Kai-dafi ou não kai-dafi? E o Levante chega à Líbia…

Façam suas apostas: quanto tempo o Cauby Peixoto da Líbia se agüenta no poder?
Chegou a vez de Kadafi? Aguardemos as venas dos próximos capítulos… De toda maneira, é bom assinalar que o ditador Líbio reage aO Levante de forma muito mais violenta e agressiva que nos outros países. Tenta negar que haja qualquer protesto contra ele, culpa o grande Satã por tudo e até afirmou que quem estava insuflando o povo nas ruas não eram líbios, mas sim “agentes israelenses”…  Proibiu a imprensa estrangeira de trabalhar na Líbia, e diz que dará a vida (de quem?) para defender “a Revolução” e permanecer no poder. Em termos de conduta violenta, Kadafi lembra muito o comportamento de Saddam Hussein no auge do poder no Iraque. 

“Muamar Kadafi não é o presidente, ele é o líder da revolução. Ele não tem nada a perder. Revolução significa sacrifício… Não tenho cargo para renunciar. Tenho minha arma, meu rifle para lutar pela Líbia.” Muammar Kadafi

Que ninguém se engane: em que pese aquela aparência de estrela pop decante, o coronel Kadafi é tudo menos idiota. E ainda conta com muita gente que lhe é fiel. Em suma: o Levante na Líbia pode ser marcado por muito mais violência e repressão que nos outros países árabes.

Segue matéria do G1, de hoje:

Kadhafi afirma que ainda é ‘chefe da revolução’ e que não deixará a Líbia

Ditador ameaçou manifestantes e prometeu lutar ‘até última gota de sangue’.
Repressão a protestos contra o governo deixou centenas de mortos no país.

Do G1, com agências internacionais

 

O ditador Muammar Kadhafi “amaldiçoou” nesta terça-feira (22) os responsáveis pelos protestos de rua contra o seu governo, que paralisam o país desde 15 de fevereiro, e criticou os países “árabes e estrangeiros” que estariam tentando desestabilizar a Líbia.

Em um tom raivoso, gesticulando e apontando o dedo para o alto, ele disse que ainda é o “chefe da revolução” no país, que governa desde 1º de setembro de 1969 após um golpe de estado, e disse que deixar a Líbia “não está entre as suas opções” e que pretende morrer no país.

“Muammar Kadhafi é o líder da revolução, sinônimo de sacrifícios até o fim dos dias. Este é o meu país, de meus pais e antepassados”, disse.

Muammar Kadhafi durante discurso nesta terça-feira (22) (Foto: Reprodução de vídeo)

“Morrerei como um mártir na terra de meus ancestrais”, afirmou, em um longo discurso televisionado pela TV estatal, e aparentemente improvisado, feito possivelmente em frente a um prédio bombardeado por aviões norte-americanos no ataque de 1986.

O coronel, de 68 anos, culpou EUA e Reino Unido pela orquestração dos protestos, que já provocaram centenas de mortes no país, e disse que a Líbia já resistiu antes às investidas das potências e que resistiria novamente.

 

Ele também pediu que seus partidários vão às ruas a partir desta quarta-feira (23) para enfrentar os “ratos” e “mercenários” que protestam contra o regime e “garantir a segurança” nas cidades do país.

“Eu vou lutar até a última gota do meu sangue, com o povo da Líbia por trás de mim”, disse.

O ditador também ordenou que o Exército e a polícia “tomem controle” da situação e afirmou que os “manifestantes armados” que querem transformar a Líbia em um “Estado islâmico” e podem ser punidos com a pena de morte.

Ele afirmou que ainda “não usou violência” na repressão aos protestos, mas ameaçou começar a fazê-lo, ameaçando dar uma resposta semelhante à ocorrida em Tiananmen (massacre da Praça da Paz Celestial, na China) e Fallujah (no Iraque), em que manifestantes pró-democracia foram massacrados.

“O povo líbio está comigo”, disse.

Kadhafi criticou a imprensa estrangeira que cobre os protestos, que, segundo ele, estaria “trabalhando para o diabo”.

Kadhafi não havia feito nenhuma declaração oficial desde o início das manifestações contra o regime.

Ele fez apenas uma breve aparição pública na madrugada desta terça para desmentir os boatos de sua fuga para a Venezuela.

Mortes
A repressão dos protestos apenas na capital da Líbia, Trípoli, causou ao menos 62 mortos em Trípoli desde domingo, afirmou nesta terça a organização de defesa dos direitos Human Rights Watch (HRW) com base em dados recebidos de dois hospitais da capital.

Como apenas dois hospitais foram ouvidos, o número poderia aumentar.

A entidade, com sede em Nova York, também confirmou relatos de que policiais e militares atiraram indiscriminadamente contra manifestantes.

À frente do país desde 1969, o coronel Kadhafi está pressionado após a violenta repressão a protestos populares contra o seu governo, que deixaram centenas de mortos.

Não há informação oficial dos dados sobre vítimas, que são frequentemente contraditórios.

A própria HRW disse, na segunda, que pelo menos 233 pessoas tinham morrido em confrontos nas cidades do interior. A Federação Internacional dos Direitos Humanos afirmavam que poderia haver entre 300 e 400 mortos.

Diplomatas, líderes tribais e líderes religiosos deixaram de apoiar Kadhafi nos últimos dias e pedem sua saída.

Situação caótica
A situação em várias cidades do país é caótica, segundo vários relatos.

O lado líbio da fronteira egípcia estava sob controle de rebeldes armados com cassetetes e fuzis Kalashnikov, que saudaram visitantes vindos do Egito, relatou um correspondente da Reuters que atravessou a fronteira, entrando na Líbia.

Soldados líbios na cidade de Tobruk disseram que eles não apoiam mais Kadhafi e confirmaram que o leste do país está fora do controle do governo. Moradores afirmaram que a cidade está agora em mãos do povo e vem sendo assim há três dias.

As manifestações se espalharam para Trípoli, partindo de Benghazi, a segunda maior cidade do país e berço da revolta, e já chegou a várias cidades. Moradores de Benghazi dizem que a cidade agora está sob controle dos manifestantes.

Um líbio que não pôde ser identificado disse ao correspondente da Reuters em território líbio que Benghazi foi “libertada” no sábado de um batalhão pertencente a um dos filhos de Kadhafi.

Os combates em Benghazi teriam sido interrompidos nesta terça, pois seus habitantes temem a possibilidade de bombardeios, segundo testemunhos feitos por telefone à France Presse.

As operações em três portos de carga no Mediterrâneo -Benghazi, Trípoli e Misurata- foram fechadas em decorrência da violência no país, disseram fontes do setor de navegação.

Os combates explodiram no leste produtor de petróleo da Líbia na semana passada, em uma reação a décadas de repressão e após levantes que derrubaram líderes na Tunísia e no Egito, e depois chegaram a Trípoli.

Repercussão
O secretário-geral do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), Abdel Rahman Attiya, lançou um apelo nesta terça aos países árabes e islâmicos e à comunidade internacional para que “o genocídio” do povo líbio seja detido.

Em um comunicado, o secretário do CCG – que reúne Bahrein, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Omã, Qatar e Kuwait – denunciou “as violências perpetradas pelo regime contra o povo líbio”.

Attiya pediu “uma ação árabe, islâmica e internacional para apoiar o povo líbio que enfrenta um verdadeiro genocídio”.

A Jordânia, por sua vez, exigiu o fim “imediato” do “banho de sangue” na Líbia.