A Capital da Copa (ou a cidade que consagrou a seleção)

Ontem a seleção brasileira jogou em Brasília! E o resultado foi o melhor da Copa até o momento, em um jogaço contra Camarões. No Mané Garrincha, estádio que leva o nome de um dos maiores ídolos do futebol de todos os tempos, contou muito o 12º jogador: a torcida verde-amarela aqui da capital.  Não tinha como não se emocionar com a calorosa acolhida que os brasilienses (de nascimento e de coração) deram aos jogadores e a todos que vieram a nossa amada cidade assistir a Brasil x Camarões. A seleção também sentiu isso, com muita garra fez o 4 X 1, e agradeceu à torcida, cujo grito de guerra logo no início foi: “o campeão voltou!” Sim, e voltou nos braços dos brasilienses! Brasília faz muito bem para a seleção!

Pois é! E os jornalistas do mundo inteiro, e os turistas de toda a parte, puderam conhecer um lado geralmente esquecido da bela capital brasileira: uma cidade bem organizada, de gente ordeira e amistosa, uma cidade que pulsa como coração do Brasil. Sim, porque Brasília não é a cidade dos burocratas ou dos políticos (eles até vivem aqui, mas não são a cara da nossa gente).  Brasília tem muito mais que burocratas de terno e políticos… tem um povo feliz e trabalhador, que gosta de se encontrar no churrasco do domingo, nos bares da cidade, que se acostuma em viver em blocos no meio do verde e do azul, que se emociona com o pôr do Sol mais lindo do planeta… É um povo de diferentes origens e de diferentes sotaques, que se orgulha de morar no lugar com a melhor qualidade de vida do Brasil. Essa é a gente de Brasília!

No jogo de ontem, senti muito orgulho da seleção. Mas senti muito mais orgulho de ter nascido e de viver em Brasília! Senti orgulho de ser brasiliense (ou candango, como prefiro me identificar, sempre rendendo a justa homenagem àqueles que, como meus pais, vieram de diferentes partes do Brasil para ajudar JK a tornar o sonho em realidade). Minha cidade é linda! Minha cidade é acolhedora! Minha cidade é única! Minha cidade é Brasília!

Segue um artigo do NY Times em que se comenta o quão surpreendente é Brasília. Só discordo de algumas opiniões de entrevistados, que falam de nossa cidade como fria e isolada. E, ao contrário do que diz alguém na reportagem, sim, em Brasília você pode encontrar samba (vá ao Cruzeiro ou a Sobradinho), boa cerveja (não temos esquinas, mas temos muitos barzinhos por todo o DF!), e também futebol (seja com nossos clubes do Periquito ou do Brasiliense, seja com a maior concentração de flamenguistas em relação à população, e de botafoguenses, e de vascaínos, e de corintianos, e palmeirenses, e atleticanos, e cruzeirenses, e gremistas, e colorados, e de gente que torce por todos os grandes clubes do Brasil – afinal, todo mundo em Brasília tem ao menos dois times do coração!). Brasília mostrou ontem que tem futebol sim, e que tem alegria, beleza, e simpatia! Brasília tem isso e tem muito mais!

Quem quiser conhecer nossa capital, seja muito bem-vindo! Brasília está sempre de braços abertos!

Brasília, a Capital City That’s a Place Apart

A slackline devotee practicing near the National Congress in Brasília, one of the host cities for the World Cup. An admirer said the city was “like 120 college campuses lined up next to one another.” SERGIO PEÇANHA / THE NEW YORK TIMES

 By DAVID WALDSTEIN

BRASÍLIA — The Brazilian flag reads, “Ordem e Progresso” — “Order and Progress” — which is somewhat curious in this wonderfully jumbled and beautiful country. For an outsider who has visited the samba-infused nightclubs of Rio de Janeiro, the Amazonian jungle or São Paulo, with its ramshackle favelas and snarled traffic, order is not what springs to mind.

Until you arrive in Brasília.

In a country known for its flair for improvisation, Brasília stands in jarring contrast, a city so orderly, it is hard to believe it is really in Brazil.

Continuar lendo

A Copa do Mundo e a mais nefasta forma de violência

copaFalta menos de um mês para o mundial de futebol do Brasil, tido como “o maior espetáculo da terra!”. Muitos brasileiros vão comemorar, e milhares de estrangeiros virão desfrutar as maravilhas desta terra! Mas entre as “maravilhas” pelas quais o Brasil é conhecido no exterior está oferta fácil de sexo e, pior, a prostituição de crianças e adolescentes. E com aquiescência ou ao menos a falta de atenção de nossos governantes para com essa barbaridade.

Das diferentes formas de violência, a violência contra crianças é a mais execrável. E quando se chega à violência sexual contra pequenos, os efeitos são os piores e o impacto do abuso é duradouro. Afinal, tem-se um hipossuficiente em um dos polos, alguém muito mais frágil e indefeso que o adulto, e sem qualquer condição de reagir contra o abuso. Tenho desprezo e repulsa por adultos que se prestam a ter relações sexuais com crianças. E, sinceramente, acho que a punição para esses monstros deve ser dura e implacável.

Infelizmente, a mesma sociedade que acha que um criminoso homicida de 17 anos deve ser tratado como menor infrator e não pode ser punido por seus atos aceita com leniência e permissividade a prostituição de uma menina de 12 anos. Escuta-se argumentos do tipo “pode ter 16 anos, mas já tem corpo de mulher!” ou, pior, “se é prostitua nada tem de inocente, apesar dos seus 13 anos!”, ou, ainda, “se for consentido, tudo bem… uma menina de 12 anos já sabe o que quer!”… São encontradas as justificativas mais repugnantes para a o abuso…

ninasputasUsualmente, o perpetrador desta violência no Brasil não distingue classe social: do operário da construção civil que na hora do almoço procurar uma menina para saciar seu desejo ali perto mesmo da obra, ao homem público, o magistrado e o “chefe de família exemplar” que procura casas de prostituição especializadas ou “compra” uma garota de 10 anos em alguns lugares do País. E tudo fica bem. E no fim do dia esses “homens de bem” voltam para suas casas e beijam suas esposas e filhas… Isso me enoja.

Com a Copa do Mundo, a clientela se amplia: estrangeiros virão em busca do prazer fácil com a inocência. A matéria do portal de notícias chileno chama atenção para o problema: “As meninas putas do Mundial do Brasil” é o título da reportagem, que relata a condição das meninas de várias cidades brasileiras que se prostituem e esperam ansiosas os dólares que virão com os jogos. E, lembra o repórter, com certa aquiescência do governo brasileiro (e eu diria que da sociedade também).

prostituicaoinfantilAté quando seremos o país da violência, da corrupção, da pedofilia e das putas? Talvez até que o brasileiro resolva lutar pela defesa de suas crianças, nosso bem mais precioso como nação, pela valorização da dignidade da pessoa humana e pela recuperação de valores que se fundam na família e na proteção ao indivíduo com “ser humano”. Pessoas não podem ser tratadas como peças de carne que se compra em açougue.

Precisamos de mudança. Isso exige uma transformação social e de mentalidade. Mas parece que os tomadores de decisão, e os nossos formadores de opinião não estão nada preocupados com isso: todos querem uma Copa do Mundo de festa e alegria. O problema é que, para muita gente, essa festa envolve drogas, sexo e violência. Está aí um legado que ficará do Mundial de 2014…

bunda+brasil1

Seguem a reportagem de “El Mostrador” e um vídeo sobre o assunto.

Las niñas putas del Mundial de Brasil

“Espero tener mucho trabajo con los aficionados al fútbol”, sostiene Thais, de 16 años. Planea cobrar 23 dólares, cuatro veces más que el precio actual.

por EL MOSTRADOR, 22 DE MAYO DE 2014

Hace un tiempo, el gobierno brasileño retiró de circulación una pieza de una campaña en redes sociales sobre enfermedades de transmisión sexual, en la que una mujer declaraba “soy feliz siendo prostituta”. Fue emitida en el marco del Día Internacional de la Prostituta.

Pese a la censura, se espera que la prostitución aumente a medida que se acerca la Copa Mundial de la FIFA en 2014. Especialmente, la prostitución infantil. Continuar lendo

Brasil, terrorismo e grandes eventos

Brasil-rota-do-terrorismoHá alguns anos tenho registrado minha preocupação com a possibilidade de atentados terroristas na Copa do Mundo, Olimpíadas e outros grandes eventos que o Brasil sediará.

Espero, sinceramente, que ao final disso tudo, minhas preocupações tenham sido infundadas. De toda maneira, temos que nos preparar, como sociedade e como Estado, para situações ruins sem precedentes. Melhor prevenir do que depois ficar chorando o leite derramado.

Segue entrevista nossa ao blog Brasil no Mundo do portal da Revista Exame sobre terrorismo e grandes eventos. Esse interessante blog é do jornalista Fábio Pereira Ribeiro, estudioso das questões de segurança e inteligência.

Exame.com 03.05.2014 – 21h22

Terrorismo: Preocupação para o Brasil?

Mais uma vez o Brasil teve sua imagem atrelada a possíveis vínculos terroristas. Claro que com situações duvidosas, mas a lógica pode trazer preocupações e atenções para o processo de segurança internacional e defesa nacional do país.

Na semana retrasada aconteceu uma ofensiva contra terroristas da Al Qaeda no Iêmen. O evento que causou a morte de 15 soldados e 12 terroristas, na verdade apresentou um fato muito conhecido da comunidade de inteligência internacional, o uso de passaportes brasileiros em operações criminosas e terroristas. Ainda sem dados oficiais, entre os 12 terroristas mortos, pelo menos um foi identificado como brasileiro, mas ainda não existem provas de que o terrorista morto é brasileiro, ou se estava utilizando um passaporte brasileiro falsificado ou roubado.

Perante a comunidade internacional, o Brasil não é tido como um país com ligações terroristas, além de baixas probabilidades de conexões e ofensivas em seu território, mas na verdade já há algum tempo o Brasil tem apresentado preocupações aos serviços de inteligência, pois os altos indicadores do crime organizado em território nacional e os diversos problemas de segurança nas fronteiras, geram problemas efetivos para conexões mais acirradas com diversos organismos terroristas, principalmente Al Qaeda e Hamas.

Por sinal, em 2011 a Revista Veja fez uma longa matéria sobre o tema de atuação de células terroristas no Brasil, que por sinal, aproveitam das enfraquecidas estruturas de segurança pública para o desenvolvimento e conexão de ações terroristas que possam se “alimentar” do dinheiro do narcotráfico e do próprio contrabando de armas. http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/exclusivo-documentos-da-cia-fbi-e-pf-mostram-como-age-a-rede-do-terror-islamico-no-brasil

Uma das maiores preocupações para analistas internacionais e analistas de inteligência em relação ao Brasil, está no fato do país ter uma série de fraquezas institucionais, considerando corrupção política, fraqueza nas instituições de segurança pública, avanço do crime organizado, falta de uma Política Nacional de Inteligência, fraqueza institucional na contra-espionagem (por parte do governo e não do operador), facilidades para lavagem de dinheiro, contrabando de armas, narcotráfico crescente, operadores criminosos em conexão com redes terroristas, entre outros fatores que trazem preocupações ao sistema de inteligência. E devemos considerar, por mais remoto que possa parecer, dois grandes eventos internacionais em curto espaço de tempo.

O terrorismo é uma realidade da história universal, mas lógico que no caso brasileiro não devemos ter paranóia sobre o problema. A grande questão está no fato do Brasil, ou pelo menos a sociedade brasileira, não dar a devida atenção considerando a perspectiva estrutural para combater o problema de forma positivada através da lei. E também, que a lei anti-terror não se confunda com crimes que possam desencadear problemas políticos. Aí no fim, tudo vira terrorismo ou possibilidade para guerra civil.

O Blog EXAME Brasil no Mundo conversou com o especialista em inteligência e relações internacionais, o professor Joanisval Gonçalves, sobre o tema terrorismo e Brasil.

Joanisval Gonçalves é Doutor em Relações Internacionais, especializado em segurança e inteligência. Advogado, é também Professor universitário e Consultor Legislativo do Senado Federal. Possui diversas publicações nas áreas de segurança e inteligência, com destaque para os livros Atividade de Inteligência e Legislação Correlata (Niterói: Impetus, 3a edição, 2013) e Político e Espiões: o controle da atividade de inteligência (Niterói: Impetus, 2010). É responsável pelo blog Frumentariuswww.frumentarius.com . https://www.facebook.com/joanisval.goncalves?fref=ts

Brasil no Mundo: Aprovar uma Lei Anti-Terrorismo no Brasil gera algumas contradições. Primeiro, qual a definição real e prática de terrorismo no conceito de Estado no Brasil, e segundo, se falamos em terrorismo falamos automaticamente em serviços de inteligência, e considerando que o país ainda não definiu sua Política Nacional de Inteligência, na verdade trabalhamos com uma norma desconexa com as práticas de defesa e segurança. Como você vê este cenário?

Joanisval Gonçalves: Certamente, tratar de terrorismo não é algo simples. Há diversas definições de terrorismo, não existindo consenso a respeito de uma definição geral sobre essa prática. Afinal, o que para uns é terrorista, para outros é chamado de “combatente da liberdade”. O que é importante ter em mente é que o terrorismo envolve o uso da violência contra alvos indiscriminados (na maior parte das vezes) com o objetivo de causar pânico e influenciar um processo decisório (geralmente político). No Brasil ainda não existe uma definição legal de terrorismo. No Congresso Nacional tramitam alguns projetos de lei a respeito. Assim, ninguém pode ser preso por terrorismo no Brasil hoje.

No que concerne à relação com a Inteligência, sem dúvida é com Inteligência que se previne, detecta, neutraliza e combate o terrorismo. Infelizmente, no Brasil de hoje parece haver um completo desinteresse do Governo em inteligência. Não há investimentos em nossos serviços secretos, e o trabalho dos profissionais de inteligência brasileiros é visto com preconceito e ignorância, o que é péssimo para o Estado democrático. Essa falta de atenção do Governo em inteligência também fica evidente pela ausência de uma Política Nacional de Inteligência (PNI), documento de extrema importância e norteador das ações de nossos serviços secretos, inclusive na prevenção ao terrorismo. Apreciada pelo Poder Legislativo em 2010, desde aquele ano a PNI permanece pronta para ser publicada pela Presidente da República.

Brasil no Mundo: Na sua opinião, o Brasil tem a ameaça real de Terrorismo? Ou a Lei é mais um instrumento de controle político da sociedade considerando o momento atual e o próprio ano de 2014?

Continuar lendo

Risco de terrorismo na Copa

Quem me mandou a matéria foi minha amiga Iva Fonseca. Não é de hoje que tenho chamado atenção para o problema. E o problema não é só a Copa, mas todos os grandes eventos que teremos no Brasil nos próximos anos. Será que vamos esperar que um novo Munique 1972 aconteça por aqui? Ainda estamos muito vulneráveis…

Para os interessados, a Intelpro promove treinamento em contraterrorismo e inteligência. Para acessar a Intelpro e conhecer nossos serviços, clique aqui.

Folha, 17/11/2011

PF vê elevado risco de terrorismo na Copa

Chefe da Polícia Federal em SP diz que presença de autoridades estrangeiras no país aumenta chance de ataque. Em entrevista à Folha, Roberto Troncon Filho também defendeu o uso de algemas em operações policiais

FLÁVIO FERREIRA, SILVIO NAVARRO, DE SÃO PAULO
 

A Polícia Federal trabalha com o cenário de “risco elevado” para atos de terrorismo na abertura da Copa de 2014, quando os olhos do mundo estarão voltados para a capital paulista.

Essa é a avaliação do superintendente da PF em São Paulo desde maio, o delegado Roberto Troncon Filho, 49, especializado no combate ao crime organizado desde 2004.
Em entrevista à Folha, o chefe do órgão em São Paulo também critica alterações no projeto de lei sobre lavagem de dinheiro e defende o uso de algemas em operações.
Leia trechos da entrevista. Continuar lendo

%d blogueiros gostam disto: