O Levante e o pós-11/09

Há algum tempo não postava os artigos de Lukyanov, sempre muito interessantes. Gostei da observação referente à pouca atenção dada pelos candidatos à Presidência dos EUA ao problema do terrorismo. De toda maneira, com a crise no mundo islâmico se agravando, Obama e Romney acabam tendo que se manifestar… e algumas vezes não o fazem tão bem.

Recomendo a leitura a meus alunos de Relações Internacionais, pois se trata de análise diferente daquelas com que nos deparamos aqui em Pindorama.

Uncertain World: How the Arab Spring Muddied Post-9/11 Clarity

17:00 13/09/2012

Last Tuesday, September 11, while the United States was commemorating the victims of the 9/11 terrorist attacks, anti-American demonstrations erupted at U.S. consulates in Libya and Egypt.

The demonstration in Benghazi, the home base for the Libyan rebels who came to power thanks to military intervention by the United States and NATO, led to clashes that killed several American diplomats, including the U.S. ambassador to Libya.

In an interview with Al Jazeera a few days earlier, Mohammed al Zawahiri, the brother of al Qaeda leader Ayman al Zawahiri, offered to broker a 10-year peace deal between al Qaeda and the West. The U.S. is to abstain from interfering in the affairs of Islamic countries, in return for which the “legitimate rights” of America and the West will be protected and they will stop being provoked.

Mohammed al Zawahiri, who was acquitted by an Egyptian military court in March this year after spending 14 years in Egyptian prisons on extremism charges, is just one beneficiary of the Arab Spring. Many other opponents of the regime have been set free since the fall of the Mubarak regime. Continuar lendo

Inverno de ódio

Ainda como consequência do que se cunhou chamar de Primavera Árabe, e que eu prefiro chamar de “o Levante”, aumentou significativamente a instabilidade no Norte da África e no Oriente Médio nos últimos dias. Pessoas na rua protestando, atacando missões diplomáticas e consulados, gritando palavras de ordem contra Israel e Estados Unidos, queimando bandeiras… Enfim, a efetivação do que para alguns a “consolidação da democracia no mundo árabe/muçulmano”…

Realmente, os ventos democráticos da bela Primavera Árabe, cantada em verso e prosa em diversas partes do globo (sobretudo aqui no Ocidente), sopram com intensidade nas terras do Islã. Na Líbia, quase um ano após a deposição e execução de Muamar Kadafi, permanece o clima de insegurança, associado à disputa pelo poder em um país arrasado pela guerra civil. O fortalecimento do fundamentalismo religioso e de grupos antiocidentais culminou no ataque ao consulado dos Estados Unidos em Benghazi e no assassinato, por extremistas, do Embaixador estadunidense, Christopher Stevens, e de outros três funcionários diplomáticos, além de mais de uma dezena de feridos. Desde 1979 um plenipotenciário norte-americano não havia sido morto em serviço. O trágico evento afeta diretamente as relações entre a Líbia e os Estados Unidos, e pode mesmo influenciar a disputa eleitoral pela Casa Branca. A oposição já cobra medidas mais enérgicas de Barack Obama, que se vê em situação extremamente delicada na reta final da campanha…

Os acontecimentos na Líbia estão relacionados à onda de protestos no mundo árabe em decorrência de um vídeo produzido nos Estados Unidos e ofensivo ao Profeta Maomé. Trata-se de um vídeo de extremo, extremíssimo péssimo gosto, feito, de acordo com as autoridades americanas, por um estelionatário que ganhou notoriedade da noite para o dia com ofensas gratuitas à segunda maior religião do globo. Note-se que foi um ato isolado de um criminoso, nada tendo a ver com o governo dos Estados Unidos.

Em que pese o deplorável vídeo, não me venham com argumentos de que se tem aí uma justificativa para todos esses protestos e explosões de violência no mundo islâmico. Não, não se justificam. Se um cristão resolvesse atacar cada pascácio que fizesse uma piada deplorável contra o cristianismo, ou um judeu resolvesse agredir todo mentecapto que viesse com comentários preconceituosos e ofensivos ao judaísmo, o mundo já teria implodido… Nesse caso, intolerância não pode ser motivo para mais intolerância.

Mas, no Islã, diriam alguns, a coisa parece ser diferente… Manifestações contra representações diplomáticas estadunidenses ocorreram também em outros países de maioria muçulmana, entre os quais Bangladesh, Egito, Tunísia, Marrocos, Iêmen, Iraque e Irã, Sudão e até em Israel (sim, é assim que acontece numa democracia), porém nenhuma tão grave quanto a de Benghazi. O que se evidencia disso tudo é muito mais um pretexto que se encontrou no tal vídeo para uma explosão de descontentamento da parte de milhares de pessoas que vivem em péssimas condições. Sob a camada do protesto de motivação religiosa, estão sentimentos de revolta contra a ordem ali estabelecida e contra tudo que represente aquilo que a maior parte realmente almeja: paz, segurança para tocar a vida e, naturalmente, os benefícios do desenvolvimento. Isso é humano: ao não terem a vida que desejam (e, indiscutivelmente, os padrões econômicos e sociais da América do Norte e da Europa Ocidental são ansiados em todo o mundo), as pessoas acabam se revoltando e buscando bodes expiatórios (algo com a raposa e as uvas). Bom, mas não vou discutir psicologia de massa aqui…

Registro meu repúdio a essas manifestações. Absurdo total a agressão a representações de um país por ações de particulares… O que tem o governo dos EUA (ou da Grã-Bretanha ou o da Alemanha, que acabou de ter sua embaixada atacada no Egito) com um vídeo produzido por um pacóvio? Se assim o fosse, nós ocidentais deveríamos partir para cima de toda nação em que cidadãos se manifestassem contra o Ocidente. Sinceramente, não tenho paciência para esse tipo de coisa…

Voltando à política internacional, esses eventos podem repercutir em uma mudança de percepção dos Estados Unidos (ou da opinião pública e, consequentemente do eleitorado estadunidense) com relação à chamada Primavera Árabe. Note-se que, por exemplo, na Líbia, Egito e Tunísia, regimes seculares foram substituídos por governos sob influência fundamentalista (em alguns casos até com extremistas religiosos em sua composição) e com severas críticas a países ocidentais.

O que mudou no Egito, depois da queda de Mubarack? O país continua em crise, os militares no poder, a população protestando… Ah, sim! Mudou alguma coisa: os egípcios caminham para um governo mais extremista e hostil aos EUA e aos valores ocidentais (bom, né?). Minha viagem do próximo ano para conhecer aquele belo país do Norte da África acabou prejudicada, assim como a principal fonte de recursos do Egito, o turismo. Enfim, salvo por alguns poucos que assumiram o poder no lugar do sucessor Sadat, a tal da “democracia” conquistada na “Primavera Árabe” não beneficiou muita gente, permanecendo a maior parte da população na mesma penúria.

Também como consequência do Levante iniciado no ano passado, a guerra civil prossegue na Síria. Apesar de pressão da comunidade internacional, o regime de Damasco ainda se sustenta, particularmente devido ao apoio de russos e chineses. Como venho insistindo desde sempre, enquanto tiver as graças do Kremlin, o atual regime sírio se sustenta. E, tomando o exemplo do que já aconteceu em outros lugares, será que se teria uma Síria mais estável sem Assad? Não me parece… A queda do atual Presidente sírio só provocaria mais crise e instabilidade, e isso em uma área muito mais estratégica e sensível que o Norte da África.

Chegando ao Golfo, as relações entre potências ocidentais e o Irã têm-se agravado. Recentemente, o Canadá rompeu relações diplomáticas com Teerã (vide posts anteriores). Em nota oficial, Ottawa assinalou que o governo iraniano é “atualmente, a mais significativa ameaça à paz global à segurança no mundo”. A resposta de Teerã foi no sentido de que o Canadá tem tomado numerosas medidas para hostilizar o país dos aiatolás, acusando-se o governo canadense de “racista” e de “seguir a política sionista do Reino Unido”. Coisa boa não sairá daí…

Todos esses eventos assinalam um aumento da insegurança global. Merece atenção um possível aumento de ações terroristas contra alvos ocidentais, paralelamente ao endurecimento nas relações entre potências ocidentais e países islâmicos. A situação conflituosa pode alcançar diferentes partes do globo, inclusive regiões sem envolvimento direto com a crise, como a América Latina. É recomendável que as autoridades brasileiras estejam atentas a esses desdobramentos.

Em tempo: sei que é verão no Hemisfério Norte. Entretanto, assim como aconteceu com a primavera da democracia, o inverno do ódio infelizmente se prolonga no mundo islâmico…

 

Resultado das eleições presidenciais no Egito

A Irmandade Muçulmana ganhou a eleição presidencial no Egito! A vitória de Mohammed Morsi deu-se, entretanto, por menos de um milhão de votos (em um país de 85 milhões de habitantes). A situação é preocupante, pois há o risco de radicalização no mais importante país árabe. Segue uma análise israelense do resultado da eleição. Deixo meus comentários para mais adiante. Parei por hoje.

Despite win, Egypt’s new president will have his hands tied

The Muslim Brotherhood has won the presidency and nearly half the seats in the Egyptian parliament, but it will still have to tread lightly with its domestic and foreign policies.

Haaretz.com By Zvi Bar’el     |      Jun.25, 2012 | 2:05 AM

The commotion was expected. As soon as Farouk Sultan, the chairman of Egypt’s election committee, began reading out loud on live television the number of votes received by Mohammed Morsi, the country’s first Islamist president ‏(more than 13 million‏), the crowd stopped him with their loud shouts − some of them happy and some angry. Continuar lendo

O Egito e a incompreensível democracia

Pouco mais de um anos após o início do Levante no Egito e a queda de Mubarak, a população vai às urnas e dois candidatos se preparam para disputar o segundo turno: Mohammed Morsi, da Irmandade Muçulmana; e Ahmed Shafiq, ex-Primeiro Ministro e autoridade do regime de Mubarak. Os resultados revelam algumas coisas:

1) O baixo comparecimento da população às urnas poderia significar que os egípcios não consideram tão importante essas eleições? Ter-se-ia aí uma evidência de que, na percepção do homem comum, pouca coisa mudou ou vai mudar, independentemente de quem vier a ocupar a cadeira presidencial?

2) A Irmandade Muçulmana, apesar da vitória nas eleições parlamentares, e diante da real possibilidade de eleger o Presidente (em que pesem os menos de 25% dos votos, praticamente a mesma porcentagem do segundo colocado), não contará com apoio incondicional da população e tampouco dos demais agentes políticos, o que pode culminar em um governo frágil dentro de um modelo democrático – e os árabes não estão acostumados com governantes fracos. A alternativa pode ser uma radicalização do regime e o crescimento do fundamentalismo.

3) A reação de parte dos egípcios à escolha de  Shafiq para o segundo turno passa bem longe de qualquer exemplo de convivência com a democracia. Porem fogo no escritório do canditato e ameaçarem afundar mais o Egito no caos em uma eventual vitória de Shafiq, são sinais claros da pouca familiaridade dos egípcios com esse negócio de democracia. Quer dizer que se Morsi não ganhar não haverá governabilidade?

Morsi e a Irmandade deveriam ser os primeiros a protestarem contra o atentado aos escritórios de Shafiq, e esse tipo de reação dos apoiadores daqueles pode conduzir à vitória deste. E a frágil democracia no Egito encontra-se à prova…

BBC.CO.UK – 29 May 2012 Last updated at 00:31 GMT

Egypt presidential candidate Ahmed Shafiq’s HQ attacked

The campaign headquarters of Egyptian presidential candidate Ahmed Shafiq has been attacked. Egyptian TV stations broadcast footage of a fire at the building, in the Dokki district of the capital Cairo. Continuar lendo

Egito: fundamentalistas à frente do Parlamento

Pois é! O Speaker do Parlamento egípcio (ou seja, o Presidente do Parlamento, chefe do Poder Legislativo) será um fundamentalista islâmico, pertencente à Irmandade Muçulmana… Qual o significado disso no mais importante dos países árabes? Será que o Egito caminhará para o mesmo destino do Irã ou para o da Turquia? E como isso afetará as relações de poder na região? E as relações com Israel? O que realmente mudou depois da queda de Mubarak? É bom ficar de olho ali também…

Islamist set to be Egypt’s new parliament speaker

Reuters, 16JAN2012 – By Tamim Elyan

CAIRO (Reuters) – Leading Egyptian political parties will back a senior figure in the Muslim Brotherhood’s Freedom and Justice Party (FJP) for the assembly’s speaker, with another Islamist group and a liberal party taking the deputy posts, an FJP official said on Monday. Continuar lendo