Tags

, , , , , , ,

Devo escrever alguma coisa sobre a fracassada experiência republicana (que de republicana pouco tem) mais tarde… De toda maneira, para começar este dia de luto pelo golpe de 15 de novembro de 1899, segue texto publicado no site causa imperial. Recomendo a quem queira refletir um pouco sobre o assunto. Para aqueles que acham ridícula a causa monárquica e preferem a republiqueta personalista anarco-sindicalista, bem, não leiam; este site não é para vocês! E continuem com suas convicções (só tenho que lamentar…)!

Res-publica?

               Faz mais de cem anos que a República foi imposta através de um golpe militar!

                Digamos que nestes cem anos, como se estivéssemos num laboratório, pudemos coletar dados suficientes para uma análise acurada das instituições republicanas.

                Será que após cem já somos capazes de responder a questão: _ A República funcionou?

                Bem, parece que o teste do tempo e a análise histórica nos permitem responder com segurança que a República fracassou vergonhosamente em todos os níveis de análise.

                O povo não confia mais nas instituições, nos políticos e nos poderes constituídos.

                Os índices econômicos melhorados artificialmente não refletem a realidade social catastrófica de um país onde são assassinados 50 mil cidadãos a cada ano.

                Os níveis de corrupção são alarmantes. A Transparência Internacional deu nota 3,8 ao Brasil no ano 2011. Trata-se de uma escala de 0 a 10, sendo 10 o valor atribuído ao país percebido como menos corrupto. Nunca se viu governostão corruptos como estes, ditos republicanos. Somente do Mensalão o jornalista Ivo Patarra (http://www.escandalodomensalao.com.br/indice.php) enumerou 473 dias ininterruptos de noticias relacionadas ao escândalo. Isto sem contarmos todos os outros escândalos que fazem as manchetes da mídia a cada semana.

                Em um pronunciamento feito em Brasília, durante a Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente  (http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/07/dilma-diz-que-nao-e-com-o-pib-que-se-mede-uma-nacao.html) Dilma afirmou:

“Porque uma grande nação, ela deve ser medida por aquilo que faz para suas crianças e para seus adolescentes. Não é o Produto Interno Bruto, é a capacidade do país, do governo e da sociedade de proteger o que é o seu presente e o seu futuro, que são suas crianças e adolescentes”.

                Bem, parece que querendo fugir do fiasco de um PIB em decrescimento, sua excelência apelou para algo mais incomodo. O Mapa da Violência 2012(http://www.mapadaviolencia.org.br/), publicado alguns dias após a fala da presidente, indica um aumento de 376% nas agressões (homicídios) contra jovens e adolescentes entre 0 e 19 anos. Estranhamente estes valores correspondem ao período da chamada redemocratização, ou seja, os últimos 30 anos, nos quais governos de esquerda tomaram conta do país.

O Brasil é um país de analfabetos funcionais e ocupa o 53º lugar em educação, entre 65 países avaliados no exame internacional, o PISA. (http://www.brasilescola.com/educacao/educacao-no-brasil.htm). Se o que fazemos aos nossos jovens define a grandeza de um país, está claro que não chegamos sequer a nos classificarmos como um país medíocre!

                Ainda pior, podemos afirmar que a cada novo governo republicano, perdemos milhões com obras inacabadas, projetos abortados e mudanças nas estruturas de comandodos ministérios e estatais.

                Não temos um projeto nacional, não temos unidade de ação e carecemos de um projeto de longo prazo que responda às necessidades do conjunto da população. O que temos hoje é o projeto de um partido que instrumentalizou o estado e quer implantar uma ditadura de esquerda, controlando os agentes políticos, econômicos, judiciários e a mídia nacional. E mais grave, um partido que se acredita habilitado para estabelecer uma “nova” moral ou moralàs avessas, capaz de dizer o que é certo ou errado, bom ou mal!

                Este partido, calcado em uma ideologia materialista e hedonista, age de maneira calculada e objetiva para intimidar as forças morais do país, age para destruir a influência cristã que fundamentou os valores morais da nação brasileira e implanta aceleradamente leis e normas que contrariam não somente o bom senso, mas os valores milenares do cristianismo.

                Estamos na proximidade de uma catástrofe moral sem precedentes.

                A República apresenta um saldo extremamente negativo. Devemos discutir outras possibilidades de regime politico, pois uma conclusão se impõe: a República faliu e ameaça levar consigo o que resta dos valores e das forças positivas da nação brasileira. Se não reagirmos, seremos tragados por este imenso vendaval de corrupção e imoralidades. É hora de agirmos! É hora de gritarmos alto e bom som“Independência, ou morte”!

                Cesar S Santos, Colaborador da Causa Imperial.

http://www.causaimperial.org.br/?p=1726

Anúncios