Os EUA e o Afeganistão

Mais um artigo excelente, enviado por minha amiga Carmen Lícia.

Já se vai uma década de guerra no Afeganistão. E, como aconteceu ao último invasor que também passou dez anos por lá, o conflito continua indefinido. Os EUA parecem ainda não ter aprendido a lidar com a situação.

Sempre que penso no Afeganistão, lembro-me que, logo nos dias que se seguiram ao 11/09/2001, o Congresso dos EUA aprovou uma dotação incial de U$ 40 bilhões para a ação militar contra o Talibã. De lá para cá, calcula-se que a intervenção ali (e, se não me engano, com a guerra no Iraque) já tenha consumido U$ 1 trilhão dos cofres estadunidenses.  Fico imaginando que se esse montante tivesse sido empregado em programas (sérios) de desenvolvimento, redução de pobreza e crescimento da economia afegã, não teria dado melhores resultados para minar a influência talibã junto à população. Tudo bem, pode ser ingênuo o comentário, mas sempre pensei nisso…

De toda maneira, o Afeganistão, indubitavelmente, não é para amadores…


November 6, 2011
SNAPSHOT

Why the Haqqani Network is The Wrong Target

To Save Afghanistan, Deal With the Taliban

Seth G. Jones
SETH G. JONES is a Senior Political Scientist at the RAND Corporation and the author of the forthcoming book Hunting in the Shadows: The Pursuit of Al Qa’ida Since 9/11 (W.W. Norton).The Haqqani network has become the bête noire of the United States in Afghanistan. This fall, it participated in a number of high-profile attacks on U.S. soldiers, the U.S. embassy, and NATO headquarters in Kabul. And on October 29, it was involved in a spectacular suicide attack against an armored military bus in Kabul that killed at least nine Americans. In response, U.S. officials have vowed to punish the organization, which is based in Pakistan’s North Waziristan. Outgoing chairman of the Joint Chiefs of Staff, Admiral Michael Mullen, bluntly noted in a September Senate Armed Services Committee hearing that the Haqqani network “has long enjoyed the support and protection of the Pakistani government and is, in many ways, a strategic arm of Pakistan’s Inter-Services Intelligence (ISI) agency.” And senior Pentagon and White House officials recently threatened to act unilaterally against the Haqqani network in Pakistan, including with drones, if Islamabad does not cut ties with the network. Continuar lendo