Tags

, , ,

Já estou sem paciência com esse bando de brasileiro postando mensagem de “golpe no Paraguai” e fazendo manifestações em apoio a Lugo. Sinceramente, o homem até demorou a cair…

Não há que se falar em golpe: Lugo foi impedido de continuar no poder pela via constitucional e sem intervenção das Forças Armadas (que até se comportaram muito bem, obrigado). Vejam bem: na Câmara, ele teve apenas um voto a seu favor e no Senado a maioria esmagadora dos senadores foram pelo impeachment (ou seja, o cidadão não tinha o menor apoio no Parlamento!)…  Quem assumiu foi o Vice legitimamente eleito (como manda a Constituição)… Certo, o processo se deu à velocidade da luz… Mas se os paraguaios quiseram assim…

Ademais, no dia seguinte, a calma já havia voltado ao país. O próprio Lugo aceitou sua deposição – ponto para ele, que evitou uma grande crise interna que poderia acabar em sangue. Nesse sentido, gostei muito do discurso de despedida, que revela que os valores cristãos ainda prevalecem no homem político – sim, uma vez sacerdote, sempre sacerdote…

Quem mais gritou contra a saída de Lugo estava fora do Paraguai e não era paraguaio. Muita gente está falando de golpe sem qualquer noção do que diz…

Também não vejo com bons olhos essas iniciativas no âmbito do Mercosul (sim, ainda existe o Mercosul) e da Unasul (Una-o-quê?) condenando o novo governo em Assunção. Parece-me pretexto para intervenção em assuntos internos do Paraguai.

Bom, acompanhamos os desdobramentos… Já estou esperando o monte de críticas e blá-blá-blá sobre esses meus comentários. Desculpem, mas é assim que vejo a situação e quem não gostou que vá reclamar em outra freguesia… Foi só um desabafo.

Paraguai deve ser suspenso do Mercosul e da Unasul, diz fonte

Reuters Brasil – domingo, 24 de junho de 2012 17:20 BRT

SÃO PAULO, 24 Jun (Reuters) – O Paraguai deve ser suspenso do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) após o impeachment do então presidente do país, Fernando Lugo, disse uma fonte de alto escalão do governo brasileiro à Reuters neste domingo.

Segundo essa fonte, que falou sob condição de anonimato, o governo brasileiro têm mantido contato com autoridades de outros países da região e acredita-se que existe um consenso para a suspensão do Paraguai na semana que vem, para quando está marcada uma reunião de cúpula do Mercosul em Mendoza, na Argentina.

“O ponto é transformar este novo governo (paraguaio) em um pária”, disse a fonte à Reuters.

Na sexta-feira o Senado do Paraguai decidiu por ampla maioria aprovar o impeachment de Lugo, sob acusação de não ter cumprido suas funções adequadamente no episódio em que 17 sem-terras foram mortos num confronto com a polícia.

No mesmo dia o então vice-presidente, Federico Franco, jurou como novo chefe de Estado. Em nota divulgada na noite de sábado, o Itamaraty condenou o que chamou de “ruptura da ordem democrática” no país vizinho e avaliou que Lugo não teve garantido amplo direito de defesa, já que o processo de julgamento político havia sido aberto na quinta-feira.

Segundo a fonte do governo brasileiro, o embaixador do país em Assunção, chamado de volta para consultas, não deve retornar ao Paraguai. Essa autoridade disse ainda que o Brasil não pretende romper completamente suas relações com o Paraguai por conta de interesses brasileiros no país, como a usina hidrelétrica binacional de Itaipu.

A fonte disse ainda que o governo brasileiro não manterá contatos com Franco e manterá sua tradição de atuar no caso por meio de organismos multilaterais.

Essa estratégia, segundo essa autoridade, tem o objetivo de abrir um precedente que deixe claro a gravidade das consequências de fatos como o ocorrido no Paraguai.

Especificamente, a meta é garantir que nada parecido aconteça em outros paises, como Bolívia e o Peru.

“Essa é uma reação institucional que mostrará aos outros as consequências negativas de uma medida agressiva como essa”, completou a fonte.

(Reportagem de Brian Winter)

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE85N01R20120624

Anúncios