O Irã e as ações preventivas

Esta foi publicada pelo meu amigo Marcus Reis (por sinal, recomendo efusivamente seu site – http://www.marcusreis.com).

Agora, quem ameaça “agir preventivamente” (seguindo a mais tradicional escola bushiana – nada contra a escola bushiana) é o regime de Teerã. Os iranianos realmente conseguem surpreender… Isso preocupa.

Sinceramente, às vezes acho que o maior aliado do Irã nos últimos anos foi George W. Bush e sua Política Externa. Afinal, ele conseguiu acabar com o maior adversário do regime dos aiatolás na região (Saddam Hussein), fez os preços do petróleo subirem, e permitiu que os xiitas chegassem ao poder no Iraque. Quer prova maior de amizade? E, agora, é o idealizador da doutrina que inspira Armandinho e sua trupe…

Iran threatens preemptive action

CNN.com – By the CNN Wire Staff – 2012-02-21T13:26:46Z

 (CNN) –Iranwarned Tuesday it would strike against an “enemy” threatening it if needed to protect its national interests — even if the enemy didn’t attack first.

Gen. Mohammad Hejazi, a deputy head ofIran’s armed forces, said his country “will no more wait to see enemy action against us,” according to the semi-official Fars News Agency. Continuar lendo

Ainda sobre o ataque israelense contra o Irã

Análise interessante sobre a “futilidade” de um ataque preventivo. Publicado há alguns dias, mas acho que vale a pena a leitura…

The futility of attacking Iran

Haaretz, 09FEV2012 – By Reuven Pedatzur
 

Defense Minister Ehud Barak continues to drop hints and wink when he speaks about mysterious explosions inIran.

The analysts on NBC, who quoted “senior Israeli security officials,” know exactly howIsraelplans to attackIran. The chief of staff, Benny Gantz, did not miss the opportunity they provided and told the participants in the Herzliya Conference last week: “It is important to act, to build a strong and most reliable military capacity that is skilled and ready, so that we will be prepared to operate it, if and when there is need.” Continuar lendo

Enquanto isso, em Israel…

Segue o editorial do Haaretz de hoje. Alguns diriam que a sociedade israelense está dividida quanto a uma ação contra o Irã. Difícil dizer, pois não estou acompanhando o assunto tão de perto. Daqui de longe, o que parece é que a maioria dos israelenses não desejam a solução bélica para o caso, ou pelo menos estão bastante apreensivos quanto às medidas a serem tomadas por Tel Aviv diante das provocações de Teerã…

Não parece uma boa idéia atacar o Irã (ao menos neste momento). Provavelmente, a ação armada de Israel despertaria a ira (sem trocadilhos) de muitos muçulmanos pelo mundo, talvez de alguns governos… Isso sem falar do terrorismo… Enfim, as consequências podem ser as piores… para todos. Apesar de muito difícil, a alternativa do diálogo talvez seja a mais sensata. Isso se os iranianos estiverem dispostos a conversar…

Israel must listen to U.S. warnings against Iran attack

Haaretz Editorial, 20FEV2012

Does Iran truly intend to use nuclear technology for military purposes, or do its leaders recognize that the international response to such a development could jeopardize its very survival? Continuar lendo

Assad, os russos, os chineses e os iranianos

Dois navios iranianos chegaram sábado ao porto sírio de Tartus para “auxiliar no treinamento de forças navais sírias”. Russos e chineses continuam firmes no apoio a Assad. Os rebeldes seguem combatendo o governo. Atentados são cometidos com o objetivo de desestabilizar o regime (suspeita-se de que teriam sido patrocinados pela Al Qaeda).

Não tenho comentado muito a crise na Síria. Pouco mudou nas últimas semanas. Certamente, a guerra civil evoluiu. Assad continua firme com apoio russo e chinês. A situação ali está longe de um desfecho.

Observação importante: Assad não é Kadafi. A Síria não é a Líbia. Assad conhece bem o ocidente, seu próprio povo e sabe que a Síria tem um papel estratégico para a China e, sobretudo, para a Rússia na geopolítica da região. Também sabe que se cair a coisa pode ficar muito mais complexa para todo mundo na região.

Para piorar as coisas (ou para o bem do regime sírio), as atenções das potências ocidentais estão muito mais voltadas a um outro aliado de Assad, o esquizofrênico governo iraniano, que insiste em seu programa de “armas nucleares para fins pacíficos” e nos ataques ao Ocidente.

De fato, o jogo de poder no Oriente Médio encontra-se em um momento interessante, contando com a disputa direta entre potências ocidentais contra Rússia e China em meio a insurreição na Síria e arroubos belicistas e provocativos de Teerã. 2012 promete. Sem maiores comentários.

Iranian ships reach Syria, Assad allies show support

Reuters, 20FEV2012
By Khaled Yacoub Oweis and Angus MacSwan

AMMAN/BEIRUT (Reuters) – Russia, China and Iran showed support for Syrian President Bashar al-Assad on Monday, days before an international meeting likely to pile more pressure on him to step down in the face of an increasingly bloody uprising. Continuar lendo

Israel: alerta generalizado de atentado

Meu amigo Maurício Viegas acabou de me enviar e creio ser importante publicar aqui no site. O Irã está dando passos significativos rumo à crise maior. Convém ficar de olho…

FOLHA.COM – 17/02/201211h17

Serviços secretos israelenses emitem alerta generalizado de atentados

DA EFE, EM JERUSALÉM

Os serviços secretos israelenses e o escritório de luta antiterrorista emitiram nesta sexta-feira um alerta generalizado de atentados e advertiram a população a agir com cautela em qualquer lugar do mundo.

O alerta foi divulgado por conta de informações recolhidas nos interrogatórios de vários suspeitos detidos em Bancoc e Nova Déli, informou a edição eletrônica do jornal “Yedioth Ahronoth”. Continuar lendo

Queime no mármore do inferno, Homer Simpson!

Enquanto os britânicos celebram o jubileu de diamante de sua rainha, em uma república islâmica (fruto de revolução que derrubou uma monarquia), os senhores absolutos da verdade resolveram banir os Simpsons! Sim, por mais absurdo que pareça, no Irã se proibiu a venda dos bonecos de Homer, Bart e companhia!

Faz muito sentido. Afinal, o regime dos aiatolás não tem muito com que se preocupar, né? Tenho paciência para essas coisas não…

Sobre o assunto, cito Homer Simpson:

“Não sou um homem muito religioso e nem costumo rezar, mas se houver alguém aí em cima, me ajude Superman!”

Bom, a Barbie já tinha sido banida, coitada! (não sei se mantiveram o namorado dela, talvez em uma versão barbuda parecida com Ahmadinejad – ou Armandinho, para os mais próximos – sei lá come se escreve o nome dele!). Ao menos Homem-Aranha e Superman ainda são permitidos… Surreal…

Iran Bans Simpsons Dolls: Report

By NASSER KARIMI   02/ 6/12 02:46 AM ET  AP

TEHRAN, Iran — An Iranian government-affiliated agency has banned dolls of the Simpsons cartoon characters, who join Barbie and others on a toy blacklist, an independent newspaper reported on Monday.

The report said that the Simpsons were banned to avoid the promotion of Western culture. But Superman and Spiderman were allowed, because they helped the “oppressed.” Continuar lendo

Alerta do Shin Bet: o Irã vai retaliar…

Notícia de primeira página do Haaretz: o chefe da inteligência doméstica israelense alerta sobre possíveis ataques iranianos como retaliação pela morte do cientista nuclear. A guerra nas sombras continua…

Haaretz -03.02.12

Shin Bet chief: Iran trying to hit Israeli targets in response to attacks on nuclear scientists

Yoram Cohen tells audience at a closed forum in Tel Aviv that Iran’s Revolutionary Guards are working tirelessly to attack Israeli targets abroad in order to deter Israel. Continuar lendo

Israel deve atacar o Irã na primavera, diz Panetta

Quando o Secretário de Defesa dos EUA permite que se torne pública uma informação como esta, é sinal de que a coisa tem realmente grandes chances de acontecer! Se eu fosse Armandinho ou os aiatolás colocaria minhas barbas de molho…

Panetta believes Israel may strike Iran this spring: reports

Reuters, 02FEB2012

WASHINGTON (Reuters) – Defense Secretary Leon Panetta believes there is a growing possibility Israel will attack Iran as early as April to stop Tehran from building a nuclear bomb, U.S. media reported on Thursday. Continuar lendo

Mais sobre Israel e o programa nuclear iraniano

Hoje, conversando com alguns amigos sobre a possibilidade de um ataque israelense ao Irã, um deles lembrou bem que Israel não costuma anunciar antecipadamente suas ofensivas militares. Entretanto, não é de hoje que se tem intensificado o discurso das autoridades israelenses de que o Irã deve ser contido. Parece que a opinião pública doméstica e a comunidade internacional estariam sendo “preparadas” para uma eventual medida de força comandada por Tel Aviv.

Difícil, entretanto, afirmar com segurança se o ataque contra o Irã realmente acontecerá este ano. Há que se considerar, para Israel desencadear qualquer ofensiva militar contra o Irã, os custos políticos, econômicos e, principalmente, de vidas humanas. Também a eleição presidencial nos EUA não deve ser desprezada (será que os israelenses fariam algo sem o apoio e o consentimento de seu maior aliado?).

Teerã, por sua vez, continua com as provocações. E o regime dos aiatolás, relembre-se, é uma ameaça a vários países do Golfo (inclusive Estados árabes). E uma ação israelense contra o Irã até poderia agradar a alguns governos da região…

De toda maneira, pode até acontecer um ataque israelense contra o Irã… Só que ninguém disse aqui neste site que o referido ataque não poderia se dar de outras maneiras, como um ação ofensiva cibernética ou “medidas ativas” direcionadas (usando-se forças especiais ou o pessoal da inteligência). Alternativa também seria o financiamento da oposição a Armandinho e sua turma… A coisa só esquenta por ali…

IDF chief: Iran’s nuclear program must continue to be disrupted

Haaretz.com 02FEB2011 – By Gili Cohen

Israel Defense Forces Chief of Staff Lt. Gen. Benny Gantz said on Wednesday that the threats facing Israel have increased and intensified in recent years due to regional instability. He also said that Iran’s attempts to acquire nuclear weapons must continue to be disrupted. Continuar lendo

Inteligência turca alerta sobre ataques a alvos estadunidenses na Turquia

Segundo o Haaretz, os iranianos estariam patrocinando células terroristas para promover ataques a alvos estadunidenses na Turquia, teria informado a inteligencia turca. Difícil é dizer o grau de confiabilidade dessa informação. Seria uma resposta de Teerã ao assassinato do cientista na semana passada?

Sei não, mas se a coisa continuar desse jeito (lembremos que ainda estamos em janeiro), pode ser que 2012 não acabe sem uma guerra no Oriente Médio. Isso não será bom nem para os EUA, nem para Israel e tampouco para o Irã… Não será bom para ninguém…

Haaretz – 17.01.12 – By Avi Issacharoff

Report: Iran planning attacks on U.S. targets in Turkey

According to Turkish Zaman daily, a cell of the Quds Unit of Iran’s Revolutionary Guard is planning to attack U.S. embassy in Ankara. Continuar lendo

A Índia, o Irã e o petróleo

Só por curiosidade, segue artigo sobre as relações entre Irã e Índia no setor do petróleo.

Iran-India Oil Relations

FRIDAY, JULY 22, 2011
Mahnaz Zahirinejad
PhD in International Studies, Jawaharlal Nehru University, India & Expert on Indian Affairs

Introduction

Iran is one of the biggest players in the world energy market with a wealth of over 11.1 percent of global oil reserves or 132 billion barrels of proven oil and 970.8 trillion cubic meters of gas resources.

Although Iran is an oil power, this product accounts for about 80 percent of the country’s total exports and 42.5 percent of the government’s revenues. Therefore, overreliance on oil revenues has turned the Iranian economy heavily dependent on petrodollars. Meanwhile, since Iran’s oil industries have not been renovated in the past years, petrochemical industries have not been properly developed and domestic energy consumption has been constantly on the rise, the country’s oil production has been falling and it has had to import oil products. Continuar lendo

Para onde vai o petróleo do Irã?

Esta é uma contribuição de minha amiga, Carmen Lícia Palazzo. Achei, realmente, muito interessante, pois é possível ter uma visão geral das exportações de petróleo iranianas.

Observação 1: apesar de 22% das exportações de petróleo do Irã serem para a China, isso representa algo em torno de 10% das importações chinesas do produto (ademais, a China busca alternativas, inclusive aqui na América do Sul e, naturalmente, na África). O mesmo acontece com Japão e Coréia do Sul, para onde os iranianos exportam 14% e 10% de seu petróleo, respectivamente.

Observação 2: a Índia é cliente importante, com 13% do petróleo exportado. Um dado que não está no gráfico é que as importações do Irã representam apenas 8% do petróle0 importado pelos indianos. O Irã é 0 13 parceiro comercial da Índia.

Observação 3: os europeus não dependem tanto do petróleo iraniano, mas não podem simplesmente desprezar essas reservas. E claro que vão querer algo em troca se suspenderem as importações do Irã.

Observação 4: last, but not least, a Rússia não importa petróleo do Irã (claro, pois é um dos grandes produtores). Isso quer dizer que as relações entre os dois países não estão baseadas nesse produto (apesar de um embargo ao petróleo iraniano interferir nos preços internacionais e, naturalmente, nas exportações de petróleo russas – o que, dependendo da situação, pode até ser interessante para Moscou). Que fique claro, portanto, que o apoio russo a Teerã se dá por outras razões mais que devem ser consideradas.

Lindsay: Where Iran exports oil

Editor’s Note: Dr. James M. Lindsay is a Senior Vice President at the Council on Foreign Relations and co-author of America Unbound: The Bush Revolution in Foreign Policy. Visit his blog here and follow him on TwitterContinuar lendo

Declaração oficial do Ministro das Relações Exteriores do Irã responsabiliza a CIA pela morte do cientista

A provocação continua. O que surpreende é a insistência iraniana em afrontar os EUA e seus aliados (inclusive o por eles chamado “Estado sionista”) e continuar testando os limites da diplomacia… Será que se sentem tão seguros de si ou certos de que Washington resistirá às provocações? Repito, a acusação é grave, sobretudo vindo de uma autoridade pública.

Iran sends rare letter to U.S. over killed scientist

Reuters, 14JAN2012, 12:30pm EST – By Parisa Hafezi

TEHRAN (Reuters) – Iran said on Saturday it had evidence Washington was behind the latest killing of one of its nuclear scientists, state television reported, at a time when tensions over the country’s nuclear program have escalated to their highest level ever.

In the fifth attack of its kind in two years, a magnetic bomb was attached to the door of 32-year-old Mostafa Ahmadi-Roshan’s car during the Wednesday morning rush-hour in the capital. His driver was also killed. Continuar lendo

A guerra de nervos em torno do Irã

Dessa vez,  a análise Lukyanov diz respeito à tensão crescente envolvendo o Irã. Comenta, inclusive, o artigo da edição de janeiro/fevereiro de 2012, que propões expressamente que atacar o Irã é “the least bad option“. Gostei, particularmente, do seguinte comentário:

This is a psychological war. Both sides are playing a game of brinksmanship, hoping that they will not have to act on their threats.

Atenção especial à análise sobre o equilíbrio de forças e os interesses na região do Golfo Pérsico. Concordo com Lukyanov de que os EUA não estão dispostos a uma outra guerra depois de dez anos de Afeganistão e Iraque, bem como que Teerã joga contando com o apoio russo e chinês (o problema é até quando Moscou e Pequim permanecerão garantes das provocações do regime dos Aiatolás).

Recomendo, especialmente a meus alunos de Relações Internacionais.

RIA Novosti

Uncertain World: The war of nerves around Iran

15:36 12/01/2012

The January/February 2012 issue of the magazine Foreign Affairs features an article with the shocking title: Time to Attack Iran: Why a Strike Is the Least Bad Option. It is indicative of the current mood and may set the tone for the rest of the year. Continuar lendo

Russos acusam Israel de incentivar os EUA contra o Irã

Notícia com acusação grave, divulgada em um dos principais jornais israelenses. Ainda tentando entender o que há por trás da declaração do assessor de segurança nacional de Putin (os russos têm, os americanos têm, o Brasil não tem um assessor de segurança nacional junto ao Presidente, só para constar…) e da publicação da matéria no Haaretz…

Haaretz – 12.01.12
By Reuters and Eli Shvidler

Israel is pushing U.S. toward Iran war, Russian official says

Nikolai Patrushev, head of the Kremlin’s Security Council, warns Iran could retaliate by blocking oil shipments from the Gulf.

Russia fears Israel will push the United States into a military conflict with Iran which could retaliate by blocking oil shipments from the Gulf, a confidant of Prime Minister Vladimir Putin said on Thursday. Continuar lendo