32. Seu Olavo e Dona Marieta (29/11/2014)

Cânone 872. Ao batizando, enquanto possível, seja dado um padrinho, a quem cabe acompanhar o batizando adulto na iniciação cristã e, junto com os pais, apresentar ao batismo o batizando criança. Cabe também a ele ajudar que o batizado leve uma vida de acordo com o batismo e cumpra com fidelidade as obrigações inerentes.
Código de Direito Canônico

Se na vida pública e profissional nunca tive padrinhos, o batismo católico me abençoou com duas pessoas muito amadas: Seu Olavo e Dona Marieta, meu padrinho e minha madrinha.

Padrinhos são de grande importância na vida de qualquer pessoa. Devem ser escolhidos com muito carinho e atenção. Afinal, são eles que, na ausência dos pais, assumem a missão dos genitores junto ao afilhado. Extrapolando-se as determinações canônicas, os padrinhos são os pais substitutos, os pais em duplicidade. Isso deve ser considerado na escolha dos padrinhos, pois eles também transmitem valores e são responsáveis pela formação da pessoa.

Eu tive a felicidade e ter Seu Olavo e Dona Marieta como padrinhos. Minha madrinha é irmã mais velha de mamãe. Vivem em Caxias, mas sempre me senti muito próximo de ambos – a Santa Kabalah ensina que a distância entre pessoas não se mede por critérios espaciais, mas sim pela afinidade de pensamento e, se pudéssemos desenvolver essa ideia, pelos valores e pelas crenças comuns. Então, mesmo a quase dois mil quilômetros de distância, meus padrinhos estiveram próximos a mim nessas quatro décadas.

Seu Olavo, nascido no Ceará (como meu pai), foi ainda muito jovem ganhar a vida em Caxias/MA. Lá conheceu minha madrinha, casaram-se e tiveram uma bela prole de cinco filhos, acrescida por sobrinhos que foram criados como filhos após o falecimento de meu tio Walter e sua esposa Irene, em um acidente de carro nos anos setenta. Aí está uma primeira lição que me ensinaram: o amor incondicional e o carinho, sem qualquer diferenciação, com que criaram seus filhos naturais e adotivos.

Sempre vi meu padrinho trabalhando, e duro, para sustentar a família. Nunca o vi se queixando da labuta… Ao contrário, o bom-humor de Seu Olavo é singular: continuamente tem uma tirada interessante, um comentário apropriado para algo que veja na TV ou no quotidiano. É um excelente observador das pessoas e de seu comportamento. Meu padrinho, de fato, é um homem sábio, e o admiro muito pela maneira como ele vem encarando a vida nestes 83 anos e três pontes de safena. Sim! 83 anos! Mas transmite uma vitalidade de garoto – talvez pela paz interior e pela alegria com que encare a vida.

Sobre Dona Marieta, o que primeiro posso dizer é que ela é, sem qualquer sombra de dúvida, minha segunda mãe (que, junto com Dona Conceição e a Rosa, formam um triunvirato materno, certamente benção de Nossa Senhora)! Minha madrinha é também uma grande referência para mim: coração gigante, carinho incondicional, uma mulher forte, sábia e muito trabalhadora. Interessante sobre Dona Marieta é que ela também trabalhava fora de casa, como funcionária dos Correios (coisa pouco usual para uma mulher de sua geração). Mas entre as melhores recordações que tenho de minha querida madrinha estão os sábios conselhos, as orações diárias por mim, a caridade com que cuida dos pobres em Caxias, e o amor incondicional a seu afilhado.

Batalhando muito, meu padrinho e minha madrinha criaram seus filhos e netos, e tiveram uma descendência feliz. A casa deles está sempre cheia de gente: filhos, netos, bisnetos, amigos, agregados, afilhados. A mesa, posta todo o tempo, e as portas da casa abertas para acolher quem necessite de conforto – é como as antigas “casas do caminho”, que acolhiam todos os peregrinos cansados em busca de conforto físico e espiritual.

Tenho muito orgulho de ser afilhado de Seu Olavo e Dona Marieta. Certamente, esses meus primeiros quarenta anos de vida foram mais especiais porque os tenho como padrinhos. A nove dias de meu aniversário, meu beijo carinhoso a meu amado pai e a minha amada mãe em duplicidade!

20190121_090234

Uma resposta em “32. Seu Olavo e Dona Marieta (29/11/2014)

  1. Transcendental!
    Consegui tocar o céu ao ler tão lindas palavras vindas do seu coração.
    Ler é muito bom, porém ler algo tão profundo sobre nossos pais é sublime, é sensacional.
    Você é muito especial para mim, e sua escrita toca minha alma.
    Muito obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s