, 100 anos depois.

Curiosamente, há registros de que o herdeiro do Trono Austro-Húngaro simpatizava com a causa eslava e suas aspirações de maior autonomia.  De fato, havia-se mostrado predisposto a aceitar – ao contrário de seu tio, o Imperador – resoluções a favor de uma maior autonomia daqueles povos eslavos, desde que se mantivessem vinculados ao Império. Não viveu para promover essas mudanças… tampouco seu império sobreviveu à Grande Guerra…

arch-Duke Franz Ferdinand - assassination sarajevo - Mein kampf - Hitler - Third Reich

A Redentora esquecida

Princesa IsabelIncomoda-me o fato deste 13 de maio não ser lembrado como uma data de festa e celebração. Afinal, foi no 13 de maio de 1888 que a regente Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, libertando milhões de brasileiros da escravidão. E, fazendo o que fez, Sua Alteza sacrificou seu trono e o futuro de seus filhos. Para libertar os escravos, a Princesa Isabel abriu mão de seu reinado e condenou sua família ao exílio.

A abolição foi uma conquista do Império, é sempre bom lembrar. A família imperial sempre foi antiescravocrata. E o 13 de maio é que deveria ser a data da consciência negra, data para se lembrar do quão valiosa é a liberdade. Deveria ser um dos feriados mais importantes do nosso calendário cívico. Será que é pedir demais?

Viva o 13 de maio! Viva a Princesa Isabel! Viva o Império do Brasil! Viva a Liberdade!

Noticia_lei_aurea

 

Separar para quê?

scotland-flag-1_2103925cÉ sempre bom lembrar a meus alunos de Relações Internacionais que o separatismo não é uma exclusividade da Ucrânia na Europa de hoje… Há muitas regiões do continente que clamam por emancipação. Geralmente, no contexto atual de integração européia, o separatismo pode trazer mais prejuízos que benefícios para as novas nações que queiram surgir no Velho Mundo.

Publico aqui interessante artigo da DW sobre o separatismo escocês e o referendo de 18 de setembro, quando os escoceses decidirão se permanecerão no Reino Unido e se constituirão uma nação independente. Sei não, mas acho que seria um tiro fatal no pé essa separação da Escócia. A União existe há três séculos; a Grã-Bretanha é a sexta economia do planeta e os escoceses, apesar de suas diferenças e do sotaque, estão tão inseridos na sociedade britânica que é inconcebível imaginar o povo das terras altas constituindo outro país… Esqueçam separação… a coisa não vai acabar bem…

Os escoceses até poderiam se separar… só queria ver onde ficará a Pedra de Scone, ou Pedra do Destino, na coroação do sucessor de Elizabeth II (se algum dia Elizabeth II vier a falecer…). Para quem não sabe, é uma pedra sobre a qual os reis escoceses eram coroados e que foi tomada pelos ingleses quando conquistaram as terras altas. Desde então, durante séculos a pedra ficou em Londres, e todos os reis ingleses e britânicos a partir de então são coroados sobre essa pedra, que fica embaixo do trono… Recentemente ela foi transferida para Edimburgo, mas com a ressalva, sempre destacada, que continua a pertencer à Coroa Britânica… tradição é tradição.

Reino Unido acirra campanha contra a independência da Escócia

Deutsche Welle, 27/04/2014

Após mais de 300 anos de união, escoceses opinam sobre separação do Reino Unido em referendo marcado para setembro. Governo em Londres faz campanha para reverter o avanço nacionalista entre o eleitorado escocês.

Schottland Unabhängigkeit von Großbritannien

O governo britânico decidiu intensificar a campanha contra o referendo sobre a independência da Escócia, marcado para o dia 18 de setembro. Nesta semana, o secretário-chefe do Tesouro britânico, Danny Alexander, irá a Edimburgo tentar “desfazer mitos” que cercam as reivindicações feitas pelos defensores da separação.

Continuar lendo

Nenhuma bandeira vermelha me representa!

bandeiras_imperio_republicaNão sei se sou apenas eu, mas fiquei muito irritado e incomodado com a imagem de estudantes hasteando uma bandeira vermelha após arriarem a bandeira brasileira na invasão à reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina. Confesso que me embrulha o estômago ver bandeiras vermelhas, com foice e martelo ou estrela, em manifestações, passeatas e protestos pelo Brasil.

Por que me ofendo tanto em ver esse gesto obsceno de substituição da bandeira brasileira por um pano vermelho? É pelo simbolismo da ação, simbolismo esse de que talvez a maioria dos idiotas que agiram daquela maneira nem tenha noção (os líderes do movimento sabiam o que estavam fazendo, mas o restante, como sempre, era massa de manobra, marionetes).

brasil06oPor que me ofendo tanto em ver esse gesto obsceno de substituição da bandeira brasileira por um pano vermelho? Porque a bandeira é um símbolo de um conjunto de idéias e, no caso do pavilhão nacional, de valores e princípios que servem de alicerce para nossa cidadania, nossa nacionalidade e nossa soberania. É a marca mais reconhecível de nosso povo, dos valores que nos unem, dos desafios que enfrentamos, dos anseios e sonhos que temos. Substituir a bandeira nacional por um pano vermelho é gesto, portanto, marcado por simbolismos.

Substituir a bandeira nacional por um pano vermelho é ofender nossa nacionalidade. Substituir a bandeira nacional por um pano vermelho é se levantar contra valores de cidadania e patriotismo. Substituir a bandeira nacional por um pano vermelho é deixar claro que um conjunto de idéias confusas (isso na melhor das hipóteses de que aquele pano sujo represente alguma coisa) são mais valiosas e valorosas que tudo aquilo que o pavilhão nacional representa.

Operation unified ResponseNenhuma bandeira vermelha me representa. E incomoda-me que estudantes, em nome de uma rebeldia infantil, de total alienação ou apenas como desculpa para fumarem maconha e posarem de revolucionários de verniz, saiam por aí hasteando bandeiras vermelhas em substituição ao pavilhão verde-amarelo. Os mentecaptos que fazem isso deveriam realmente estudar, conhecer a História, e aí saberiam quantos males foram causados sob a égide de bandeiras vermelhas… Sim, porque bandeiras vermelhas costumam estar associadas a sangue derramado, a idéias de ódio e rancor, a regimes totalitários e ao uso da violência e do terror, ainda que encobertos por um discurso de paz e solidariedade, para que homens oprimam outros homens.

dragao_bandeiraNenhuma bandeira vermelha me representa. A bandeira que me representa tem verde e tem amarelo. A bandeira que me representa se destaca como a de um País que tem todas as condições de ser grande, de um povo multiétnico e tolerante, de uma gente que batalha pela sobrevivência, que derrama seu suor na labuta desconhecida de muitos daqueles estudantes com seu discurso alienado. Diga-se de passagem, é o suor desses trabalhadores (e que talvez nunca tenham a oportunidade de chegar à universidade) que paga os impostos para custear as aulas (cabuladas) dos estudantes que protestam e a manutenção do patrimônio público que é por esses jovens rebeldes depredado. Rebeldia sem causa se cura com trabalho…

Nenhuma bandeira vermelha me representa, sobretudo quando a causa daqueles que a carregam é mesquinha, espúria e sem sentido. Estudante de universidade pública tem mais é que estudar, e não ficar fazendo manifestação para protestar contra tudo ou contra nada, ou ficar se drogando no campus. Repito, aquilo que sai de graça para ele é fruto dos impostos que toda a sociedade paga. O mínimo que deveria fazer é honrar esse sacrifício de milhões de brasileiros.

Nenhuma bandeira vermelha me representa. A bandeira que me representa tem verde e tem amarelo. E nosso pavilhão é lindo, com cores nacionais forjadas nas lutas à época da independência, de um Brasil que já foi um grande Império, uma nação altiva e promissora… são cores que há muito estão presentes no imaginário do brasileiro e simbolizam nossa nacionalidade.

bandeira esplanadaA bandeira que me representa tem verde e tem amarelo. É bandeira que esteve em momentos decisivos de nossa história (nas lutas pela unidade nacional, nos combates pela consolidação do território, na guerra contra o invasor paraguaio, na belíssima e heroica campanha de nossos pracinhas nas terras da Itália, na campanha pelas diretas)… É bandeira em nossos navios, nos produtos que exportamos, nos uniformes de nossos soldados e de nossos atletas, na camiseta da seleção canarinho, nas mãos do saudoso Ayrton Senna…

E-viva-o-povo-brasileiroA bandeira que me representa é aquela que simboliza uma nação que, conforme uma antiga canção militar, foi forjada “com fibra de herói, de gente brava”, mas também de um povo que preza pela paz e pela alegria de viver, cuja marca é a obstinação, tolerância, companheirismo, um povo que tem uma maneira singular de lidar com os desafios e as agruras da vida! Essas são as cores do meu país, essas são aos cores do Brasil, essas são as cores que simbolizam o povo brasileiro, essas são as cores que me representam.

Como é lindo nosso pavilhão! Como é lindo o losango amarelo no retângulo verde! Chamem-me de piegas, de tolo, de ingênuo, mas digo que nossa bandeira é linda, que me emociono quando a vejo, que sinto orgulho de ser brasileiro, apesar de todos os problemas com que temos que lidar como nação que quer ser grande.

Devemos ter mais apego por nossos símbolos nacionais. Devemos ter mais amor por tudo que representa nossa terra, nossas raízes, nossa história e nossa cultura singular. Devemos valorizar nosso verde e nosso amarelo e jamais permitir que um trapo vermelho nos represente…

Brazilian Formula One champion Ayrton Senna takes

VEJA

Universidades 27 de Março de 2014 Santa Catarina

UFSC: invasores da reitoria trocam bandeira nacional por pano vermelho

Direção admite que sabia de uso de drogas no campus. Delegado da PF diz que reitoria quer transformar instituição em ‘república da maconheiros’

Por Bianca Bibiano
Bandeira vermelha na UFSC
Estudantes que participam da ocupação na reitoria da UFSC substituíram a Bandeira Nacional por uma vermelha (RBS TV/Reprodução)

Os alunos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) que participam da ocupação da reitoria arriaram, nesta quinta-feira, a bandeira nacional que ficava no mastro principal da instituição e a substituíram por um pano vermelho com a inscrição “Reitoria Ocupada”. Contrário ao ato, um grupo de estudantes levou a bandeira brasileira para o Centro Tecnológico da instituição e a hasteou a meio-mastro em sinal de protesto. Pelo Facebook, o grupo afirmou também que fará uma passeata para “mostrar que nem todos os estudantes da UFSC concordam com essa ocupação da reitoria”.

Continuar lendo

80 key facts about The Queen

Como na última semana celebramos os 60 anos de Elizabeth II à frente do Trono britânico, algumas curiosidade sobre Sua Majestade. Que falta faz uma monarquia constitucional! (Note-se que a publicação é de 2006)

God Save the Queen!

elizabeth II jovem

 

A list of 80 key facts about The Queen to mark her 80th birthday, published on 10 April 2006

1. Queen Elizabeth II is the fortieth monarch since William the Conqueror obtained the crown of England.

2. In 2002, at 76 years of age, The Queen was the oldest monarch to celebrate a Golden Jubilee. The youngest was James I (James VI of Scotland) at 51 years.

3. Since 1952, The Queen has conferred over 387,700 honours and awards.

4. The Queen has personally held over 540 Investitures.

5. The Queen speaks fluent French and often uses the language for Audiences and State Visits. Her Majesty does not require an interpreter.

6. The Queen has received over 3 million items of correspondence during her reign.

7. Over the course of the reign, around 1.1 million people have attended Garden Parties at Buckingham Palace or the Palace of Holyroodhouse (The Queen ended Presentation Parties in 1958). Continuar lendo

God save the Queen!

elizabeth IIApenas para lembrar, nesta data Sua Majestade celebra os sessenta anos de seu reinado, iniciado com a passagem súbita de seu pai, o Rei George VI. Nessas seis décadas, Elizabeth II  viu seu Império esfacelar-se em um processo de descolonização, viu uma guerra vencida contra um país distante, testemunhou mudanças na ordem interna e no campo internacional… Continuou porém, reinando altaneira e soberana, amada por seus súditos e mostrando ao mundo as vantagens de uma monarquia constitucional. O período passará à história do Reino Unido como a segunda era elisabetana. Compartilho o comentário a seguir da página Causa Imperial.

D’us Salve a Rainha!

A RAINHA: SEIS DÉCADAS DE SERVIÇO E DEVOÇÃO

Há exatos sessenta e dois anos, na manhã do dia 6 de fevereiro de 1952, um criado de Sandrigham House, em Norfolk, no Reino Unido, encontrou o Rei George VI, Soberano dos Domínios Britânicos e último Imperador da Índia, morto em sua cama. O Rei tinha apenas cinquenta e seis anos. Os tormentos da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) haviam cobrado seu preço sobre a vida de Sua Majestade. Continuar lendo

Um Império pela liberdade

princesaisabel1Neste 13 de maio, é importante que seja lembrado que a abolição ocorreu sob o regime monárquico, durante o Império do Brasil. Comum é a visão deturpada que aquela foi uma conquista das idéias republicanas, provavelmente  devido à proximidade dos acontecimentos com o fim da monarquia bragantina pelo nefasto golpe de 15 de novembro de 1889. Entretanto, só se sabe que ocorreu no canto do cisne do regime a partir de uma perspectiva de hoje, ou seja, não se imaginava, quando da Lei Áurea, que o Império desapareceria alguns meses depois.

Grandes abolicionistas eram também defensores da monarquia. Exemplo maior é Joaquim Nabuco. A própria família imperial sempre marcara sua posição contrária à escravidão, desde de Dom Pedro I, autor de alguns dos primeiros escritos criticando o modelo em uma época que tais idéias eram consideradas demasiadamente liberais (vide post anterior neste site). Essa conduta antiescravagista continuou em seus sucessores, que continuariam envidando esforços, muitas vezes em conduta contrária às elites brasileiras, para por a termo aquilo que se constituía na maior vergonha para nosso Império dos Trópicos. E sabiam que o preço a pagar poderia ser alto, muito alto.

Segundo-Reinado-SociedadeDe fato, cartas divulgadas recentemente revelam que a Princesa Regente tinha consciência de que estaria a sacrificar sua coroa e mesmo a dinastia dos Bragança ao decidir assinar a Lei Áurea. Mais interessante ainda foi a iniciativa de Dona Isabel, com o apoio de seu pai, Dom Pedro II, de indenizar os ex-escravos para lhes permitir tocar com dignidade a vida de libertos, o que, certamente, desagradaria os escravocratas.

Isabel, portanto, fez uma opção consciente: abriu mão do futuro de sua dinastia no Trono do Brasil, desafiando as oligarquias escravocratas, para garantir a libertação dos escravos e o fim dessa mácula em nossa sociedade. Sua memória deve ser cultuada e aclamada pelos brasileiros em geral e pelos descendentes desses libertos em particular. Incomoda-me o dia da consciência negra não ser comemorado no 13 de maio…

Segue artigo interessante sobre aquela grande mulher, que sacrificou o futuro de sua família pela libertação de milhares.

Viva o 13 de maio! Viva a Redentora Isabel! Viva o Império do Brasil!

Missa_17_maio_1888

Princesa D. Isabel e sua carta sobre a abolição da escravatura, segredos revelados.

Carta inédita, pinçada do acervo de 3 mil documentos do Memorial Visconde de Mauá, revela que defendia a indenização de ex-escravos, a reforma agrária e o sufrágio feminino.

“Fui informada por papai que me collocou a par da intenção e do envio dos fundos de seo Banco em forma de doação como indenização aos ex-escravos libertos em 13 de maio do anno passado, e o sigilo que o Snr. pidio ao prezidente do gabinete para não provocar maior reacção violenta dos escravocratas.” Lidas assim, como frases soltas extraídas de uma carta qualquer, que pela ortografia sabe-se antiga, essas poucas linhas dizem quase nada digno de nota para a historiografia brasileira. Mas, se colorirmos essa misteriosa preocupação com nome e sobrenomes, títulos e brasões, temos diante de nossos olhos algo capaz de reescrever um dos mais importantes capítulos da História do Brasil.

“Informada”, quem se diz, é ninguém menos do que Isabel Christina Leopoldina Augusta Michaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Orleans e Bragança, a princesa Isabel (1846 – 1921). O pai a que se refere é o imperador d. Pedro II (1825-1891). Os fundos doados para serem usados como indenização aos ex-escravos seriam recursos do Banco Mauá, que a monarquia usaria para assentar os ex-cativos em terras capazes de produzir seu sustento após a assinatura da Lei Áurea em 13 de maio de 1888. Sim, a contar pelo texto, a monarquia tinha esse projeto. Continuar lendo

400 anos dos Romanov

RomanovAproveitando o momento imperial, registro aqui a bela exposição no site da RiaNovosti em comemoração aos 400 anos da Dinastia Romanov. São fotos interessantes do último Czar e sua família, dos festejos ocorridos em 1913 por ocasião dos 300 anos daquela Casa e de artigos que pertenceram à família imperial, como a primeira carta do Príncipe Coroado Alexei a seu amado pai Nicolau II. Recomendo aos interessados pelo tema.

Para acessar a exposição, clique aqui.

Historiadores Malévolos e a falta de memória

Cripta imperialA exumação dos corpos de Dom Pedro I, Dona Leopoldina e Dona Amélia certamente trará grandes contribuições à História do Brasil. Ainda se estuda muito pouco sobre nosso período imperial e o que a grande maioria sabe a respeito do Império envolve informações desencontradas, entendimentos errôneos e até mentiras deliberademente plantadas para prejudicar a imagem de nossos soberanos e daquelas sete décadas áureas.

Achei interessante a matéria aqui reproduzida com os comentários de Dom Bertrand sobre os “historiadores malévolos”. Sua Alteza tem toda razão, já que, infelizmente, a maioria esmagadora de nossos historiadores pesquisa e produz não em busca da verdade, mas orientados por perspectivas ideológicas e até político-partidárias. No Brasil, assim como em diversos rincões do continente, a produção histórica mostrou-se notadamente submissa a desígnios políticos, sobretudo no contexto do enfrentamento dos anos da Guerra Fria e da bipolaridade. E o pior é que ainda vemos aqueles que mantêm essa perspectiva nas escolas e universidades. Fatos são deturpados por imperativos políticos. Isso não é História – ao menos não é a História que entendo como ciência.

Parabéns à equipe da USP por arregaçar as mangas e buscar a verdade nas fontes verdadeiramente primárias. Estão a fazer um trabalho muito mais valoroso que o de centenas de auto-intitulados “historiadores” que, por prequiça, negligência, imprudência ou até má-fé, preferem repetir o que outros disseram, trabalhar e inventar recorrendo a  fontes secundárias, e contar estórias…

Um país sem memória é um país sem futuro.

Para príncipe, estudo desmente versão de ‘historiadores malévolos’

Para tetraneto de Dom Pedro I, pesquisa serve para ‘limpar a barra da boataria’ que envolve o imperador

19 de fevereiro de 2013 |- Edison Veiga e Vitor Hugo Brandalise – O Estado de S.Paulo

SÃO PAULO – “O estudo descarta hipóteses levantadas por historiadores malévolos.” A frase, do príncipe Bertrand Maria José Pio Januário Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Bragança e Wittelsbach, tetraneto de Dom Pedro I, mostra como a pesquisa repercutiu entre os descendentes da família imperial, talvez preocupados em “limpar a barra da boataria” que cerca principalmente Dom Pedro I – que carrega a fama de mulherengo. Continuar lendo

Um novo horizonte para a História do Brasil

Primeiramente, gostaria de agradecer de coração a todos os amigos e amigas que me enviaram notícias sobre as pesquisas referentes à exumação de nosso amado primeiro Imperador e suas esposas!

O trabalho da professora Valdirene e sua equipe é valioso e meritório. O que foi feito por esses pesquisadores e cientistas da USP contribuirá sobremaneira para uma revisão de nosso passado, e para a recuperação da memória do período mais grandioso de nossa História, a saber, os anos em que este País esteve sob uma monarquia constitucional que nada devia às democracias européias. Mitos, muitos criados com o objetivo de denegrir o Império, serão derrubados… a imagem de nosso primeiro Imperador deverá ser revista… também serão mais conhecidas as duas imperatrizes: Dona Leopoldina, a primeira mulher a governar o Brasil e uma austríaca que amava esta terra muito mais que a maioria dos brasileiros que nos governaram desde 1889; e Dona Amélia, companheira de Pedro I, mão adotiva de Pedro II, e exemplo de dignidade e amor ao marido e a seu legado.

Segue o link para a série de reportagens produzida pelo jornal O Estado de São Paulo: http://infograficos.estadao.com.br/public/familiaimperial/. Essas matérias (e as descobertas fruto da pesquisa do pessoal da USP) só aumentam minha admiração e respeito pelo Império do Brasil e o desejo sincero de um dia ver este País novamente sob uma monarquia constitucional. Pela restauração!

Uma nova história da família imperial

Restos mortais de Dom Pedro I, Dona Leopoldina e Dona Amélia são exumados e passam por bateria de exames; estudo revela detalhes desconhecidos da biografia dos imperadoresFamília imperialValter Diogo Muniz/Divulgação

Família imperial

Pela primeira vez em quase 180 anos, os restos mortais do primeiro imperador brasileiro, Dom Pedro I – alojados no Parque da Independência, na zona sul da capital, desde 1972 – foram exumados para estudos. Também foram abertas as urnas funerárias das duas mulheres de Dom Pedro I: as imperatrizes Dona Leopoldina e Dona Amélia.
Os exames – realizados em sigilo entre fevereiro e setembro de 2012 pela historiadora e arqueóloga Valdirene do Carmo Ambiel, com o apoio da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) – revelam fatos desconhecidos sobre a família imperial brasileira, agora comprovados pela ciência, e compõem retrato jamais visto dos personagens históricos. Continuar lendo

Abertura dos Portos

D. João VI (francês)Acabei não podendo fazer esse registro na data devida, mas o faço agora… No dia 28/01, relembra-se um acontecimento de extrema importância para a História do Brasil: a Carta Régia de Dom João (que viria a ser Dom João VI de Portugal, ou Dom João I do Brasil) que abria os portos do Brasil às nações amigas… Qual o significado disso? Pouco se fala por aqui, mais foi o acontecimento que pôs fim a nossa condição de colônia, pois acabou com o monopólio da metrópole e permitiu o livre comércio entre o Brasil e outros países.

Fui irônico ao dizer que “se relembra”… Praticamente ninguém lembra disso nesta terra sem história, sem passado, sem memória… E logo nós, que temos uma história tão rica e preciosa… A maioria absoluta dos brasileiros não tem a menor percepção da envergadura do acontencimento que foi a vinda da família real de Portugal. Caso único em que a colônia passa a ser a metrópole… Exemplo de “grande estratégia”, que garantiu a manutenção da coroa dos Bragança e de sua jóia mais preciosa…

Fala-se muito de Dom João de maneira jocosa, mas não se percebe que ele foi um dos poucos soberanos de sua geração que resistiu a Napoleão e conseguiu se manter no poder… Preservou sua dinastia em dois continentes e permitiu que o progesso chegasse a estas terras que aprendeu a amar…

Devemos muito de nossa emancipação a Dom João e seu reinado… Graças a sua vinda (que nada teve de idéia transloucada, mas sim da execução de um plano concebido décadas antes pelo genial Marquês de Pombal), o Brasil pôde desenvolver-se e amadurecer econômica, social e politicamente… O monarca amava tanto estas terras que não queria voltar a Portugal… e, quando teve que fazê-lo, aqui deixou o que tinha de mais precioso: seu filho amado, o príncipe herdeiro, e que faria nossa indepência e inauguraria um grande império nos trópicos.

Pabertura_portosassa da hora de se revisar a figura de Dom João VI e de se conhecer mais esse período da História do Brasil… Infelizmente, os brasileiros preferem ver e discutir quem vai para o paredão no BBB…

Segue o texto do documento:

Abertura dos Portos às Nações Amigas

“Conde da Ponte, do meu Conselho, Governador e Capitão-General da Capitania da Bahia, Amigo. Continuar lendo

Aclamação de Guilherme I

Apenas para lembrar que, no último dia 18, celebrou-se o centésimo-quadragésimo-segundo aniversário da aclamação de Guilherme I, da Prússia,  Kaiser da Alemanha unificada (o II Reich)! A cerimônia, epílogo da Guerra Franco-Prussiana (1870-71), ocorreu no Salão dos Espelhos do Palácio de Versalhes, em 18 de janeiro de 1871…

Para um website interessante sobre a Guerra Franco-Prussiana, clique aqui (em inglês).

segundoreich

Kaiser Wilhelm I / Kaiser William I

William I, the first Kaiser, was born March 22, 1797, the second son of Frederick William III, at that time still Crown Prince of Prussia, and the noble Princess Louisa of Mecklenburg-Strelitz. His childhood fell in the saddest time of Germany, its subjection to the tyranny of Napoleon I. As a boy of sixteen he received his commission as captain and joined the headquarters of the allied monarchs at Frankfort-on-the-Main as aide-de-camp of his father. Later on he accompanied Bliicher’s army to France and was several times under fire. Continuar lendo

Uma reação nobre ao golpe republicano…

couto1Ao contrário de Deodoro e asseclas, que depuseram o soberano que lhes concedeu as patentes, Couto de Magalhães mostrou-se um verdadeiro nobre! Se Caxias, Osório e Tamandaré estivessem vivos, queria ver o macho que se envolveria na fatídica quartelada de 15 de novembro!

General Couto de Magalhães durante o golpe da República em São Paulo

Na época não havia internet, mas o telégrafo cumpria bem a sua função. Na tarde de 15 de novembro de 1889, o então presidente da província de São Paulo, General Couto de Magalhães, já tinha conhecimento do golpe militar ocorrido no Rio de Janeiro.

Nessa noite, a sede do Clube Republicano paulista fervilhava. Por aclamação, Prudente de Moraes, Rangel Pestana e o Major Souza Mursa deveriam governar o estado provisoriamente. Uma comissão formada por Campos Sales, Rangel Pestana, Martinho Prado Jr., entre outros, dirigiu-se para o Palácio do Governo, então no Pátio do Colégio, para dar conta da escolha do novo governo constituído. Pediram que Couto de Magalhães entregasse a administração da província, porém o velho militar, veterano da Guerra do Paraguai, recusou a solicitação. Havia sido empossado em seu cargo por um governo legalmente estabelecido e só por ordem de outro, igualmente legal, se retiraria. Achava que a “quartelada carioca” não vingaria. Continuar lendo

Monarquias são mais baratas que Repúblicas – fato!

Artigo muito interessante, especialmente sobre a maneira como se trata o dinheiro público em modernas monarquias constitucionais e em regimes presidencialistas. Destaco, ainda, o trecho sobre as despesas da Casa Imperial do Brasil durante o Segundo Reinado e a conduta altamente repreensível com relação ao erário por parte do governo republicano imediatamente estabelecido após o golpe de 15 de novembro. Contra fatos não há argumentos.

Recomendo, portanto, a leitura atenta, sobretudo aos republicanos mais entusiastas. Aos monarquistas, é conveniente que se conheça esses fatos até para subsidiar nossos argumentos em prol da restauração.

Um dado interessante sobre o assunto é que geralmente se compara apenas o custo de manutençao do monarca e do presidente, ou do monarca e do primeiro-ministro em relação o Chefe de Estado e de governo em regimes presidencialistas… Entretando, deve ser considerado também, no cálculo do custo da república, o gasto com eleições presidenciais periódicas, tanto do Estado ao realizá-las (como o que dispende a Justiça Eleitoral aqui no Brasil) quanto o custo da campanha de cada candidato…

Viva o Império do Brasil! Pela restauração!

Monarquias são mais baratas que Repúblicas

Em pé, da esquerda para a direita: Príncipe Henrik da Dinamarca, Rainha Paola dos Belgas, Rei Albert II dos Belgas, Rei Juan Carlos de Espanha, Rainha Sonja da Noruega, Rei Harald V da Noruega, Príncipe Phillip, Duque de Edimburgo, Rei Carl XVI Gustaf da Suécia, Grã-Duquesa Maria Teresa de Luxemburgo, Grão-Duque Henri de Luxemburgo, Grão-Duque Jean de Luxemburgo, Grã-Duquesa Josephine-Charlotte de Luxemburgo. Sentadas, da esquerda para a direita: Rainha Silvia da Suécia, Rainha Margrethe II da Dinamarca, Rainha Elizabeth II do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, Rainha Beatrix da Holanda, Rainha Sofía de Espanha.
 

Dos muitos equívocos atinentes ao regime monárquico, talvez o mais comum resida na falsa noção de que este é mais dispendioso que o regime republicano. Não são poucos os que a mera lembrança da palavra “monarquia” traz à mente imagens de luxo, fausto e ostentação.

Uma das razões para a confusão é o pomposo cerimonial típico da Monarquia Britânica. De fato, graças ao seu aparato, ela é a mais cara de todas elas – e ainda assim, seu custo não pode ser comparado ao de uma República.

A Monarquia Britânica custa anualmente a quantia de U$ 1,20 a cada um dos seus súditos, o preço de um pão no mercado local. Em seqüência vêm as Monarquias Sueca e Belga – US $0,77 –, a Monarquia Espanhola – US $0,74 –, a Monarquia Japonesa – US $0,41 – e a Monarquia Holandesa – US $0,32. A título de comparação, a Presidência dos Estados Unidos custa ao contribuinte americano quase cinco dólares por ano. Continuar lendo