Tags

, , ,

Aproveitando que tratamos de defesa aérea no dia de hoje, segue matéria, também do Inforel (se você não conhece o Inforel, não sabe o que está perdendo), sobre as novas aquisições de nossa Força Naval. A Marinha do Brasil pretende comprar três navios patrulha britânicos. É pouco. Em tempos de insegurança global e de pré-sal, convém que um país das dimensões marítimas do Brasil invista mais em sua marinha. Atualmente, nosso situação não é das melhores… E, convém lembrar, armadas não se improvisam…

Marinha assina contrato para compra de navios patrulha britânicos

02/01/2012 – 12h18

Brasília – A Marinha do Brasil assinou um contrato de 133 milhões de libras esterlinas com a BAE Systems para a compra de três navios de patrulha oceânica e serviços de apoio. A informação é da empresa britânica.

De acordo com a BAE Systems, o contrato prevê ainda a licença de fabricação. Isso significa que o Brasil poderá construir navios da mesma classe. A empresa se comprometeu em fornecer todas as informações relevantes sobre o projeto e fabricação do equipamento.

Os navios têm 90 metrose foram construídos para o governo de Trinidad e Tobago. Dois deles serão entregues neste ano e o terceiro em 2013.

Eles irão prover a Marinha de capacidade marítima até que sejam adquiridos os navios previstos no PROSUPER, programa de aquisição de navios de superfície.

De acordo com Andrew Davies, diretor administrativo da Divisão Marítima da BAE Systems, “este é um passo significante para o nosso relacionamento com o país. Os Navios de Patrulha Oceânica são embarcações altamente capazes e tenho certeza de que serão um ativo extraordinário para a Marinha do Brasil”.

Davies revelou que a empresa está ansiosa para trabalhar com a Marinha brasileira. Para a BAE Systems, a parceria deve ser de longo prazo com o Brasil.

“A aquisição destes três Navios de Patrulha Oceânica da BAE Systems será uma importante contribuição tanto para nossa habilidade em prover segurança e proteção para as Águas Jurisdicionais brasileiras quanto para a entrega dos nossos compromissos com a Autoridade Marítima Brasileira”, explicou o Contra-Almirante Francisco Deiana, Diretor de Engenharia Naval da Marinha do Brasil.

Segundo ele, “esta aquisição não muda o escopo do PROSUPER, nosso programa de aquisição futura de navios que também inclui outros cinco Navios de Patrulha Oceânica de 1.800 toneladas a serem construídos no Brasil”.

Os Navios de Patrulha Oceânica são capazes de ultrapassar a velocidade de 25 nós e pesam 2.200 toneladas quando totalmente carregados.

Também conta com um canhão de 30mm e duas metralhadoras de 25mm, bem como convés de vôo para operar helicóptero e um bote inflável rígido e são ideais para a realização de funções de segurança marítima nas águas territoriais do Brasil.

Projetados para acomodar uma tripulação de até 70 pessoas, com espaço adicional para 50 tropas embarcadas ou passageiros e amplo convés para armazenagem de contêineres, as embarcações também são eficazes para busca e salvamento e operações de socorro.

Anúncios