31. Tocada à direita, ponto à esquerda (28/11/2014)

Sans le duel, on ferait de l’escrime tranquillement.
Jules Renard

Dorival Caymmi morreu com 94 anos. As tartarugas, se não forem devoradas por predadores ou vitimadas pela poluição dos oceanos, costumam viver mais de um século. Os atletas, entretanto, antes dos 30 já estão a fazer cirurgia ou em recuperação por alguma lesão fruto de suas atividades. E o coelho, bicho hiperativo, morre com 5 ou 6 anos (anos felizes, de prole numerosa, mas 5 ou 6 apenas). Isso me leva a concluir que esporte é prejudicial à saúde. O corolário é que nunca fui afeito a práticas desportivas.

Houve, porém, um esporte que pratiquei com gosto. Não foi futebol, pois, como já disse, corro em linhas e ângulos retos e meu sentido de autopreservação me impediria de ficar no gol levando bolada, razão pela qual também evitei vôlei, basquete, handball e todas essas práticas violentas que, ainda por cima, exigiam coordenação com uma equipe de pessoas sempre mais competentes que eu e que acabavam irritadas pela minha inabilidade na quadra ou em campo. Sobravam-me, assim, os esportes individuais e de baixa probabilidade de lesão, nos quais só dependeria de mim mesmo: natação, tiro e esgrima!

fencing-6

Esporte fascinante é a esgrima. Prática aristocrática, elegante e exigente em termos físicos e mentais. De fato, além de carregar tradição, requer habilidade, concentração e preparo físico. Apesar de não ter preparo físico e habilidade, a concentração e a tradição levaram-me a procurar esse belíssimo esporte olímpico.

Eram meados da década de 1990. Não sei como, mas fui parar na Casa do Ceará, onde davam aulas de esgrima. O Mestre D’Armas, Evandro Oliveira, já havia passado pela Academia da Força Aérea, era um sujeito de grande talento e tentava trazer de volta o esporte tradicional, airoso e requintado para a capital federal. Além disso, Evandro era um sujeito de boa conversa e foi muito receptivo. Resultado: cheguei e fiquei.

Com poucos recursos, nosso grupo de esgrima se divertia bastante. Praticamente não tínhamos sala d’armas na Casa do Ceará. Montávamos as pistas e dividíamos o espaço com o pessoal da capoeira, que também praticava Jiu-Jitsu, e que chegava depois e devia achar no mínimo estranho aquele bando de malucos de branco batendo lâminas… Nosso tempo ia até eles precisarem do espaço para começar a aula. Éramos pontuais e disciplinados. E, claro, não era de bom alvitre contrariar o pessoal da capoeira, que também praticava Jiu-Jitsu.

O grupo da esgrima era bacana. Éramos poucos, mas nos divertíamos muito! Em média, tínhamos a mesma idade e gostávamos dos mesmos assuntos além da nobre arte. Alguns tinham um quê de “nerdismo” acima da média. Mas estava valendo! A maioria de nós não se preocupava em ganhar competições, tampouco em se profissionalizar. Queríamos nos divertir e jogar esgrima. Claro, grandes amizades também dali sairiam, algumas que perduram duas décadas depois.

escrimearmes

Não fiquei muito tempo na esgrima. Tive que me afastar por alguns meses, e acabei não voltando a praticar. O pessoal se mudou para a AABB, com uma boa sala d’armas, e depois tomou outros rumos. Evandro, merecidamente, alçou novos voos. Sua disciplina e extrema competência o levariam à posição de técnico de nossa seleção brasileira, o que nos orgulha a todos.

Também fazíamos bons churrascos, porque ninguém é de ferro. Seguem fotos do churrasco de 1997, em comemoração a nosso brassard amarelo. Foi na casa do Evandro. Sempre boas festas!

A 10 dias de meu aniversário, tomo consciência de que preciso praticar algum esporte por questão de saúde – é isso ou a morte lenta. Os coletivos estão fora de cogitação. Lutas, bem, não gosto de apanhar. Sobram a natação (está em meu planos), o tiro (que já pratiquei, mas que acaba sendo um pouco complicado neste país onde não deixam os cidadãos andarem armados, para a alegria dos vagabundos), e minha querida esgrima! Opa! Taí uma boa idéia!

Continuo fascinado pela esgrima. Continuo com bons amigos daqueles tempos. E tenho esperança de voltar a jogar – claro que apenas por diversão e para melhorar a saúde. Quem sabe em 2015, com 40 anos.

[Em tempo: em 2019, Evandro mudou-se com a família para os Estados Unidos, onde prepara novas gerações para o tradicional esporte. Eu, bem, ainda não voltei a praticar esgrima…]

20141102_155125-1

20141102_155109-1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s