38. Pequeno grande homem (05/12/2014)

Vossos filhos não são vossos filhos. 
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma. 
Vêm através de vós, mas não de vós. 
E embora vivam convosco, não vos pertencem. 
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos, 
Porque eles têm seus próprios pensamentos. 
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas; 
Pois suas almas moram na mansão do amanhã, 
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho. 
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós, 
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados. 
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas. 
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força 
Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe. 
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria: 
Pois assim como ele ama a flecha que voa, 
Ama também o arco que permanece estável.
Gibran Khalil Gibran

 

Os místicos sabem que, pelas leis cármicas, uma família é brindada com filhos essenciais para seu aprendizado. Certas escolas ensinam que a personalidade-alma escolhe o lugar e a família em que pretende encarnar. Assim, cada filho é uma benção, uma oportunidade de crescimento para os pais, e um ser para com o qual se deve ter toda responsabilidade. Não é à toa que os chamamos de “presentes de D’us”.

Fui abençoado com o nascimento dele, com sua escolha de nascer no seio de minha família. E ele veio e se mostrou como o ser humano mais maravilhoso que conheci em toda minha existência. É inteligente, amigo, companheiro, alegre, sábio, responsável e nobre. Impressiona quantas qualidades podem se acumular em uma criatura tão jovem e pequena.

Desde bem criança, já demonstrava uma preocupação com o outro que falta a muitos adultos. Sua sensibilidade para com a dor e o sofrimento alheios surpreendem. Sempre alegre e paciente, percebi nele também equilíbrio e senso de responsabilidade pouco comuns entre os da sua idade. E é de uma bondade cativante – não por acaso, seu nome em hebraico significa “D’us é bondoso”.

Também é um sujeito que gosta de gente. Ainda bem pequenininho, falava com todo mundo e tinha usualmente um elogio que deixava a pessoa completamente seduzida. É popular entre os colegas. Relaciona-se bem com todos. Lembro-me quando foi escolhido, com 4 ou 5 anos, para representar São José no Auto de Natal de sua turminha da escola. Sorrio sempre que me recordo da imagem do “meu São José” chegando em Belém, puxando Nossa Senhora em um cavalinho de madeira, e saudando a todos que assistiam à apresentação, enquanto caminhava pelo palco: “Oi, tudo bem?”, “Como vai?”, tchauzinho para cá, tchauzinho para lá, representou de maneira pouco usual o São José bíblico.

Teria sido também sua popularidade a causa de uma namoradinha da escola – tinha duas, conta ele (de nomes iguais para evitar confusão, creio) – ter decidido não querer mais nada com ele. “Ela disse que eu falo com todo mundo e por isso não quer mais saber de mim! Tudo bem.”, comenta com uma tranquilidade que só é possível aos justos e de coração puro.

Claro, como toda criança, adora brincar. Sempre gostou de máquinas, desde bem pequenininho: carros, naves, aviões, transformers. E monta coisas com lego que eu jamais conseguiria (e que, de fato, ainda hoje me são impossíveis). Já disse que quer ser cientista quando crescer, trabalhar na NASA (“na NASA, papai, não na BRASA”), para projetar foguetes e, em suas próprias palavras, “módulos espaciais”. Quando pergunto se quer ser astronauta, responde de pronto: “não, astronauta não. Quero ser projetista de sondas espaciais”. Esse é meu garoto.

Meu garoto já é um grande homem. E meu amor por ele é incondicional, assim como o respeito que tenho por este ser de grande luminosidade. Os filhos deveriam aprender com os pais, mas sou eu que aprendo a cada dia com ele. Teria ainda muitos episódios para contar aqui, mas deixo para outra ocasião.

Faltam palavras, então serei sucinto e encerro agora. Só o que posso dizer é que nunca vi ninguém com espírito tão elevado. A 3 dias de meus 40 anos, posso assegurar, incontestavelmente, que ele é a maior benção de minha vida. Agradeço ao Criador por me permitir ser o pai dessa grande alma.

Joao1

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s