O Patriarca

Se ele tivesse vivido nos Estados Unidos, já teria sido tema de minissérie, filme épico e até seriado com várias temporadas. José Bonifácio de Andrada e Silva foi um sujeito extraordinário, e uma das figuras mais marcantes de sua época. Cientista, estadista, soldado, poeta, nascido em Santos, em 1763, Bonifácio veio de uma família portuguesa abastada, estudou na Europa e, no Velho Mundo, tornou-se funcionário renomado do Estado, cientista reconhecido internacionalmente e professor na respeitada Universidade de Coimbra (que criou uma cátedra em Metalurgia para ele).

Sim, o naturalista José Bonifácio é um cientista de escol da Época dos Luzes. Em suas pesquisas, descobriu quatro minerais (quatro!), incluindo a petalita, que mais tarde permitiria a descoberta do elemento lítio, e a andradita, batizada em sua homenagem. Dedicou-se à mineralogia, percorrendo a Europa, em projeto financiado pela Coroa portuguesa, para adquirir, “por meio de viagens literárias e explorações filosóficas, os conhecimentos mais perfeitos de mineralogia e mais partes da filosofia e história natural”. Conheceu grandes homens das Ciências, como Lavoisier, Chaptal e Jussieu.

O brilhantismo como cientista só seria superado por seu talento como homem de Estado. Estava em Paris nos primeiros anos da famigerada Revolução Francesa (e viu que aquilo não era bom). De volta a Portugal, continuou no serviço público, ocupando cargos importantes no Reino. E quando seu país foi invadido pelas forças de Napoleão, alistou-se no Exército, e criou o Corpo de Voluntários Acadêmicos para combater os franceses.

Em 1819 retornou ao Brasil, e logo se tornou próximo do Príncipe Dom Pedro. Seria seu mais fiel conselheiro, e, nessa condição, um dos artífices da Independência. Era amigo próximo também da Princesa e futura Imperatriz Leopoldina, que via nele uma figura paterna e, ao mesmo tempo, um intelectual de alto nível com quem a Arquiduquesa da Ástria, ela própria um mulher de grande inteligência e conhecimento, podia conversar em pé de igualdade. Era dele uma das cartas que chegaram a Pedro no 7 de setembro de 1822, recomendando o rompimento dos laços com Portugal (ainda que Bonifácio, a princípio, não fosse simpatizante dessa separação).

No Brasil independente, foi importante Ministro do Império, ocupando a Pasta do Interior e dos Negócios Estrangeiros. Com isso, contribuiu sobremaneira para a construção no novo Estado que surgia.

De fato, devemos muito a José Bonifácio o projeto nação que se estabeleceu por ocasião da independência. Da concepção de “império” a aspectos essenciais da nacionalidade, e, ainda, da organização do Estado, tudo isso teve a participação daquele que se tornaria o Patrono de nossa Independência.

Foi constituinte em 1823, e sua atuação naquela Assembleia acabou levando-o a entrar em atrito com o Imperador. Assim, com a dissolução do corpo constituinte, Bonifácio cairia em desgraça junto a Dom Pedro, e seria exilado na França, entre 1823 e 1829.

De tão valoroso que era, José Bonifácio viria a reatar com o Imperador. E o vínculo dos dois mostrou-se tão efetivo que, ao abdicar em 1831, Dom Pedro escolheu Bonifácio para ser o tutor de seu filho e herdeiro, o menino que o monarca deixava como tesouro mais precioso aos brasileiros ao partir para o exílio. Assim, Dom Pedro II teria em Bonifácio uma referência paterna. Com a Regência Trina Permanente, foi destituído de seu cargo de tutor do futuro Imperador e acusado de conspirar pelo retorno de Dom Pedro I. Terminaria seus dias afastado da vida pública, vindo a falecer na Ilha de Paquetá, em 1838.

O Patriarca da Independência, primeiro Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, foi um homem livre e de bons costumes, uma referência de integridade, coragem e zelo pela coisa pública. Seu apreço pelo Brasil e sua preocupação em tornar o País uma grande nação deveriam ser de todos conhecidos, e sua memória reverenciada. Oxalá tivéssemos mais homens públicos como José Bonifácio!

Aproveito para deixar a indicação de mais um livro, rico opúsculo da Professora Therezinha de Castro, que escreve sobre José Bonifácio e a unidade nacional. Aprendi muito com essa obra, não só sobre o Patriarca, mas sobre o Brasil em seus primeiros anos.

3 respostas em “O Patriarca

  1. Antigo professor. Acho que estudei em uma classe sua de Relações Internacionais em 2007. Tenho o livro sobre o Tribunal de Nuremberg até hoje.
    ótimo texto sobre o bom e velho Bonifácio

Deixe uma resposta para Jackson Wesley Lopes Barreiros Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s