12. Meus avós (09/11/2014)

Uma geração contará à outra a grandiosidade dos teus feitos; eles anunciarão os teus atos poderosos.
Salmos, 145:4

20141101_193013-3-1-1Faltam 29 dias para meu aniversário!!! Na sequência das crônicas de meus quarenta anos, o texto de hoje é dedicado a meus avós.

Avós são fundamentais na vida de qualquer criança. Quando se tem a oportunidade de ter os quatro junto, a felicidade é certa.

Tive pouco contato com meus avós. Os paternos não conheci. O pai de meu pai, José Jacob Gonçalves nasceu em 1864 (ano em que o Paraguai atacou o Império do Brasil, iniciando a maior guerra que a América do Sul já vivenciou). Sim, meu avô paterno é da segunda metade do século XIX e papai é o penúltimo filho de seu segundo casamento. Minha avó paterna, Dona Carminda, também não conheci, pois faleceu nos anos cinquenta (bom lembrar que, quando nasci, papai já tinha 42 anos). O que sei sobre eles é que meu avô era lavrador e vovó cuidava da casa. Sertanejo, analfabeto, Seu José Jacob deixou para os filhos dois grandes legados: a honra (pois sem ela um homem não é homem); e longevidade (sim, porque vovô viveu até quase cem anos, e tenho tios e tias que alcançaram um século de vida). De Dona Carminda, por sua vez, a lembrança que meu pai nos conta era de uma mulher de fibra que amou e criou seus filhos com dignidade. Gostaria de tê-los conhecido.

Da parte de mamãe, pude conhecer, ainda que brevemente, meus avós: Sother e Isabel (Sidoca). A lembrança que tenho de Vovô Sother é de um homem sério, inteligentíssimo (apesar de não ter completado o ginasial, lia muito, e tinha um vasto conhecimento das coisas do mundo).

Vovô Sother sempre foi o patriarca de um clã que, como disse, rendeu muitos bons frutos. Ao fechar os olhos e pensar no meu avô, vem-me à cabeça ele sentado em uma cadeira de balanço, cabelos completamente brancos, e um livro ou um jornal nas mãos. Como eu era o mais novo dos netos, sentia com ele um vínculo muito forte.

Já de vovó Sidoca, creio que nascida em 1912, típica avó, gordinha, simpática e uma cozinheira de mão cheia, a recordação que tenho é de um grande sorriso, e de amor e carinho incondicionais! Pena que a conheci pouco, pois faleceu quando eu tinha uns cinco ou seis anos, vítima do diabetes. Vovô partiria algum tempo depois, deixando uma saudade e um vazio nos sete filhos, nas dezenas de netos, e naquele garotinho em particular que adorava quando chegavam as férias e podia ir a Caxias encontrar o avô, que era uma grande referência.

Não tenho muito mais o que dizer de meus antepassados. Mas o que sei é que sinto muito orgulho de trazer comigo essa herança genética de homens e mulheres fortes, honrados e amorosos. É fascinante pensar que cada ser humano é o resultado de milhares e milhares de anos de evolução e carrega consigo no DNA um legado de homens e mulheres que remonta o início dos tempos. Há que se honrar os antepassados! E a melhor maneira de fazê-lo, creio eu, é preservando a memória dos que o antecederam conduzindo-se com a retidão que justifique honre toda a corrente que veio antes.

Já filosofei muito! Fotos de Vovô Sother e Vovó Sidoca.

Em tempo: amo o nome de meu avô! Sother, em grego, significa Salvador. Acho tremendamente forte e significativo. Queria muito ter dado a meu filho o nome de João Sother, mas a mãe o vetou…

20141101_193036-1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s