Tags

, , , , , ,

É surpreendente a quantidade de baboseiras que as pessoas falam sobre o 11-11-2011! Abertura de portais, emanações das mais diferentes forças, momento para se conectar com outros planos e com seres tão etéreos quanto a imaginação possa conceber… Tudo isso dentro de uma gigantesca onda de esoterismo fashion, fútil e perdido! Isso me faz lembrar as palavras de Albert Einstein (este sim um místico de fato, apesar de poucos conhecerem essa faceta do gênio), que dizia que só acreditava em duas coisas infinitas: o universo e a estupidez humana… mas que não tinha certeza quanto à infinitude do universo!… E o pior é o incentivo dos meios de comunicação a todo esse besteirol pseudo-esotérico!

O dia 11/11 sem dúvida deve ser lembrado, só que por outro motivo. Essa data, nunca esquecida em muitas partes do globo, evoca a lembrança do 11/11/1918, quando começou a vigorar o armistício que pôs fim ao maior de todos os conflitos pelos quais a humanidade havia passado até então: a I Guerra Mundial, também chamada de “A Grande Guerra”. Foram cerca de 10 milhões de soldados mortos de diferentes nacionalidades, religiões, convicções políticas, e outros 7 milhões de civis, além de milhões de feridos e inválidos. Nações civilizadas que se digladiaram e mostraram sua face mais bárbara. Colheitas perdidas em campos onde o que cresceu durante anos foram apenas as papoulas que brotavam da terra onde se encontravam os corpos dos milhares que caíram por força de bombas, tiros ou baionetas… Cidades inteiras destruídas. Impérios que se esfacelaram. Enfim, um mundo que mudou tão intensamente em quatro tenebrosos anos como nunca se pudera prever! E as seqüelas se prolongaram para muito além daquele novembro de 1918, chegando mesmo a nossos dias. Com a Grande Guerra, acabou uma era e outra teve início.

O 11/11 é uma data especial, uma data que deve ser sempre lembrada em tributo daqueles milhões de seres humanos que sacrificaram sua juventude e a própria vida nos campos de batalha da Europa e do mundo. E ao final deste dia, que se possa dedicar alguns minutos de reflexão e meditação por todos que pereceram nas diversas guerras dos últimos 100 anos.

Segue um artigo de Jamal Khokhar, Embaixador do Canadá no Brasil, publicado hoje no Correio Braziliense, sobre o Dia da Lembrança.  

Dia da Lembrança

Jamal Khokhar, Embaixador do Canadá no Brasil

Hoje é um dia significativo para o Brasil e o Canadá, assim como para os outros países junto aos quais continuamos a lutar para defender a paz e a liberdade. No Canadá, o Dia da Lembrança surgiu como forma de comemorar o fim das duas guerras mundiais e de batalhas travadas desde então. É um dia para prestar homenagem a todos aqueles que lutaram para defender nossos ideais e, ao fazê-lo, pagaram com a própria vida. Valorizar os sacrifícios feitos por dezenas de milhares de cidadãos corajosos nos faz lembrar o custo da democracia.

Ambos os países participaram da Segunda Guerra Mundial — em que o Brasil foi o único país da América Latina a se juntar às forças aliadas na Europa. Tropas brasileiras e canadenses desempenharam papel vital na campanha de 20 meses das tropas aliadas no Mediterrâneo que levou à libertação da Itália, em 1944. Dos 25.334 soldados que deixaram o Brasil para lutar na Europa, ao lado dos aliados, 467 não voltaram. Centenas desses pracinhas foram sepultados na Europa, marcando presença na Segunda Guerra, um dos mais sangrentos conflitos da humanidade. O Canadá perdeu 44.893 soldados nessa guerra.

O sacrifício de tantas vidas canadenses e brasileiras reflete os valores da paz, da liberdade e da justiça, que são tão caros para nossas sociedades. Segundo o escritor Rubem Braga, correspondente de guerra na Itália, o soldado inglês é um tommy, o francês é um poilu, e o brasileiro é um pracinha. Diz-se que, na guerra, a ação de um único soldado expressa a determinação de toda a sociedade.

Na Itália, o Brasil — como o Canadá e os outros aliados — pagou um tributo elevado para que a liberdade e a democracia viessem a prevalecer. Em memória desses heróis nacionais, nossos dois países possuem cemitérios na Itália — que servem para preservação da memória dos nossos patrícios. O cemitério brasileiro, próximo à cidade toscana de Pistoia, deixou de guardar os restos mortais dos soldados da Força Expedicionária Brasileira ainda na década de 1950. Esses pracinhas foram transladados para o Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro. Mais de 5.900 canadenses mortos na Itália foram enterrados em 17 cemitérios — o principal deles é o Cemitério Agira, no centro da Ilha da Sicília.

Cabe a nós garantir que seu sacrifício e sua bravura não sejam esquecidos e que o legado de lutar por valores tão importantes continue hoje no empenho por um mundo mais democrático — com cidadãos corajosos que arriscam as vidas para ajudar.

Lembramos também os 22 funcionários das Nações Unidas que morreram no atentado com um caminhão-bomba em Bagdá, em 2003, incluindo o representante especial da Organização das Nações Unidas no Iraque, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello. Sua morte foi uma perda para toda a comunidade internacional. Nossos pensamentos estão igualmente com as famílias dos 17 militares brasileiros e de outros mortos no Haiti, incluindo o diplomata Luiz Carlos da Costa, o segundo no comando, igualmente morto a serviço da ONU.

Trabalhando juntos para enfrentar as transformações do século 21, com a nossa forte e crescente cooperação, continuamos a lutar pela paz, pela segurança e pelo desenvolvimento. Por isso, quando a presidente Dilma e o primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, se encontraram em Brasília, em agosto deste ano, concordaram em incentivar parcerias nas quais o Canadá e o Brasil cooperem para promover a paz no âmbito da ONU — como no Haiti.

O Brasil e o Canadá estão discutindo a possibilidade de estabelecer tropas canadenses sob o comando brasileiro na Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah). O Canadá já tem oficiais destacados no Haiti sob o comando brasileiro do general Luiz Eduardo Ramos.

Para homenagear esses sacrifícios, o Canadá, a cada ano, realiza um evento especial com os pracinhas, em Brasília. Este ano, mais uma vez trouxemos um tocador de gaita de foles do Canadá para se unir aos gaitistas do Batalhão da Guarda Presidencial. Na Embaixada do Canadá há um monumento único — um cenotáfio consagrado — que existe para lembrar nossos soldados mortos, nossos colegas e nossos veteranos. Esquecer, jamais! É a força da nossa luta comum para defender e promover a paz no mundo inteiro que irá assegurar nossos países, nossos povos e nossos valores compartilhados.

Anúncios